Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade. Por esta razão, vai colocar no mercado uma nova mixtape. O rapper criou uma produtora e fala à Carga dos ganhos que tem obtido com a música.

Depois das mixtapes Mundo Pablo & Operação Arrastão, Mesmo Trono Novo Dono. O que tem estado a preparar em plena pandemia?

Estou a preparar o álbum da CombinaSons, que é a minha produtora, o meu álbum intitulado “O Depoimento” e a Mixtape Mundo Pablo 2, que estará disponível no dia 18 de Outubro deste ano.

É comum no seio dos rappers abrirem a carreira com mixtapes, seguido de trabalho de originais. Quando é que pensa lançar o seu álbum?

O meu álbum estará disponível em 2021. É algo de que venho a trabalhar há 3 anos.

Quantas músicas possui neste momento e quais serão as participações?

Está a 60% pronto, feliz ou infelizmente sou perfeccionista e não paro de fazer alterações.
Gostaria de ter o Justin Weely, Totó, Júnior Zy, Rui Orlando, Phay Grande O Poeta, Itary, Anselmo Ralph, Belo, Elber, Yola Semedo e Rick Baby

Recentemente disponibilizou um novo single. Que outras músicas vai disponibilizar ainda este ano?

Sim, depois do meu último single “Propósito Ft. Justin Weely”, vou lançar o single “Betinho”, mais outro que a produtora ainda não decidiu e a seguir sai a mixtape com 14 faixas.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

O seu hit “Banzelo” tornou-se uma marca, aliás, há uma produtora com este nome. O quê que conseguiu com esta música?

A minha música “Banzelo” revolucionou o RAP angolano. A produtora Banzelos pertence a Liano Lemos, dono da primeira marca de shishas Nacional com o mesmo nome, e fui embaixador por 2 anos. Consegui neste caso tal contrato, realização do projecto XL Cypher, com o meu amigo e parceiro XL, reconhecimento, credibilidade mercado, dinheiro e fãs

Detém os royatities. Ganhou alguma coisa com isso?

A produtora foi aberta após a recisão do meu contrato como embaixador da marca de shishas, então não possuo ganhos sobre ela

Conte-nos lá como foi a ligação com a Banzelo Nation.

Na verdade, foi com a Banzelos Shisha, o Liano Lemos sentiu o impacto da minha música “Banzelo Ft. Ready Neutro e Fabiansky”, e falou com um amigo que temos em comum chamado Aizen, que apresentou-nos, posteriormente fizemos a negociação.

As suas músicas parecem ser um louvor a vida boémia, sem retirar claro, a mensagem. Que tipo de apelo procura fazer nas suas canções?

Canto sobre o estilo de vida que um jovem como eu vive. Procuro sempre contar a minha história e algumas próximas, falar sobre realidades da nossa sociedade, passar motivação para outras pessoas, dentro ou fora do mundo dos negócios e arte.

Como sente que esta mensagem é interpretada?

Acho que é mal interpretada por alguns que acham que devia cantar sobre outros temas ou de outra forma, não percebida por outros quando sou profundo, mas é vista como luz, pois já mudou a vida de muita gente dando motivação pra seguir em frente ou até mesmo começar a cantar

O seu Rap parece ser uma mistura de Boom Bap com o Trap Soul. Como se define?

Normalmente faço o que sinto, sigo o que os beats e a minha alma dizem. Não sou muito de seguir tendências, então podia dizer que a minha musicalidade é peculiar!.

Em que lugar se coloca no Music hall nacional, especialmente no Rap?

Sinto que faço parte da revolução, inovação, exemplo de um rapper com sucessos e respeito.

Já é o espaço que quis ocupar? 

Falta lançar mais projectos, artistas, fazer mais dinheiro e conseguir mais público.

Sei que detém também uma produtora. Como é ser produtor é músico ao mesmo tempo?

É difícil, mas o segredo está na gestão do tempo, partilha de oportunidades, conhecimento e experiência.

Como faz para conciliar as duas carreiras?

Na verdade, acho que não tenho conseguido ainda, tenho muitas funções e actividades fora a música. Preciso de abdicar definitivamente de algumas coisas e inverter prioridades

Que opinião tem sobre o Rap que se faz hoje em Angola?

Tem-se feito muito bom Rap, mas ainda não é o suficiente. Falta mais ambição, organização para conseguirmos ter rappers que ficarão realmente na história.

as cargas mais recentes

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 3 meses
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 10 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 4 meses
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 7 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 1 ano
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 1 ano
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 1 ano
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 11 meses
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 10 meses
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 12 meses
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 1 ano
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 1 ano
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 10 meses
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 1 ano
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 10 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 8 meses
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.