Tribunal e SIC tranquilizam artistas: “Processos sobre pirataria são dos mais céleres”


A alteração do sistema de produção e consumo das obras tem diminuído significativamente o direito de propriedade intelectual. O fenómeno prejudica, de que maneira, a classe artística e os músicos são os mais lesados.

Entretanto, os crimes de pirataria e a contrafacção de obras musicais audiovisuais e fonográficos podem ser resolvidos em apenas dois meses, caso o lesado decida processar o seu autor, cuja pena é convertida em valor pecuniário.

Nos últimos meses, o Tribunal Provincial de Luanda julgou cinco casos de violação de direitos autorais e ao Serviço de Investigação Criminal chegaram quatro participações.

Especialistas angolanos e estrangeiro reuniram responsáveis da Unitel, Zap, Dstv e hiper-mercados, bem como detentores de plataformas de streaming, para um esclarecimento sobre a Implementação e Gestão Prática dos Direitos de Autores e Conexos.

O encontro organizado pela SADIA abriu quinta-feira e terminou ontem no Memorial António Agostinho Neto, Luanda. Mário Santos, do Serviço de investigação Criminal, esclarece nessa entrevista, as principais dúvidas ligadas aos processos de pirataria.

O autor ao ver seus direitos lesados, dentro dos serviços de investigação criminal, onde é que deve se dirigir?
Temos dois aspectos importantes aqui, a primeira coisa é fazer participação ao SIC. Temos a Direccção Nacional de Combate aos Crimes Económicos e Contra a Saúde Pública, é esta que o vai acolher, para os efeitos da defesa dos interesses desde o autor que, de algum modo, vê os seus direitos serem violados.

E a tramitação há-de decorrer, sendo que o autor tem a tutela da obra ou do direito que está a ser violado para poder litigar, porque também não é fácil tratar de um processo que nós não temos a tutela, ou seja, se nós não detivermos a tutela, não podemos litigar, porque, eventualmente, estaremos a ir litigar contra alguém que detém a tutela do direito.

Na sua alocução, fez saber que, durante os 10 meses de actuação da SADIA, o Serviço de Investigação Criminal apenas registou a entrada de quatro participações…
Quero fazer aqui uma ressalva em relação ao que nós apresentámos. Nós estamos a fazer referência desde que entrou em vigor a lei 15/14. Das participações que o SIC tomou conhecimento, ou seja, que o Departamento do Combate ao Crime Contra a Propriedade Intelectual tomou conhecimento, de facto, não quer dizer que seja apenas este no universo nacional do que sejam as participações ou do que aspectos ligados a matéria  que nós temos em tratamento, não.  Aquilo é apenas um aspecto de referência desde que a lei entrou em vigor.

O que isso quer dizer?
Porque elas ( as participações) poderão estar a decorrer noutros fóruns. Há participações que o tribunal tem recebido de forma directa e, conforme mostraram, já há processos que transitaram em julgado, que não são números que nós evidenciámos, portanto, temos que levar em conta esse factor. O SIC pode conhecer e pode instruir esses processos, do mesmo modo que as pessoas podem participar directamente junto da sala competente do Tribunal Provincial de Luanda.

No caso do SIC em particular, que acções concretas pretende fazer para ajudar os artistas em matéria de direitos de autores e conexos? 
Este é um evento próprio. A mensagem que nós aqui deixámos é a mesma que temos levado. É fundamental que o autor de uma obra saiba sobre os seus direitos. Esses crimes tem de, necessariamente, haver uma participação, já que se trata de um crime semi-público.

Isto significa que, se o artista não fizer participação, o SIC não tem como agir?
Tínhamos uma lei coerciva, que não obrigava o autor a fazer uma participação, o interesse público estava a cima de qualquer outro interesse, e nós poderíamos agir. Na legislação actual ( Lei 15/14), torna este tipo de crime semi-público e que depende da participação daquele, cujo direito está a ser violado para então haver litigância, para haver procedimento. Não havendo isso, nós não temos como proceder, porque se nós não tomarmos conhecimento de que um determinado facto está a ocorrer, não teremos como, de per se, fazê-lo.

as cargas mais recentes

Dinheiro “trava” internacionalização de Dodó Miranda

há 3 anos
Em entrevista a Revista Carga, explicou que preparou um disco com 12 temas, variado, com realce para o “world music”, mas que não consegue dar sequência ao projecto.

50 cent admite Live de batalha de hits com Snoop ou Ludacris

há 3 anos
Nesses tempos de quarentena, diversos artistas recorrem aos Lives para interagir com os fãs. No meio hip-hop dos Estados Unidos, as batalhas musicais realizadas ao vivo no Instagram por artistas e produtores estão a se tornar uma tendência.

Roley anuncia novo álbum com participações de Masta, Eric Rodrigues entre outros

há 2 anos
Esta não é a primeira vez que o rapper moçambicano traz vozes angolanas nos seu projectos, já no álbum de estreia “Roley”, contou com Rui Orlando e Young Double, e no ano passado, lançou “Pensamentos” e teve participação de Paulelson.

Presidente da Nigéria sobre Burna Boy e WizKid: trouxeram glória para Nigéria

há 2 anos

Covid-19: Músicos e realizadores de eventos descrevem os prejuízos da semana

há 3 anos

Viúva de Kobe Bryant vai processar policias de Los Angeles

há 3 anos
Vanessa Bryant decidiu agir judicialmente contra os agentes da Polícia de Los Angeles, que terão divulgado imagens do acidente que vitimou Kobe Bryant, lenda do basquetebol, que faleceu a 26 de Janeiro, após um desastre de helicóptero.

#TheShowMustBePaused: Indústria da música paralisada

há 3 anos
A paralisação de apoio ao “Black Lives Matters” já começou a ter efeito em outras latitudes. Por aqui vários são os nomes da música que vão postando imagens nas redes sociais em sinal de apoio ao protesto contra a morte de George Floyd.

Lourenço Mussango vence prémio literário António Jacinto

há 2 anos
O escritor e jornalista Lourenço Mussango venceu ontem a edição 2020 do prémio literário António Jacinto, com a obra “Mulher Infinita”.

Sarissari traz clima de amor no seu novo single `Admite´

há 3 anos
Revelado pela primeira vez na segunda feira no canal Trace Toca, o single `Admite´ é o prenúncio da chegada do álbum a solo de Sarissari, sob chancela da sua própria produtora, a Hey Hey Heyyy. Disponibilizada hoje no Youtube, o love song é um esforço colaborativo entre Nikko, Sarissari e Joseane, e foi o pretexto para uma breve conversa com o artista.

John Legend quer protagonizar uma batalha de hits no piano com Alicia Keys

há 3 anos
Falando virtualmente com Nick Cannon em Power 106, John Legend expressou o seu apreço pela série Swizz Beatz e Timbaland no Instagram Live Verzuz e revelou a vontade de protagonizar um frente a frente por um episódio, diferenciado com.Alicia Keys.

Prodígio e Paulo Flores disponibilizam novo vídeoclip

há 2 anos

Yuri da Cunha festeja aniversário com Show em Portugal

há 2 anos
O Casino Estoril (Portugal) será palco do grande show de Yuri da Cunha, dia 13 de Setembro (Domingo), em comemoração do seu 40 º aniversário.

Espectáculo de apresentação do projecto “Esperança – A Bênção & A Maldição” está cancelado

há 2 anos

JAY-Z encaixou mais de 300 milhões de dólares com a venda da sua marca de champanhe a Louis Vuitton

há 2 anos
Revelações da Forbes dão conta de que JAY-Z acabou por lucrar pouco mais de trezentos milhões de dólares, contudo, a marca ficou avaliada em muito mais.

Netflix lança teaser do documentário sobre Kanye West

há 1 ano
Seis meses após noticiarmos que um documentário sobre Kanye West vem sendo produzido há duas décadas, a Netflix confirmou o facto com o lançamento do teaser e divulgação do título, Jeen-Yuh.

DJ Pelé, Flagelo Urbano e Ikonoklasta representam a classe artística na manifestação

há 2 anos
Os músicos Flagelo Urbano, Ikonoklasta, Ready Neutro, MCK e DJ Pelé representam, a classe artística na manifestação pacífica, que decorreu hoje, em Luanda, visando alertar ao governo para fim do elevado custo de vida no país, mas que terminou com a confirmação de mortes.