Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Já com um EP lançado em 2019 intitulado «1989», o artista fez reflexões sociais, motivação mas também incrementou a vertente dançante. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

A partir de que momento é que a música cruza o seu caminho?
Desde tenra idade. A música sempre fez parte do meu seio familiar. O meu pai é compositor gospel e a minha mãe foi corista.

Desde então foi o seu desejo profissionalizar-se?
Começou como sendo um hobby, mas, com passar do tempo fui ganhando notoriedade pelo potencial que apresentava e isto serviu de motivação para levar a música um novo patamar: Profissional.

Do que foi feito o seu primeiro projecto «1989» ?
O meu primeiro projecto musical que contou com 6 músicas com dos estilos Hip-Hop, R&B e gueto zouk e com temas diversos desde reflexão social, motivação e dançantes.

 Porque que o R&B é o seu estilo de eleição?
Embora ter começado com o Hip-Hop por influência dos meus amigos, o meu background musical sempre esteve ligado ao estilo R&B.

Sendo uma carreira ainda em fase embrionária, considera que tem sido fácil?
Não tem sido fácil. Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos e tenho os meus, mas, com persistência acabam sempre por ser ultrapassados.

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
As dificuldades vão desde financeiras até na promoção dos meus trabalhos, uma vez que de momento não tenho um agente.

Com que artistas já trabalhou ?
Tive a oportunidade de produzir para os seguintes artistas: Lil Kiss, Rap Ases, Abdiel, LB angolano e contar com a participação de Landrick em uma das minhas faixas músicas.

Considera indispensável este intercâmbio de ideias?
Considero sim, alargam os nossos horizontes músicas.

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”? 
Tenho o artista Abdiel como referência no Hip-Hop angolano pela sua originalidade, versatilidade e excelência nos seus versos. Kaysha pela sua versatilidade.

Quais os projectos que tem na forja?
Tenho um projecto que contará com diferentes estilos musicais e não apenas o tradicional Hip-Hop e R&B. Pretendo com isto mostra a minha versatilidade musical.

 Haverá participações especiais?
Haverá sim,mas, no momento oportuno serão anunciadas.

Consegue adiantar a data de lançamento?
Devido a situação actual do país e do mundo (Corona vírus) alguns planos foram adiados fazendo com que de momento não consiga dar uma data.

Aonde pretende chegar com a música?
É na música onde condenso os meus sentimentos, ideias, basicamente faço dela a minha expressão, a minha voz e sendo assim, pretendo chegar a um patamar internacional e ser ouvido por todos.

as cargas mais recentes

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 ano
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 1 ano
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 3 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Alice Julie mostra os frutos da parceria com a Milionário Records

há 2 anos
Desde pequena sonhou em se tornar numa estrela da música, um desejo que será agora materializado pela Milionário Records. A mais recente aposta da produtora já começou a trabalhar para os seus dois primeiros álbuns e esta sexta-feira (27) vai testar o público com o single “Encaixe Perfeito”.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 1 ano
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 3 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 2 anos
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 2 anos
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 2 anos

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 1 ano

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 3 anos
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 2 anos
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 2 anos
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 anos
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.