Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

Afortunado pelo seu barítono, Letus é um músico que apresenta-se como completo, de essência “jazzier” mas com forte angolanidade e, prova-o na flexibilidade com que interpreta os timbres agudos e graves.

De versatilidade, a rica voz não é tudo que tem a oferecer e quem acompanhou o Unitel Estrelas ao Palco, bem como o Estrelas ao Palco Vencedores já percebeu que o artista em questão, é consistentemente capaz de dar boa música, independentemente do estilo.

O seu alcance artístico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.

Apesar da escassez de músicas da sua autoria disponíveis, apenas cinco até agora, o artista oriundo da província da Huíla, esteve em destaque nas duas últimas edições do Show do Mês, onde deixou mais uma vez o seu registo profundamente qualitativo deixando o “vislumbre” que uma ascensão meteórica o aguarda.

Numa conversa breve e sucinta, o artista falou-nos sobre o alçar de novos voos após a participação no Estrelas ao palco e faz um balanço positivo da exposição que isto gerou.

Apesar de já ter alguma estrada, como se apresentaria para o grande público? 
Como o Letus sempre versátil, com inovação artística, músicas novas, e também com uma versão diferente do que pessoal viu no concurso acentuado na variedade de estilos musicais.

Até ao momento, quando considera que foi mais e menos visto, na 1º edição do concurso Unitel Estrelas ao Palco ou no Estrelas ao Palco Vencedores?
Acredito que mais no Estrelas ao palco vencedores, porque decorreu na fase pandémica, as pessoas estavam em casa e mais ligadas à televisão, e a dinâmica do concurso foi totalmente diferente e inovadora.

Quais os frutos que já colheu desta exposição? 
Um fruto bom é a visibilidade que me proporciona, com mais convites e trabalhos e o reconhecimento como artista, dentre outras coisas boas.

Assume-se como um “jazzier“, vem de certa forma reintroduzir este estilo para a geração jovem actual. Não é propriamente o estilo mais comercial, este dado é indiferente para os seus objectivos dentro da música? 
Tenho o Jazz como o ABC da minha natureza musical, mas não pretendo uma carreira totalmente Jazz, pois precisaria também de estudar mais para me rever mais no estilo, mas continuarei a carregar comigo essa alma de modo a inovar a nossa música.

Cada vez vai tendo mais aparições, como foi o caso do Show piô com convite extensivo para o show do mês `Mamã África ́. Está satisfeito pela boa desenvoltura que tem tido?
Estou muito satisfeito, por duas oportunidades consecutivas nessa super plataforma cultural musical e sinto-me muito lisonjeado por fazer parte dessa homenagem e fazer parte dos artistas selecionados para levar a boa música da nossa mãe África para todos.

Vai usar esta boa fase para disponibilizar trabalhos inéditos ou apenas continuar a promover a sua imagem?
Queremos trabalhar em tudo, vamos sim aproveitar essa fase para disponibilizar trabalhos, enquanto isso também trabalhamos para manter a imagem.

Sabemos que é um vocalista e intérprete multifacetado: assume o papel de director artístico, produtor e até dá aulas de canto. Decerto que uma coisa complementa a outra, mas o que mais lhe dá prazer em fazer?Tenho muito prazer em fazer música, não há distinção, creio eu serem apenas especialidades diferentes combinadas e todos os componentes envolvidos no mesmo mundo (música). A alma é a mesma.

Actualmente é um artista independente?
Não estou associado a nenhuma produtora. Mas tenho compromissos artísticos, de agenciamento, pubstreaming e uma equipa com quem tenho trabalhado.

Na sua óptica, qual seria a produtora certa para atingir os seus objectivos?  
Não sei ao certo, nós (a minha equipa e eu) temos analisado… O nosso mercado ainda não tem indústria musical como tal, e tem uma gestão algo complexa no trato e posicionamento. Veremos…

No que toca a composições, qual é o debate que pretende iniciar com a sua música?  
Tenho muitas ideias mas é tudo um processo selectivo, que acaba por ser também uma decisão coletiva e de influência, mas acredito que falaremos sempre de amor e sobre o que inspira o quotidiano.

Já agora, que novidades ainda teremos este ano sobre si?
Músicas novas bonitas com vídeos e participações de outros artistas.

Onde e como se vê daqui a cinco anos?
Quero sempre ver-me nos palcos onde a minha música agrade e seja reconhecida. O trabalho e a disciplina deverão definir o progresso, mas acredito que se continuarmos nesse ritmo e somarmos outros ingredientes poderemos elevar a musicalidade do Letus ao patamar internacional e mais além.

as cargas mais recentes

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 3 anos
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Alice Julie mostra os frutos da parceria com a Milionário Records

há 2 anos
Desde pequena sonhou em se tornar numa estrela da música, um desejo que será agora materializado pela Milionário Records. A mais recente aposta da produtora já começou a trabalhar para os seus dois primeiros álbuns e esta sexta-feira (27) vai testar o público com o single “Encaixe Perfeito”.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 3 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 3 anos
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 2 anos
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 3 anos

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 3 anos
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 2 anos
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 2 anos
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 1 ano
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 2 anos
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 3 anos
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 3 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 3 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 3 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.