Tony Frampênio enriquece biblioteca teatral com o lançamento de três obras

A literatura direccionada ao teatro receberá mais três títulos no próximo dia 6 de Julho, A Raiva, A Grande Questão e o Teatro Da Tarimba. Tratam-se das primeiras obras em livro do autor, após tê-las adaptado em peças teatrais e publicadas em DVD.

Nas obras não descritas como trilogia, mas que por sinal se completam, o teatrólogo angolano espelha o estudo científico da nossa realidade, no que ao teatro diz respeito e, é destinada ao público amante da arte, do teatro em particular, estudantes, jornalistas culturais e a sociedade em geral

A serem lançadas numa cerimónia que terá lugar na União dos Escritores Angolanos, na data acima citada, foram editadas pela Metabooks (editora brasileira sediada em São Paulo) e veem sendo preparadas desde 2010. O produto final é uma mais valia para o teatro, pois não é praxe o lançamento de obras dramáticas em livro e tampouco se fazem estudos sobre teatro que versam a realidade desta arte de resistência.

À Carga Magazine, o autor explicou que elas diferem na forma e conteúdo: A Raiva e A Grande Questão são obras dramáticas e abordam a problemática sociocultural, política e económica do país, particularmente da cidade de Luanda. Estas duas obras já foram publicadas em DVD e vendidas na Praça da Independência em 2010, para além de já terem sido vencedoras do prémio cidade de Luanda (2009 e 2010, respectivamente).

Tony Frampênio enriquece biblioteca teatral com o lançamento de três obras

Como surge a oportunidade de lançar três obras em condições atípicas… num contexto pandémico em que está tudo mais difícil?
De facto nunca houve apoio, nem condições para que fossem publicadas anteriormente em livro. Em 2018 quando terminei a minha licenciatura em teatro, enviamos o trabalho final à editora metabooks e, eles aprovaram as 3 obras. Fomos em busca de apoio, durante este período de pandemia e a obtivemos através da Sociedade Mineira de Catoca, a Fundação Brilhante, a ACHE, a Tipografia Corimba e outros parceiros, que deram-nos percentagens do valor global que solicitamos, que juntando tudo serviu para que pudéssemos pagar a impressão, diagramação e revisão dos livros. Ter hoje os livros em mãos só foi possível graças a esses apoios em cima mencionados.

Quanto tempo necessitou para a concepção das obras e quais as maiores dificuldades?
A Raiva e A Grande Questão já existiam como obras de teatro, encenadas em palco há 10 anos. Para a sua concepção em livro levou 2 anos. Já o Teatro Da Tarimba, o meu trabalho de licenciatura, levou 7 anos de estudo e preparação, até o formato final em livro. As grandes dificuldades foram encontrar apoios (financeiros e documental) durante as pesquisas. Poucas pessoas estão dispostas a apoiar pesquisadores, principalmente na área da cultura – das artes precisamente.

Todas elas são destinadas a ala artística ou ao público em geral?
Apesar de serem obras de arte, teatro, elas podem ser consumidas por um público heterogéneo. Pois nelas contém a história do povo angolano. A sua identidade, a sua cultura, e muitos dados importantes, relevantes mesmo, para consulta e ajuda na explicação e resolução de fenómenos culturais da nossa sociedade. Obviamente que a classe artística e os académicos terão maior interesse nelas. 

Podemos considera-las como `Guias básicos da matéria teatral´ com conteúdo didático ou trata-se apenas de relatos da sua visão, experiência e trajectória?
O Teatro Da Tarimba é um manual de estudo para análise teatral. Talvez seja o primeiro em Angola com a profundidade que se apresenta. Para além de Mena Abrantes que tem feito já vários estudos sobre o teatro angolano, este nosso trabalho é o mais recente e didático que está sendo publicado para todos os artistas. 

Como avalia o teatro que se faz a nível nacional?
Ainda não temos um teatro nacional na acepção do termo “Nação”. Um teatro que instiga os fenómenos da nossa cultura e que funciona como um verdadeiro veículo de exaltação da angolanidade. Este teatro existiu nos anos 80 com o casamento que se verificava com a literatura de Pepetela, Costa Andrade Ndunduma, Manuel Rui Monteiro, Uanhenga Xito, Óscar Ribas, José Mena Abrantes e outros Escritores da época. Hoje o que se verifica é um divórcio do teatro com a literatura, o que de certo modo, belisca o valor axiológico que esta disciplina artística aufere e, concomitantemente, desvaloriza, com o actual teatro praticado, de pouca profundidade filosófica e estética, aquilo que deveria ser chamado de Teatro Nacional.

Que factores estão aliados a isto? Aliada a isto, há um conjunto de factores que em nada contribuem para que se possa dirimir a problemática do teatro em Angola; a falta de políticas claras e pragmáticas, as poucas e degradadas infraestruturas existentes, a falta de formação de qualidade, a falta de incentivos e promoção das artes, e outros tantos factores que relegam o teatro a condição de produto não rentável para a economia do país. O que existe, de acordo com Mena Abrantes, é a vontade dos fazedores de teatro que conflitua com todas as dificuldades que fizemos referência em cima. É, também, por esse motivo que o nosso estudo denomina-se Teatro Da Tarimba. 

E o estado de estudos científico desta área, em que pé anda?
Como disse também anteriormente, quase não existe estudos científicos nesta área. Mena Abrantes é um dos poucos. Temos também a Drª. Agnela Barros, o Prof. Africano Kangombe e talvez mais alguns na floresta do mayombe. Por isso, nós, enquanto um dos primeiros quadros formados em Angola nesta área, estamos preocupados com a situação e, de maneira a contribuir na resolução do problema, estamos a lançar estas obras, que muito ajudarão a colmatar a lacuna existente. 

Em meio às adversidades que citou acima, qual é então o balanço que faz dos seus muitos anos dedicados a arte?
Positivo. Hoje sou formado e especialista na área. Sou profissional há 28 anos. Sou professor da Faculdade de Artes e do Instituto Superior Politécnico Metropolitano de Angola – IMETRO. Não me sinto realizado, por isso continuo frequentado o mestrado em Literatura no Instituto Superior de Ciências da Educação – ISCED – Luanda. O objectivo mesmo é poder viver da arte como um profissional da saúde ou educação vive, auferindo um salário digno.

as cargas mais recentes

Cantora Helga Fêty denuncia roubo de identidade

há 1 ano
A cantora Helga Fety denunciou a utilização de contas falsas em seu nome, por alguém que se faz passar por si para pedir dinheiro emprestado.

Malef lança projecto para levar basquetebolistas de ruas aos melhores clubes

há 1 ano
Batoteiro Draft é uma iniciativa que está a ser promovida pelo produtor e realizador Malef em parceria com a MarkSport. O projecto pretende tirar os melhores basquetebolistas de rua com seus dribles e levá-los a assinar com um clube profissional, quer em Angola quer no estrangeiro.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 11 meses
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Vozes alternativas abrem Clássicos na Kwanza

há 4 meses

Don Kikas com novo álbum a caminho

há 1 ano
Nos próximos dias, o artista quer levar alegria aos fãs através de um concerto ao vivo e em directo nas suas redes sociais online.

Nova vaga pandémica força adiamento da 7.ª edição do Festival `O Sol da Caparica´

há 1 semana
O encontro com o público para a 7.ª edição do `Festival O Sol da Caparica´ estava marcado para 2021, mas, infelizmente, a nova vaga pandémica obriga a organização a tomar a difícil decisão de adiar para os dias 11, 12, 13 e 14 Agosto de 2022.

Suge Knight é apontado como mandante do assassinato de Notorious BIG

há 2 meses
24 anos após o assassinato de Christopher “The Notorious BIG” Wallace, um Ex-agente do FBI volta a trazer à tona uma teoria há muito repercutida, “Marion Suge Knight pagou o assassino que matou BIG, mas a bala era na verdade destinada a Diddy”.

Pedrito comemora meio século de carreira com sabor a despedida

há 10 meses
O músico Pedrito começou ontem a caminhada para a despedida dos palcos, com um concerto no projecto musical “Show do Mês” onde viajou pelos 50 anos de carreira.

Alliance Française de Luanda promove festival multicultural em alusão ao mês da Francofonia

há 5 meses
Está a decorrer desde o dia 6 de Março, o festival que celebra o Dia Internacional da Francofonia, que assinala-se aos 20 de Março. De carácter multidisciplinar, o evento vai continuar a congregar música, espectáculos, cinema e actividades de artes visuais até ao dia 28.

DJ Nelasta: “Sofri bloqueio do DJ Malvado”

há 1 ano
Durante um “live” (conversa ao vivo nas redes sociais), terça-feira, o Dj Nelasta afirmou que foi bloqueado pelo DJ Malvado, para não tocar na festa da “Bohemia”, alegando que não tem estrutura para o efeito.

Burna Boy se prepara para lançar novo álbum e deixa um conselho “ao” Black Lives Matter

há 12 meses
O músico nigeriano aproveitou a crise pandemíca e gravou mais um álbum: “Twice As Tall”, que estará já disponível a 14 de Agosto. Durante uma longa entrevista, Burna desenhou o actual contexto global e deixou uma visão diferente sobre o que seria o Black Lives Matter.

Netflix anuncia nova data de lançamento da última temporada de La De Papel

há 6 meses

Começou nas festas do Zango, hoje Dj Xandy deixa sua marca em África

há 11 meses
Dj Xandy notabilizou-se nas festas e bares dos bairros de Luanda e hoje assume e produz vários eventos e artistas. Com 12 anos de carreira, é conhecido por divulgar o Afro House e já lançou um EP nesse estilo.

Estações televisivas nacionais já são monitoradas pela Sadia

há 5 meses
Depois das Rádios, a Sadia informou que já deu início a monitorização das estações televisivas nacionais, nomeadamente: TPA1 e 2, TV Zimbo, Zap Viva, Trace Toca, Vida TV, Afro Music Channel e +Hits África, com o objectivo de salvaguardar os direitos de autores.

Fast & Furious 9: Ludacris deixa escapar em entrevista que o filme pode chegar ao “espaço”

há 1 ano
O nono episódio da franquia Fast & Furious, recentemente apelidado F9 poderá ter chegado ao espaço, o spoiller foi deixado Ludacris. O rapper e protagonista veterano do filme, ciou a possibilidade durante uma entrevista recente ao The Hollywood Repórter.

Maya Cool: “Fiquei gravemente doente com Covid”

há 4 meses
O músico Maya Cool falou da sua experiência com o vírus da Covid-19, do momento difícil que passou e do que perdeu em 2020 com a chegada da pandemia.