“Rostos do Rap consciente em Angola entre os 180 artistas do Festival Decolonial”

Promovido por Barras Maning Arretadas, o espectáculo reúne 180 rappers de 27 países e tem como objectivo arranjar mecanismos para a rentabilização dos rappers anónimos, sobretudo os de intervenção social. Durante cinco dias haverá exposições de Beats, concertos e debates científicos com pesquisadores internacionais, como é o caso do sociólogo Boaventura Sousa Santos. Na mesa de debate, Angola estará representada pela Universidade Hip Hop, Eva RapDiva e MCK, enquanto Mamy e mais rappers angolanos vão subir ao palco. Idealizado por Carlos Mossoró, o mentor apresenta o projecto à Carga.

O que é, de concreto, este espectáculo que acontece a 29 deste mês?Trata-se do “Festival Decolonial de Rap: Espaço Lusófono?”, promovido pelo Barras Maning Arretadas e que vai acontecer entre os dias 29 de julho e 02 de Agosto. Será uma série de iniciativas, com cinco mesas de debate e cinco shows colectivos de Rap, além de duas sessões para exposição de Beats. É o Rap de intervenção social que será priorizado nesse evento. O tom de pergunta no título “Espaço Lusófono?” mostra que essa questão da lusofonia ou espaço lusófono nos incomoda. Sempre se pensa em uma ligação lúdica. Não se coloca o processo de colonização em pauta. É uma história triste que nos liga. Por isso, só estão entre as parceiras instituições de países africanos, como a Universidade Hip Hop de Angola e a Bloco 4 Foundation de Moçambique.

O que se pretende com a iniciativa ?
O objectivo é unir forças decoloniais para pensar em uma sociedade justa e igualitária. A ideia foi construir cyphers virtuais com pelo menos três países em cada música. Fizemos outros convites e chegamos ao número de 180 rappers, 27 países e 30 músicas. Um dos objectivos é garantir visibilidade a acções feitas em locais como o interior do Nordeste e países africanos; conseguir meios de direitos do autor, para artistas pobres e invisibilizados que nunca tiveram essa oportunidade.

Como será feita a participação dos artistas ?
O festival acontece online. No primeiro dia haverá uma homenagem da cidade da Beira e também irei mostrar o andamento do projecto musical “Espaço Mossorófono”, uma ligação da cidade de Mossoró com o mundo. No segundo dia, haverá expobeats com todos os beat makers. Logo depois, haverá uma acção do Rap di Mina, um site de rap feminista que existe no Brasil e Portugal, onde se apresentarão 20 rappers feministas, de Angola, Brasil, Bolívia, Moçambique e Portugal. No terceiro dia, vai ser o único dia que vamos dar prioridade a artistas de outros países, fora desse chamado espaço lusófono. No quarto dia, os shows vão ser o cartaz com atracções de peso do rap de intervenção social de Angola, Brasil, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Guiné Bissau.

Que artistas angolanos estarão presentes?
Miguel George Kardinal MC, Ginga, Mammy, PaulMyAc, Mesene Nguxi San Caleia. MCK, como comentarista e vai fazer participação especial. Todos do 15+2 vão fazer actuação artística. Nas mesas de debate, estará Milton, da Universidade Hip Hop e Claudio Bantu e EvaRapDiva.

Como é que será distribuído o tempo?
Cada dia tem seu formato, mas cada artista convidado naquele dia deve ter igualdade de condições em relação aos demais. No dia 29, por exemplo, no Espaço Mossorófono, os artistas terão direito a duas músicas. No dia 30, dentro da programação do Rap di Mina também será dessa forma, já no dia 31, será dedicado ao lançamento de cyphers com 180 rappers e 27 países, com priorização a artistas de países que não foram colonizados por Portugal e fim de semana, teremos shows mais longos.

É um espectáculo de cariz filantrópico. A quem se destinarão os bens ?Não propriamente. É um evento onde se busca pensar em meios para recompensar os artistas por de modos igualitários nessa época de pandemia e os debates girarão em torno disso. Teremos, por exemplo, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos.

Que outros países se esperam?
O evento é prioritariamente focado em Angola, Brasil, Cabo Verde, Portugal, São Tomé e Príncipe, Moçambique, Guiné-Bissau. Entretanto, há participações de Cuba, Bolívia, Chile, Gabão, México e Guiné Equatorial entre as participações artísticas. Os demais países estarão no projecto de cyphers, nos quais podemos citar Bulgária, Roménia, França, Vietname, Nova Zelândia, entre outros.

O que vai diferencia esse dos anteriores anteriores já realizados?
É um evento inédito, com um cartaz dos sonhos na música de intervenção social e que só foi possível por ser todo online. Vamos permitir diálogos impossíveis e shows utópicos.

as cargas mais recentes

Música autobiográfica revela dissabores da trajectória de Halison Paixão

há 2 anos
Superação é o título da mais recente faixa musical de Halison Paixão, trata-se de testemunho cantado, que visa reforçar a esperança de todos que têm poucas possibilidades mas almejam alcançar algum sonho.

Cirurgia no joelho força Drake a adiar o lançamento do novo álbum

há 2 anos
Drake anunciou que irá adiar o lançamento do seu novo álbum, “Certified Lover Boy”, previsto para este mês, pelo facto de estar a recuperar de uma cirurgia no joelho.

Rick Baby × Márciouz “93” disponibilizam finalmente o EP `Naturalmente´

há 1 ano
À Carga Magazine, o integrante da produtora Combinasons, informou que por imperativos da pandemia, o aguardado EP, que foi anunciado no ano passado, vai chegar às plataformas de streaming na próxima sexta feira, dia 14 de Maio.

Este é o objecto que Vincent van Gogh usou para tirar a própria vida

há 2 anos

N’sexy Love volta a reunir antigos integrantes para o grande regresso aos palcos

há 2 anos
Depois de mais de dez anos separados, N’sexy Love anunciou o regresso regular aos palcos, mas já sem Bigú Ferreira. A despedida do ex-vocalista, este domingo durante o Live no Kubico, deixou Walter Ananás em lágrimas, a ponto de interromper o espectáculo.

Escolhidos os músicos para o hino da independência

há 2 anos
Os artistas escolhidos para dar voz ao hino dos 45 anos de independência de Angola já foram escolhidos, segundo Big Nelo, afirmando que serão 20 no total, em representação das quatro regiões do país.

Keyshia Cole provoca potencial batalha de Verzuz contra Ashanti

há 2 anos
Enquanto DMX continua a “clamar” por uma batalha com Jay Z, e os fãs ainda estão extasiados com o confronto Verzus entre Ludacris e Nelly, que decorreu no passado sábado, dia 17, muitos se voltaram para confrontos hipotéticos que podem acontecer nas próximas semanas. Um dos mais recentes pares de fãs é entre Keyshia Cole e Ashanti.

Eminem anuncia segundo álbum com colecção de hits

há 3 meses

Pedro Hossi seleccionado para o projecto “Passaporte”

há 2 anos
Com objectivo de promover os homens do cinema em Portugal, a Academia Portuguesa de Cinema realiza o programa “Passaporte”, que contará com a participação do actor angolano Pedro Hossi.

Um encontro com a história: kuduristas chegam ao Palácio de Ferro

há 1 ano
Será com este pensamento que no sábado, às 10 horas, os kuduristas estarão em seminário para discutir sobre o “Kuduro Contemporâneo – Visões e Perspectivas” do estilo musical, que reivindicam ser o mais popular do país.

Xutos e Pontapés testam prontidão dos fãs pós confinamento

há 2 anos
Depois da paragem por conta da pandemia do Covid-19 o Teatro Tivoli (Lisboa/Portugal) reabre as portas em Julho, com destaque para o concerto dos Xutos e Pontapés, no dia nove (9).

Tributo ao Poeta Maior marca retorno do Duetos N’Avenida

há 1 ano
A retoma do projecto foi marcada pela diversidade e testemunhada in loco por uma plateia de 200 pessoas, que acorreram ao novo recanto ₋Memorial António Agostinho Neto‐, para se regalar com a dupla performance de Ângelo Reis, o “Poeta dos Pés Descalços” e Márcio Batalha.

Paulina Chiziane: “Uma das coisas que mais admiro em Angola é como recriam a língua portuguesa”

há 7 meses
Antes de regressar ao seu país, a escritora moçambicana conversou com a Carga sobre a memória, identidade, tradição e resistência, características da sua escrita.

Jay-Z e dono do Tweeter criam fundo Bitcoin para ajudar África e Índia adoptarem a criptomoeda

há 2 anos

Ariana Grande e Demi Lovato dão indícios de um possível projecto em conjunto

há 2 anos
Ao que tudo indica, Ariana Grande e Demi Lovato estão a trabalhar juntas numa colaboração. As duas artistas postaram a pista no Instagram, neste domingo (7), deixando os fãs bastante animados com a possibilidade.

Especialistas dizem que Kanye West não conseguirá concorrer à presidência dos EUA

há 2 anos
As 59ª eleições nos Estados Unidos estão agendadas para 3 de Novembro de 2020 (numa terça-feira), o que leva especialistas a firmarem ser tarde demais para o rapper e empresário concorrer e, se o fizesse, West teria de desafiar o domínio democrático e republicano daquele país.