Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade. Por esta razão, vai colocar no mercado uma nova mixtape. O rapper criou uma produtora e fala à Carga dos ganhos que tem obtido com a música.

Depois das mixtapes Mundo Pablo & Operação Arrastão, Mesmo Trono Novo Dono. O que tem estado a preparar em plena pandemia?

Estou a preparar o álbum da CombinaSons, que é a minha produtora, o meu álbum intitulado “O Depoimento” e a Mixtape Mundo Pablo 2, que estará disponível no dia 18 de Outubro deste ano.

É comum no seio dos rappers abrirem a carreira com mixtapes, seguido de trabalho de originais. Quando é que pensa lançar o seu álbum?

O meu álbum estará disponível em 2021. É algo de que venho a trabalhar há 3 anos.

Quantas músicas possui neste momento e quais serão as participações?

Está a 60% pronto, feliz ou infelizmente sou perfeccionista e não paro de fazer alterações.
Gostaria de ter o Justin Weely, Totó, Júnior Zy, Rui Orlando, Phay Grande O Poeta, Itary, Anselmo Ralph, Belo, Elber, Yola Semedo e Rick Baby

Recentemente disponibilizou um novo single. Que outras músicas vai disponibilizar ainda este ano?

Sim, depois do meu último single “Propósito Ft. Justin Weely”, vou lançar o single “Betinho”, mais outro que a produtora ainda não decidiu e a seguir sai a mixtape com 14 faixas.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

O seu hit “Banzelo” tornou-se uma marca, aliás, há uma produtora com este nome. O quê que conseguiu com esta música?

A minha música “Banzelo” revolucionou o RAP angolano. A produtora Banzelos pertence a Liano Lemos, dono da primeira marca de shishas Nacional com o mesmo nome, e fui embaixador por 2 anos. Consegui neste caso tal contrato, realização do projecto XL Cypher, com o meu amigo e parceiro XL, reconhecimento, credibilidade mercado, dinheiro e fãs

Detém os royatities. Ganhou alguma coisa com isso?

A produtora foi aberta após a recisão do meu contrato como embaixador da marca de shishas, então não possuo ganhos sobre ela

Conte-nos lá como foi a ligação com a Banzelo Nation.

Na verdade, foi com a Banzelos Shisha, o Liano Lemos sentiu o impacto da minha música “Banzelo Ft. Ready Neutro e Fabiansky”, e falou com um amigo que temos em comum chamado Aizen, que apresentou-nos, posteriormente fizemos a negociação.

As suas músicas parecem ser um louvor a vida boémia, sem retirar claro, a mensagem. Que tipo de apelo procura fazer nas suas canções?

Canto sobre o estilo de vida que um jovem como eu vive. Procuro sempre contar a minha história e algumas próximas, falar sobre realidades da nossa sociedade, passar motivação para outras pessoas, dentro ou fora do mundo dos negócios e arte.

Como sente que esta mensagem é interpretada?

Acho que é mal interpretada por alguns que acham que devia cantar sobre outros temas ou de outra forma, não percebida por outros quando sou profundo, mas é vista como luz, pois já mudou a vida de muita gente dando motivação pra seguir em frente ou até mesmo começar a cantar

O seu Rap parece ser uma mistura de Boom Bap com o Trap Soul. Como se define?

Normalmente faço o que sinto, sigo o que os beats e a minha alma dizem. Não sou muito de seguir tendências, então podia dizer que a minha musicalidade é peculiar!.

Em que lugar se coloca no Music hall nacional, especialmente no Rap?

Sinto que faço parte da revolução, inovação, exemplo de um rapper com sucessos e respeito.

Já é o espaço que quis ocupar? 

Falta lançar mais projectos, artistas, fazer mais dinheiro e conseguir mais público.

Sei que detém também uma produtora. Como é ser produtor é músico ao mesmo tempo?

É difícil, mas o segredo está na gestão do tempo, partilha de oportunidades, conhecimento e experiência.

Como faz para conciliar as duas carreiras?

Na verdade, acho que não tenho conseguido ainda, tenho muitas funções e actividades fora a música. Preciso de abdicar definitivamente de algumas coisas e inverter prioridades

Que opinião tem sobre o Rap que se faz hoje em Angola?

Tem-se feito muito bom Rap, mas ainda não é o suficiente. Falta mais ambição, organização para conseguirmos ter rappers que ficarão realmente na história.

as cargas mais recentes

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 2 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Nasce uma nova estrela da música

há 2 anos
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 10 meses
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

há 3 meses
O seu alcance artistico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 1 ano
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 1 ano

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 12 meses
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

há 4 meses
O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 1 ano
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 2 anos
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 7 meses
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 7 meses
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 1 ano
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 4 meses

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 1 ano
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 1 ano
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.