Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

Afortunado pelo seu barítono, Letus é um músico que apresenta-se como completo, de essência “jazzier” mas com forte angolanidade e, prova-o na flexibilidade com que interpreta os timbres agudos e graves.

De versatilidade, a rica voz não é tudo que tem a oferecer e quem acompanhou o Unitel Estrelas ao Palco, bem como o Estrelas ao Palco Vencedores já percebeu que o artista em questão, é consistentemente capaz de dar boa música, independentemente do estilo.

O seu alcance artístico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.

Apesar da escassez de músicas da sua autoria disponíveis, apenas cinco até agora, o artista oriundo da província da Huíla, esteve em destaque nas duas últimas edições do Show do Mês, onde deixou mais uma vez o seu registo profundamente qualitativo deixando o “vislumbre” que uma ascensão meteórica o aguarda.

Numa conversa breve e sucinta, o artista falou-nos sobre o alçar de novos voos após a participação no Estrelas ao palco e faz um balanço positivo da exposição que isto gerou.

Apesar de já ter alguma estrada, como se apresentaria para o grande público? 
Como o Letus sempre versátil, com inovação artística, músicas novas, e também com uma versão diferente do que pessoal viu no concurso acentuado na variedade de estilos musicais.

Até ao momento, quando considera que foi mais e menos visto, na 1º edição do concurso Unitel Estrelas ao Palco ou no Estrelas ao Palco Vencedores?
Acredito que mais no Estrelas ao palco vencedores, porque decorreu na fase pandémica, as pessoas estavam em casa e mais ligadas à televisão, e a dinâmica do concurso foi totalmente diferente e inovadora.

Quais os frutos que já colheu desta exposição? 
Um fruto bom é a visibilidade que me proporciona, com mais convites e trabalhos e o reconhecimento como artista, dentre outras coisas boas.

Assume-se como um “jazzier“, vem de certa forma reintroduzir este estilo para a geração jovem actual. Não é propriamente o estilo mais comercial, este dado é indiferente para os seus objectivos dentro da música? 
Tenho o Jazz como o ABC da minha natureza musical, mas não pretendo uma carreira totalmente Jazz, pois precisaria também de estudar mais para me rever mais no estilo, mas continuarei a carregar comigo essa alma de modo a inovar a nossa música.

Cada vez vai tendo mais aparições, como foi o caso do Show piô com convite extensivo para o show do mês `Mamã África ́. Está satisfeito pela boa desenvoltura que tem tido?
Estou muito satisfeito, por duas oportunidades consecutivas nessa super plataforma cultural musical e sinto-me muito lisonjeado por fazer parte dessa homenagem e fazer parte dos artistas selecionados para levar a boa música da nossa mãe África para todos.

Vai usar esta boa fase para disponibilizar trabalhos inéditos ou apenas continuar a promover a sua imagem?
Queremos trabalhar em tudo, vamos sim aproveitar essa fase para disponibilizar trabalhos, enquanto isso também trabalhamos para manter a imagem.

Sabemos que é um vocalista e intérprete multifacetado: assume o papel de director artístico, produtor e até dá aulas de canto. Decerto que uma coisa complementa a outra, mas o que mais lhe dá prazer em fazer?Tenho muito prazer em fazer música, não há distinção, creio eu serem apenas especialidades diferentes combinadas e todos os componentes envolvidos no mesmo mundo (música). A alma é a mesma.

Actualmente é um artista independente?
Não estou associado a nenhuma produtora. Mas tenho compromissos artísticos, de agenciamento, pubstreaming e uma equipa com quem tenho trabalhado.

Na sua óptica, qual seria a produtora certa para atingir os seus objectivos?  
Não sei ao certo, nós (a minha equipa e eu) temos analisado… O nosso mercado ainda não tem indústria musical como tal, e tem uma gestão algo complexa no trato e posicionamento. Veremos…

No que toca a composições, qual é o debate que pretende iniciar com a sua música?  
Tenho muitas ideias mas é tudo um processo selectivo, que acaba por ser também uma decisão coletiva e de influência, mas acredito que falaremos sempre de amor e sobre o que inspira o quotidiano.

Já agora, que novidades ainda teremos este ano sobre si?
Músicas novas bonitas com vídeos e participações de outros artistas.

Onde e como se vê daqui a cinco anos?
Quero sempre ver-me nos palcos onde a minha música agrade e seja reconhecida. O trabalho e a disciplina deverão definir o progresso, mas acredito que se continuarmos nesse ritmo e somarmos outros ingredientes poderemos elevar a musicalidade do Letus ao patamar internacional e mais além.

as cargas mais recentes

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 2 anos

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 2 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 2 anos
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 3 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 2 anos
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 2 anos
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 2 anos
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 anos
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 2 anos
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 2 anos
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 2 anos
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.