Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Quando é que decide apostar na música?

Comecei a cantar desde os meus 15 anos na Banda Kakonda, isto em bares, lá mesmo no Lobito. E sentia que as pessoas gostavam do que eu fazia.

Como está a sua carreira artística neste momento?

Estou à procura do meu espaço no mercado.
Já estou estou a terminar o EP, de que fará parte as músicas ‘Sarita – A Nina Tá Malé’ (promocional com vídeo clípe) e ‘Amor Antigo’, com outras a sair brevemente.

Neste momento, já possui quantas músicas?

Prontas tenho duas, a Sarita – A Nina Tá Malé  e & Amor Antigo, que já estão disponíveis no ITunes, Google Play, Amazon Music e Spotify e YouTube.

Quais são as participações? 

De momento nenhuma.

Para quando é que está agendada a publicação do EP?

Estamos a trabalhar agora nisso. Tenho um representante que trata destas questões.

Está ciente das dificuldades impostas pelo mercado?

Também estou à procura de uma opoportunidade.

O que propõe como a das mais novas vozes no mercado?

A minha voz, a minha melodia e a minha forma de cantar fazem toda a diferença.

A que produtora esta associada?

De momento nenhuma. Trabalhamos com produtores independentes.

Ja começou a colher os frutos?

Em fase de promoção e sendo pouco conhecida a nível internacional ou nacional ainda não tenho muito saída,mas canto normalmente no MD House.

O que procura expressar nas suas músicas?

Música é um meio de comunicação. A música é algo que nos vai à alma. Eu canto no Geral. Porque quero que a minha música atinja todo tipo de público. Canto para todas as idades.

Que músicos tem como referências?

Matias Damásio e Anselmo Ralph. Mas eu canto todo estilo de música. Sou versátil.

as cargas mais recentes

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 1 ano
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 1 ano
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 3 meses

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 11 meses
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 1 ano

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 12 meses
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 1 ano
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 1 ano
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 9 meses
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 1 ano
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 1 ano
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 1 ano
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 8 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 1 ano
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 1 ano
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 4 meses
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.