Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

Txu Álex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos a participações em trabalhos de outros artistas.

Depois da passagem nos BPS e BTR Shine, Txu Álex leva agora uma carreira a solo e anuncia o seu primeiro EP, uma obra onde combina os sentidos da existência humana. Considerado a voz do amor em Cabinda, o cantor de 26 anos apresenta a sua carreira à Carga.

Em que circunstância começa a se interessar pelo R&B e Ghetto Zouk?

Sempre gostei de ouvir músicas que retratam o amor. O R&B sempre fez parte da minha vida, mesmo quando estava nos BPS e BTR Shine. Mas a ligação com o Ghetto Zouk foi apenas por curiosidade.

Nessa altura quem foram as suas maiores influências? 

Apesar de estilos e artistas como Zezé de Camargo e Luciano, a minha pura influência foram os BPS Music e a BTR Shine.

Por que razão decidiu levar a carreira a solo?

Uma vez que formámos o grupo dentro de uma formação e, no final da formação

fomos separados para trabalhar em províncias diferentes, o grupo perdeu o foco…

Quantas músicas tem disponível?

A solo tenho mais de 15 músicas. Mas apenas “O Que Quiseres”, “Vamos Superar” e “Lembranças” estão disponíveis no Youtube e na minha página oficial do Facebook.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

 Tem músicas suficientes para um EP. Não tem pensado nisso?

Pretendo lançar sim um EP. Já o tenho estruturado. Mas acho que não é o momento certo. Acho que preciso trabalhar mais com as músicas disponíveis. Por enquanto, estou a promover a música “Lembranças” E estou também a reunir condições para gravar o vídeoclip oficial.

De que é feito este EP?

 No EP são 6 taxas com a participação dos Rappers Lord Magnata, Rick Baby as outras 4 são a solo.

Com que músicos gostaria de fazer parceria e porquê?

Toy Toy T-Rex e Lil Saint principalmente. Gostava tanto de fazer um clássico com eles.

Que outras competências têm no ramo da música?

 Eu faço as minhas próprias letras e capto as minhas próprias músicas,

E perspectivo aprender a tocar alguns instrumentos como guitarra e piano.

Que vantagens tem tirado disso?

É muito mais fácil gravar as minhas próprias músicas, porque eu gravo sem pressa e analiso cada palavra que falo e tenho tempo suficiente de refazer antes de tirar. E tem vezes que já não escrevo chego ao estúdio e começo a pensar e gravar pista por pista  até terminar sem importar-se do tempo que a música vai fazer.

Quais recordações tem dos palcos por onde passou?

Não sou um artista de muitos palcos. Em Luanda só participei em festivais de colégios e noites criadas em grupos. Na Lunda Sul em festas de grupos e desfile de moda e em Cabinda em shows de carnavais, aniversários, noites, e quase em todas as festas das FAA, em particular FAN.

as cargas mais recentes

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 1 ano
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 1 mês
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 9 meses
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 8 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 4 semanas
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 1 ano
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 9 meses
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 8 meses
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 9 meses
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 9 meses

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 8 meses
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 1 ano
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 12 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 11 meses
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 7 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 9 meses
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.