“Rostos do Rap consciente em Angola entre os 180 artistas do Festival Decolonial”

Promovido por Barras Maning Arretadas, o espectáculo reúne 180 rappers de 27 países e tem como objectivo arranjar mecanismos para a rentabilização dos rappers anónimos, sobretudo os de intervenção social. Durante cinco dias haverá exposições de Beats, concertos e debates científicos com pesquisadores internacionais, como é o caso do sociólogo Boaventura Sousa Santos. Na mesa de debate, Angola estará representada pela Universidade Hip Hop, Eva RapDiva e MCK, enquanto Mamy e mais rappers angolanos vão subir ao palco. Idealizado por Carlos Mossoró, o mentor apresenta o projecto à Carga.

O que é, de concreto, este espectáculo que acontece a 29 deste mês?Trata-se do “Festival Decolonial de Rap: Espaço Lusófono?”, promovido pelo Barras Maning Arretadas e que vai acontecer entre os dias 29 de julho e 02 de Agosto. Será uma série de iniciativas, com cinco mesas de debate e cinco shows colectivos de Rap, além de duas sessões para exposição de Beats. É o Rap de intervenção social que será priorizado nesse evento. O tom de pergunta no título “Espaço Lusófono?” mostra que essa questão da lusofonia ou espaço lusófono nos incomoda. Sempre se pensa em uma ligação lúdica. Não se coloca o processo de colonização em pauta. É uma história triste que nos liga. Por isso, só estão entre as parceiras instituições de países africanos, como a Universidade Hip Hop de Angola e a Bloco 4 Foundation de Moçambique.

O que se pretende com a iniciativa ?
O objectivo é unir forças decoloniais para pensar em uma sociedade justa e igualitária. A ideia foi construir cyphers virtuais com pelo menos três países em cada música. Fizemos outros convites e chegamos ao número de 180 rappers, 27 países e 30 músicas. Um dos objectivos é garantir visibilidade a acções feitas em locais como o interior do Nordeste e países africanos; conseguir meios de direitos do autor, para artistas pobres e invisibilizados que nunca tiveram essa oportunidade.

Como será feita a participação dos artistas ?
O festival acontece online. No primeiro dia haverá uma homenagem da cidade da Beira e também irei mostrar o andamento do projecto musical “Espaço Mossorófono”, uma ligação da cidade de Mossoró com o mundo. No segundo dia, haverá expobeats com todos os beat makers. Logo depois, haverá uma acção do Rap di Mina, um site de rap feminista que existe no Brasil e Portugal, onde se apresentarão 20 rappers feministas, de Angola, Brasil, Bolívia, Moçambique e Portugal. No terceiro dia, vai ser o único dia que vamos dar prioridade a artistas de outros países, fora desse chamado espaço lusófono. No quarto dia, os shows vão ser o cartaz com atracções de peso do rap de intervenção social de Angola, Brasil, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Guiné Bissau.

Que artistas angolanos estarão presentes?
Miguel George Kardinal MC, Ginga, Mammy, PaulMyAc, Mesene Nguxi San Caleia. MCK, como comentarista e vai fazer participação especial. Todos do 15+2 vão fazer actuação artística. Nas mesas de debate, estará Milton, da Universidade Hip Hop e Claudio Bantu e EvaRapDiva.

Como é que será distribuído o tempo?
Cada dia tem seu formato, mas cada artista convidado naquele dia deve ter igualdade de condições em relação aos demais. No dia 29, por exemplo, no Espaço Mossorófono, os artistas terão direito a duas músicas. No dia 30, dentro da programação do Rap di Mina também será dessa forma, já no dia 31, será dedicado ao lançamento de cyphers com 180 rappers e 27 países, com priorização a artistas de países que não foram colonizados por Portugal e fim de semana, teremos shows mais longos.

É um espectáculo de cariz filantrópico. A quem se destinarão os bens ?Não propriamente. É um evento onde se busca pensar em meios para recompensar os artistas por de modos igualitários nessa época de pandemia e os debates girarão em torno disso. Teremos, por exemplo, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos.

Que outros países se esperam?
O evento é prioritariamente focado em Angola, Brasil, Cabo Verde, Portugal, São Tomé e Príncipe, Moçambique, Guiné-Bissau. Entretanto, há participações de Cuba, Bolívia, Chile, Gabão, México e Guiné Equatorial entre as participações artísticas. Os demais países estarão no projecto de cyphers, nos quais podemos citar Bulgária, Roménia, França, Vietname, Nova Zelândia, entre outros.

O que vai diferencia esse dos anteriores anteriores já realizados?
É um evento inédito, com um cartaz dos sonhos na música de intervenção social e que só foi possível por ser todo online. Vamos permitir diálogos impossíveis e shows utópicos.

as cargas mais recentes

Pink 2 Toques e Bruno Samora juntos contra o Covid-19

há 1 ano
O criador do conceito FitKuduro, Bruno Samora juntou-se ao grupo de kuduro Pink 2 Toques, para enviar a sua mensagem de prevenção sobre o Corona Vírus.

Eminem reconhece hegemonia de 2pac e chama-o de “maior compositor musical da história”

há 1 ano
A lenda hip-hop, Eminem tem 2pac como uma das suas maiores referências. Demonstrando respeito e admiração pelo finado artista sempre que pode, mais uma vez, voltou a enaltecê-lo.

Gilmário Vemba fala do seu futuro no cinema

há 1 ano

Após desmentir informações sobre “fim da carreira” Anna Joyce anuncia dois concertos

há 10 meses
Considerada uma das maiores referências da música angolana dos últimos tempos, Anna Joyce estará no palco do Club S, em Luanda, nos dias 17 e 18 para protagonizar os seus primeiros espectáculos desde o início da pandemia.

Mariah Carey está a ser processada pela irmã

há 6 meses
A irmã de Mariah Carey entrou com um processo judicial contra a cantora. Allison Carey afirma que sofreu de angústia emocional por causa das alegações que Mariah fez em seu livro ‘The Meaning of Mariah’, lançado em 2020.

Filme sobre Murais da Leba disputa Grande Prémio de Cinema Brasileiro

há 1 ano
O filme torna-se assim no primeiro realizado em África a entrar no circuito comercial de cinema brasileiro. Intitulado ‘As Cores da Serpente’, a longa-metragem narra o desafiante processo artístico dos jovens grafiteiros sobre os Murais da Leba.

Sucesso Para Esses Wis: Euros Bambata traz participação de Rui Orlando em novo single

há 2 meses
Se há algo que Euros Bambata não receia, é competição e com este tema o artista demonstra isso mesmo desejando em dueto com Rui Orlando “Sucesso Para Esses Wis”, sendo os wis todos aqueles que representem oposição.

FILA lança nova colecção de ténis para homenagear primeiro álbum de Notorious B.I.G

há 1 ano
Para homenagear o 25.º aniversário de “Ready To Die”, álbum de estreia de Biggie, a FILA anunciou o lançamento de uma nova colecção de ténis “FILA x Biggie”, com cores característicos da referida obra.

Novo álbum de Dj Khaled já está disponível e traz participações de Nas e Jay-Z

há 3 meses
Oficialmente disponível desde hoje, “Khaled Khaled” comporta 14 faixas musicais. O famoso dj lançou seu 12º álbum sem um single principal e quase sem aviso prévio.

Zap transmite mega espectáculo solidário

há 1 ano
Este sábado, 25 de Abril, a Zap vai levar todas as emoções do mega espectáculo solidário, que moveu o mundo inteiro e arrecadou cerca de 128 milhões de dólares para ajudar a OMS a combater o Covid-19.

Morreu Fernando Quental, autor de ‘Quando eu fui a Benguela’

há 4 meses
O músico angolano Fernando Quental faleceu hoje em Portugal, vítima de doença, apurou a Revista Carga de uma fonte.

Mobbers lançam L.O.M. com participações de ProfJam e T-Rex

há 8 meses
Da autoria dos Mobbers, o single foi disponibilizado ontem em todas as plataformas digitais e conta com as vozes do Rapper Português ProfJam, e do rapper angolano T-Rex.

Kazuza, o Dj que virou “contador de sonhos”

há 7 meses
Da sua versatilidade saíram dois álbuns, um dos quais com participações de Daboless, Mister K, Dr. Romeu e Jay Lourenzo, mas é com mesa misturadora que Djkazuza quer atingir o apogeu. Na música há dez anos, o deejay apresenta-se como um dos principais promotores da música eletrónica no país.

Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja levam “Diálogos entre Gerações” à Galeria Tamar Golan

há 6 meses

2020: Um ano trágico para a música angolana

há 7 meses
Calaram-se as vozes, mas as obras serão sempre lembradas. Exemplo disso, aconteceu sábado no encerramento da VII temporada do Show do Mês. O projecto da Nova Energia colocou Carlos Burity, Kweno Ayonda, Waldemar Bastos, Jivago e Teta Lágrimas nas estrelas.

Diff volta a badalar o Rap Game com “Génio”

há 9 meses
Diff regressou no passado dia 16 de Agosto com o EP “Deixo Cair”, dez anos depois de se ausentar do Rap Game. Ontem, colocou mais uma faixa musical no mercado.