“Rostos do Rap consciente em Angola entre os 180 artistas do Festival Decolonial”

Promovido por Barras Maning Arretadas, o espectáculo reúne 180 rappers de 27 países e tem como objectivo arranjar mecanismos para a rentabilização dos rappers anónimos, sobretudo os de intervenção social. Durante cinco dias haverá exposições de Beats, concertos e debates científicos com pesquisadores internacionais, como é o caso do sociólogo Boaventura Sousa Santos. Na mesa de debate, Angola estará representada pela Universidade Hip Hop, Eva RapDiva e MCK, enquanto Mamy e mais rappers angolanos vão subir ao palco. Idealizado por Carlos Mossoró, o mentor apresenta o projecto à Carga.

O que é, de concreto, este espectáculo que acontece a 29 deste mês?Trata-se do “Festival Decolonial de Rap: Espaço Lusófono?”, promovido pelo Barras Maning Arretadas e que vai acontecer entre os dias 29 de julho e 02 de Agosto. Será uma série de iniciativas, com cinco mesas de debate e cinco shows colectivos de Rap, além de duas sessões para exposição de Beats. É o Rap de intervenção social que será priorizado nesse evento. O tom de pergunta no título “Espaço Lusófono?” mostra que essa questão da lusofonia ou espaço lusófono nos incomoda. Sempre se pensa em uma ligação lúdica. Não se coloca o processo de colonização em pauta. É uma história triste que nos liga. Por isso, só estão entre as parceiras instituições de países africanos, como a Universidade Hip Hop de Angola e a Bloco 4 Foundation de Moçambique.

O que se pretende com a iniciativa ?
O objectivo é unir forças decoloniais para pensar em uma sociedade justa e igualitária. A ideia foi construir cyphers virtuais com pelo menos três países em cada música. Fizemos outros convites e chegamos ao número de 180 rappers, 27 países e 30 músicas. Um dos objectivos é garantir visibilidade a acções feitas em locais como o interior do Nordeste e países africanos; conseguir meios de direitos do autor, para artistas pobres e invisibilizados que nunca tiveram essa oportunidade.

Como será feita a participação dos artistas ?
O festival acontece online. No primeiro dia haverá uma homenagem da cidade da Beira e também irei mostrar o andamento do projecto musical “Espaço Mossorófono”, uma ligação da cidade de Mossoró com o mundo. No segundo dia, haverá expobeats com todos os beat makers. Logo depois, haverá uma acção do Rap di Mina, um site de rap feminista que existe no Brasil e Portugal, onde se apresentarão 20 rappers feministas, de Angola, Brasil, Bolívia, Moçambique e Portugal. No terceiro dia, vai ser o único dia que vamos dar prioridade a artistas de outros países, fora desse chamado espaço lusófono. No quarto dia, os shows vão ser o cartaz com atracções de peso do rap de intervenção social de Angola, Brasil, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Guiné Bissau.

Que artistas angolanos estarão presentes?
Miguel George Kardinal MC, Ginga, Mammy, PaulMyAc, Mesene Nguxi San Caleia. MCK, como comentarista e vai fazer participação especial. Todos do 15+2 vão fazer actuação artística. Nas mesas de debate, estará Milton, da Universidade Hip Hop e Claudio Bantu e EvaRapDiva.

Como é que será distribuído o tempo?
Cada dia tem seu formato, mas cada artista convidado naquele dia deve ter igualdade de condições em relação aos demais. No dia 29, por exemplo, no Espaço Mossorófono, os artistas terão direito a duas músicas. No dia 30, dentro da programação do Rap di Mina também será dessa forma, já no dia 31, será dedicado ao lançamento de cyphers com 180 rappers e 27 países, com priorização a artistas de países que não foram colonizados por Portugal e fim de semana, teremos shows mais longos.

É um espectáculo de cariz filantrópico. A quem se destinarão os bens ?Não propriamente. É um evento onde se busca pensar em meios para recompensar os artistas por de modos igualitários nessa época de pandemia e os debates girarão em torno disso. Teremos, por exemplo, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos.

Que outros países se esperam?
O evento é prioritariamente focado em Angola, Brasil, Cabo Verde, Portugal, São Tomé e Príncipe, Moçambique, Guiné-Bissau. Entretanto, há participações de Cuba, Bolívia, Chile, Gabão, México e Guiné Equatorial entre as participações artísticas. Os demais países estarão no projecto de cyphers, nos quais podemos citar Bulgária, Roménia, França, Vietname, Nova Zelândia, entre outros.

O que vai diferencia esse dos anteriores anteriores já realizados?
É um evento inédito, com um cartaz dos sonhos na música de intervenção social e que só foi possível por ser todo online. Vamos permitir diálogos impossíveis e shows utópicos.

as cargas mais recentes

Diddy e Dr. Dre acertam detalhes para batalha de hits

há 3 anos

Mungueno: Rappers imortalizam Waldemar Bastos em nova EP

há 2 anos
Pensólogo, Kamesu, Ikonoklasta, Haudas, Flagelo Urnano, Mono Sterio, Grand F e Franchoddas, vão rimar por cima de samples e vozes de Waldemar Bastos, deixando um registo do melhor da nova e velha geração do Rap nacional.

Lil Nas X volta a lançar single polémico, desta vez com fim filantrópico

há 2 anos
“Industry Baby” documenta o seu processo judicial em tribunal, movido pela Nike por causa do tênis Nike Air Max 97, que continha gotas de sangue humano. Todo dinheiro arrecadado com direitos autorais da faixa, será revertido em doações ao The Project Bail.

AC/DC anunciam regresso com um novo álbum

há 2 anos
A banda australiana confirmou ontem o seu regresso com os veteranos Brian Johnson, Phil Rudd e Cliff Williams. O retorno do trio poderá ser marcado com novo single e álbum.

Além da actuação no Nova Vida este sábado, Força Suprema protagoniza outro grande concerto no Golf 2

há 1 ano
Passaram-se já um ano e seis meses desde que NGA, Prodígio e Don G estiveram em palco para um espectáculo com igual dimensão, em Luanda, uma agenda atribuída ao surto pandémico, já que à Carga NGA revelara, em entrevista, que o grupo pretendia visitar algumas localidades do território angolano.

Jardel, ex-estrela do futebol mundial, pretende abrir academia de futebol em Angola

há 1 ano
Duas vezes bota de ouro, o ex-avançado brasileiro manifestou ontem, em Luanda, a intenção de abrir uma academia de futebol no país, em parceria com o Interclube.

Dj sul africano confessa que dos países onde passou o angolano é o povo que mais dificuldade teve para fazer dançar

há 9 meses
Para quem não dispensa um bom afro house na noite, seguramente já dançou às animações de Bokkie Ult. O disc jokey sul africano é agora um dos nomes de destaque em Angola. Já cá esteve por cinco ocasiões e em diferentes momentos. Bokkie Ult já tocou em Benguela, Huambo, Huíla, Namíbe e Huambo e confessa que dos países onde passou, nas festas, o angolano foi o povo que mais dificuldades teve para conseguir fazer dançar.

Novo álbum de Matias Damásio já está disponível

há 2 anos
Trata-se de um projecto musical com seis faixas nos estilos Semba, Kizomba e Pop com participações de Filho do Zua, Aina Quach e Puto Português. Está oficialmente disponível desde ontem nas plataformas digitais.

Morreu Chi Modu, o maior documentarista da história do Hip Hop

há 2 anos
Aos 54 anos, Chi Modu se junta a Pac, Big, Eazy e todas outras lendas que ajudou a imortalizar.

Eddie Pipocas lança experimento para delinear como promover música na Internet

há 2 anos
O maior objectivo deste processo é perceber o quanto custa, seja em questões financeiras ou temporais, meter um projecto musical “nas ruas”.

Exposição ‘S.O.S ambiente’ apresenta projectos para salvação do meio ambiente

há 2 anos
Vários adolescentes provenientes de centros de formação e educação ambiental de Luanda, expõem, desde hoje, projectos de sustentação e preservação do meio ambiente.

Vida e obra de Cesária Évora será contada em filme

há 1 ano
Grammy em 2004 pelo disco “Voz d’Amor”, a trajectória de Cesária Évora será narrada numa série documental intitulada “Sodade” interpretada pela cantora cabo-verdiana Eliana Rosa.

Segunda parte dos “recuerdos” do Sons do Atlântico já tem data

há 2 anos
No dia 19 de Dezembro as 22:00, o ZAP Viva exibe a segunda parte do sétimo festival “Sons do Atlântico” que aconteceu a 4 de Maio de 2019, na Baía de Luanda.

China decide “castigar” Lady Gaga, Justin Bieber e BTS

há 2 anos
Os músicos Justin Bieber, Lady Gaga e a banda BTS terão sido ‘castigados’ por causa de atitudes em relação a assuntos considerados sensíveis pela China.

Dj Mandas: “Eu represento e protejo a minha cultura”

há 2 anos

Surgimento da Carga Magazine em destaque no “Mambos Hip Hop da Banda”

há 2 anos
Apresentado por Dino Cross e Cládio Bantu, o espaço especializado em Hip Hop abordou os temas de maior impacto no ano findo, tendo incluído o Magazine da Música como uma boa surpresa, agora num novo formato.