Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

Yunami traz a consistência e uma irregularidade nos versos que já não se ouve nos rappers de hoje. O músico nasceu no Sambizanga e vive actualmente em Debrecen, Hungria. Foi em Luanda que começou a cultivar a veia artística e quando chegou ao país europeu , fez o seu nome e tornando-se o primeiro e o único representante do Rap angolano naquelas paragens. Com sete anos de carreira, gravou três projectos musicais, incluindo vídeclipe, com o suporte da Carga, Yunami apresenta-se ao mundo.

Começou a desenvolver o gosto pela música em Luanda. Quando é que sentiu a necessidade de apostar seriamente na carreira artística? Propriamente no início de 2013, quando meu primo produtor incentivou-me a deixar de ser ghost writer e fazer músicas para mim mesmo, ele produziu, eu fiz a composição e gravamos a minha primeira música, que se intitula “Verdades Ocultas”.

Quando é que chegou a Hungria e como foram os primeiros contactos com as produtoras? 
Vim cá em 2018 por formação. Estudo Gestão e Administração de Negócios. Não tive contactos com produtoras inicialmente, estabelecia apenas com as angolanas, que já conhecia, só depois de gravar o meu vídeo foi quando recebi propostas de produtoras locais.

E foi assim que começa a acreditar mais no sonho de ser rapper?
Não, eu sempre fiz música como uma forma de melhorar a mim mesmo, de auto-evoluir as minhas capacidades com a escrita e, quando dei por mim, já estava intimamente ligado a arte no geral, mas posso dizer que vir para Europa melhorou o meu envolvimento com a música no geral.

Como foi isso no princípio, teve que esquecer tudo que estava a construir em Angola?
Estar aqui chega a ser um pouco melhor para artistas independentes como eu, há uma facilidade em produzir música, desde a aquisição dos materiais e a distribuição. O que chega a ser um exercício caro em Angola.

Qual é a sensação de fazer música na Europa, sendo angolano e está habituado às sensações luandenses? 
É uma sensação muito boa, já que tenho a oportunidade de observar de longe e melhor o mercado Rap Nacional. Existe uma concentração do estilo em Luanda, então é mais fácil absorver tudo fazer o meu escoamento e tentar produzir algo diferente. Então, é uma sensação muito boa.

Sabe que a sua forma de cantar se assemelha a de Bob da Rege Sense? Como é que nasceu esse seu lado?
Já e foram inúmeras vezes. Antes mesmo do meu primo convencer-me a cantar, eu ouvi o Bob em seu álbum “Bobinagem”, e fiquei maravilhado e passei a ouvir quase sempre. Quando lançou o álbum “Diários de Marcos Robert”, eu disse para mim mesmo que se tivesse de cantar um dia tinha de ser e soar como soava o Bob, achava que fosse a coisa mais normal, até perceber que não era, então decidi mudar e até aqui tenho tentando adquirir a minha própria identidade e desvincular-me da do Bob.

Já tentou gravar algo com ele? 
Nunca, apesar de algumas vezes ter-me comunicado com ele por meio das redes sociais. Mas é um dos meus maiores desejos enquanto rapper, poder partilhar uma faixa com o Bob, me sentiria mais do que realizado. Preciso, primeiro, atingir um nível não o mesmo em que ele está, mas um onde o meu trabalho possa ser visto por ele, e assim partilharmos um tema onde ele consiga se rever.

Possui duas mixtapes. Quando pensa apresentar o seu terceiro projecto musical? 
Tenho o meu terceiro projecto pronto já há cerca de 1 ano, só não disponibilizei ainda porque tenho estado a procurar a melhor maneira de divulgar junto de alguns sites e nomes, para que este não tenha o mesmo caminho que os outros projectos.

A nível de participações o que traz nesse novo trabalho? 
Sou muito fiel aos artistas com quem trabalho durante estes anos todos, então não houve uma enorme mudança. No vocal trago artistas como Khriz de Carvalho, Bruno Love, Málua Dácio, Kieny, Anazus, Sidjey, Xiribuh e  Alberta Canjungo. Quanto aos rappers, tem o Luso, Killer Mc, ND Midas PL Palestino e Jgef.

Falou dos projectos anteriores que não foram bem sucedidos. Que estratégia tem adoptado para se dar a conhecer ao mundo? 
Considero essa entrevista uma das estratégias, fora isso procuro sempre divulgar as minhas músicas nas minhas redes sociais, em rádios (Show Time) e  nos blogs de Rap nacional, tal como o Cenas Que Curto, Hip Hop Angolano, Underground Lusofóno, Movkool e no site brasileiro Noticiário Periférico.

Yunami: O rapper que  representa Angola nos palcos da Hungria

Como faz para promover a sua carreira na Hungria? 
Inicialmente, tive de me enturmar no grupo de artistas que encontrei cá, vou participando em álbuns, EPs e singles.

Que palcos normalmente se tem apresentado?
Geralmente em casas nocturnas. Frequentava mais palcos em Angola, numa fase embrionária da minha carreira.

O tipo de poética que traz, não é muito cultivado no Rap angolano. Qual são os seus planos com isso?
Para mim, é mais que improvável que esse lado em mim morra, uma vez que todos os artistas a quem me inspirei tiveram e têm a mesma linha de pensamento, é triste o excesso de futilidade que vem sendo consumida ultimamente, mas eu ainda creio que existem pessoas que se agradam com o tipo de poesia que eu exalo nos mikes.

Quando é que pensa regressar ao país? 
Gosto viver entre o presente e o futuro, apesar de muitas das vezes dar mais sentido ao aspecto carpe diem, o meu foco aqui está na formação o resto hei-de ver assim que concluir.

Com que artistas vai se associar assim que vier a Angola? 
Nesse momento não existem muitos e os poucos que admiro têm trabalhado muito pouco. Mas os meus desejos antigos são Paulo Flores, Kool Klever e Sanguinário. Um artista novo seria o Paulelson.

Como é que está o Rap angolano na Hungria?
Não existe Rap angolano na Hungria, uma vez que sou o único artista Rap cá.

Até onde está disposto a para defender a sua musicalidade?
Não tenho pretensões de ocupar espaço algum, mas quero muito poder transformar mentes e revolucionar atitudes de forma positiva com a minha música.

Quais são as suas referências artísticas?
Bob da Rage Sense, André Mingas, Nas, J. Cole, Kalibrados, Army Squad, Wu- Tang,  Bob Marley e Lucky Dube.

as cargas mais recentes

Stevie Wonder vai viver no Gana para evitar que sua família sofra de racismo

há 5 meses

Morreu Irrfan Khan, actor do filme Quem Quer Ser Milionário

há 1 ano
Esta terça-feira, a estrela de Bollywood, Irrfan Khan sentiu-se mal e acabou por ser encaminhado de urgência para o hospital de Mumbai (Índia), onde acabou por morrer aos 53 anos, devido uma infeção no cólon.

Fragata de Morais exaltado no Circuito Internacional de Teatro

há 10 meses
O escritor e dramaturgo angolano, Fragata de Morais, será homenageado durante 28 dias na quinta edição do Circuito Internacional de Teatro, em Luanda.

Mungueno: Rappers imortalizam Waldemar Bastos em nova EP

há 4 meses
Pensólogo, Kamesu, Ikonoklasta, Haudas, Flagelo Urnano, Mono Sterio, Grand F e Franchoddas, vão rimar por cima de samples e vozes de Waldemar Bastos, deixando um registo do melhor da nova e velha geração do Rap nacional.

Sinead O’Connor queixa-se nas redes sociais: “Estou a morrer de fome”

há 10 meses
A cantora padece de agorafobia e recorreu às redes sociais está semana, para falar sobre a luta contra o transtorno de ansiedade que a deixa com medo de sair de casa.

Kanye West poderá ficar impedido de escrever e cantar temas sobre Kim Kardashian

há 5 meses

Fela Kuti, pioneiro do Afrobeat, nomeado ao Rock and Roll Hall of Fame

há 6 meses

Kassav desmente manchetes sobre alegada morte de Jacob Desvarieux

há 2 semanas
O grupo Kassav reprovou, por meio de um comunicado de imprensa a disseminação de falsas informações sobre Jacob Desvarieux, que até ao momento segue em coma artificial, “um protocolo médico clássico”.

ORLEI: Há 10 anos a provar que o Rock em Angola já não morrerá

há 11 meses
Devido sua magnitude, O Rock Lalimwe Eteke Ifa ” O Rock Nunca Mais Morrerá ” confunde-se com as celebrações da fundação da cidade do Huambo. Este ano, o evento assinala o 10° aniversário e a organização reinventou-se e trouxe 10 dias de espectáculos intensos com as principais bandas de Rock nacional.

Stop Covid: Grafiteiros pintam murais das comunidades com os métodos de prevenção

há 1 ano
Um grupo de artistas plásticos está a ensinar, várias comunidades em Luanda, métodos de prevenção contra o coronavírus, usando a arte urbana “grafite”. Os grafiteiros tudo fazem para atingir mais bairros e vêem-se impossibilitados.

Morreu Chi Modu, o maior documentarista da história do Hip Hop

há 2 meses
Aos 54 anos, Chi Modu se junta a Pac, Big, Eazy e todas outras lendas que ajudou a imortalizar.

“Estou a ser cobiçada por várias produtoras”

há 1 ano

Novo single de Kid Cudi com a participação de Eminem chega ao topo do iTunes

há 1 ano
Trata-se da primeira parceria musical entre Kid Cudi e Eminem, a colaboração era aguardada há bastante tempo, depois que Kid Cudi pediu publicamente para gravar uma música com o rapper através de uma mensagem em suas redes sociais.

Rihanna volta a ser a artista com mais músicas certificadas pela indústria

há 6 meses

Manhãs do Rap homenageia Mestre Ngadiama Wacambasonhi e Mestre Nanhi Wanguimono

há 2 meses
“Manhãs de Rap, faz e traz bom Rap!” é o lema do evento que virou marca no movimento Hip Hop, idealizado por Apelação (In Memoriam), T.O, Ti João e Sobrevivente, o mesmo teve início em 2012, no Rocha pinto.

José Neto é o novo técnico de basquetebol do Petro

há 11 meses
O técnico brasileiro José Neto é o novo técnico da equipa sénior masculina de basquetebol do Petro de Luanda.