Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

Afortunado pelo seu barítono, Letus é um músico que apresenta-se como completo, de essência “jazzier” mas com forte angolanidade e, prova-o na flexibilidade com que interpreta os timbres agudos e graves.

De versatilidade, a rica voz não é tudo que tem a oferecer e quem acompanhou o Unitel Estrelas ao Palco, bem como o Estrelas ao Palco Vencedores já percebeu que o artista em questão, é consistentemente capaz de dar boa música, independentemente do estilo.

O seu alcance artístico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.

Apesar da escassez de músicas da sua autoria disponíveis, apenas cinco até agora, o artista oriundo da província da Huíla, esteve em destaque nas duas últimas edições do Show do Mês, onde deixou mais uma vez o seu registo profundamente qualitativo deixando o “vislumbre” que uma ascensão meteórica o aguarda.

Numa conversa breve e sucinta, o artista falou-nos sobre o alçar de novos voos após a participação no Estrelas ao palco e faz um balanço positivo da exposição que isto gerou.

Apesar de já ter alguma estrada, como se apresentaria para o grande público? 
Como o Letus sempre versátil, com inovação artística, músicas novas, e também com uma versão diferente do que pessoal viu no concurso acentuado na variedade de estilos musicais.

Até ao momento, quando considera que foi mais e menos visto, na 1º edição do concurso Unitel Estrelas ao Palco ou no Estrelas ao Palco Vencedores?
Acredito que mais no Estrelas ao palco vencedores, porque decorreu na fase pandémica, as pessoas estavam em casa e mais ligadas à televisão, e a dinâmica do concurso foi totalmente diferente e inovadora.

Quais os frutos que já colheu desta exposição? 
Um fruto bom é a visibilidade que me proporciona, com mais convites e trabalhos e o reconhecimento como artista, dentre outras coisas boas.

Assume-se como um “jazzier“, vem de certa forma reintroduzir este estilo para a geração jovem actual. Não é propriamente o estilo mais comercial, este dado é indiferente para os seus objectivos dentro da música? 
Tenho o Jazz como o ABC da minha natureza musical, mas não pretendo uma carreira totalmente Jazz, pois precisaria também de estudar mais para me rever mais no estilo, mas continuarei a carregar comigo essa alma de modo a inovar a nossa música.

Cada vez vai tendo mais aparições, como foi o caso do Show piô com convite extensivo para o show do mês `Mamã África ́. Está satisfeito pela boa desenvoltura que tem tido?
Estou muito satisfeito, por duas oportunidades consecutivas nessa super plataforma cultural musical e sinto-me muito lisonjeado por fazer parte dessa homenagem e fazer parte dos artistas selecionados para levar a boa música da nossa mãe África para todos.

Vai usar esta boa fase para disponibilizar trabalhos inéditos ou apenas continuar a promover a sua imagem?
Queremos trabalhar em tudo, vamos sim aproveitar essa fase para disponibilizar trabalhos, enquanto isso também trabalhamos para manter a imagem.

Sabemos que é um vocalista e intérprete multifacetado: assume o papel de director artístico, produtor e até dá aulas de canto. Decerto que uma coisa complementa a outra, mas o que mais lhe dá prazer em fazer?Tenho muito prazer em fazer música, não há distinção, creio eu serem apenas especialidades diferentes combinadas e todos os componentes envolvidos no mesmo mundo (música). A alma é a mesma.

Actualmente é um artista independente?
Não estou associado a nenhuma produtora. Mas tenho compromissos artísticos, de agenciamento, pubstreaming e uma equipa com quem tenho trabalhado.

Na sua óptica, qual seria a produtora certa para atingir os seus objectivos?  
Não sei ao certo, nós (a minha equipa e eu) temos analisado… O nosso mercado ainda não tem indústria musical como tal, e tem uma gestão algo complexa no trato e posicionamento. Veremos…

No que toca a composições, qual é o debate que pretende iniciar com a sua música?  
Tenho muitas ideias mas é tudo um processo selectivo, que acaba por ser também uma decisão coletiva e de influência, mas acredito que falaremos sempre de amor e sobre o que inspira o quotidiano.

Já agora, que novidades ainda teremos este ano sobre si?
Músicas novas bonitas com vídeos e participações de outros artistas.

Onde e como se vê daqui a cinco anos?
Quero sempre ver-me nos palcos onde a minha música agrade e seja reconhecida. O trabalho e a disciplina deverão definir o progresso, mas acredito que se continuarmos nesse ritmo e somarmos outros ingredientes poderemos elevar a musicalidade do Letus ao patamar internacional e mais além.

as cargas mais recentes

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 10 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 1 mês

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 4 meses
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 1 ano
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 5 meses

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 1 ano
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 1 ano
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 5 meses
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 1 ano
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 11 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 10 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 3 meses
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 9 meses
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 11 meses
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 1 ano
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 1 ano
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.