Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de  20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP. Intitulado “Meu Outro Lado”, na obra, o rapper procura resgatar a mística da música angolana, prestando homenagem a artistas do período áureo do Rap comencial angolano. À Carga, Rigoberto Torres apresentou as suas convicções e aproveitou para projectar o seu próximo álbum. 


Nasceu em 2000 e, com certeza, não sentiu o mesmo impacto das músicas dos artistas que homenageia. Como é foi possível fazer esta homenagem?
Como apreciante de música dos anos 90 até aos anos da primeira década de 2000, mesmo não tento vivido e sentido das músicas de Gutto e dos Warrant B tal como outras gerações sempre que ouço músicas desses artistas, sinto uma espécie de “deja vu”. É um bocado complicado explicar e estranho de perceber, porque apesar de eu não viver, estas músicas evidenciam um lado meu que demonstra amor ao RnB e Rap feito naquela altura e com este EP, pretendo mostrar ao mundo um bocado das músicas que fizeram parte da lapidação do artista que sou hoje. 


No ano passado apresentou o seu primeiro projecto, falo da mixtape Úniko. De que forma é que este trabalho o ajudou a conceber o EP Meu Outro Lado ?

Ajudou-me a fazer uma análise mais minuciosa sobre como conceber boa música. Pude fazer uma introspecção do que entregar aos meus apreciadores e como entregar, como estrututar melhor as músicas para transmitir, de forma correcta, aquilo que pretendo. A Mixtape ÚNIKO foi mais uma obra para deixar claro aos meus apreciadores que eu estou aqui, que existe um Rigoberto, que é um rapper único pela forma como escreve os seus versos, demonstra sua métrica. foi mais para demonstrar que na nova geração ainda existem bons rappers. Já a minha nova obra, tende a mostrar o meu outro lado, que é um Rap mais melódico, fazendo jus ao seu título. 


Qual é a mensagem subjacente neste trabalho?

Este trabalho conta uma história que se consegue perceber se o EP for ouvido pela ordem que nós colocamos e não ouvido de forma aleatória. História esta que foi contada em instrumentais com swings diferentes, diversificando assim o EP sem fugir do conceito principal.


A aproximação ao Ritchielly, o tipo de abordagens que levanta, faz-nos pensar que quer resgatar a mística do Hip Hop angolano. É mesmo isso que quer?
É exatamente isso que pretendo, porque hoje em dia a nova geração não é levada muito a sério, porque maior parte das músicas não tem um conceito que se torne intemporal para o consumo dos ouvintes. 

O título “O Meu Outro Lado”, remete à ideia de que não é o Rigoberto que se quer conhecer… Quer explicar melhor o  título?
Exactamente. Nós rappers normalmente não desenvolvemos outras faces, limitamo-nos apenas à nossa maneira de cantar, muitas “barras”, e com um tom meio agressivo. Este lado meu, mostra que, para além do que já faço, consigo fazer também um rap mais cantado, um rap mais melódico. Não sou propriamente um cantor de RNB, nem tenho uma voz totalmente apurada para tal, mas consigo fazer boas melodias e cantar com um tom mais suave. 

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

Sinopticamente, de que é feito este EP?

Resumidamente, o EP é feito de samples de músicas de alguns dos grandes artistas que a nossa indústria já conheceu, desta forma estaremos a perpetuar o legado desses artistas com um toque mais moderno.

Participações de V Lex, Slim Boy, Papekas e Jackes Di, com vozes adicionais da Sofia Ferraz.  Por que não juntou nomes já consagrados?
Juntei alguns dos artistas que aprecio na nova geração e achei que se enquadrariam bem nas músicas que constituem o EP. Serão 4 músicas e apenas 2 têm participações, uma das outras duas contêm apenas as vozes adicionais da Sofia Ferraz.  

O que espera conquistar com este EP que não conseguiu com a mixtape?

Dando a conhecer a nossa nova geração quem eram esses artistas, levando à procura das tais músicas sampladas, e por outro lado causando um deja vu à geração que viveu aquela altura


A obra será publicada na sexta-feira, 14, depois disso o que virá?

Sim, estará disponível no dia 14 do mês corrente em todas as plataformas digitais, incluindo as nacionais como a Soba e-Music e Kisom. Depois disso podem esperar mais trabalhos da minha parte. Possivelmente um álbum, no próximo ano. 
Entrou na música por influência dos progenitores.

Quando e por que decidiu apostar na carreira profissional?
Comecei a cantar profissionalmente em 2019, mas entrei na música em 2012. Foi obra do acaso apostar na carreira profissional, não foi algo que parei um dia e pensei “agora apostarei em carreira profissional”, até porque eu fazia Rap apenas porque amo muito a cultura Hip Hop e via apenas como um hobby, para me tornar mais profissional foi um processo gradual, não foi da noite para o dia em que decidi isso. Recebo sempre apoio da minha família e amigos e dizem-me que tenho potencial, então por que não apostar ?!

Que expectativa tem em relação à sua carreira? 
Espero ser visto como um grande artista, espero servir como fonte de inspiração para muitos, por ter dado o meu contributo à cultura. Espero ser visto como alguém que revolucionou a nova geração e não ser apenas mais um rapper por aí, a minha intenção é impedir que as minhas obras sejam descartáveis. Sonho ouvir alguém dizer: “as tuas obras marcaram a minha juventude”, ou que usaram as minhas músicas para ultrapassar determinada situação nas suas vidas. 


Se sente confortável cantar com samples?

Sinto-me bastante confortável a cantar em samples, mas não tenho preferências nesse caso. Tudo que me deixe explorar a minha criatividade e criar melodias à volta disso é perfeito para mim. 


Está apenas no começo da carreira, já conseguiu definir se segue o comercial ou o Rap de intervenção social?  
Vou dizer que enquadro-me melhor do Rap comercial, porque ainda não lancei músicas em que me debruço sobre problemas sociais, mas não é algo em que eu me sinta incapaz, consigo fazê-lo, apenas nunca palpitou-me esta ideia.


Boom Bap e Trap que tem a dizer? 

Difícil de responder porque eu posso afirmar que sou bom nas duas vertentes, mas a minha base como rapper é o Boom Bap, porque é a vertente do Rap em que eu aprendi a elaborar os meus versos, desde os meus esquemas rimáticos aos meus jogos de palavrasÉ ao boom bap que eu recorro quando preciso de inspiração para escrever algumas rimas. 


Que valores acredita que a música pode acrescentar ao Rap angolano?
A minha música vem com intuito de enriquecer a cultura Hip Hop desde o nível de instrumentalização. Em termos de beats, a minha métrica são algumas habilidades que eu demonstro para animar o meu público e no concerne às letras, elas irão trazer uma estrutura mais madura das letras actuais no que toca ao texto e desenvolvimento de temas, de modo que seja perceptível para todas as idades, porque eu estou muito dedicado. 

as cargas mais recentes

Maya Cool: “Fiquei gravemente doente com Covid”

há 2 anos
O músico Maya Cool falou da sua experiência com o vírus da Covid-19, do momento difícil que passou e do que perdeu em 2020 com a chegada da pandemia.

Primeira edição do festival de publicidade pode ser online

há 3 anos
O Festival de Publicidade e Marketing Angolano poderá ser realizado no formato digital, com transmissão streaming, se a crise pandémica em Angola não abrandar, soube hoje a Carga Magazine.

Estão abertas as candidaturas para um diálogo intergeracional de líderes e jovens da 2ª Bienal de Luanda

há 2 anos
A 2ª Edição da Bienal de Luanda – Fórum Pan-Africano para a Cultura da Paz, a decorrer entre os dias 4 e 8 de Outubro de 2021, tem previsto, como prelúdio, um diálogo intergeracional de líderes e jovens sobre o tema “Diversidade Cultural e Patrimonial de África e das suas Diásporas: uma fonte de conflito ou um terreno fértil para a paz?”.

Profissionais e Produtores de Eventos & Cultura já têm entidade reguladora

há 3 anos
Num exclusivo à Carga, o Porta-voz do projecto, Kizua Gourgel, esclareceu o que é necessário para fazer parte, como surge, e para onde vai a iniciativa em meio a crise pandémica.

MCK lança “Vidas Humanas Importam”com Telma Lee e Carla Moreno

há 2 anos

Heavy C oferece seguro de saúde que ganhou de Ary a Socorro

há 6 meses

Eminem lança álbum surpresa com 16 faixas inéditas

há 2 anos
O décimo segundo álbum de estúdio de Eminem intitula-se “Music To be Murdered By”e contém 16 faixas inéditas com participações de Dr. Dre, Ty Dolla $ign e traz vários pedidos de desculpas e, até mensagens para Snoop Dogg.

8ª Edição do Angola Music Awards traz várias novidades e consente presença de público

há 2 anos
A organização adicionou uma nova categoria, colocou em destaque a nova geração e trará uma estrela da música internacional para prestigiar a atribuição dos prémios. DJ Paulo Alves será o grande homenageado.

Fineza Teta é a artista escolhida para retratar as vítimas dos conflitos políticos em Angola

há 6 meses

Alicia Keys aceita batalha de piano com John Legend

há 3 anos
No mês passado, Legend disse, durante uma conversa com Nick Cannon, que desejava ter um frente a frente no piano com a cantora Alicia Keys no Live Verzuz. O pedido foi atendido e o encontro está marcado para as 20 horas do dia 19 de Junho no Instagram.

Adolescente que filmou a morte de Floyd é homegeada com Pulitzer, a mais alta distinção do Jornalismo

há 2 anos
De nome Darnella Frazier, a jovem tinha apenas 17 quando sacou o telefone para gravar o fatídico episódio, que culminou com a morte por sufocamento, e posterior condenação do seu autor, Derek Chauvin.

Academia de Escrita disponibiliza curso online a título gratuito

há 3 anos
A “Academia de Escrita” é um projecto que visa auxiliar escritores em início de carreira, transmitindo técnicas de escrita que lhes permitirão vencer os bloqueios criativos, concluir e publicar os seus livros.

ZAP passará a atribuir prémios a músicos e apresentadores

há 2 anos
Artistas e personalidades que se destacam na área de televisão passarão a ser distinguidos anualmente com prémio Globos Zap. A iniviativa é oficializada hoje com a abertura das votações e o anúncio da lista dos primeiros 12 nomeados.

Kanda: Entre os mais ouvidos do Top Nacional

há 2 anos
A música `Pardon´ da autoria de Kanda, tem marcado “presença” constante no Top Nacional, cuja divulgação é feita pela Carga Magazine. Trata-se de um Top gerado pelo sistema da Sadia que faz monitoramento de 120 milhões de músicas, sistema este que reconhece uma música a cada 2 segundos e abrange todas as rádios de Angola.

Fernanda René e Mateus Esteita entre as 100 personalidades afro-descendentes mais influentes do mundo em 2021

há 1 ano
A ambientalista Fernanda René e o escritor e engenheiro Mateus Esteita foram reconhecidos pela MIPAD da ONU, pelos seus contributos em prol do meio ambiente, figurando, desta forma, entre as 100 pessoas de ascendência africana mais influentes do mundo este ano.

Álbum “A Better Time” de Davido atinge mais de 213 milhões de streams em um mês

há 2 anos
O terceiro álbum de estúdio do músico nigeriano começou a deixar marcas inéditas três dias após o lançamento ao ultrapassar o fluxo acumulativo de 100 milhões, tornando-se, assim, no projecto mais rápido de um cantor Afrobeats a atingir tal marca.