Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Quando é que começa traçar a carreira?

Entrei no Rap em 1998, mas comecei a cantar com 13 anos, em 2000.

Ainda se lembra da sua primeira música?

A minha primeira música é um skills intitulado ‘Assassino’ e gravei em 2002.

Actualmente quais sao as suas maiores influências artísticas?

Artisticamente falando, Dji tafinha, Mad Superstar, Phyno, Post Malone e Dadju.

Quantas músicas já tem gravadas ?

Tenho trinta músicas concluídas e algumas por concluir.

O álbum está previsto para este ano, quais as participações e em que formato chega ao público?

Tenho apenas três participações: Mad Superstar, Osmam dos Santos e Laba Laba. É um EP de oito músicas e será lançado no formato digital e gratuito. Não penso em tirar em formato físico por causa dos custos.

Qual será o titulo e, em termos gerais, que abordagens traz?

O título é Bobbylônia. Procurei abordar de tudo um pouco, desde os problemas sociais até o amor de uma forma geral.

Está na música há sensivelmente 22 anos, a que se deveu esta demora EP?

Só agora porque prefiro levar muito tempo até ter um produto com qualidade para ser consumido do que lançar algo sem conteúdo só para mostrar às pessoas que também posso lançar, mas vale tarde do que nunca. Espero que as pessoas que gostam do meu trabalho se identifiquem com os temas abordados.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

É notório, vários unders apostarem ao comercial. Isto lhe preocupa?

Eu sou um músico que faço Rap, não tenho rótulos. Procuro actualizar a minha musicalidade cada dia que passa com os novos instrumentos e estilos que vão surgindo no movimento. Eu  garanto-vos se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat, mas nunca iriam perder a essência, este é o meu caso, não vou perder a minha essência.

Sempre esteve associado a uma produtora ?

Sou self-made. Mas o EP gravei na Madmusic pelo Mad Superstar.

Para quem sonha ser grande, devia juntar-se aos grandes. Que artistas desejava fazer parceria?

Eu sonho em trabalhar com Paulo Flores, Dji Tafinha, Yola Semedo.

Qual foi o maior momento que já viveu desde que começou a cantar?

Ainda nem comecei. Só estou a fazer o aquecimento.

Já começou a colher alguns frutos da música?

Ainda não vivo da música, mas estamos a trabalhar e este dia vai chegar.

Porquê que canta?

Canto porque a música me escolheu. Não tenho outra saída, está no sangue, na alma. É a minha forma e modo de viver.

as cargas mais recentes

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 4 meses
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 7 meses
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 10 meses
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 3 meses
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 4 meses
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 5 meses
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 6 meses
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 3 meses
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 8 meses
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 4 meses
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Steel Wonder: Mais um filho do Prenda que aspira ter sucesso no Rap

há 1 dia
A segunda “season” da sua história com a música, surge em 2013, ao identificar-se com a ideologia da Força Suprema. Actualmente no Rap, Steel aspira trabalhar com a Latino Records e vê no single `mamacita´, a sua ascensão musical.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 4 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 9 meses
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 4 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 1 semana
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 9 meses
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.