Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

Txu Álex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos a participações em trabalhos de outros artistas.

Depois da passagem nos BPS e BTR Shine, Txu Álex leva agora uma carreira a solo e anuncia o seu primeiro EP, uma obra onde combina os sentidos da existência humana. Considerado a voz do amor em Cabinda, o cantor de 26 anos apresenta a sua carreira à Carga.

Em que circunstância começa a se interessar pelo R&B e Ghetto Zouk?

Sempre gostei de ouvir músicas que retratam o amor. O R&B sempre fez parte da minha vida, mesmo quando estava nos BPS e BTR Shine. Mas a ligação com o Ghetto Zouk foi apenas por curiosidade.

Nessa altura quem foram as suas maiores influências? 

Apesar de estilos e artistas como Zezé de Camargo e Luciano, a minha pura influência foram os BPS Music e a BTR Shine.

Por que razão decidiu levar a carreira a solo?

Uma vez que formámos o grupo dentro de uma formação e, no final da formação

fomos separados para trabalhar em províncias diferentes, o grupo perdeu o foco…

Quantas músicas tem disponível?

A solo tenho mais de 15 músicas. Mas apenas “O Que Quiseres”, “Vamos Superar” e “Lembranças” estão disponíveis no Youtube e na minha página oficial do Facebook.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

 Tem músicas suficientes para um EP. Não tem pensado nisso?

Pretendo lançar sim um EP. Já o tenho estruturado. Mas acho que não é o momento certo. Acho que preciso trabalhar mais com as músicas disponíveis. Por enquanto, estou a promover a música “Lembranças” E estou também a reunir condições para gravar o vídeoclip oficial.

De que é feito este EP?

 No EP são 6 taxas com a participação dos Rappers Lord Magnata, Rick Baby as outras 4 são a solo.

Com que músicos gostaria de fazer parceria e porquê?

Toy Toy T-Rex e Lil Saint principalmente. Gostava tanto de fazer um clássico com eles.

Que outras competências têm no ramo da música?

 Eu faço as minhas próprias letras e capto as minhas próprias músicas,

E perspectivo aprender a tocar alguns instrumentos como guitarra e piano.

Que vantagens tem tirado disso?

É muito mais fácil gravar as minhas próprias músicas, porque eu gravo sem pressa e analiso cada palavra que falo e tenho tempo suficiente de refazer antes de tirar. E tem vezes que já não escrevo chego ao estúdio e começo a pensar e gravar pista por pista  até terminar sem importar-se do tempo que a música vai fazer.

Quais recordações tem dos palcos por onde passou?

Não sou um artista de muitos palcos. Em Luanda só participei em festivais de colégios e noites criadas em grupos. Na Lunda Sul em festas de grupos e desfile de moda e em Cabinda em shows de carnavais, aniversários, noites, e quase em todas as festas das FAA, em particular FAN.

as cargas mais recentes

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 2 anos
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 1 ano
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 2 anos
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 2 anos
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 2 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 2 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 2 anos
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 2 anos
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Gilson Son: Morador de rua em Luanda vira estrela do Rap na internet

há 7 meses
Gilson Son é um MC com uma consistência lírica que muitos rappers renomados da nossa praça gostariam de ter. O jovem vive na rua e alimenta-se com pequenos restos de comida que encontra em contentores de lixo. Apesar da difícil vida, Gilson não perdeu o foco e, na semana passada, a sorte bateu-lhe a porta, inclusive DJ Samurai marcou com ele um encontro.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 2 anos
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 1 ano
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 11 meses