“Rostos do Rap consciente em Angola entre os 180 artistas do Festival Decolonial”

Promovido por Barras Maning Arretadas, o espectáculo reúne 180 rappers de 27 países e tem como objectivo arranjar mecanismos para a rentabilização dos rappers anónimos, sobretudo os de intervenção social. Durante cinco dias haverá exposições de Beats, concertos e debates científicos com pesquisadores internacionais, como é o caso do sociólogo Boaventura Sousa Santos. Na mesa de debate, Angola estará representada pela Universidade Hip Hop, Eva RapDiva e MCK, enquanto Mamy e mais rappers angolanos vão subir ao palco. Idealizado por Carlos Mossoró, o mentor apresenta o projecto à Carga.

O que é, de concreto, este espectáculo que acontece a 29 deste mês?Trata-se do “Festival Decolonial de Rap: Espaço Lusófono?”, promovido pelo Barras Maning Arretadas e que vai acontecer entre os dias 29 de julho e 02 de Agosto. Será uma série de iniciativas, com cinco mesas de debate e cinco shows colectivos de Rap, além de duas sessões para exposição de Beats. É o Rap de intervenção social que será priorizado nesse evento. O tom de pergunta no título “Espaço Lusófono?” mostra que essa questão da lusofonia ou espaço lusófono nos incomoda. Sempre se pensa em uma ligação lúdica. Não se coloca o processo de colonização em pauta. É uma história triste que nos liga. Por isso, só estão entre as parceiras instituições de países africanos, como a Universidade Hip Hop de Angola e a Bloco 4 Foundation de Moçambique.

O que se pretende com a iniciativa ?
O objectivo é unir forças decoloniais para pensar em uma sociedade justa e igualitária. A ideia foi construir cyphers virtuais com pelo menos três países em cada música. Fizemos outros convites e chegamos ao número de 180 rappers, 27 países e 30 músicas. Um dos objectivos é garantir visibilidade a acções feitas em locais como o interior do Nordeste e países africanos; conseguir meios de direitos do autor, para artistas pobres e invisibilizados que nunca tiveram essa oportunidade.

Como será feita a participação dos artistas ?
O festival acontece online. No primeiro dia haverá uma homenagem da cidade da Beira e também irei mostrar o andamento do projecto musical “Espaço Mossorófono”, uma ligação da cidade de Mossoró com o mundo. No segundo dia, haverá expobeats com todos os beat makers. Logo depois, haverá uma acção do Rap di Mina, um site de rap feminista que existe no Brasil e Portugal, onde se apresentarão 20 rappers feministas, de Angola, Brasil, Bolívia, Moçambique e Portugal. No terceiro dia, vai ser o único dia que vamos dar prioridade a artistas de outros países, fora desse chamado espaço lusófono. No quarto dia, os shows vão ser o cartaz com atracções de peso do rap de intervenção social de Angola, Brasil, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Guiné Bissau.

Que artistas angolanos estarão presentes?
Miguel George Kardinal MC, Ginga, Mammy, PaulMyAc, Mesene Nguxi San Caleia. MCK, como comentarista e vai fazer participação especial. Todos do 15+2 vão fazer actuação artística. Nas mesas de debate, estará Milton, da Universidade Hip Hop e Claudio Bantu e EvaRapDiva.

Como é que será distribuído o tempo?
Cada dia tem seu formato, mas cada artista convidado naquele dia deve ter igualdade de condições em relação aos demais. No dia 29, por exemplo, no Espaço Mossorófono, os artistas terão direito a duas músicas. No dia 30, dentro da programação do Rap di Mina também será dessa forma, já no dia 31, será dedicado ao lançamento de cyphers com 180 rappers e 27 países, com priorização a artistas de países que não foram colonizados por Portugal e fim de semana, teremos shows mais longos.

É um espectáculo de cariz filantrópico. A quem se destinarão os bens ?Não propriamente. É um evento onde se busca pensar em meios para recompensar os artistas por de modos igualitários nessa época de pandemia e os debates girarão em torno disso. Teremos, por exemplo, o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos.

Que outros países se esperam?
O evento é prioritariamente focado em Angola, Brasil, Cabo Verde, Portugal, São Tomé e Príncipe, Moçambique, Guiné-Bissau. Entretanto, há participações de Cuba, Bolívia, Chile, Gabão, México e Guiné Equatorial entre as participações artísticas. Os demais países estarão no projecto de cyphers, nos quais podemos citar Bulgária, Roménia, França, Vietname, Nova Zelândia, entre outros.

O que vai diferencia esse dos anteriores anteriores já realizados?
É um evento inédito, com um cartaz dos sonhos na música de intervenção social e que só foi possível por ser todo online. Vamos permitir diálogos impossíveis e shows utópicos.

as cargas mais recentes

Kendrick Lamar assina mega contrato com a Universal Music Publishing Group

há 2 anos
Segundo conta o Hot New Hip Hop, o músico assinou um acordo global com a Universal Music Publishing Group, o que pode indicar um movimento na direcção da chegada do álbum.

Músicos angolanos passam a ter um “passeio na Baía de Luanda”

há 6 meses

Kamesu: “O rapper é um artista que não tem nenhum compromisso com a cultura”

há 1 ano
Durante 20 anos, o rapper viu-se obrigado a trancar-se no estúdio para preparar o seu primeiro disco, uma obra interventiva e afro-centrada, que traz participações de Kid MC, Kool Klever, Ndaka Yo Wini, Loromance, Mono Stereo e a poetisa Sankofa. O álbum será autografado já este sábado, no Elinga Teatro, em Luanda.

Rapper Houdini é morto durante tiroteio

há 2 anos
Com uma carreira em ascensão, Houdini de 21 anos foi morto esta terça-feira, durante um tiroteio em Toronto, no Canadá. O rapper foi atingido por tiros no hotel onde se encontrava.

Terá Fat Joe blasfemado ao chamar Drake de “Michael Jackson da actualidade”?

há 2 anos
Na última semana Fat Joe tem sido alvo de inúmeros ataques na internet, por ter comparado Drake ao astro da música Pop, Michael Jackson.

Novo Samurai: Mixtape em homenagem a DJ Samurai já está disponível

há 3 meses
A compilação de 21 músicas foi revelada na tarde de hoje, tendo sido disponibilizada apenas o lado A, com 16 faixas. Enquanto se espera pelo lado B, Deejay Soneca dá destaque às participações de Uncle J e Leonardo Wawuti, além de congregar outros nomes da nova e velha escola do Rap lusófono.

Mercado musical angolano passará a contar com nova plataforma de streaming internacional

há 7 meses
Trata-se da Wena Music. A plataforma de streaming vai actuar em solo angolano e ajudará a impulsionar e a rentabilizar a música nacional. Wena Music vai também levar a nossa música aos principais mercados internacionais.

Rick Baby × Márciouz “93” disponibilizam finalmente o EP `Naturalmente´

há 1 ano
À Carga Magazine, o integrante da produtora Combinasons, informou que por imperativos da pandemia, o aguardado EP, que foi anunciado no ano passado, vai chegar às plataformas de streaming na próxima sexta feira, dia 14 de Maio.

OG Vuino disponibiliza videoclip do single intitulado ‘É muito tempo’

há 10 meses
O consagrado rapper angolano, membro fundador dos “Kalibrados”, OG Vuino, disponibiliza hoje as 18 horas no seu canal do YouTube, o videoclipe da música intitulada “É muito tempo”, primeiro single extraído do álbum “Fiz de novo” a ser lançado no dia 24 de Agosto do ano em curso.

Está aprovado: Break Dance será modalidade desportiva dos Jogos Olímpicos

há 1 ano
O COI, Comité Olímpico Internacional, confirmou que o Break Dance será uma das modalidades desportivas dos Jogos Olímpicos, e fará já parte das próximas Olimpíadas de 2024, em Paris.

Anselmo Ralph: Celebra cinco anos a dar novas batidas com Café-concerto intimista

há 6 meses
Foi com casa cheia e perante uma plateia de luxo que Anselmo Ralph, embaixador do Café em Angola, subiu ao palco do Clube S para um concerto intimista que assinalou os cinco anos de parceria com as 3 marcas de café da Angonabeiro, Delta Cafés, Delta Q e Ginga, numa acção que deixa clara a mensagem de que o café é a nova batida de Angola.

Fãs criam petição para que o papel de Pantera Negra seja descontinuado

há 2 anos
Após a Morte do Actor Chadwick Boseman, os fãs criaram uma petição para que o actor não fosse substituído, mas que em compensação, outro personagem herde o manto do Pantera Negra e um dos nomes mais votados é o da Shuri, irmã do Rei T´Challa, cujo papel é interpretado por Letitia Wright.

Pongo anuncia lançamento do primeiro álbum

há 7 meses
Tida como a “diva do novo-kuduro”, Pongo foi recebida, na última sexta-feira, em Paris, e levou o público ao delírio num espectáculo em que apresentou um novo tema e serviu para anunciar o seu primeiro álbum.

Conheça as surpresas do Festival Internacional de Jazz da Cidade do Cabo edição 2020

há 2 anos
O quarto maior evento de Jazz do mundo e o primeiro do continente africano, traz para a vigésima primeira edição uma diversidade de vozes. Nomes como Lira, Lady Zamar e o rapper norte-americano Earl Sweatshirt vão juntar-se a veteranos do Jazz.

Forbes revela que Travis Scott factura anualmente 100 milhões de dólares só em parcerias

há 1 ano
Travis Scott cedeu uma entrevista à Forbes e falou sobre os cifrões impressionantes que entram na sua conta anualmente, contabilizados apenas em colaborações criativas.

Suge Knight é apontado como mandante do assassinato de Notorious BIG

há 12 meses
24 anos após o assassinato de Christopher “The Notorious BIG” Wallace, um Ex-agente do FBI volta a trazer à tona uma teoria há muito repercutida, “Marion Suge Knight pagou o assassino que matou BIG, mas a bala era na verdade destinada a Diddy”.