Banda Prontidão: A Banda do Futuro

Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

O objectivo é tornarem-se nos Kassav de Angola, um conjunto versátil onde todos fazem quase tudo, e serem os melhores do país. Individualmente são vistos nos principais concertos em Angola, são muito requisitados, sendo que 50 por cento da banda é quase fixa no projecto Show do Mês.

No entanto, o caminho é longo, ainda têm muito pela frente e sabem disso. A única certeza é que são a banda do futuro.

Em entrevista à Revista Carga falam dos projectos e criticam a música angolana pelo facto de estar a “viver” da programação em detrimento do acústico.

Porquê banda Prontidão?

O grupo de amigos músicos que se juntava para fazer acompanhamento de cantores e diziam que tocavam em “Prontidão”, e quando decidiram formar uma banda deram o nome de “Banda Prontidão”

Como está constituído o grupo?

O Grupo está constituído da seguinte maneira: Yark Spin (Director Artístico e Guitarrista), Pascoal (Responsável Técnico), KD (Baixista), Benny Macanzo (Teclados), Genial (Teclados), Jack da Costa (Baterista), Alexandre Gaspar (Percussão e Voz), Raquel Lisboa (Cantora), Djanira Mercedes (Vocalista Principal).

Qual o real objectivo do grupo, uma vez que todos fazem trabalhos individuais?

Apesar de cada elemento da banda fazer trabalhos individuais, o real objectivo de todos é tornar a Banda Prontidão uma referência no mercado musical. Estamos todos comprometidos com o nosso projecto.

Até a pouco tempo a Djanira era a vocalista da Banda Maravilha, o que se passou?

A Djanira como cantora foi ganhando uma perspectiva diferente da Banda Maravilha e como tal decidiu deixar de ser um membro efectivo da mesma. Surge então a Banda Prontidão, com um conceito mais próximo daquele em que a Djanira se revê, e ela abraçou este novo desafio.

Tocam e cantam ou apenas tocam?

Até pouco tempo fazíamos apenas acompanhamento a outros cantores, mas como podem perceber agora temos um formato diferente e cantamos também.

No formato actual temos a Djanira como vocalista principal, a Raquel também cantora e o nosso percussionista, Alexandre, também como cantor. No actual modelo tocamos e cantamos, mas claro que continuamos a acompanhar outros cantores.

Têm temas da vossa autoria?

Sim.

Porquê que são vistos apenas a interpretarem de outros artistas?

Os temas de nossa autoria estão a ser trabalhados e contamos em breve apresentá-los. Neste momento tocamos músicas de outros artistas com o qual nos identificamos, tais como Mito Gaspar, Gabriel Tchiema, Filipe Mukenga, Kiezos, Belita Palma, só para citar alguns que ajudam também a perceber a nossa linha musical.

Qual a relação com os “The Kings”, uma vez que um dos responsáveis era ou é integrante?

A relação é boa e saudável. O nosso diretor artístico, Yark, faz parte dos “The Kings”. O Toty ausentou-se por um tempo para seguir a carreira a solo e o Yark foi o único que, pela sua competência, consegui substituí-lo.

No entanto, é importante realçar que tanto o Toty como o Wilder são professores de harmonia musical e canto, ou seja o Yark saiu da sua zona de conforto (Semba, kizomba…) e bebeu outras sonoridades com estes dois e trouxe como bagagem para a Banda Prontidão, tal como a Djanira anteriormente na Banda Maravilha.

Qual o género musical que vos caracteriza?

O género musical que nos caracteriza é o Semba, Tchianda, Kilapanga, mas tocamos tudo, principalmente quando somos convidados para acompanharmos outros músicos.

Como caracterizam a música angolana?

A música angolana está boa para quem ouve, mas nós que tocamos temos uma apreciação diferente. No meu ponto de vista, como director artístico da banda, a nossa música (angolana no geral) está muito frágil, precisa de mais arranjos. Os músicos devem apostar mais na música acústica e esquecer um pouco as programações.

Tem boas letras, mas a instrumentalização é muito “pobre”, utilizam muitos instrumentos programados e alguns casos não usam, por isso há músicas com letras bonitas, mas sem “alma” por faltar uma guitarra, por exemplo.

Até onde pretendem chegar?

Queremos ser como os Kassav em Angola, uma banda com músicos que dominam o que fazem, versáteis. Queremos ser os melhores de Angola, manter a nossa música no mercado durante décadas, a semelhança dos Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha. Somos a banda do futuro.

Contudo, temos os pés bem assentes no chão. Temos ideias próprias, mas não conseguimos caminhar sozinhos, precisamos de apoios para alcançar os nossos objectivos.

APRESENTAÇÃO DA BANDA:

Nome: Kabuiku horege Decoment
Função: Baixista
Idade: 28 anos
Tempo de carreira: 8 anos de música. Começou na banda “Free Band”.

Nome: Djanira Mercedes
Função: Vocalista Principal
Idade: 28 anos
Tempo de carreira: 10 anos de carreira. Começou a fazer Bar com o Duo Kikola Júnior e Mick Mota

Nome: Yark Spin
Função: Guitarrista e director artístico
Idade: 30 anos
Tempo de música: 11 anos de música: Começou na Banda “Jabumba”, a convite do Mayo Bass e Pascoal Manguidi.

Alexandre Gaspar
Função: Percussionista
Idade: 21 anos
Tempo de música: 5 anos de carreira. Começou nos cantores de Rua com o músico Yoxi.

Nome: Raquel Lisboa
Função: Vocalista
Idade: 34 anos
Tempo de música: 17 anos. Começou nos Jovens do Prenda com apenas 17 anos de idade.

Nome: Genial
Função: Tecladista/pianista
Idade: 34 anos.
Tempo de música: 11 anos. Começou na Banda Voga, da Força Área Angolana.

Nome: Jack da Costa
Função: Baterista
Idade: 22 anos
Tempo de música: 2 anos. Começou na Banda Maya Cool, banda que acompanhava o músico com o mesmo nome.

as cargas mais recentes

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 2 anos
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 3 anos
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 2 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 anos
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 3 anos
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 3 anos
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 2 anos
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 2 anos
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 1 ano
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 3 anos
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

há 1 ano
O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 2 anos
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 3 anos
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 2 anos
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.