Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

Salvador da Lata ficou conhecido em 2018 por meio de um vídeo onde aparece a interpretar “Alma Gémea” de Halison Paixão e Filho do Zua mas, depois de tantas promessas, o adolescente continuou a sobreviver das ruas, lavando carros, engraxando sapatos e a deitar lixos domésticos. Hoje conseguiu uma produtora, já lançou uma música e está a preparar um EP.

Agora já com 16 anos, o talento vai dedicar-se ao Ghetto Zouk, Afro Naija e Semba, e já lançou uma música intitulada “Minha Pequena”, ft Jefferson Santana disponível no YouTube desde Junho, e, não é tudo, em Novembro vai apresentar o clipe.

Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

O que impressiona no rapaz não é só a voz, mas a subtileza com que adapta instrumentos como a lata, garrafa e paus à música. O artista fala dos seus desafios com a NoyasMusic e deixa suas impressões à Carga.

Após ter impressionado com o cover da “Alma Gémea” desapareceu, para voltar este ano com uma música. O que andou a fazer?

Quando fiquei conhecido, surgiram músicos e produtores com promessas de gravar um álbum e a gestão da minha carreira. Passados 2 anos, estava novamente cantando nas ruas, lavando carros e deitando lixo em residências na zona do calemba2.

Foi assim que conheceu NoyasMusic ?

Foi daí que a NoyasMusic e o Luis candeias decidiram apoiar-me gravando a primeira música e a gestão da vida e da minha carreira.

Agora faz dupla. Como se chama a dupla e que estilo de música lhe será característico?

Não é propriamente uma dupla. Jefferson Santana, cantor e compositor, é também artista da NoyasMusic. A composição, direcção artística da minha música esteve a cargo dele e, a pedido do produtor, participou cantando o segundo verso.

A primeira música saiu o mês passado. Qual será o passo a seguir ?

Por agora estamos focados em trabalhar na promoção do primeiro single, talvez antes do fim do ano saía uma próxima música. Mas o vídeo da faixa sairá já no dia 9 do próximo mês.

Que estilo vai caracterizar a carreira de Salvador da Lata? 

Vou viajar por vários estilos, em particular o Afro Naija, o Kizomba e o Semba.

Depois do vídeoclipe o que virá a seguir?

Como disse o vídeo  do single “Minha Pequena” estará disponível no nosso canal do YouTube e em outras plataformas no dia 9 de Novembro do ano em curso, e o EP, que contará com 5 músicas e mais vídeos, sairá em data a anunciar.

Quais serão as  participações neste EP? Já tem um nome?

Nome e participações surgem de acordo o progresso da carreira, temos nomes confirmados como o grande Maya Cool, Jefferson Santana, Filho do Zua e aguardando confirmação do Puto Português.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

Neste momento como é que estão os contratos de angenciamento do Salvador da Lata, uma vez que tinha regressado às ruas mesmo depois de ‘tantos alaridos’ “?

A gestão da carreira está a cargo da NoyasMusic label, trabalhando obviamente para despertar o interesse das grandes e, naturalmente, criar parceria.

Que valores acredita que poderá acrescentar à cultura angolana, particularmente à música?

Prometo trazer nas minhas composições temas pertinentes que, de forma positiva, contribuirão para a valorização da cultura.

Que planos traçou para invadir o mercado?

É  tudo muito futurista, mas pensamos que trabalhando arduamente serei conhecido pelas minhas obras. Não podemos revelar ainda, mas posso adiantar que será um trabalho que chegará até às zonas de difícil acesso.

Para os próximos 15 dias o que se pode esperar de si?

Temos actividades agendadas, participação em shows intimistas de artistas consagrados bem como a conclusão do video.

as cargas mais recentes

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 9 meses
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 2 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 6 meses
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 11 meses
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 6 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 10 meses

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 11 meses
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 5 meses
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 6 meses
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 3 meses
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Alice Julie mostra os frutos da parceria com a Milionário Records

há 3 meses
Desde pequena sonhou em se tornar numa estrela da música, um desejo que será agora materializado pela Milionário Records. A mais recente aposta da produtora já começou a trabalhar para os seus dois primeiros álbuns e esta sexta-feira (27) vai testar o público com o single “Encaixe Perfeito”.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 10 meses
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 10 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 8 meses
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 7 meses

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 11 meses
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.