Yuri da Cunha: “Mais do que lançar um disco, quero ajudar a contar a história musical de Angola”

Com quatro shows programados para os dias 9, 10, 17 de Abril e dia 1 de Maio, Yuri da Cunha vai cantar Teta Lando e reafirmar o compromisso de ser a “ponte” entre a nova geração e a historiografia da música popular angolana.

Depois de prestigiar Artur Nunes, na nova temporada do conceito `Yuri da Cunha canta´, Teta Lando é o artísta da vez e, na qualidade de exímio intérprete, vai memorar canções que transportam a mensagem poética e popular de uma Angola sessentista.

Porém, não só de cantos será feito o certame. Movido pelos seus ideais, Yuri vai propagar a tradição oral por meio de história e vivências do incontornável ícone, num live descontraído, marcado para o dia 7 de Abril, com amigos e familiares de Teta.

No mais, à Carga Magazine Mr. Pulungunza assegurou que esta temporada de shows é uma mensagem de amor que atravessa gerações.

Yuri da Cunha: “Mais do que lançar um disco, quero ajudar a contar a história musical de Angola”

O projecto `Yuri da Cunha canta´ começou com Artur Nunes e já tem um tempo desde que foi concebido, como é para si voltar a este conceito?

Sempre interpretei os grandes nomes nos meus shows, nunca deixei de fazê-lo. Infelizmente a essa altura, a pandemia nos tirou dos palcos… mas faz parte da minha vida interpretar estes grandes nomes da nossa praça, faz parte daquilo que é para se continuar a ser angolano.

Está empenhado nisto há já algum tempo, qual tem sido o retorno?

O retorno é lento. Sou daquelas pessoas que os projectos são feitos a longo prazo, eu penso numa Angola para daqui a cento e tal ou duzentos anos.

Por quê num futuro tão longiquo?

Porque Angola não pode existir só enquanto estou vivo, Angola vai existir para os meus netos, bisnetos e vai continuara a ser um país. Não estarei aqui, mas sei que eles saberão que existiu um Yuri da Cunha e que o avô ou bisavô lutou com honra para que Angola seja um ponto de Amor, equilíbrio e muito cultural.

É visívelmente pujante em si o exemplo desta Angola musical sessentista…

Neste momento vivo um bocadão das histórias musicais e de vivência de pessoas como Teta Lando, daí eu fazer esta homenagem, o que quer dizer que se há sessenta anos, quando Teta Lando começou a cantar, começou a fazer a sua música de forma a criar uma condição melhor para o angolano, eu quero fazer o mesmo. E se perguntar o que quero fazer de agora em diante, a resposta será: quero servir a minha nação, porque também já fui servido.

Mencionou que o retorno por estas “redescobertas” tem sido  lento. No seu entender, o que estará na base disto?

É normal, são processos. O país, nós enquanto estado, não estamos todos juntos nas causas nobres e muita gente vai fazendo o caminho inverso e,até fazermos todo mundo entender que lagartixa não é jacaré, vai levar bastante tempo e não estou preocupado com este tempo, pois o importante é começar e a força da vida, fará com que as coisas cheguem no seu tempo, aliás, ninguém sabe o que Deus tem programado para nós e para aqueles que não são de Deus, ninguém sabe o que o universo tem preparado para nós.

Não é claramente um trabalho só da classe artística…

No fundo não há um trabalho colectivo para educarmos e ensinarmos as nossas pessoas a perceberem quem elas são, é importante que se faça isso e que a classe política principalmente tome nota sobre isso, pois são fundamentais para o processo de crescimento, valorização e integração do angolano e da sua matéria.

Em que aspectos é que o Covid-19 influenciou a sua vida?

Mudou muita coisa, comecei a ter mais tempo para mim, a cuidar mais de mim e me percebendo mais e assim passei a ter melhor percepção sobre os outros, sobre o respeito, perdão, a dinâmica da vida, sobre como encontrar tempo para construir Angola. A pandemia, no fundo, não me trouxe coisas más.

Tirando as mortes que causou no mundo e atrapalhou muita gente, a mim trouxe momentos para reflectir, trouxe o 3G, trouxe o 4.0 e O Reino, musicalmente foi um saldo positivo, pessoalmente distanciou-me de pessoas, sou muito ligado ao toque e com a pandemia o toque fica distanciado e tem sido difícil.

Fale-nos sobre o Mr. Pulungunza?
Não é o meu álbum mais recente, Mr. Pulungunza é o nome que dei ao alter ego. É o Yuri da Cunha com muita força, muita pulungunza, logo, chamamos o Mr. Pulungunza para fazer aquilo que não fiz na minha juventude, por causa da minha responsabilidade com o Semba e com as músicas de Angola. O Mr. Pulungunza entra um pouquinho na música jovem de África.

E para quando está previsto o lançamento do seu próximo trabalho musical?

Por agora, estamos mais preocupados com estes shows e mais do que lançar um disco, nós queremos afirmar coisas, queremos ensinar as pessoas a perceberem a música de Angola, não só com falas, mas é importante falar, estarmos juntos. É importante fazer o Show `Yuri canta Teta Lando´, como fiz `Yuri canta Artur Nunes. É preciso fazermos para se conhecer a história, porque o futuro começa no passado e sem passado o povo não tem história, e nós temos muita história para se contar que, infelizmente, não foi contada há tempo, nós estamos a contar a nossa parte musical, e será contada um dia.

as cargas mais recentes

Diálogo ancestral norteia storyteller do primeiro videoclipe de Flagelo Urbano

há 7 meses
A escolhida para a “peripécia”, foi a música intitulada `Desapego´, por sinal, a primeira promocional do álbum `Desvio Padrão´, que já se sabe que será um trabalho afrocentrado, profundo e “pluriversalista”.

Conheça Jassira Pascoal, a mais nova aposta do Dj Raiva e Punidor

há 10 meses
A jovem de 20 anos despertou a atenção dos dois profissionais no Unitel Estrelas ao Palco (2019), onde acabou sendo eliminada, mas seu trimbre vocálico, letras e talento podem ajudá-la a tornar-se numa das novas referências da música angolana.

Hoje é o dia da rádio. Qual é a música que só te cuia ouvir na rádio?

há 4 meses

Lançado há pouco menos de um ano, “O Sucesso a um Passo” já conquistou leitores internacionais

há 1 ano
Já foi vendido um total de 1.275 exemplares entre Angola, Portugal e Brasil do livro cuja autoria pertence a Januário Guimarães. A publicação de auto ajuda profissional estimula o desenvolvimento de atitudes, habilidades e comportamentos necessários no âmbito profissional.

Yci Walter: Uma nova proposta musical para 2021

há 5 meses
Yci Walter canta há seis anos. Além de cantor, tem conseguido algum protagonismo como director artístico. A canção “Como Céu”, de Yola Araújo, teve o seu dedo. Já participou também em projectos com músicos como Kool Klever.

Victória dos Lakers coloca LeBron James a um passo de Michael Jordan

há 9 meses
A vitória, nesta madrugada, dos Lakers sobre os Heat fez de LeBron James o primeiro jogador na história da NBA a conquistar o prêmio com três franquias diferentes. O extremo está agora a um passo de Michael Jordan, tido como o maior de sempre.

NGA disponibiliza hoje três novos projectos musicais

há 7 meses
Constituído por “Só Se Vive Uma Vez”, “Por Nós” e P’ra Nós”, o triplo lançado nas celebrações do 38.° aniversário do artista angolano radicado na Linha de Sintra representa a consistência lírica do vasto registo fonográfico, onde se destacam “Filho Das Ruas”, “King”, “Filho Das Ruas 2.

Selda elogia Pérola publicamente e fãs “agradecem”

há 1 ano
Afinal nem tudo está perdido no mundo da música em Angola, onde as relações entre os artistas não têm sido das melhores. Mesmo sem serem amigas, Selda fez uma dedicatória à Pérola, no seu instagram, e os internautas ficaram deslumbrados.

Um dia após lançar novo álbum e bater records de venda, Lana del Rey anuncia outro álbum

há 3 meses
Intitula-se “Rock Candy Sweet” e estará disponível a partir do dia 1 de Junho, nas palavras da própria artista, o disco servirá como resposta às acusações de “apropriação cultural e glamorização da violência doméstica” que têm sido feitas contra si.

Rap triunfa na 1° edição do “Estrelas ao Palco Vencedores”

há 3 meses

Eva RapDiva: “Dou bons conselhos nas minhas músicas e não vejo a maior parte das jovens a seguirem”

há 3 meses

Eclosão: Leandro Marques inaugura primeira exposição individual na Galeria Tamar Golan

há 3 meses
A mostra ficará patente ao público até ao dia 26 de Abril, podendo ser visitada de Segunda a Sexta-feira, das 9h00 às 17h00, na galeria de arte contemporânea da Fundação Arte e Cultura, na Ilha de Luanda, junto à escola 1205, paragem da Casa Lisboa.

Vênias aos Filipes

há 1 ano
Dupla foi homenageada no Show do Mês, duas noites de evento que ficarão nos anais da música angolana.

Novo álbum da Banda Maravilha traz mistura de Kuduro com o Semba

há 12 meses
onhecida como verdadeira executante dos instrumentos tradicionais do Semba, a banda revelou à Carga que o aguardado álbum já está pronto e colocará à disposição dos fãs 5 mil cópias.

Luandina e Nagrelha juntos em nome da população

há 1 ano
Depois do show live no Domingo passado, na Zimbo, que liderou as audiências, com o patrocínio da Luandina, reuniu-se com a equipa de marketing e Administração da Sodiba no sentido de apresentar os diversos projectos que tem em mente para ajudar a melhorar a vida das comunidades em que tem maior influência. Foram debatidas ideias e planeados os próximos passos para transformar sonhos em realidade.

Escolhidos os músicos para o hino da independência

há 1 ano
Os artistas escolhidos para dar voz ao hino dos 45 anos de independência de Angola já foram escolhidos, segundo Big Nelo, afirmando que serão 20 no total, em representação das quatro regiões do país.