Universidade Hip Hop Angola: 10 anos a alicerçar os elementos, conceitos e fundamentos da Cultura Hip Hop

A Universidade Hip Hop apresenta-se como uma organização sem fins lucrativos focada na divulgação dos elementos, conceitos e fundamentos da Kultura Hip Hop, virada para o desenvolvimento comunitário a busca pela justiça e igualdade social.

Criada há uma década, mais propriamente aos 6 de Março de 2011, pelo “sexteto” Quartel d’Áfrika, oriundos da Mulemba Waxa Ngola, local onde foi enraizada a catedral do conhecimento do Hip Hop nacional.

Com uma visão inclusiva, a Universidade Hip Hop age de acordo com as linhas de orientação primária do Hip Hop, na busca pela Paz, União e Diversão com responsabilidade. Numa breve conversa com a Carga Magazine, 1000Ton Kanzale, actual Reitor da Universidade e membro fundador, faz uma reflexão de onde vem e para onde vai a U2H*, de acordo com os fundamentos por eles alicerçados.

Como definiria a Universidade Hip Hop?
A Universidade Hip Hop é uma organização juvenil sem fins lucrativos orientada pelos princípios e fundamentos da Kuktura Hip Hop e focada na divulgação e manutenção dos princípios e fundamentos da Kultura Hip Hop assim como o desenvolvimento comunitário e fomento da justiça social através dos elementos da Kultura Hip Hop. Fundada em Angola, tem a sua sede no bairro Mulemba Waxa Ngola, no município do Cazenga em Luanda, realiza nas comunidades actividades voltadas para o fomento do hábito a leitura, a dança, a música, as artes plásticas, ao teatro e ao konhecimento através de seminários, simpósios, palestras, workshops, feiras, concursos académicos infantis e shows.

Qual é o verdadeiro papel da Universidade Hip Hop?
Contribuir para uma melhor condição do Movimento Hip Hop em Angola, divulgando   os princípios e fundamentos da Kultura Hip Hop e a criação de uma base de dados do Hip Hop angola.

Como estão a ser comemorados os 10 anos de existência?
Começamos uma reflexão interna, olhando para o nosso passado, presente e futuro. E daremos sequência com as actividades agendadas que futuramente o pessoal terá contacto.

Já pode adiantar alguma coisa?
A princípios temos as lives que podem ser acompanhadas nas redes sociais da U2H (facebook e youtube)… as outras são as surpresas pelos 10 anos de existência.

A quem coube a sua fundação?
Coube a seis jovens da Mulemba Waxa Ngola, que antes tinham uma pass de nome Quartel d’Áfrika: Patrick Lala, Harvey Madiba, San Kaleia, Neisher Makavelly, Klaudyu Bantu, 1000Ton Nkanzale.

O que esteve na base desta iniciativa?
Ter um espaço onde possamos partilhar conhecimento e dar um contributo ao Movimento Hip Hip e na sociedade em geral.

Como é o vosso fluxograma em termos de “cargos”?
A Universidade Hip Hop -U2H, está dividida da seguinte forma: Membros Fundadores, Membros Directores, Membros Colaboradores, Membros Beneméritos.

O que é necessário para fazer parte da Universidade Hip Hop?Inicialmente idenficar-se com os princípios da U2H. E depois apresentar formalmente o seu interesse de fazer parte da equipa. E a parte “porta de entrada” é como membro Benemérito. E em função do seu empenho vai subindo de categoria.

Quais são os princípios fundamentais da U2H?
Temos uma visão inclusiva agimos de acordo as linhas de orientação primária do Hip Hop: Paz, Amor, União e Diversão com responsabilidade. Estamos focados na divulgação e manutenção dos princípios e fundamentos da kultura Hip Hop. Desenvolvimento comunitário e fomento da justiça social através da Kultura Hip Hop.

Actualmente quantos integrantes tem a U2H?
Membros Directores – 09
Membros Colaboradores – 28
Membros Beneméritos – 12
De reforçar que temos também representantes em outras províncias, exactamente: Kwanza – Sul, Benguela, Huambo, Bié, Malanje e Cabinda. Nas restantes temos tido contactos frequentes, mas devido a dificuldade financeira e de transportação estamos com dificuldades de cumprir com o plano de nos fazermos presentes onde agendamos estar.

Como se chega a reitor?
Tem de fazer parte do Corpo Directivo e, reunir as condições para a sua candidatura ser aprovada: Ser um membro exemplar e regular;
Conhecer os princípios e fundamentos da Kultura Hip Hop;
Conhecer a história do Movimento Hip Hop nacional;
Ter um plano estratégico que ajudará no progresso da organização e do Movimento.

Sabe-se que funciona uma espécie de rotatividade para a 1° posição, quantos reitores já teve?
A rotatividade são de 4 anos e já teve dois Reitores.
Primeiro foi o Klaudyu Bantu, actualmente sou eu, 1000ton Nkanzale.

Está desde a fundação da U2H, e de acordo com os princípios do órgão considera que a vossa existência tenha mudado o movimento?
Sim, teve mudança. As palestras, workshops entrevistas que temos realizado tem ajudado muito pra o entendimento e melhoramento de conceitos da Kultura Hip Hop.

Como avaliam o estado de cada um dos quatro elementos da Kultura Hip Hop, a nível nacional?
Vou me restringir aos 4 elementos núcleos da kultura Hip Hop:
Emceein: Continua em alta, pois temos quantidade e qualidade nas mais variadas vibes ou vertentes.

 Breakin: Desenvolveu muito nos últimos 5 anos dentro e fora de Luanda e, como prova disso, temos campeões internacionais. Estou a falar de Tassio Jay, Wipax, Hellie Groove e John Monster.

 Deejayin: embora seja um elemento mais caro da kultura Hip Hop devido aos custos dos seus materiais, mas ainda assim tem crescido muito bem. Pois, já cobseguimos ver perfomances dos tais ou mesmo acompanhando a actuação de um artista ou grupo.

Graffiti art: também tem crescido muito dentro e fora de Luanda, basta observarmos como têm sido graffitados várias paredes e interiores de salas de eventos, estúdios, publicidades e exposições.

E não posso deixar de mencionar o elemento Zero da Kultura Hip Hop – Street Knowledge (Konhecimento de rua), este que é a espinha dorsal do Hip Hop e também tem ganhado muito terreno. Basta ver como muitos Hiphoppas têm se afirmado na sociedade devido a maneira inteligente como abordam os factos dentro e fora da kultura Hip Hop.

Qual delas tem mais incidência?
Breakin e Emceein. Breakin, pelo crescimento e desenvolvimento brutal que até gerou prémios internacionais.
Emceein, devido a música Rap que é a galinha de ovos de ouro dentro do movimento. Continuam a surgir bons Rapper e Emcees.

Porquê que adoptaram a grafia com o K, invés do convencional?
Devido ao atrevimento intelectual da Kultura Hip Hop, hoje ela criou os seus próprios códigos de conduta quer seja na escrita, na fala, no desenho, na composição, na forma de tocar, na forma de negociar, na forma de vestir, na forma de aprender e de se alimentar. Basta olhar para os seus 10 elementos.

Obs: atenção na forma de escrever, pronunciar e o significa das 3 naturezas do Hip Hop: Hiphop (espírito), Hip Hop (Kultura), hip-hop (produto).

Do que é feita a vossa agenda anual?
Temos patente na nossa agenda anual a responsabilidade social, colaborando e apoiando os centros de acolhimento Okutiuka (Huambo), El Betel (Zango) e ainda um concurso infanto-juvenil “Exercitando Konhecimento” onde para além de questões académicas (4 e 6 classes) falamos de Hip Hop para as crianças e mensalmente temos o evento regular `Conversas Com´.

Temos também mantido relações com a Zulu Nation através do nosso Representante angolano Nelboy. Interagimos com outros Representantes da Zulu no Brasil, King Nino Brown (S.Paulo) DJ TR do (Rio de Janeiro) e aqui na África Subsaariana com o Emile Jesson.

Temos tido também interacção com outras pessoas e organizações internacionais e nacionais ligadas a kultura Hip Hop não ao nível da Zulu Nation mas que têm feito um bom trabalho. E também somos acompanhado por outras organizações internacionais da Kultura Hip Hop.

Não só de conhecimento sobrevivem as organizações, como fazem para se manter financeiramente?
De relembrar que somos uma organização de gestão participativa, sem fins lucrativos contando apenas com recursos próprios dos membros.
Estamos abertos para receber apoios morais e financeiros de pessoas singulares ou colectivas que se identificam com o nosso trabalho. Estamos cientes, de que temos muito para frente por fazer e, queremos contar com o apoio de todas forças vivas da kultura Hip Hop e não só.

as cargas mais recentes

Anitta é desafiada a fazer live com músicas gospel

há 1 ano
Diferente de outros espectáculos, a artista brasileira não vai interpretar as suas próprias músicas e será desafiada a protagonizar uma performance com músicas gospel em voz e violão. O live visa arrecadar fundos para apoiar os desempregados e as famílias mais necessitadas.

Polícia faz buscas e apreende o equivalente a 56 milhões de Kwanzas de Nego do Borel

há 5 meses
As buscas e apreensões estão relaccionadas com a participação que Duda Reis, ex-noiva do músico brasileiro, prestou na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) há 15 dias, alegando que Nego de Borel a teria agredido constantemente durante o relacionamento amoroso que terminou em Dezembro do ano passado.

Por onde andam os Detroia?

há 1 ano
Depois do sucesso da música “Bela”, tida como “febre”, o tempo foi “tomando Paracetamol” e a febre passou. O grupo gravou outras músicas, como “Tubia”, “Envelheceu”, entre outras, mas sem o sucesso do “Bela” e nem serviram para manutenção do grupo na “boca do povo”.

Nova Energia distingue “Doutores” da música

há 6 meses
Os músicos Joãozinho Morgado (Percussão), Boto Trindade (Guitarra) e Teddy Nsingui (Guitarra) foram homenageados sábado, no encerramento da sétima temporada do Show do Mês.

TANB lança “2020”: O registo sonoro de um ano marcante

há 2 meses
São 12 faixas onde nos conduz numa viagem sonora por acontecimentos marcantes, desde a pandemia ao desconfinamento, da violência policial às eleições americanas, sem esquecer a corrida ao papel higiénico.

Daniel do Nascimento quebra o silêncio e anuncia novo single

há 8 meses
Danny L, ou simplesmente Daniel do Nascimento, está de regresso à música, cinco anos depois do último álbum “O dia seguinte”. O multifacetado apresentador anunciou hoje o lançamento do seu próximo projecto musical.

Nova música provoca rixa entre Eminem e Diddy

há 12 meses
Lançada oficialmente em 2019, a faixa “Bang” do Conway The Machine com participação do Eminem teve uma versão inédita que surgiu na internet no passado final de semana. A nova versão gerou enorme repercussão pelo facto de conter ataques do rapper de Detroit para a plataforma de mídia Revolt TV do Diddy e seu ex-afiliado Joe Budden.

Morgan Freeman participa no álbum de 21 Savage e explica porquê

há 8 meses
O actor fez uma espécie de introdução do disco, recitando um texto escrito por Big Rube da Dungeon Family. Satisfeito com o resultado confessou à Revista GQ, que “todo convite que está fora do seu habitué é divertido de fazer”.

DJ Walgee confirma rumores sobre o Covid-19

há 1 ano
O DJ confirmou as informações que circulam em várias plataformas digitais sobre o teste positivo, mas garantiu, durante uma conversa via Skype a partir de Miami, que já se sente melhor.

Exposição “Migrações e Coisas, Retalhos de uma História Só”, agora disponível em catálogo digital

há 1 ano
Em virtude das limitações impostas pela pandemia do coronavírus e do encerramento temporário da exposição de René Tavares, o Banco Económico e a This is Not a White Cube decidiram disponibilizar digitalmente um catálogo onde é possível conhecer a obra do artista santomense.

Fundação Arte e Cultura encabeça festival cultural internacional de homenagem aos heróis da Covid-19

há 10 meses
O festival internacional de arte, em homenagem aos heróis da Covid-19 e de luta contra o racismo “Change is in Unity”, está ser encabeçado em Angola, pela Fundação Arte e Cultura e decorre na Ilha de Luanda, sob os valores Amor, respeito, resiliência, solidariedade, empatia e igualdade.

DJ Ngunza apresenta-se ao mercado internacional com o single “Meu DJ”

há 8 meses
O tema “Meu DJ” marca o início de uma nova etapa para a carreira de DJ Ngunza. Já disponível nas plataformas digitais, “Meu DJ” é assim a prova do empenho e dedicação de Ngunza, procurando ser bem sucedido musicalmente, quer como produtor como Dj.

Neymar está infectado com Covid-19

há 10 meses
O PSG confirmou esta quarta-feira a existência de três casos positivos de Covid-19 no plantel, contudo, o clube parisiense não avançou os nomes. O jornal L’Equipe citou os nomes dos três infectados e o brasileiro Neymar é um deles.

Burna Boy rubrica acordo de representação directa nos Estados Unidos

há 8 meses
O cantor e compositor nigeriano assinou esta semana um contrato com a Society of European Stage Authors & Composer para representação directa nos Estados Unidos da América.

Polémico documentário sobre Michael Jackson terá continuação

há 8 meses
A primeira parte do documentário foi responsável por trazer, novamente, à tona toda a polémica envolvendo supostos assédios cometidos por Michael Jackson, além da suposta pedofilia.

Momentos antes de ser assassinado, Tupac Shakur revelou a Keyshia Cole que queria deixar a Death Row Records

há 10 meses
Embora não foi confirmado por ninguém quando ambos tiveram a conversa, Keyshia revelou que Shakur disse a ela que “planeava da Death Row para assinar com Quincy Jones”, e queria que ela fosse com ele, porque a Death Row não era lugar para crianças, estando ela com 16 anos, na altura.