This Is Not A White Cube apresenta “Reflectir#2 – Fragmentos, Fragilidades, Memórias”

A exposição estará em exibição no Museu de Arte Africana de Belgrado, a partir de 13 de Abril, e é fruto de uma colaboração entre a instituição e a Galeria de Arte THIS IS NOT A WHITE CUBE.

A mesma constrói-se como exposição através da selecção cuidada de obras de artistas angolanos, representativas daquilo que é, num espectro alargado, a produção artística e a reflexão intelectual de uma geração icónica nascida após a independência de Angola, em 1975, sucedendo à afirmação dos movimentos independentistas, à Guerra Colonial Portuguesa e à deposição do regime ditatorial do Estado Novo, em Portugal.

Com curadoria de Ana Knežević, Emilia Epštajn, Graça Rodrigues e Sónia Ribeiro, a exposição reúne um abrangente panorama desta multifacetada produção, onde se ostentam obras em papel, instalações, performance, pintura, fotografia, têxtil e vídeo de Alida Rodrigues, Ana Silva, Cristiano Mangovo, Francisco Vidal, Januário Jano, Luís Damião, Nelo Teixeira, Osvaldo Ferreira, Pedro Pires e Ery Claver, que no seu todo revelam a forte afinidade à estética e materialidade estratificada do “arquivo” cuja quase inexistência – por negligência ou depauperação endémica – se tem revelado crítica em Angola.

De acordo com a nota explicativa da Galeria, as obras integradas foram concebidas entre 2014 e 2022, período ao longo do qual se têm vindo a maturar naquele território os processos de construção de um discurso e de uma experimentação artística promotora de uma reflexão conceptual de fundo sobre as questões que histórica, política e socialmente, de forma mais gravosa, implicam o desenvolvimento sustentado do país tendo em conta a sua História recente.


O projecto foi concebido propositadamente para a ala de exposições temporárias, que o Museu de Arte Africana de Belgrado dedica à arte contemporânea, e para estabelecer diálogo com a sua coleção permanente onde se integram objetos, artefatos e obras de arte que refletem a cultura material da África Ocidental, em que Angola se insere. É a segunda edição do projeto “Reflect,” dedicado à apresentação de obras de artistas de origem africana. Após a primeira edição, que incidiu sobre reflexões de artistas contemporâneos da Namíbia (2020), Reflectir #2 explora agora os fragmentos, fragilidades e memórias de artistas contemporâneos de Angola.


A colecção do Museu de Arte Africana de Belgrado, foi construída a partir de meados do século XX, no contexto do confronto ideológico Leste-Oeste, de afirmação do “Movimento não alinhado”, por oposição ao colonialismo, ao imperialismo,  ao neocolonialismo e ao fortalecimento das potências coloniais ocidentais e do pensamento de carácter hegemónico.
Apesar deste contexto, a exposição permanente não deixa de refletir, de múltiplas formas, uma representação canonizada da arte ocidental-africana.

A sua releitura, à medida do que sucedeu internacionalmente em muitas outras coleções, tem vindo a ser trabalhada institucionalmente, do ponto de vista interpretativo, científico e curatorial, em prol da descolonização do pensamento e da afirmação dos princípios do multiculturalismo e da diversidade cultural.
A integração de obras de arte contemporânea angolana oferece assim ao público uma nova perspetiva sobre questões museológicas ainda não resolvidas, relativas à apresentação da arte africana.


“Reflectir#2 – FRAGMENTOS, FRAGILIDADES, MEMÓRIAS” alimenta este ímpeto, da descolonização do pensamento, e inclui criações maioritariamente inéditas. Configura por isso uma oportunidade excecional para travar conhecimento com um trabalho que, sendo atravessado por uma percetível e singular linha criativa, é, simultaneamente, do ponto de vista intelectual, material e técnico, profusamente diverso e híbrido.

Como um todo, a mostra explora criticamente os mecanismos de criação de cânones no meio artístico ocidental, privilegiando em número, a apresentação de obras que materialmente e tecnicamente se distanciam dos suportes e dos géneros artísticos mais convencionais, lê-se em nota.

as cargas mais recentes

Bastidores do Super Bowl: Jay-Z ameaçou cortar parceria com a NFL para ver seus amigos a desfilarem

há 11 meses
Segundo Snoop Dogg, numa conversa com o TIDAL sobre o show, Jay-Z disse que terminaria a parceria entre Roc Nation e a NFL se seus amigos rappers tivessem sua “performance negada”.

Luso: “Os rappers acabam por depender das acções do político para poder fazer música”

há 3 anos
Luso está no Hip Hop desde os seus 15 anos. Tem um álbum e um EP lançados e está a concluir o segundo álbum. Além disso, o músico desenvolve o projecto “Ilusionista”.

Show Do Mês venera cinco estrelas da música angolana que partiram este ano

há 2 anos
Os músicos Kweno Ayonda, Waldemar Bastos, Carlos Burity, Jivago e Teta Lágrimas, falecidos este ano por doença, serão homenageados pelo Show do Mês com um grande espectáculo.

Sankofa representa Angola no concurso Internacional de Rap Slam

há 3 anos
Em companhia de Zola Kuzedíua, vencedora da última edição do ‘Luanda Slam’, Sankofa vai representar o país no Festival Internacional de Rap Slam do espaço lusófono, a ser acolhido pelo Brasil no próximo dia 29 de Julho a 2 de Agosto deste ano.

“Músico mais querido” de Angola em 2021 será conhecido hoje

há 1 ano
Será conhecido hoje, a partir das 21 horas, o vencedor da edição 2021 do Top Dos Mais Queridos, durante uma gala, no Centro de Convenções de Talatona, em Luanda.

“A Dimensão Cultural do Herói Nacional” em debate no Visão actual

há 2 anos
O programa Visão Actual a ser exibido amanhã, quinta-feira dia 17 de Setembro, vai analisar a Dimensão Cultural de António Agostinho Neto, fundador da nação e primeiro presidente de Angola.

Heloisa Jorge revisita legado de Njinga Mbade no Dia da Consciência Negra

há 2 anos
A história de Angola terá vez e voz no “Falas Negras”, o evento brasileiro que comemora o Dia da Consciência Negra e cuja primeira edição, memora célebres personagens de 1600 aos dias de hoje, pessoas que lutaram contra a escravidão, a segregação racial, o racismo e a intolerância.

Matias Damásio produz novo álbum de Edmazia

há 2 anos
Segundo a cantora, que prestou essa informação, o trabalho encaminha-se para o final e no próximo ano estará disponível para os fãs.

Universidade Hip Hop já conta 11 anos de existência

há 11 meses
Para Celebrar o seu 11.° Aniversário, a UHH organizou no passado dia 6 de Março, um evento híbrido, que juntou presencial e de forma virtual, vários apreciadores e praticantes dos elementos da Kultura Hip Hop, para um brinde e uma roda de conversa cujo tema central foi “O que deseja para o Hip Hop em Angola”.

Rapper Raz Simone acusado de ser um”senhor de guerra”

há 3 anos
Vídeos postados nas redes sociais provam o alegado envolvimento de Raz Simone com uma gangue armada na Zona Autônoma de Seattle, em Washington, um quarteirão de protesto sem influência policial. O rapper é apontado como uma espécie de “senhor da guerra”.

Ascensão Music quebra hiato com duplo lançamento de videoclipes

há 1 ano
A Ascensão Music que tem se mostrado um grupo bastante coeso e cada vez mais abrangente em termos de sonoridade, traz dois temas diferentes  “Pra ninguém” (que é uma música num registo love song, como uma narrativa romântica e poética) e “Wagwan”, cuja expressão deriva do dialeto Jamaicano “Patois” que significa : “O que é que se passa” ou “Qual é a idéia” é um UK drill à moda angolana, com muito sauce, mas claro, com aquela energia e a caneta pesada que caracteriza o grupo.

Artistas sem Carteira Profissonal deixam de exercer actividade. Acesso ao documento será apresentado quarta-feira

há 6 meses

Ndaka Yo Wini representa o país no festival internacional da afrodescendência

há 2 anos

NGA assume responsabilidade do Rap angolano nos Bet Awards

há 1 ano

Músicos brasileiros expulsos das Forças Armadas por causa das mensagens das suas letras

há 2 anos
O Ministério da Defesa do Brasil expulsou dois rappers da corporação. Big Bllakk, tido como uma das vozes promissoras do rap brasileiro, e Patriick, da Facção Poética, foram expulsos das Forças Armadas por causa das mensagens das suas letras.

Desiludidos, MCK e Ikonoklasta lembram aos dirigentes que “Não Era Pra Ser Assim”

há 1 ano
Na música, MCK e Ikonoklasta adaptam o tema “Anangola Ya Dila”, de Artur Nunes, ao actual contexto de crise e incertezas que o país mergulhou desde 1975.