Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Quando se apercebeu que devia cantar profissionalmente?

Eu não consigo dizer especificamente quando, desde que me conheço como pessoa, até digo que eu não escolhi a música, ela é que me escolheu.

Como está a sua carreira artística neste momento?

Devido às circunstâncias a que todos estamos submetidos, estou um pouco limitado. Mas a partir da internet tenho aproveitado o máximo.

Que palcos normalmente actua?

Tenho actuado em eventos organizados nas periferias, sobretudo “raves” e  casamentos. As minhas músicas fala sobre o “Amor”.

Quantas músicas possui? 

Na verdade, já tenho muitas músicas gravadas.  Em 2015 lancei a minha mixtape “That Helosipe”, de 13 faixas e 2017 lancei o EP “Plano B: Amor e Dor”, com 8 faixas todas produzidas por mim. Agora estou a promover  duas músicas ‘Minha Xuxú’ e ‘Bem Panco’.

Como ter acesso às suas músicas?

Estão todas disponíveis no meu SoundCloud  “Hender Lomerh” e nas minhas redes sociais também.

Que participações se destacam?

Tenho poucas participações a nível de voz. No meu EP, a única participação que tive foi do Edu Fox. A nível de produção, por exemplo, na  mixtape de 2015 tive uma produção do Teo no Beat, que actualmente é um artista da Clé.

Como é que faz para produzir as suas músicas?

Quanto às produções, não tenho grandes dificuldades porque também sou produtor já há muitos anos e boa parte das minhas musicas sou eu mesmo que produzo.

Sempre gostou de trabalhar desta forma?

Sinto-me confortável, mas chega uma altura que também preciso  de energias e toques diferentes, nesses casos recorro a outros produtores para fazer a co-produção.

Com isso, qual é a possibilidade de se pensar no álbum?

Nesse momento, começo a pensar seriamente em antecipar um EP novo, se tudo correr bem até ao final do ano o projecto sai.

O que traz de diferente daquilo que temos ouvido na nossa praça?

Eu acho que a simplicidade das minhas composições me destingue dos demais. 

Quem escreve as suas músicas?

Sou eu mesmo. Também já pensei em fazer músicas com artistas do topo que eu admiro muito, mas não com mera intenção de me inserir no mercado, apenas para fazer obras de arte no estúdio.

É comum jovens como tu utilizarem a música para expressar o que não conseguem exprimir noutros fóruns. É o seu caso?

Também é para isso que eu canto sim.

porquê?

Parto do princípio de que a situação que eu vivi um dia , muita gente pode estar a viver e se eu cantar, essas pessoas vão se identificar com a mensagem. Muitas vezes nem preciso viver as situações, só preciso senti-las.

Já faz algum dinheiro com a músicas?

Já faço sim. Mas é mais pelas produções e composições que faço para outros artistas. Não tanto pelas actuações.

O sucesso, a fama e o topo é tido como o ponto mais alto para o cantor. Que mercado mira?

Nunca pensei num mercado específico, por outra, acho que o sucesso e  a fama acabam. O que eu mais quero é atingir e tocar mais os corações. A fama será uma consequência disso.  

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito.

Disse que compõe para outros cantores, tem alguma letra sua que já é uma referência?

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito. 

Onde se sente mais confortável na escrita ou a cantar?

Em ambos os lados, a fazer ambas as coisas, acho que uma complementa a outra.

as cargas mais recentes

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 1 ano
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 2 anos
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 1 ano

Gilson Son: Morador de rua em Luanda vira estrela do Rap na internet

há 11 meses
Gilson Son é um MC com uma consistência lírica que muitos rappers renomados da nossa praça gostariam de ter. O jovem vive na rua e alimenta-se com pequenos restos de comida que encontra em contentores de lixo. Apesar da difícil vida, Gilson não perdeu o foco e, na semana passada, a sorte bateu-lhe a porta, inclusive DJ Samurai marcou com ele um encontro.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 anos
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 ano
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 1 ano
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 2 anos
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 2 anos
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 2 anos
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 2 anos
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Nasce uma nova estrela da música

há 3 anos
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.