Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Quando se apercebeu que devia cantar profissionalmente?

Eu não consigo dizer especificamente quando, desde que me conheço como pessoa, até digo que eu não escolhi a música, ela é que me escolheu.

Como está a sua carreira artística neste momento?

Devido às circunstâncias a que todos estamos submetidos, estou um pouco limitado. Mas a partir da internet tenho aproveitado o máximo.

Que palcos normalmente actua?

Tenho actuado em eventos organizados nas periferias, sobretudo “raves” e  casamentos. As minhas músicas fala sobre o “Amor”.

Quantas músicas possui? 

Na verdade, já tenho muitas músicas gravadas.  Em 2015 lancei a minha mixtape “That Helosipe”, de 13 faixas e 2017 lancei o EP “Plano B: Amor e Dor”, com 8 faixas todas produzidas por mim. Agora estou a promover  duas músicas ‘Minha Xuxú’ e ‘Bem Panco’.

Como ter acesso às suas músicas?

Estão todas disponíveis no meu SoundCloud  “Hender Lomerh” e nas minhas redes sociais também.

Que participações se destacam?

Tenho poucas participações a nível de voz. No meu EP, a única participação que tive foi do Edu Fox. A nível de produção, por exemplo, na  mixtape de 2015 tive uma produção do Teo no Beat, que actualmente é um artista da Clé.

Como é que faz para produzir as suas músicas?

Quanto às produções, não tenho grandes dificuldades porque também sou produtor já há muitos anos e boa parte das minhas musicas sou eu mesmo que produzo.

Sempre gostou de trabalhar desta forma?

Sinto-me confortável, mas chega uma altura que também preciso  de energias e toques diferentes, nesses casos recorro a outros produtores para fazer a co-produção.

Com isso, qual é a possibilidade de se pensar no álbum?

Nesse momento, começo a pensar seriamente em antecipar um EP novo, se tudo correr bem até ao final do ano o projecto sai.

O que traz de diferente daquilo que temos ouvido na nossa praça?

Eu acho que a simplicidade das minhas composições me destingue dos demais. 

Quem escreve as suas músicas?

Sou eu mesmo. Também já pensei em fazer músicas com artistas do topo que eu admiro muito, mas não com mera intenção de me inserir no mercado, apenas para fazer obras de arte no estúdio.

É comum jovens como tu utilizarem a música para expressar o que não conseguem exprimir noutros fóruns. É o seu caso?

Também é para isso que eu canto sim.

porquê?

Parto do princípio de que a situação que eu vivi um dia , muita gente pode estar a viver e se eu cantar, essas pessoas vão se identificar com a mensagem. Muitas vezes nem preciso viver as situações, só preciso senti-las.

Já faz algum dinheiro com a músicas?

Já faço sim. Mas é mais pelas produções e composições que faço para outros artistas. Não tanto pelas actuações.

O sucesso, a fama e o topo é tido como o ponto mais alto para o cantor. Que mercado mira?

Nunca pensei num mercado específico, por outra, acho que o sucesso e  a fama acabam. O que eu mais quero é atingir e tocar mais os corações. A fama será uma consequência disso.  

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito.

Disse que compõe para outros cantores, tem alguma letra sua que já é uma referência?

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito. 

Onde se sente mais confortável na escrita ou a cantar?

Em ambos os lados, a fazer ambas as coisas, acho que uma complementa a outra.

as cargas mais recentes

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 2 anos
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 1 ano
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Alice Julie mostra os frutos da parceria com a Milionário Records

há 2 anos
Desde pequena sonhou em se tornar numa estrela da música, um desejo que será agora materializado pela Milionário Records. A mais recente aposta da produtora já começou a trabalhar para os seus dois primeiros álbuns e esta sexta-feira (27) vai testar o público com o single “Encaixe Perfeito”.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 2 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 2 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 2 anos
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 anos
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 2 anos
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

há 12 meses
O seu alcance artistico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 2 anos
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.