Banda Prontidão: A Banda do Futuro

Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

O objectivo é tornarem-se nos Kassav de Angola, um conjunto versátil onde todos fazem quase tudo, e serem os melhores do país. Individualmente são vistos nos principais concertos em Angola, são muito requisitados, sendo que 50 por cento da banda é quase fixa no projecto Show do Mês.

No entanto, o caminho é longo, ainda têm muito pela frente e sabem disso. A única certeza é que são a banda do futuro.

Em entrevista à Revista Carga falam dos projectos e criticam a música angolana pelo facto de estar a “viver” da programação em detrimento do acústico.

Porquê banda Prontidão?

O grupo de amigos músicos que se juntava para fazer acompanhamento de cantores e diziam que tocavam em “Prontidão”, e quando decidiram formar uma banda deram o nome de “Banda Prontidão”

Como está constituído o grupo?

O Grupo está constituído da seguinte maneira: Yark Spin (Director Artístico e Guitarrista), Pascoal (Responsável Técnico), KD (Baixista), Benny Macanzo (Teclados), Genial (Teclados), Jack da Costa (Baterista), Alexandre Gaspar (Percussão e Voz), Raquel Lisboa (Cantora), Djanira Mercedes (Vocalista Principal).

Qual o real objectivo do grupo, uma vez que todos fazem trabalhos individuais?

Apesar de cada elemento da banda fazer trabalhos individuais, o real objectivo de todos é tornar a Banda Prontidão uma referência no mercado musical. Estamos todos comprometidos com o nosso projecto.

Até a pouco tempo a Djanira era a vocalista da Banda Maravilha, o que se passou?

A Djanira como cantora foi ganhando uma perspectiva diferente da Banda Maravilha e como tal decidiu deixar de ser um membro efectivo da mesma. Surge então a Banda Prontidão, com um conceito mais próximo daquele em que a Djanira se revê, e ela abraçou este novo desafio.

Tocam e cantam ou apenas tocam?

Até pouco tempo fazíamos apenas acompanhamento a outros cantores, mas como podem perceber agora temos um formato diferente e cantamos também.

No formato actual temos a Djanira como vocalista principal, a Raquel também cantora e o nosso percussionista, Alexandre, também como cantor. No actual modelo tocamos e cantamos, mas claro que continuamos a acompanhar outros cantores.

Têm temas da vossa autoria?

Sim.

Porquê que são vistos apenas a interpretarem de outros artistas?

Os temas de nossa autoria estão a ser trabalhados e contamos em breve apresentá-los. Neste momento tocamos músicas de outros artistas com o qual nos identificamos, tais como Mito Gaspar, Gabriel Tchiema, Filipe Mukenga, Kiezos, Belita Palma, só para citar alguns que ajudam também a perceber a nossa linha musical.

Qual a relação com os “The Kings”, uma vez que um dos responsáveis era ou é integrante?

A relação é boa e saudável. O nosso diretor artístico, Yark, faz parte dos “The Kings”. O Toty ausentou-se por um tempo para seguir a carreira a solo e o Yark foi o único que, pela sua competência, consegui substituí-lo.

No entanto, é importante realçar que tanto o Toty como o Wilder são professores de harmonia musical e canto, ou seja o Yark saiu da sua zona de conforto (Semba, kizomba…) e bebeu outras sonoridades com estes dois e trouxe como bagagem para a Banda Prontidão, tal como a Djanira anteriormente na Banda Maravilha.

Qual o género musical que vos caracteriza?

O género musical que nos caracteriza é o Semba, Tchianda, Kilapanga, mas tocamos tudo, principalmente quando somos convidados para acompanharmos outros músicos.

Como caracterizam a música angolana?

A música angolana está boa para quem ouve, mas nós que tocamos temos uma apreciação diferente. No meu ponto de vista, como director artístico da banda, a nossa música (angolana no geral) está muito frágil, precisa de mais arranjos. Os músicos devem apostar mais na música acústica e esquecer um pouco as programações.

Tem boas letras, mas a instrumentalização é muito “pobre”, utilizam muitos instrumentos programados e alguns casos não usam, por isso há músicas com letras bonitas, mas sem “alma” por faltar uma guitarra, por exemplo.

Até onde pretendem chegar?

Queremos ser como os Kassav em Angola, uma banda com músicos que dominam o que fazem, versáteis. Queremos ser os melhores de Angola, manter a nossa música no mercado durante décadas, a semelhança dos Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha. Somos a banda do futuro.

Contudo, temos os pés bem assentes no chão. Temos ideias próprias, mas não conseguimos caminhar sozinhos, precisamos de apoios para alcançar os nossos objectivos.

APRESENTAÇÃO DA BANDA:

Nome: Kabuiku horege Decoment
Função: Baixista
Idade: 28 anos
Tempo de carreira: 8 anos de música. Começou na banda “Free Band”.

Nome: Djanira Mercedes
Função: Vocalista Principal
Idade: 28 anos
Tempo de carreira: 10 anos de carreira. Começou a fazer Bar com o Duo Kikola Júnior e Mick Mota

Nome: Yark Spin
Função: Guitarrista e director artístico
Idade: 30 anos
Tempo de música: 11 anos de música: Começou na Banda “Jabumba”, a convite do Mayo Bass e Pascoal Manguidi.

Alexandre Gaspar
Função: Percussionista
Idade: 21 anos
Tempo de música: 5 anos de carreira. Começou nos cantores de Rua com o músico Yoxi.

Nome: Raquel Lisboa
Função: Vocalista
Idade: 34 anos
Tempo de música: 17 anos. Começou nos Jovens do Prenda com apenas 17 anos de idade.

Nome: Genial
Função: Tecladista/pianista
Idade: 34 anos.
Tempo de música: 11 anos. Começou na Banda Voga, da Força Área Angolana.

Nome: Jack da Costa
Função: Baterista
Idade: 22 anos
Tempo de música: 2 anos. Começou na Banda Maya Cool, banda que acompanhava o músico com o mesmo nome.

as cargas mais recentes

Alice Julie mostra os frutos da parceria com a Milionário Records

há 10 meses
Desde pequena sonhou em se tornar numa estrela da música, um desejo que será agora materializado pela Milionário Records. A mais recente aposta da produtora já começou a trabalhar para os seus dois primeiros álbuns e esta sexta-feira (27) vai testar o público com o single “Encaixe Perfeito”.

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 3 meses

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 1 ano

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 12 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 1 ano
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 1 ano
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 11 meses
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 1 ano
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 1 ano
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 1 ano
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 1 ano
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 1 ano
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 1 ano
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 1 ano
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 7 meses
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 1 ano
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.