Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

Salvador da Lata ficou conhecido em 2018 por meio de um vídeo onde aparece a interpretar “Alma Gémea” de Halison Paixão e Filho do Zua mas, depois de tantas promessas, o adolescente continuou a sobreviver das ruas, lavando carros, engraxando sapatos e a deitar lixos domésticos. Hoje conseguiu uma produtora, já lançou uma música e está a preparar um EP.

Agora já com 16 anos, o talento vai dedicar-se ao Ghetto Zouk, Afro Naija e Semba, e já lançou uma música intitulada “Minha Pequena”, ft Jefferson Santana disponível no YouTube desde Junho, e, não é tudo, em Novembro vai apresentar o clipe.

Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

O que impressiona no rapaz não é só a voz, mas a subtileza com que adapta instrumentos como a lata, garrafa e paus à música. O artista fala dos seus desafios com a NoyasMusic e deixa suas impressões à Carga.

Após ter impressionado com o cover da “Alma Gémea” desapareceu, para voltar este ano com uma música. O que andou a fazer?

Quando fiquei conhecido, surgiram músicos e produtores com promessas de gravar um álbum e a gestão da minha carreira. Passados 2 anos, estava novamente cantando nas ruas, lavando carros e deitando lixo em residências na zona do calemba2.

Foi assim que conheceu NoyasMusic ?

Foi daí que a NoyasMusic e o Luis candeias decidiram apoiar-me gravando a primeira música e a gestão da vida e da minha carreira.

Agora faz dupla. Como se chama a dupla e que estilo de música lhe será característico?

Não é propriamente uma dupla. Jefferson Santana, cantor e compositor, é também artista da NoyasMusic. A composição, direcção artística da minha música esteve a cargo dele e, a pedido do produtor, participou cantando o segundo verso.

A primeira música saiu o mês passado. Qual será o passo a seguir ?

Por agora estamos focados em trabalhar na promoção do primeiro single, talvez antes do fim do ano saía uma próxima música. Mas o vídeo da faixa sairá já no dia 9 do próximo mês.

Que estilo vai caracterizar a carreira de Salvador da Lata? 

Vou viajar por vários estilos, em particular o Afro Naija, o Kizomba e o Semba.

Depois do vídeoclipe o que virá a seguir?

Como disse o vídeo  do single “Minha Pequena” estará disponível no nosso canal do YouTube e em outras plataformas no dia 9 de Novembro do ano em curso, e o EP, que contará com 5 músicas e mais vídeos, sairá em data a anunciar.

Quais serão as  participações neste EP? Já tem um nome?

Nome e participações surgem de acordo o progresso da carreira, temos nomes confirmados como o grande Maya Cool, Jefferson Santana, Filho do Zua e aguardando confirmação do Puto Português.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

Neste momento como é que estão os contratos de angenciamento do Salvador da Lata, uma vez que tinha regressado às ruas mesmo depois de ‘tantos alaridos’ “?

A gestão da carreira está a cargo da NoyasMusic label, trabalhando obviamente para despertar o interesse das grandes e, naturalmente, criar parceria.

Que valores acredita que poderá acrescentar à cultura angolana, particularmente à música?

Prometo trazer nas minhas composições temas pertinentes que, de forma positiva, contribuirão para a valorização da cultura.

Que planos traçou para invadir o mercado?

É  tudo muito futurista, mas pensamos que trabalhando arduamente serei conhecido pelas minhas obras. Não podemos revelar ainda, mas posso adiantar que será um trabalho que chegará até às zonas de difícil acesso.

Para os próximos 15 dias o que se pode esperar de si?

Temos actividades agendadas, participação em shows intimistas de artistas consagrados bem como a conclusão do video.

as cargas mais recentes

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 ano
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 2 anos
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 2 anos
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 1 ano
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

há 1 ano
O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 2 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Gilson Son: Morador de rua em Luanda vira estrela do Rap na internet

há 11 meses
Gilson Son é um MC com uma consistência lírica que muitos rappers renomados da nossa praça gostariam de ter. O jovem vive na rua e alimenta-se com pequenos restos de comida que encontra em contentores de lixo. Apesar da difícil vida, Gilson não perdeu o foco e, na semana passada, a sorte bateu-lhe a porta, inclusive DJ Samurai marcou com ele um encontro.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 2 anos
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 2 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Steel Wonder: Mais um filho do Prenda que aspira ter sucesso no Rap

há 2 anos
A segunda “season” da sua história com a música, surge em 2013, ao identificar-se com a ideologia da Força Suprema. Actualmente no Rap, Steel aspira trabalhar com a Latino Records e vê no single `mamacita´, a sua ascensão musical.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 2 anos