Sabia que a Direcção Nacional dos Direitos de Autor e Conexos foi sucedida pelo SENADIAC há um ano?

Num dia como hoje, há exactos 12 meses, foi publicado o Decreto Presidencial n.º 184/19, que cria o Serviço Nacional dos Direitos de Autor e Conexos, abreviadamente designado por «SENADIAC», aprovado pelo Conselho de Ministros na sessão realizada a 30 de Abril de 2019.

Por este facto, o departamento aproveitou a ocasião para prestar informação com carácter pedagógico para a elevação da consciência colectiva sobre o papel das instituições e a importância da protecção dos direitos autorais.

De acordo com o documento chegado à redacção da Carga Magazine, o SENADIAC sucedeu a extinta Direcção Nacional dos Direitos de Autor e Conexos, que era um serviço executivo central. O SENADIAC, enquanto órgão de gestão administrativa do sistema nacional dos direitos de autor e conexos, é agora dotado de personalidade jurídica, autonomia administrativa, financeira e patrimonial, integrado na administração indirecta do Estado.

Os primeiros sete meses (Junho a Dezembro de 2019) da existência do SENADIAC foram caracterizado como de transição, essencialmente dedicados a gestão dos assuntos correntes e a preparação de condições para o seu funcionamento, a partir do presente ano, segundo a natureza e o estatuto conferidos.

Na sequência, desde o início do ano em curso e até a data, no exercício dentro do qual se projectou o SENADIAC efectivamente iniciar exercitar a materialização da autonomia que lhe foi conferida, este período tem sido caracterizado por acções voltadas às questões burocraticas para a efectivação e consolidação dessa autonomia, bem como de questões correntes, embora refreadas pela situação da pandemia da COVID-19, a par de outras acções que também tinham sido programadas mas inviabilizadas pelas mesmas.

O SENADIAC surgiu assim para responder a necessidade da adequação da estrutura orgânica e funcional do órgão de gestão administrativa do sistema nacional dos direitos de autor e conexos, dentro da estratégia de implementação do funcionamento efectivo do mesmo.

Entres as razões subjacentes ao surgimento do SENADIAC está a de conferir ao órgão de gestão administrativa do sistema nacional dos direitos de autor e conexos, uma natureza e estrutura organizativa e funcional que lhe permitisse ter pessoal e meios para melhor cumprir a sua missão.

Um dos objectivos é o de aproximar o serviço ao cidadão utente, quer em termos de estruturas físicas que serão gradualmente instalados nos municípios, quer pela disponibilização de uma plantaforma online, em construção, bem como pelo aumento de funcionários, via  contratação de pessoal necessário para o efeito, que a flexibilidade do regime jurídico dos institutos públicos permite.

O foco é implementar o funcionamento efectivo do sistema, com qualidade de serviços a prestar ao cidadão utente, seja ele criador, produtor ou distribuidor de bens intelectuais, na gestão, protecção e defesa da sua propriedade intelectual, por via do mecanismo dos direitos de autor e conexos.

A materialização e a sustentabilidade do exposto atrás, têm como garantia as receitas próprias que serão geradas pela aplicação das taxas de comparticipação nos custos, dos cidadãos beneficiários, nas utilidades dos serviços que lhes são prestados.

O processo de geração e arrecadação de receitas já está em efectiva implementação desde Setembro de 2019, após instalação do sistema Front Office que registou-se na segunda quinzena de Agosto desse ano.

O SENADIAC tem assim a missão de assegurar o funcionamento efectivo do Sistema Nacional dos Direitos de Autor e Conexos, administrativamente garantir aos criadores e aos demais agentes integrados no sistema nacional dos direitos de autor e conexos (SNDAC) o usufruto dos direitos económicos correspondentes do produto da sua criatividade.

O funcionamento efectivo do SNDAC, seguramente será uma contribuição positiva para o desenvolvimento económico e social do país, porque é um incentivo à criatividade e à inovação, bases do empreendedorismo sustentável, susceptível de gerar empregos e renda para as famílias, as empresas e ao Estado.

Nesta base, o SENADIAC aproveita a ocasião para reiterar o apelo à sociedade no geral, e, em especial, aos criadores e instituições públicas e privadas, cujas actividades são geradoras de bens enquadráveis e protegíveis pela propriedade intelectual, no sentido de fazerem o uso e aproveitamento deste sistema, pelo mecanismo dos direitos de autor e conexos.

Para o usufruto das vantagens económicas que o sistema de propriedade intelectual proporciona, exigirá dos interessados uma atitude proactiva, devendo buscar informações e conhecimentos necessários para a melhor gestão dos seus direitos de autor da respectiva propriedade intelectual.

Pelo que o SENADIAC informa a sociedade e, em especial, aos criadores, aos potenciais detentores de direitos autorais, integrados nas mais diversas áreas de actividades geradoras de bens protegíveis pela propriedade intelectual, que está aberto e disponível para prestar essa informação e conhecimento.

As formas para se poder aceder a informação e conhecimento, que de algum tempo à esta parte vêm sendo já implementadas, são através de palestras, seminários, workshops e cursos de curta duração que são ministrados na ENAPP.

Importa aqui lembrar que o SENADIAC, enquanto órgão de gestão administrativa do SNDAC exerce o controlo e fiscalização sobre os agentes do sistema, multando ou instaurando os competentes processos crimes aos prevaricadores.

As acções de controlo que o SENADIAC realiza materializam-se por via do registo de obras e emissão de autorizações, quer para a prática de um acto, quer para o exercício de uma actividade  por um agente económico, que envolvam bens intelectuais destinados ao comércio.

Por sua vez, a acção fiscalizadora que o SENADIAC exerce, incide sobre a verificação da legalidade do exercício da actividade e do cumprimento da lei respeitante a protecção dos direitos de autor e conexos, por parte dos agentes e conómicos.

Aqui a necessidade da regularização (registo = licenciamento) do exercício de toda actividade, por parte dos agentes interessados, que envolvam bens intelectuais, nas modalidades de, edição, reedição, produção, reprodução, transmissão, importação, impressão de capas, comodato e venda de bens intelectuais, bem como o exercício da actividade de Entidade de Gestão Colectiva (EGC).

Pelo que só ao SENADIAC, em colaboração com os demais órgãos públicos, compete praticar actos de protecção dos direitos de autor e conexos.

Às EGC, que também são objecto do controlo e fiscalização do SENADIAC, compete, e é para isso que são licenciadas (Registadas), proceder a cobrança e distribuição dos direitos de autor e conexos, dos usuários para os autores que representam.

Neste particular, importa esclarecer que a EGC só deve fazer a cobrança dos direitos de autor e conexos, por via de um mandato conferido pelo autor que representa.

O autor representado pela EGC, deve ser um associado seu. Significa isto dizer que a EGC não pode cobrar dos usuários (discotecas, restaurantes, bares, hotéis, aeronaves, rádios, televisões, etc), com os quais obrigatoriamente deve celebarar um contrato para o efeito, nos termos da lei, o direito de autor sobre o qual não possui mandato expresso (escrito).

Assim, ao autor impendem os deveres de filiação à EGC, de conferir mandato e de declarar à EGC as obras sobre as quais pretenda a cobrança dos direitos de autor e conexos e exigir da EGC os respectivos direitos, no âmbito do mandato conferido.

Com isto fica claro que não existe, entre o SENADIAC e as EGC, nenhuma relação de paridade nem de concorrência.

A missão, o âmbito objectivo e subjectivo, as formas de relacionamento, a conduta, quer dos agentes dos órgãos públicos quer dos órgãos privados integrantes do SNDAC, bem como as formas e medidas de responsabilização para os prevaricadores, estão contidas na Lei n.º 15/14, de protecção e defesa dos direitos de autor e conexos, e nos distintos diplomas regulamentares que a complementam, designadmente, o DP n.º 114/16, de 30 de Maio, Regulamento sobre o exercício e funcionamento das EGC, o DP n.º 125/17, de 12 de Junho, Regulamento do registo do acto sobre os direitos de autor e conexos; o DP n.º 239/19, de 29 de Julho, Regulamento sobre a fiscalização dos direitos de autor, o DP n.º 240/19, de 29 de Julho, Regulamento sobre a autenticação de obras intelectuais para fins comerciais e o Instrutivo n.º 1/18, de 28 de Agosto, que publica o tarifário mínimo para a cobrança dos direitos de autor e conexos. O SENADIAC tem vindo a divulgar todos esses diplomas. Pelo que recomenda-se o seu conhecimento para melhor observância das regras aí plasmadas. Caros agentes do SNDAC, juntemo-nos à causa, cada um assumindo as respectivas responsabilidades, para o efectivo funcionamento do sistema e, por sua vez, este cumprir com o seu papel, em favor do interesse social e do desenvolvimento económico, tecnológico e cultural, para o bem-estar colectivo.

as cargas mais recentes

Estreia do vídeo oficial de “No Woman No Cry” marca o Dia do Reggae

há 7 meses
Hoje é Dia Internacional do Reggae. Este género musical contribuiu para a consciencialização sobre questões de injustiça, resistência, amor e irmandade. A data está a ser marcada com reedições dos trabalhos de Bob Marley, cujo destaque recai para o vídeo clípe oficial de “No Woman No Cry” e a venda do álbum “Legend”.

Show do Mês viaja pelos anos dourados da música angolana

há 7 meses
Com objectivo de recriar alguns dos maiores sucessos dos anos 80, o Show do Mês vai juntar alguns dos nomes mais sonantes daquele período para um concerto Live, no dia 27 de Julho (sábado).

Patrícia Faria é o novo rosto da Zap Viva

há 4 meses
Depois de três anos a dirigir o “Calientíssimo”, na rádio MFM, Patrícia Faria prepara-se para mais um desafio. Brevemente, a cantora vai conduzir um novo programa de TV, no canal Zap Viva.

Filha de Beyoncé e Jay-Z de 8 anos indicada aos Grammy

há 1 mês
A organização dos Grammy Awards corrigiu, esta semana, as nomeações aos Grammy, colocando na lista Blue Ivy e Wizkid pelas participações na música ‘Brown Skin Girl’, antes atribuída a mãe da pequena.

Álbum póstumo de Pop Smoke destrona Michael Jackson do topo da Billboard 200

há 6 meses
A compilação atingiu um total de 248.000 unidades vendidas na semana de estreia, tornando-se a estreia póstuma de álbuns mais vendida depois de `Thriller´ de Michael Jackson. `Shoot For The Stars Aim For The Moon´, tem sido assim considerado como um presente pré-aniversário oportuno para o Pop Smoke que completaria 21 anos no dia 20 de Julho.

Começou uma nova era dos Autocines

há 9 meses
A actividade que foi sucesso na década de 70, foi resgatada para dar resposta ao distanciamento a que o Covid-19 impôs e só na Alemanha, cerca de 43 licenças já foram aprovadas para abrir auto-cinemas.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 1 mês
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

N’sexy Love volta a reunir antigos integrantes para o grande regresso aos palcos

há 1 mês
Depois de mais de dez anos separados, N’sexy Love anunciou o regresso regular aos palcos, mas já sem Bigú Ferreira. A despedida do ex-vocalista, este domingo durante o Live no Kubico, deixou Walter Ananás em lágrimas, a ponto de interromper o espectáculo.

Single `Moça´ dá início ao projecto “DaMaika Season” da autoria de JP da Maika

há 7 meses
“DaMaika Season” consiste no lançamento de uma música a cada dia 11 do mês, até Novembro deste ano. O projecto é nada mais do que a confirmação da maior continuidade dos seus trabalhos de JP, que se propõe a encontrar todo o alcance musical, trazendo desde o GhettoZouk, passando pelo R&B até ao HipHop, sempre com a cultura urbana e tonalidade Afro presentes.

Por onde anda o Pato?

há 8 meses
Em 2018 deu o ar da sua graça no Show do Mês, como convidado de Don Kikas, e prometeu retomar os palcos, mas de seguida voltou a sumir do mapa musical.

Beat tape `Bengha Producers Vol.1´ já está disponível em streaming

há 4 meses
`Benga Producers´ é uma alusão ao programa que dirige sobre produção musical com o mesmo nome e já está disponível nas plataformas digitais de streaming.

3ª Webinar da Universidade Hip-Hop discorre sobre o tema “Hip-Hop é uma Kultura Urbana e não um estilo de música”

há 8 meses
As actividades que começaram na passada segunda-feira, têm sido realizadas no âmbito do projecto “Semana de Apreciação da Kultura Hip-Hop”. Até ao dia 24 de Maio uma série de acções online estão programadas, e contemplam performances, fóruns de discussão e Webinars com distintos convidados dos 4 elementos núcleo da Kultura Hip-Hop. Cláudio Silva, ex-reitor da Universidade Hip-Hop, falou à Carga Magazine sobre as actividades que ainda estão por vir, em torno desta celebração.

Kanye West revela que já foi alcoólatra: “Tomava Vodka no café da manhã”

há 9 meses
Durante uma entrevista com a revista GQ, o rapper admitiu que chegou a tomar vodka com suco de laranja no café da manhã, e comentou sobre como a pressão das nomeações o levaram parcialmente ao alcoolismo.

Dj Mandas: “Eu represento e protejo a minha cultura”

há 3 semanas

Nova música de Dj Khaled poderá contar com uma versão de Kizomba

há 5 meses

Kanye West responde: “Se não puder me candidatar em 2020, será em 2024”

há 7 meses
Em entrevista à revista Forbes, publicada hoje, o rapper diz que já não apoia Trump e criticou o Partido Democrata, revelando que o desejo de concorrer à presidência nasceu em 2015, por inspiração ao “Michael Jackson” e assinala que, se Donald Trump já não fosse o candidato do Partido Republicano, concorreria como republicano.