Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

Em Angola são vários os talentos que o Rap ou Kuduro ajudou a tirar do mundo do crime e hoje tornaram-se nas principais referências da música angolana, por isso não receamos em afirmar que, Rodex Mágico pode vir a ser a próxima grande referência da nossa música.

É um prognóstico arriscado, se olharmos para a concorrência do mercado, onde se encontram revelações como Pitt Kelson ou Os Séketxe. Mas Rodex traz um estilo próprio, com mensagens directas sobre motivações humanas e busca constante pela paz do espírito.

O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

O músico angolano de 24 anos canta profissionalmente desde 2018. Baptizado com nome de Alexandre Teodorax da Costa ColSoul, esteve envolvido no mundo do crime e hoje está totalmente transformado o seu talento indiciam-no como a próxima referência da música nacional.

Com um álbum no mercado e um EP, os seus temas “Vou Falar” e “Makongo”, este último com participação de Pitt Kelson, são seus cartões de visita. Acompanhe suas impressões.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

Quem o acompanha desde o EP Exploração Musical e ouve agora temas como “Vou Falar” ou Hino dos Xcomba, nota uma grande transformação na sua musicalidade. A que se deveu e como se processou esta mudança?
Bem, a minha mudança deveu-se ao passado triste e sombrio que eu vivi quando outrora andava pelo mundo do crime, distante de Deus e da sua palavra, longe da paz interior e busca pelo conhecimento e sabedoria.

É isso que transmite nas suas músicas?
Sim. Porque me sinto na necessidade de crescer sabiamente e permanecer para sempre no livro da vida.

O que canta é algo que tem a ver consigo?
Sim, canto o que vivo e faço de tudo para viver o que eu canto.

De que forma a sua música lhe caracteriza?
Como único e autêntico, mas que outrora bebia de certas fontes.

Sua música é uma fusão entre Kuduro, Rap e Afro, com evangelho. Que estilo é esse?
Esse é o estilo do ‘Deu Certo’. 

Como artista em que estilo de música se enquadra melhor?
Como artista o estilo de música que me enquadro melhor é o estilo do Deu Certo.

Não receia que seja dado como antiquado, por trazer essas mensagens, uma vez que para a nova geração o ‘eu sou’, ‘eu posso’ e ‘eu faço’ é mais fácil de bater?
Na verdade não.  Por uma simples razão: Não vivo segundo o padrão e ideologia deste presente século. 

Olhando para a qualidade da sua música e pelos anos de estrada, parece que devia estar um pouco mais distante. O que tem faltado? 
Sinto que não me falta nada, porque o mais essencial de tudo eu tenho: Um Deus Todo- Poderoso que cuida e me protege sempre; e uma mãe que ora por mim. No momento certo e na hora certa, o leme” estará aonde Deus o colocará.

O que se pode esperar de si para os próximos dias?
Neste momento estou a preparar lançamentos de novos vídeos e abertura do meu espaço para tratamentos de dreadlocks (Mundo Rasta).

as cargas mais recentes

Funge do Show do Mês junta “showistas” em ambiente familiar

há 2 anos

Mobbers lançam L.O.M. com participações de ProfJam e T-Rex

há 10 meses
Da autoria dos Mobbers, o single foi disponibilizado ontem em todas as plataformas digitais e conta com as vozes do Rapper Português ProfJam, e do rapper angolano T-Rex.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 1 ano
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

José Luís Mendonça: “Não escrevam reportagens longas porque hoje em dia já ninguém lê”

há 2 meses
Durante uma intervenção na TPA, o literata apelou que se tire o máximo proveito dos três C´s da comunicação, sob pena dos artigos não serem lidos.

Camões – Centro Cultural Português acolhe Leituras Teatrais “Corpo Futuro”

há 6 meses
O projeto “Leituras Assistidas” promove a leitura e a produção de textos do gênero teatral em língua portuguesa. É uma iniciativa conjunta do Centro Cultural do Brasil em Angola (CCBA) e do Clube de Leitura da Mediateca do Cazenga, com apoio cultural do Camões.

TANB lança “2020”: O registo sonoro de um ano marcante

há 6 meses
São 12 faixas onde nos conduz numa viagem sonora por acontecimentos marcantes, desde a pandemia ao desconfinamento, da violência policial às eleições americanas, sem esquecer a corrida ao papel higiénico.

Gerilson Insrael: “Eu não acredito na existência da boa política no meu país”

há 6 meses
Num tweet, que mais tarde reforçou com uma publicação no Facebook, o cantor da Clé Entertainment inibiu-se de qualquer envolvimento nestes tipos de actos, afirmando que não acredita na existência da boa política no país.

Matias Damásio produz novo álbum de Edmazia

há 11 meses
Segundo a cantora, que prestou essa informação, o trabalho encaminha-se para o final e no próximo ano estará disponível para os fãs.

Coronavírus: Yanick prevê maus momentos para os músicos

há 2 anos
Sem “papas na língua”, falando para a Revista Carga, o rapper Yanick Ngombo “Afroman” reconheceu que se a situação do Coronavirus se prolongar os músicos vão passar maus momentos.

Agora já pode pausar na “placa” com o Naná

há 10 meses
O projecto, com finalidade de estimular a dinâmica comercial nos bairros, empregando jovens nas referidas localidades, conta agora com dois restaurantes informais, cuja imagem é o kudurista Nagrelha.

Conheça todos os vencedores da VII edição do Angola Music Awards

há 10 meses
Com um total de 26 categorias, a sétima edição do prestigiado concurso para a valorização da música angolana viu consagrar nomes como Anna Joyce, Yola Semedo, Patrícia Faria, Cheketela, Prodígio e dupla ou grupos como Scró Q Kuia, Força Suprema e Mobbers.

Tribunal obriga Valete a fazer pedido de desculpas públicas

há 4 semanas
Para evitar que fosse julgado, Keidje Torres Lima, artisticamente conhecido por Valete, recorreu esta semana às redes sociais para partilhar publicamente um pedido de desculpas ao casal que ameaçou em 2019, na sequência da polémica canção “BFF”.

Andebol dá a primeira vitória a Angola nas Olimpíadas

há 3 meses
A selecção angolana de andebol venceu, esta madrugada, a sua similar do Japão, por 28-25, em jogo da quarta jornada do grupo A do torneio olímpico de Tóquio 2020.

FLASHBACK – Hip Hop VS House Music

há 1 ano

Nova geração celebra música moçambicana com o EP “Seguir em Frente”

há 12 meses
Um projeto, para ouvir com o volume no máximo, que reúne jovens talentos moçambicanos para celebrarem a música africana, da kizomba ao afro pop, sem esquecer o pandza.

Exposição`Discursos de Decolonialidade´ patente até ao dia 31 de Julho

há 1 ano
A galeria THIS IS NOT A WHITE CUBE em parceria com a MEXTO, apresentam a exposição `Discursos de Decolonialidade´, que poderá ser vista, até ao dia 31 de Julho no espaço NOT A MUSEUM, em Lisboa. A mostra congrega o trabalhos de 15 artistas de 8 países e curadoria de Sónia Ribeiro e Graça Rodrigues.