Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Quando é que começa traçar a carreira?

Entrei no Rap em 1998, mas comecei a cantar com 13 anos, em 2000.

Ainda se lembra da sua primeira música?

A minha primeira música é um skills intitulado ‘Assassino’ e gravei em 2002.

Actualmente quais sao as suas maiores influências artísticas?

Artisticamente falando, Dji tafinha, Mad Superstar, Phyno, Post Malone e Dadju.

Quantas músicas já tem gravadas ?

Tenho trinta músicas concluídas e algumas por concluir.

O álbum está previsto para este ano, quais as participações e em que formato chega ao público?

Tenho apenas três participações: Mad Superstar, Osmam dos Santos e Laba Laba. É um EP de oito músicas e será lançado no formato digital e gratuito. Não penso em tirar em formato físico por causa dos custos.

Qual será o titulo e, em termos gerais, que abordagens traz?

O título é Bobbylônia. Procurei abordar de tudo um pouco, desde os problemas sociais até o amor de uma forma geral.

Está na música há sensivelmente 22 anos, a que se deveu esta demora EP?

Só agora porque prefiro levar muito tempo até ter um produto com qualidade para ser consumido do que lançar algo sem conteúdo só para mostrar às pessoas que também posso lançar, mas vale tarde do que nunca. Espero que as pessoas que gostam do meu trabalho se identifiquem com os temas abordados.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

É notório, vários unders apostarem ao comercial. Isto lhe preocupa?

Eu sou um músico que faço Rap, não tenho rótulos. Procuro actualizar a minha musicalidade cada dia que passa com os novos instrumentos e estilos que vão surgindo no movimento. Eu  garanto-vos se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat, mas nunca iriam perder a essência, este é o meu caso, não vou perder a minha essência.

Sempre esteve associado a uma produtora ?

Sou self-made. Mas o EP gravei na Madmusic pelo Mad Superstar.

Para quem sonha ser grande, devia juntar-se aos grandes. Que artistas desejava fazer parceria?

Eu sonho em trabalhar com Paulo Flores, Dji Tafinha, Yola Semedo.

Qual foi o maior momento que já viveu desde que começou a cantar?

Ainda nem comecei. Só estou a fazer o aquecimento.

Já começou a colher alguns frutos da música?

Ainda não vivo da música, mas estamos a trabalhar e este dia vai chegar.

Porquê que canta?

Canto porque a música me escolheu. Não tenho outra saída, está no sangue, na alma. É a minha forma e modo de viver.

as cargas mais recentes

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 3 semanas
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 4 meses
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 6 dias
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 3 meses
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 meses
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 3 meses
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 6 meses
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 4 meses
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 1 mês
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 7 meses
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 5 meses
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 6 meses
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 4 meses
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 meses
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 1 semana
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 4 meses
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.