Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Quando se apercebeu que devia cantar profissionalmente?

Eu não consigo dizer especificamente quando, desde que me conheço como pessoa, até digo que eu não escolhi a música, ela é que me escolheu.

Como está a sua carreira artística neste momento?

Devido às circunstâncias a que todos estamos submetidos, estou um pouco limitado. Mas a partir da internet tenho aproveitado o máximo.

Que palcos normalmente actua?

Tenho actuado em eventos organizados nas periferias, sobretudo “raves” e  casamentos. As minhas músicas fala sobre o “Amor”.

Quantas músicas possui? 

Na verdade, já tenho muitas músicas gravadas.  Em 2015 lancei a minha mixtape “That Helosipe”, de 13 faixas e 2017 lancei o EP “Plano B: Amor e Dor”, com 8 faixas todas produzidas por mim. Agora estou a promover  duas músicas ‘Minha Xuxú’ e ‘Bem Panco’.

Como ter acesso às suas músicas?

Estão todas disponíveis no meu SoundCloud  “Hender Lomerh” e nas minhas redes sociais também.

Que participações se destacam?

Tenho poucas participações a nível de voz. No meu EP, a única participação que tive foi do Edu Fox. A nível de produção, por exemplo, na  mixtape de 2015 tive uma produção do Teo no Beat, que actualmente é um artista da Clé.

Como é que faz para produzir as suas músicas?

Quanto às produções, não tenho grandes dificuldades porque também sou produtor já há muitos anos e boa parte das minhas musicas sou eu mesmo que produzo.

Sempre gostou de trabalhar desta forma?

Sinto-me confortável, mas chega uma altura que também preciso  de energias e toques diferentes, nesses casos recorro a outros produtores para fazer a co-produção.

Com isso, qual é a possibilidade de se pensar no álbum?

Nesse momento, começo a pensar seriamente em antecipar um EP novo, se tudo correr bem até ao final do ano o projecto sai.

O que traz de diferente daquilo que temos ouvido na nossa praça?

Eu acho que a simplicidade das minhas composições me destingue dos demais. 

Quem escreve as suas músicas?

Sou eu mesmo. Também já pensei em fazer músicas com artistas do topo que eu admiro muito, mas não com mera intenção de me inserir no mercado, apenas para fazer obras de arte no estúdio.

É comum jovens como tu utilizarem a música para expressar o que não conseguem exprimir noutros fóruns. É o seu caso?

Também é para isso que eu canto sim.

porquê?

Parto do princípio de que a situação que eu vivi um dia , muita gente pode estar a viver e se eu cantar, essas pessoas vão se identificar com a mensagem. Muitas vezes nem preciso viver as situações, só preciso senti-las.

Já faz algum dinheiro com a músicas?

Já faço sim. Mas é mais pelas produções e composições que faço para outros artistas. Não tanto pelas actuações.

O sucesso, a fama e o topo é tido como o ponto mais alto para o cantor. Que mercado mira?

Nunca pensei num mercado específico, por outra, acho que o sucesso e  a fama acabam. O que eu mais quero é atingir e tocar mais os corações. A fama será uma consequência disso.  

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito.

Disse que compõe para outros cantores, tem alguma letra sua que já é uma referência?

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito. 

Onde se sente mais confortável na escrita ou a cantar?

Em ambos os lados, a fazer ambas as coisas, acho que uma complementa a outra.

as cargas mais recentes

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 5 meses
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 5 meses
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 9 meses
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 5 meses

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 6 meses
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 4 meses
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 9 meses

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 6 meses
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 1 mês
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 7 meses
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 10 meses
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 5 meses
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 7 meses
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Nasce uma nova estrela da música

há 10 meses
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 6 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 3 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.