Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Já com um EP lançado em 2019 intitulado «1989», o artista fez reflexões sociais, motivação mas também incrementou a vertente dançante. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

A partir de que momento é que a música cruza o seu caminho?
Desde tenra idade. A música sempre fez parte do meu seio familiar. O meu pai é compositor gospel e a minha mãe foi corista.

Desde então foi o seu desejo profissionalizar-se?
Começou como sendo um hobby, mas, com passar do tempo fui ganhando notoriedade pelo potencial que apresentava e isto serviu de motivação para levar a música um novo patamar: Profissional.

Do que foi feito o seu primeiro projecto «1989» ?
O meu primeiro projecto musical que contou com 6 músicas com dos estilos Hip-Hop, R&B e gueto zouk e com temas diversos desde reflexão social, motivação e dançantes.

 Porque que o R&B é o seu estilo de eleição?
Embora ter começado com o Hip-Hop por influência dos meus amigos, o meu background musical sempre esteve ligado ao estilo R&B.

Sendo uma carreira ainda em fase embrionária, considera que tem sido fácil?
Não tem sido fácil. Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos e tenho os meus, mas, com persistência acabam sempre por ser ultrapassados.

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
As dificuldades vão desde financeiras até na promoção dos meus trabalhos, uma vez que de momento não tenho um agente.

Com que artistas já trabalhou ?
Tive a oportunidade de produzir para os seguintes artistas: Lil Kiss, Rap Ases, Abdiel, LB angolano e contar com a participação de Landrick em uma das minhas faixas músicas.

Considera indispensável este intercâmbio de ideias?
Considero sim, alargam os nossos horizontes músicas.

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”? 
Tenho o artista Abdiel como referência no Hip-Hop angolano pela sua originalidade, versatilidade e excelência nos seus versos. Kaysha pela sua versatilidade.

Quais os projectos que tem na forja?
Tenho um projecto que contará com diferentes estilos musicais e não apenas o tradicional Hip-Hop e R&B. Pretendo com isto mostra a minha versatilidade musical.

 Haverá participações especiais?
Haverá sim,mas, no momento oportuno serão anunciadas.

Consegue adiantar a data de lançamento?
Devido a situação actual do país e do mundo (Corona vírus) alguns planos foram adiados fazendo com que de momento não consiga dar uma data.

Aonde pretende chegar com a música?
É na música onde condenso os meus sentimentos, ideias, basicamente faço dela a minha expressão, a minha voz e sendo assim, pretendo chegar a um patamar internacional e ser ouvido por todos.

as cargas mais recentes

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 10 meses
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 3 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 11 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 8 meses

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 1 ano
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 11 meses
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 1 semana
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 7 meses
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 7 meses
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 8 meses
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 6 meses
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 9 meses
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 7 meses
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 5 meses
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 9 meses
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 10 meses
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.