Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Quando se apercebeu que devia cantar profissionalmente?

Eu não consigo dizer especificamente quando, desde que me conheço como pessoa, até digo que eu não escolhi a música, ela é que me escolheu.

Como está a sua carreira artística neste momento?

Devido às circunstâncias a que todos estamos submetidos, estou um pouco limitado. Mas a partir da internet tenho aproveitado o máximo.

Que palcos normalmente actua?

Tenho actuado em eventos organizados nas periferias, sobretudo “raves” e  casamentos. As minhas músicas fala sobre o “Amor”.

Quantas músicas possui? 

Na verdade, já tenho muitas músicas gravadas.  Em 2015 lancei a minha mixtape “That Helosipe”, de 13 faixas e 2017 lancei o EP “Plano B: Amor e Dor”, com 8 faixas todas produzidas por mim. Agora estou a promover  duas músicas ‘Minha Xuxú’ e ‘Bem Panco’.

Como ter acesso às suas músicas?

Estão todas disponíveis no meu SoundCloud  “Hender Lomerh” e nas minhas redes sociais também.

Que participações se destacam?

Tenho poucas participações a nível de voz. No meu EP, a única participação que tive foi do Edu Fox. A nível de produção, por exemplo, na  mixtape de 2015 tive uma produção do Teo no Beat, que actualmente é um artista da Clé.

Como é que faz para produzir as suas músicas?

Quanto às produções, não tenho grandes dificuldades porque também sou produtor já há muitos anos e boa parte das minhas musicas sou eu mesmo que produzo.

Sempre gostou de trabalhar desta forma?

Sinto-me confortável, mas chega uma altura que também preciso  de energias e toques diferentes, nesses casos recorro a outros produtores para fazer a co-produção.

Com isso, qual é a possibilidade de se pensar no álbum?

Nesse momento, começo a pensar seriamente em antecipar um EP novo, se tudo correr bem até ao final do ano o projecto sai.

O que traz de diferente daquilo que temos ouvido na nossa praça?

Eu acho que a simplicidade das minhas composições me destingue dos demais. 

Quem escreve as suas músicas?

Sou eu mesmo. Também já pensei em fazer músicas com artistas do topo que eu admiro muito, mas não com mera intenção de me inserir no mercado, apenas para fazer obras de arte no estúdio.

É comum jovens como tu utilizarem a música para expressar o que não conseguem exprimir noutros fóruns. É o seu caso?

Também é para isso que eu canto sim.

porquê?

Parto do princípio de que a situação que eu vivi um dia , muita gente pode estar a viver e se eu cantar, essas pessoas vão se identificar com a mensagem. Muitas vezes nem preciso viver as situações, só preciso senti-las.

Já faz algum dinheiro com a músicas?

Já faço sim. Mas é mais pelas produções e composições que faço para outros artistas. Não tanto pelas actuações.

O sucesso, a fama e o topo é tido como o ponto mais alto para o cantor. Que mercado mira?

Nunca pensei num mercado específico, por outra, acho que o sucesso e  a fama acabam. O que eu mais quero é atingir e tocar mais os corações. A fama será uma consequência disso.  

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito.

Disse que compõe para outros cantores, tem alguma letra sua que já é uma referência?

Ainda não escrevi para um artista de grande destaque, mas não tarda isso vai acontecer. Acredito. 

Onde se sente mais confortável na escrita ou a cantar?

Em ambos os lados, a fazer ambas as coisas, acho que uma complementa a outra.

as cargas mais recentes

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 12 meses
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 7 meses
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 8 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 1 ano
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 1 ano
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 1 ano

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 1 ano
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 9 meses
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 5 meses
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 1 ano
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 1 ano
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 1 ano
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Nasce uma nova estrela da música

há 1 ano
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 mês
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 10 meses
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 1 ano
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.