A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

Massoxy’h é uma voz que representa o Rap angolano em Moscovo. O artista chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

O dom pela música começou na adolescência, nessa altura vivia na Bela Vista( Viana). Hoje, o estudante da universidade de MISIS é a maior referência do Boom Bap e Trap na capital russa.

Com o seu estilo livre, o rapper não mede esforço, faz da tripa o coração e traça planos para invadir o mercado angolano. “Tenho que sacrificar uma parte do almoço ou jantar para gravar uma música. Sei que não vai ser fácil se impor no meu país, mas sou muito paciente”.

Apesar de ter uma carreira embrionária, o cantor tem várias músicas gravadas, cinco das quais a solo.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

Para continuar a crescer profissionalmente e estar próximo dos seus objetivos, vai abrir uma produtora. “Gravo em estúdios russos, mas penso em comprar já os meus materiais e começar a gravar em casa”, manifestou.

Nostálgico, Massoxy’h está ansioso para pisar palcos angolanos e fazer parceria com os músicos de referências no país.

as cargas mais recentes

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 2 anos
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Autor de “Bad B Tá Maluco” fala do boicote no Festa da Música: “Eles ´e que foram à minha procura”

há 5 meses

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 2 anos
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 1 ano
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 2 anos
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 2 anos
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 1 ano
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 2 anos
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 3 anos
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 2 anos
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 3 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 3 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.