Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

Txu Álex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos a participações em trabalhos de outros artistas.

Depois da passagem nos BPS e BTR Shine, Txu Álex leva agora uma carreira a solo e anuncia o seu primeiro EP, uma obra onde combina os sentidos da existência humana. Considerado a voz do amor em Cabinda, o cantor de 26 anos apresenta a sua carreira à Carga.

Em que circunstância começa a se interessar pelo R&B e Ghetto Zouk?

Sempre gostei de ouvir músicas que retratam o amor. O R&B sempre fez parte da minha vida, mesmo quando estava nos BPS e BTR Shine. Mas a ligação com o Ghetto Zouk foi apenas por curiosidade.

Nessa altura quem foram as suas maiores influências? 

Apesar de estilos e artistas como Zezé de Camargo e Luciano, a minha pura influência foram os BPS Music e a BTR Shine.

Por que razão decidiu levar a carreira a solo?

Uma vez que formámos o grupo dentro de uma formação e, no final da formação

fomos separados para trabalhar em províncias diferentes, o grupo perdeu o foco…

Quantas músicas tem disponível?

A solo tenho mais de 15 músicas. Mas apenas “O Que Quiseres”, “Vamos Superar” e “Lembranças” estão disponíveis no Youtube e na minha página oficial do Facebook.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

 Tem músicas suficientes para um EP. Não tem pensado nisso?

Pretendo lançar sim um EP. Já o tenho estruturado. Mas acho que não é o momento certo. Acho que preciso trabalhar mais com as músicas disponíveis. Por enquanto, estou a promover a música “Lembranças” E estou também a reunir condições para gravar o vídeoclip oficial.

De que é feito este EP?

 No EP são 6 taxas com a participação dos Rappers Lord Magnata, Rick Baby as outras 4 são a solo.

Com que músicos gostaria de fazer parceria e porquê?

Toy Toy T-Rex e Lil Saint principalmente. Gostava tanto de fazer um clássico com eles.

Que outras competências têm no ramo da música?

 Eu faço as minhas próprias letras e capto as minhas próprias músicas,

E perspectivo aprender a tocar alguns instrumentos como guitarra e piano.

Que vantagens tem tirado disso?

É muito mais fácil gravar as minhas próprias músicas, porque eu gravo sem pressa e analiso cada palavra que falo e tenho tempo suficiente de refazer antes de tirar. E tem vezes que já não escrevo chego ao estúdio e começo a pensar e gravar pista por pista  até terminar sem importar-se do tempo que a música vai fazer.

Quais recordações tem dos palcos por onde passou?

Não sou um artista de muitos palcos. Em Luanda só participei em festivais de colégios e noites criadas em grupos. Na Lunda Sul em festas de grupos e desfile de moda e em Cabinda em shows de carnavais, aniversários, noites, e quase em todas as festas das FAA, em particular FAN.

as cargas mais recentes

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 3 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 2 anos
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 2 anos
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 2 anos
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 2 anos
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 3 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 2 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

há 1 ano
O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 2 anos
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 1 ano
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

Steel Wonder: Mais um filho do Prenda que aspira ter sucesso no Rap

há 2 anos
A segunda “season” da sua história com a música, surge em 2013, ao identificar-se com a ideologia da Força Suprema. Actualmente no Rap, Steel aspira trabalhar com a Latino Records e vê no single `mamacita´, a sua ascensão musical.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 2 anos
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

há 1 ano
O seu alcance artistico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.