Sílvio Nascimento: “Produzir um filme infantil não é tão caro como promover concurso de miss”

Após vários anos no escuro, uma luz de esperança vislumbra o cinema infantil angolano, com surgimento de pequenas iniciativas como o canal de desenhos animados e maratona de animação (Bom Comix Con) do actor Sílvio Nascimento.

A programação abre a 14 de Julho próximo, no CineMax, em Luanda, e tem por objectivo devolver a infância às crianças e adapta-se, igualmente, à televisão, tal como já acontece com o Zimbinho, da TV Zimbo, produzido pelo actor e sua equipa.

No mundo da representação há anos, Sílvio reitera o compromisso com a televisão e o cinema angolano, apesar de não ter tido o apoio desejado das entidades competentes mas, conforta-se, porque ainda assim, consegue levar o nome de Angola ao mundo. Sua recente produção “Mwana Nkento” é a mais recente prova disso.

O que é mais dispendioso, produzir um filme ou desenhos animados?

Depende muito. Desenhos animados também não são caros. Principalmente, porque nós temos objectivos sociais. Aliás, é menos caro produzir boneco animado do que ter o que nós temos como consequência. É muito mais caro, porque teremos delinquentes e teremos um país manchado a todos os níveis. De forma directa, respondendo à sua pergunta, pode-se produzir um filme com 15 ou 20 milhões de kwanzas. Você consegue produzir um capítulo ou uma secção de cinema com 10 milhões de kwanzas. Estou a dizer isso ao nível do que nós podemos fazer e tem mais pessoas que podem fazer a outros valores, produzir um filme infantil não é tão caro como a promover um concurso de miss.

Tem clamado para o retorno da música infantil em Angola. O que poderia ter sido feito para ajudar a adiantar este processo?

Trazer os programas infantis de volta.

Atribui-se-lhe a autoria de uma carta, que circula nas redes sociais, endereçada ao Presidente da República. É o autor desta carta?

Sim, fui eu quem escreveu. Só não sei dizer, à altura, porquê que esta carta ainda volta em voga. Não sei.  Provavelmente as pessoas estão a ver mais as consequências disso. Mas eu não sei porquê. Porque esta carta já foi escrita há três anos. Esta carta é de Junho de 2019. Já fez três anos e eu não estou a entender porquê que muita gente está a partilhar isso agora.

Isso lhe preocupa?
Não. O assunto continua. A autoria é sim minha, confirmo e reitero, o problema agudizou-se, só não estou a entender porquê que estão a usar esta carta agora.

Que resposta obteve do Presidente da República?

Não obtive nenhuma resposta.

Que resposta espera do Presidente?

Eu escrevi a carta para ser entregue, respondida e tida em conta como cidadão. Por exemplo quando a primeira-dama disse que temos poucos conteúdos televisivos nacionais, começaram muitas telenovelas, muitos conteúdos angolanos. 

O que o levou a escrever tal carta ao Presidente da Republica, já que existe o Ministério da Cultura Turismo e Ambiente?

Na carta mostra exactamente isso. Que nalguns casos não são os ministérios que resolvem. Mas também um caso como este não é só o Ministério da Cultura que resolve. É um caso do INAC, do Ministério da Família e Reinserção Social, é um caso público de comunicação. É de todos nós. O Presidente da Republica é o orgão máximo para compreender a situação e pedir explicações a todos os outros. Aliás, é um fenómeno social. Somos todos culpados desta podridão social.

Já leva três anos desde que a escreveu e não foi respondido. O que pensa em fazer?

Eu já fiz algumas coisas, entre elas, criámos um canal de desenhos animados. Nós não somente apontamos os erros, como trouxemos uma solução. Mas este é o país que temos.

as cargas mais recentes

Dupla Nue Wave testa popularidade do primeiro EP com ‘Flow Tá Bater’

há 2 anos
A dupla disponibilizou esta sexta-feira, nas plataformas digitais, mais uma faixa promocional do seu primeiro EP intitulado “Wave”, que poderá chegar ao público este ano.

Lendária peça teatral `Hotel Komarka´ celebra 15 anos com ciclo de apresentações

há 2 anos

Joãozinho Morgado diz que o Semba está a “morrer”

há 2 anos
O percussionista Joãozinho Morgado afirmou que o género musical Semba, de origem angolana, está a “morrer”, pelo facto das instituições responsáveis não velarem pela sua manutenção.

Estudante angolana junta-se a editora Mahatma

há 2 anos
A estudante angolana em Portugal Karen Pacheco assinou um contrato com a editora portuguesa “Mahatma”, para publicação dos seus próximos livros e representação da mesma nos PALOPS, informou hoje a própria.

TPA proporciona regalo cultural ao mais alto nível

há 2 anos

Covid-19: Omicron força adiamento das vendas e sessões de autógrafos dos álbuns ‘The Coach’ e ‘Comboio Vol.1’

há 12 meses
Face às medidas anuncias no passado dia 27 de Novembro, que por sinal entraram em vigor no dia 1 de Dezembro e uma vez realizada a conferência de imprensa como confirmação da materialização de ambos projectos, a questão que se impõe é o que estará na base deste tardio comunicado: Despreparo, falha de comunicação ou será mais uma estratégia de marketing da LS?

WI project apresenta-se em novo formato

há 3 anos

Calema torna-se a primeira banda dos PALOP a atingir um milhão de ouvintes no Spotify

há 4 meses

Nucho: “É muito estranho não termos agências que consigam apanhar um artista do anonimato e fazê-lo crescer”

há 1 ano
“O que se vê nas nossas produtoras é que, basicamente pegam artistas que já estão feitos e que já têm fama na rua e depois apenas metem mais algum combustível. E também sinto que falta um bocado de originalidade. Acho que poderíamos ter artistas mais ousados. resumindo, acho que temos uma cultura saudável, acho que temos muito talento, mas acho que falta um bocado de coragem e abertura e limar algumas arestas para atingir o nível seguinte, como o da Nigéria ou da África do Sul, não só na gravação das músicas, mas essencialmente nos espectáculos ao vivo que proporcionamos ao nosso público, acho que os nossos espectáculos ainda deixam muito a desejar”.

Crate Diggs edita ‘Simplesmente Lindo’, o seu projecto de estreia na Slow Habits

há 2 anos
‘Simplesmente Lindo’ estreia em todas as plataformas digitais a 24 de Abril através da Slow Habits que anuncia com este projecto a integração de Crate Diggs como novo membro da Editora/Colectivo.

FIFA pretende alargar para 100 os minutos de jogo ainda este ano

há 8 meses

Eddie Pipocas lança experimento para delinear como promover música na Internet

há 2 anos
O maior objectivo deste processo é perceber o quanto custa, seja em questões financeiras ou temporais, meter um projecto musical “nas ruas”.

Chris Rock tentou convencer Cardi B a desistir da música para apostar na comédia

há 2 anos
Numa conversa com Jimmy Fallon, na última semana, num canal televisivo, o actor de 57 anos revelou que quis fazer uma série de humor com Cardi B, quando a rapper ainda não era conhecida.

Jerónimo Belo lança mais um livro sobre Jazz e música

há 8 meses
Crítico de jazz, Jerónimo Belo prepara-se para voltar a colocar no mercado mais um livro sobre o Jazz e a música. A obra intitula-se “Feijazzoada”. É o quinto do autor e surge na sequência de “Jazz- Me-mória e Gratidão” (2021) e está inserida nas festividades do 30 de Abril, Dia Internacional do Jazz.

Licenciado Em Conteúdos lembra batalha histórica de Waterloo em novo álbum

há 2 anos
O álbum é uma colectânea de 10 músicas e foi produzido pela Congo Records. Estará disponível no próximo dia 18 de Dezembro, e traz vozes de Agos Nocivo e Anjo Vares, e é uma exaltação do”rap consciente”

Dia da Consciência Negra: Globo celebra figuras históricas no programa ‘Falas Negras’

há 2 anos
“Falas Negras” tem no seu alinhamento textos históricos de célebres personagens de 1600 aos dias de hoje, pessoas que lutaram contra a escravidão, a segregação racial, o racismo e a intolerância.