Banda Prontidão: A Banda do Futuro

Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

O objectivo é tornarem-se nos Kassav de Angola, um conjunto versátil onde todos fazem quase tudo, e serem os melhores do país. Individualmente são vistos nos principais concertos em Angola, são muito requisitados, sendo que 50 por cento da banda é quase fixa no projecto Show do Mês.

No entanto, o caminho é longo, ainda têm muito pela frente e sabem disso. A única certeza é que são a banda do futuro.

Em entrevista à Revista Carga falam dos projectos e criticam a música angolana pelo facto de estar a “viver” da programação em detrimento do acústico.

Porquê banda Prontidão?

O grupo de amigos músicos que se juntava para fazer acompanhamento de cantores e diziam que tocavam em “Prontidão”, e quando decidiram formar uma banda deram o nome de “Banda Prontidão”

Como está constituído o grupo?

O Grupo está constituído da seguinte maneira: Yark Spin (Director Artístico e Guitarrista), Pascoal (Responsável Técnico), KD (Baixista), Benny Macanzo (Teclados), Genial (Teclados), Jack da Costa (Baterista), Alexandre Gaspar (Percussão e Voz), Raquel Lisboa (Cantora), Djanira Mercedes (Vocalista Principal).

Qual o real objectivo do grupo, uma vez que todos fazem trabalhos individuais?

Apesar de cada elemento da banda fazer trabalhos individuais, o real objectivo de todos é tornar a Banda Prontidão uma referência no mercado musical. Estamos todos comprometidos com o nosso projecto.

Até a pouco tempo a Djanira era a vocalista da Banda Maravilha, o que se passou?

A Djanira como cantora foi ganhando uma perspectiva diferente da Banda Maravilha e como tal decidiu deixar de ser um membro efectivo da mesma. Surge então a Banda Prontidão, com um conceito mais próximo daquele em que a Djanira se revê, e ela abraçou este novo desafio.

Tocam e cantam ou apenas tocam?

Até pouco tempo fazíamos apenas acompanhamento a outros cantores, mas como podem perceber agora temos um formato diferente e cantamos também.

No formato actual temos a Djanira como vocalista principal, a Raquel também cantora e o nosso percussionista, Alexandre, também como cantor. No actual modelo tocamos e cantamos, mas claro que continuamos a acompanhar outros cantores.

Têm temas da vossa autoria?

Sim.

Porquê que são vistos apenas a interpretarem de outros artistas?

Os temas de nossa autoria estão a ser trabalhados e contamos em breve apresentá-los. Neste momento tocamos músicas de outros artistas com o qual nos identificamos, tais como Mito Gaspar, Gabriel Tchiema, Filipe Mukenga, Kiezos, Belita Palma, só para citar alguns que ajudam também a perceber a nossa linha musical.

Qual a relação com os “The Kings”, uma vez que um dos responsáveis era ou é integrante?

A relação é boa e saudável. O nosso diretor artístico, Yark, faz parte dos “The Kings”. O Toty ausentou-se por um tempo para seguir a carreira a solo e o Yark foi o único que, pela sua competência, consegui substituí-lo.

No entanto, é importante realçar que tanto o Toty como o Wilder são professores de harmonia musical e canto, ou seja o Yark saiu da sua zona de conforto (Semba, kizomba…) e bebeu outras sonoridades com estes dois e trouxe como bagagem para a Banda Prontidão, tal como a Djanira anteriormente na Banda Maravilha.

Qual o género musical que vos caracteriza?

O género musical que nos caracteriza é o Semba, Tchianda, Kilapanga, mas tocamos tudo, principalmente quando somos convidados para acompanharmos outros músicos.

Como caracterizam a música angolana?

A música angolana está boa para quem ouve, mas nós que tocamos temos uma apreciação diferente. No meu ponto de vista, como director artístico da banda, a nossa música (angolana no geral) está muito frágil, precisa de mais arranjos. Os músicos devem apostar mais na música acústica e esquecer um pouco as programações.

Tem boas letras, mas a instrumentalização é muito “pobre”, utilizam muitos instrumentos programados e alguns casos não usam, por isso há músicas com letras bonitas, mas sem “alma” por faltar uma guitarra, por exemplo.

Até onde pretendem chegar?

Queremos ser como os Kassav em Angola, uma banda com músicos que dominam o que fazem, versáteis. Queremos ser os melhores de Angola, manter a nossa música no mercado durante décadas, a semelhança dos Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha. Somos a banda do futuro.

Contudo, temos os pés bem assentes no chão. Temos ideias próprias, mas não conseguimos caminhar sozinhos, precisamos de apoios para alcançar os nossos objectivos.

APRESENTAÇÃO DA BANDA:

Nome: Kabuiku horege Decoment
Função: Baixista
Idade: 28 anos
Tempo de carreira: 8 anos de música. Começou na banda “Free Band”.

Nome: Djanira Mercedes
Função: Vocalista Principal
Idade: 28 anos
Tempo de carreira: 10 anos de carreira. Começou a fazer Bar com o Duo Kikola Júnior e Mick Mota

Nome: Yark Spin
Função: Guitarrista e director artístico
Idade: 30 anos
Tempo de música: 11 anos de música: Começou na Banda “Jabumba”, a convite do Mayo Bass e Pascoal Manguidi.

Alexandre Gaspar
Função: Percussionista
Idade: 21 anos
Tempo de música: 5 anos de carreira. Começou nos cantores de Rua com o músico Yoxi.

Nome: Raquel Lisboa
Função: Vocalista
Idade: 34 anos
Tempo de música: 17 anos. Começou nos Jovens do Prenda com apenas 17 anos de idade.

Nome: Genial
Função: Tecladista/pianista
Idade: 34 anos.
Tempo de música: 11 anos. Começou na Banda Voga, da Força Área Angolana.

Nome: Jack da Costa
Função: Baterista
Idade: 22 anos
Tempo de música: 2 anos. Começou na Banda Maya Cool, banda que acompanhava o músico com o mesmo nome.

as cargas mais recentes

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 3 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Nasce uma nova estrela da música

há 1 ano
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 1 mês
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 8 meses
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 10 meses
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 11 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 10 meses
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 12 meses
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 8 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 12 meses
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 9 meses
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 7 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 6 meses
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 11 meses
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 5 meses
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 8 meses