Tony Frampênio: Belas e Perigosas foi associado à sexualização e objectificação da mulher “porque há dificuldade hermenêutica do público angolano em interpretar arte”

O auditório do Centro de Conferência de Belas testemunhou, nos dias 12 e 13 de Março, mais um marco para o teatro nacional: a apresentação do musical ‘`Belas e Perigosas´.  Numa produção da Mentes Fabulosas, o espectáculo idealizado por Neide Van-dúnem, que foi escrito e encenado pelo dramaturgo Tony Frampênio, fez jus à génese dos musicais e foi a prova de que a arte de resistência está a caminhar a passos largos rumo ao “nível” de Broadway.

Para quem soube ler nas entrelinhas, as belas em palco, nada tinham de perigosas, tampouco promiscuas. Entre sátiras, danças e canções sutilmente críticas, a peça fez apologia à reflexão sobre o estigma social que se esconde no véu da impunidade, a violência doméstica.

A performance inenarrável, conta o drama de seis reclusas, cuja tentativa de livrarem-se da violência doméstica forçou-as a cometer homicídio. Protagonizada por Stela de Carvalho, Jéssica Pitbull, Lesliana Pereira, Juddy da Conceição, Ailsa Renata, Rosa de Sousa, Elizângela Gomes, o elenco completa-se com as actuações de Sílvio Nascimento, Galiano da Rocha, Leomarte Freire, Jaime Joaquim, Joel Beloniel, Gilmário Vemba, Karina Barbosa, Daniela fortunato, Dalton Borralho e ainda Big Nelo, como convidado especial.

Falando à Carga Magazine, Frampênio descortinou todo o processo criativo do musical, e sobre a má conotação pública, afirma: Belas e Perigosas tem sido associado à sexualização e objectificação da mulher “porque há uma dificuldade hermenêutica do público angolano em interpretar arte”.

Tony Frampênio: Belas e Perigosas foi associado à sexualização e objectificação da mulher “porque há dificuldade hermenêutica do público angolano em interpretar arte”

A peça Belas e Perigosas foi apresentada como uma adaptação de “Chicago”. Como podemos associar uma à outra tendo sinopses tão distintas?
A adaptação é a transposição de uma obra (seja teatro, filme, ou um romance, por exemplo) para um formato, espaço e contexto diferente. Logo, mudam-se alguns detalhes da obra original, dando-lhe outra cor, cheiro e textura. É assim que decidimos mudar a sinopse da história do “Chicago” e passou a ser a sinopse da história de “Belas e Perigosas”, que aborda a vida de um casal, Makiesse e Beto, e de seis presidiárias que contam como e porquê mataram os seus maridos, tendo como fio condutor a violência doméstica. O público amante de teatro ao assistir o espectáculo, poderá associar a adaptação “Belas e Perigosas” da Obra original “Chicago” através da trama central, que é a violência contra a mulher.

Sabe‐se que a peça é da sua autoria, mas quem foram os intervenientes indispensáveis para que a mesma saísse do papel?
A peça foi escrita e encenada por mim, mas foi ideia da Neide Van-dúnem que adaptássemos “Chicago”. Portanto, a principal interveniente para a realização do desiderato foi a própria Neide que foi a busca de recursos humanos, técnicos e financeiros. Com ela, uma equipa de 115 jovens (maior parte mulheres, entre produtores, técnicos, protocolo, motoristas, dançarinos e dançarinas, cantores e o elenco de actores e actrizes).

A quem coube a escolha do elenco?
Essa responsabilidade foi minha e da Neide. Ela com uma visão mais comercial, pensou em actores e actrizes que nos garantissem público na sala. Eu olhei mais para a capacidade de performance dos artistas. Criamos o equilíbrio e até fizemos um casting para encontrar os actores cujas características não vimos naqueles que já definimos a priori.

Como se deu a selecção dos elencos e quais são os requisitos para participar do projecto. Há preferências por tipos de voz, tipos físicos, personalidades etc.? Há um predomínio de actores que cantam e dançam, de músicos que actuam e dançam ou de bailarinos que actuam e cantam?
Como respondido na questão anterior, foi por uma estratégia económica e artística, daí termos equilibrado: dançarinos, cantores, apresentadores, influenciadores sociais e actores. O tipo físico, beleza ou qualidade vocal são qualidades que o elenco escolhido já traz de praxe e não foi uma coisa requerida por nós. O que nos interessou nos artistas escolhidos foi o profissionalismo e o comprometimento com a causa e o desafio de fazer algo diferente.

No total, quantos profissionais estiveram envolvidos?
115 (homens e mulheres).

Há um ano, em entrevista à Carga Magazine, considerou os Musicais como uma disciplina de difícil execução. Qual a percepção que tem hoje?
Encenar um musical é difícil cá na África, no Ocidente e na América ou no Oriente. É um género que exige um grande grupo de profissionais e um grande senso de responsabilidade, mas acima de tudo uma grande capacidade técnica, artística e logística. Na Broadway os musicais podem custar até um bilião de dólares e render 20 vezes mais. É uma indústria, gera empregos e rende muito dinheiro. Portanto, não é coisa de “criança” para brincar, nem é reunião de amigos para cantar e dançar num bar. É arte, é negócio, é cultura, é educação. Com essas coisas não se brinca.

Se teatro, por si só, é considerado em Angola como a arte da resistência, acha que o teatro musical vingará a curto prazo?  
É provável que sim. Primeiro porque os musicais em toda parte do mundo são géneros artísticos que atraem a atenção dos turistas e entusiastas que procuram a libertação das suas “catarses” do dia-a-dia, da vida profissional e das quesílias políticas. Também poderá vingar porque a música e a dança, traços da nossa cultura, da tradição africana e da humanidade, em geral, assim como o drama, juntos, num só palco, têm tanta força capaz de impactar, não só na ludicidade popular, mas também, como já dissemos antes, na economia dos envolvidos do jogo artístico.

Decidimos fazer o “Belas e Perigosas” porque já havíamos feito o “Galáxia”, que também foi um sucesso e os amantes do teatro continuam a solicitar e a incentivar a encenar este género. Deve ser por gostarem mesmo de música e dança que mais de 6 mil pessoas foram ao CCB, dia 13 de Março assistir o teatro musical “Belas e Perigosas”.

Até então, sabe-se já de dois musicais da sua autoria, qual deles foi o mais trabalhoso?
São musicais com características diferentes: o Galáxia é o tipo de musical total, enquanto que o “Belas e Perigosas” é um musical dramático, ou seja, o Galáxia é canto do início ao fim e o Belas e Perigosas é intercalado com diálogos e cenas dramáticas para culminar com dança e música. Na nossa perspectiva, é porque estamos a começar neste género, sem formação técnica especializada de canto e drama, muitas vezes temos que recorrer a cantores que não interpretam o drama e a actores que não cantam as melodias, também a dançarinos que não entendem o canto, nem o drama, isso torna o processo complexo e moroso. Com o “Galáxia”, por se tratar de um musical total: dança, drama e música do princípio ao fim, tivemos muito mais trabalho porque eram os próprios actores a cantarem, dançarem e dramatizarem.
Com o “Belas e Perigosas” foi diferente. Foi um trabalho mais fragmentado que se uniu ao todo.

Quais são os desafios de dirigir cenicamente um musical?
Entender de tudo que é arte (artes cénicas, artes visuais e, até arquitetura, etc), mas acima disso, conhecer música ou ter sensibilidade musical. O director de um musical precisa ser um expert em dramaturgia, no sentido da encenação. Tendo isso, o desafio será cruzar harmoniosamente, todas as ou algumas formas artísticas, contando uma história que encanta uma plateia.

Quais são os desafios de se fazer um musical com música ao vivo?
Por norma, todo musical deve ser acompanhado com música ao vivo, aliás, as artes cénicas só são o que são, com a sua peculiaridade, porque acontecem ao vivo. Se assim no for, não tem graça, não tem arte. Isso exige muito tempo de ensaio, este é o desafio: ensaio o tempo necessário até que se percebe que a obra está pronta para ser apresentada ao público.

Em Belas e Perigosas, o tema central é a violência doméstica, mas os internautas têm associado a peça à “objectificação e sexualização da mulher”. De que formas é que se pode contornar esta má interpretação?
Primeiro é preciso compreender que há uma dificuldade hermenêutica do público angolano em interpretar arte. Daí a confusão entre simbolização e realidade factual. As mulheres representadas na obra simbolizam a imagem que a sociedade tem da mulher. É por isso que, em grande parte, quem assiste o espectáculo sente “ódio” ao ver em cena mulheres semi-nuas. Mas, na verdade, é assim que muitos homens as querem, desde que não seja a da sua casa, a da sua cama. É a própria sociedade que construiu esta imagem da mulher.
Ao trazermos aqui em Belas e Perigosas, estamos a denunciar um facto social que precisa ser visto de frente sem que se vire o rosto para outro lado. Só assim perceberemos como as nossas filhas estão vestidas, como as nossas irmãs são tratadas, como a mulher é e está, em Angola. Agora, nós não vamos aqui procurar formas para contornar nenhuma situação de má interpretação! Não é essa a função da arte. Quem quiser aprender a interpretar fenómenos tem que estudar. Por isso, existem as escolas. O que nós fizemos foi uma provocação, arte é isso, cabe ao público decidir o que quer que aquilo seja. Eu não vejo aí mulheres nuas nem objectificação ou sexualização da mulher, vejo sim a emancipação delas. Veja que também tivemos homens sem camisa na obra, alguém “reclamou” sobre isso? Não. Pois é. Porque razão a mulher deve sempre a aprovação moral da sociedade machista? Essa questão é para reflexão.

as cargas mais recentes

É oficial, Mbappé é eleito melhor do mundo pela Globe Soccer

há 5 meses
Kylian Mbappé é oficialmente o melhor jogador de 2021, o anuncio foi feito na tradicional cerimónia no Dubai. A conquista do francês de 23 anos é uma surpresa, já que não está entre os favoritos no prêmio The Best, da Fifa, e na Bola de Ouro, da France Football, foi apenas o nono colocado.

Músicos britânicos fazem abaixo-assinado para o Ministério da Cultura

há 2 anos
Cerca de 1.500 artistas, entre eles Ed Sheeran Rolling Stones, Paul McCartney, Coldplay e Eric Clapton, entregaram uma carta ao ministério da cultura britânico a “exigirem” um “calendário claro” sobre o regresso à actividade cultural; apoio financeiro e a eliminação do IVA sobre a venda de bilhetes, devido às dificuldades que estão a enfrentar.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 7 meses
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Adele: “Eu e o Drake somos uma espécie em vias de extinção”

há 6 meses
A cantora colocou, na última sexta-feira (19), um novo álbum no mercado intitulado ” 30 “, que já se tornou no álbum mais vendido do ano nos Estados Unidos, três dias após o seu lançamento, o que dá à artista azos para se considerar ‘última da sua espécie’.

Álbum de estreia de Wet bed Gang traz participação de Bonga

há 1 ano

Morgan Freeman participa no álbum de 21 Savage e explica porquê

há 2 anos
O actor fez uma espécie de introdução do disco, recitando um texto escrito por Big Rube da Dungeon Family. Satisfeito com o resultado confessou à Revista GQ, que “todo convite que está fora do seu habitué é divertido de fazer”.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 2 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Cinema às quartas-feiras apresenta “Do Outro Lado do Mundo”

há 1 ano
O Documentário intitulado “Do Outro Lado do Mundo” vai ser apresentado nesta quarta-feira, pelas 18h30, no espaço Wyza Anfiteatro, da Fundação Arte e Cultura, no âmbito do projecto Cinemas às Quartas-feiras, da KinoYetu, Fundação Arte e Cultura e Geração 80.

Fela Kuti entre os nomes da disputada lista do Rock and Roll Hall of Fame

há 1 ano
Até ao dia 7 de Maio, os fãs poderão votar diariamente para cinco dos 16 candidatos ao Rock and Roll Hall of Fame. Actualmente com 493 mil votos, o pioneiro do afrobeat, só perde para a autora do ‘Private Dancer’, Tina Turner com 533 mil votos, nos dados de hoje.

Sílvio Nascimento e Coreon Dú participam no Festival Internacional de Cinema de Berlim

há 1 ano

Fã de 10 anos pede batalha de bateria a Dave Grohl dos Foo Fighters

há 2 anos
Nandi Bushell, de 10 anos, pediu um desafio de bateria a Dave Grohl, músico de 51 anos da banda de Rock Foo Fighters. A batalha foi aceite e durou 30 segundos.

Old e New School questionam legado depois da morte

há 2 anos
Estará disponível na próxima quinta-feira, dia 8, o clipe oficial da faixa “Se Eu Morrer Amanhã”, em que Kool Klever, Mamy, Duc, Lizzy, Soldier, Luso e Nucho levantam a problemática do legado após a morte.

C4Pedro faz Milagre

há 2 anos

Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente lamenta morte de Sarah Maldoror, pioneira do cinema africano

há 2 anos
O Ministério da Cultura, Turismo e ambiente lamenta, em comunicado, a morte, em Paris, por doença, aos 91 anos, de Sarah Maldoror, viúva de Mário Pinto de Andrade, co-fundador e primeiro presidente do partido no poder em Angola.

João Lourenço felicita projecto “Live no Kubico”

há 2 anos
Durante o Live da dupla Gabriel Tchiema e Mito Gaspar, referente ao projecto “Live no Kubico”, da TPA, uma mensagem centralizou as atenções. Na sua página no twitter, o Presidente da República de Angola, João Lourenço, elogiou o projecto e felicitou os organizadores por “manterem viva a nossa cultura”.

Séketxe estarão em live show esta noite

há 1 ano
Os Séketxe, grupo fenómeno do rap nacional, vai protagonizar hoje à noite um live show. Os jovens da Kuxilândia, autores dos temas “Kubeli” e “Nu Xtragó Nada”, apresentam-se em estúdio num ao “vivo” apoiado pela revista Carga e a produtora Chasing Dreams.