Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade. Por esta razão, vai colocar no mercado uma nova mixtape. O rapper criou uma produtora e fala à Carga dos ganhos que tem obtido com a música.

Depois das mixtapes Mundo Pablo & Operação Arrastão, Mesmo Trono Novo Dono. O que tem estado a preparar em plena pandemia?

Estou a preparar o álbum da CombinaSons, que é a minha produtora, o meu álbum intitulado “O Depoimento” e a Mixtape Mundo Pablo 2, que estará disponível no dia 18 de Outubro deste ano.

É comum no seio dos rappers abrirem a carreira com mixtapes, seguido de trabalho de originais. Quando é que pensa lançar o seu álbum?

O meu álbum estará disponível em 2021. É algo de que venho a trabalhar há 3 anos.

Quantas músicas possui neste momento e quais serão as participações?

Está a 60% pronto, feliz ou infelizmente sou perfeccionista e não paro de fazer alterações.
Gostaria de ter o Justin Weely, Totó, Júnior Zy, Rui Orlando, Phay Grande O Poeta, Itary, Anselmo Ralph, Belo, Elber, Yola Semedo e Rick Baby

Recentemente disponibilizou um novo single. Que outras músicas vai disponibilizar ainda este ano?

Sim, depois do meu último single “Propósito Ft. Justin Weely”, vou lançar o single “Betinho”, mais outro que a produtora ainda não decidiu e a seguir sai a mixtape com 14 faixas.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

O seu hit “Banzelo” tornou-se uma marca, aliás, há uma produtora com este nome. O quê que conseguiu com esta música?

A minha música “Banzelo” revolucionou o RAP angolano. A produtora Banzelos pertence a Liano Lemos, dono da primeira marca de shishas Nacional com o mesmo nome, e fui embaixador por 2 anos. Consegui neste caso tal contrato, realização do projecto XL Cypher, com o meu amigo e parceiro XL, reconhecimento, credibilidade mercado, dinheiro e fãs

Detém os royatities. Ganhou alguma coisa com isso?

A produtora foi aberta após a recisão do meu contrato como embaixador da marca de shishas, então não possuo ganhos sobre ela

Conte-nos lá como foi a ligação com a Banzelo Nation.

Na verdade, foi com a Banzelos Shisha, o Liano Lemos sentiu o impacto da minha música “Banzelo Ft. Ready Neutro e Fabiansky”, e falou com um amigo que temos em comum chamado Aizen, que apresentou-nos, posteriormente fizemos a negociação.

As suas músicas parecem ser um louvor a vida boémia, sem retirar claro, a mensagem. Que tipo de apelo procura fazer nas suas canções?

Canto sobre o estilo de vida que um jovem como eu vive. Procuro sempre contar a minha história e algumas próximas, falar sobre realidades da nossa sociedade, passar motivação para outras pessoas, dentro ou fora do mundo dos negócios e arte.

Como sente que esta mensagem é interpretada?

Acho que é mal interpretada por alguns que acham que devia cantar sobre outros temas ou de outra forma, não percebida por outros quando sou profundo, mas é vista como luz, pois já mudou a vida de muita gente dando motivação pra seguir em frente ou até mesmo começar a cantar

O seu Rap parece ser uma mistura de Boom Bap com o Trap Soul. Como se define?

Normalmente faço o que sinto, sigo o que os beats e a minha alma dizem. Não sou muito de seguir tendências, então podia dizer que a minha musicalidade é peculiar!.

Em que lugar se coloca no Music hall nacional, especialmente no Rap?

Sinto que faço parte da revolução, inovação, exemplo de um rapper com sucessos e respeito.

Já é o espaço que quis ocupar? 

Falta lançar mais projectos, artistas, fazer mais dinheiro e conseguir mais público.

Sei que detém também uma produtora. Como é ser produtor é músico ao mesmo tempo?

É difícil, mas o segredo está na gestão do tempo, partilha de oportunidades, conhecimento e experiência.

Como faz para conciliar as duas carreiras?

Na verdade, acho que não tenho conseguido ainda, tenho muitas funções e actividades fora a música. Preciso de abdicar definitivamente de algumas coisas e inverter prioridades

Que opinião tem sobre o Rap que se faz hoje em Angola?

Tem-se feito muito bom Rap, mas ainda não é o suficiente. Falta mais ambição, organização para conseguirmos ter rappers que ficarão realmente na história.

as cargas mais recentes

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 3 anos
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 3 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 2 anos
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 3 anos
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 3 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 2 anos
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 3 anos
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 2 anos
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Autor de “Bad B Tá Maluco” fala do boicote no Festa da Música: “Eles ´e que foram à minha procura”

há 7 meses

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 3 anos
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 2 anos
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 1 ano
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 3 anos
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 3 anos
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.