Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sport Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai. Para além de cantar, é multi-instrumentista e já tem agendado o lançamento da obra de estreia. O curioso é que nem se inspira em Paulo Flores. Nesta primeira entrevista da carreira, o cantor fala dos seus objectivos.

Por que decidiu cantar?
Acho que todos os homens sonham em ser jogador de futebol, de basquetebol. Chegou uma altura que eu deixei tudo isso p’ra trás e decidi seguir o que realmente gostei. Que é o meu verdadeiro sonho, que é a música então eu decidi seguir.

Praticava basquetebol e até já evoluía para o profissional, não receia que a carreira musical não venha a dar certo?
Eu praticava basquetebol profissional no Sport Lisboa e Benfica até começar a cantar. Então chegou uma altura que eu tive que escolher, porque já tinha show e não conseguia conciliar as duas coisas.

Quando é que começar a acreditar nos seus sonhos?
Tudo começou há três anos como uma brincadeira com o meu irmão mais velho. Depois começou a ficar sério, o pessoal começou a gostar e eu continuei.

Filho de peixe peixinho é, conforme diz o adágio, quem escreve para si?As letras são minhas. Todas. Não gosto muito que me comparem, porque é uma responsabilidade muito grande, ao mesmo tempo é também um empurrão muito importante.

Por que razão decidiu seguir a carreira a solo e onde colocou Los Manitos?
Los Manitos é o grupo com o meu irmão mais velho. Pronto, foi aí onde começou tudo. Foi o meu irmão que me disse para eu começar a cantar e disse-me que eu cantava bem. Mas a dupla nunca vai deixar de existir. Não é só uma dupla faz parte da minha vida e, o facto de eu ser irmão dele, então Los Manitos não acabou.

Sei apenas que cantavam Afro House, nunca pensaram gravar algo mais sólido para marcar a trajectória de Los Manitos?
Tínhamos Afro House, Rap, Balada, Reggae. Cantávamos vários estilos. Nós temos muitas músicas gravadas, mas lançadas temos apenas oito. Nunca foi objectivo nosso levar a música a sério. O álbum não chegou a surgir, mas pode ser que venha.

Serei obrigado a insistir na pergunta quando e por que motivo decidiu levar a carreira a solo?
Foi mais ou menos a meio do projecto com o meu irmão, no início de 2019. Comecei a ter assim grades ideias para músicas. É uma conversa que temos tido em que cada um pode fazer algo fora da dupla. Acredito que. se eu puder fazer uma carreira a solo e ele também, um dia teremos grandes ideias e quando nos juntarmos sairá algo melhor.

Desde que canta sozinho quantas músicas já gravou?
A solo já tenho 12 músicas gravadas, falta só masterização e os vídeo clipes. Mas ainda não lancei nenhuma. É um projecto que estou a preparar, até acalmar esta situação do Covid-19 vou prosseguir.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

Já começou a construir uma legião de fãs, quando é que os seus seguidores poderão ouvir as suas próprias músicas?
Em 2021. Farei 18 este ano, então 2021 surgirá um artista mais maduro e com mais cabeça.

Que estilos traz?
Estou muito focado no Afro Swing, que me permite buscar um bocado de tudo que eu já aprendi. Consigo conjugar o Semba pelo ritmo e pela forma de cantar, consigo juntar o rap e escrever também sobre coisas mais sérias. Nas 12 músicas tenho baladas, que é com voz e violão, tenho Swing, Rap. estou a preparar mais duas músicas, que são Kizomba, uma das quais terá a participação do Edgar Domingos.

Será também em 2021 que poderemos ter o EP?
Não tenho muita certeza sobre datas, só brevemente poderei responder a esta pergunta. Só lhe posso assegurar que teremos o primeiro single em 2021.

Para além de Edgar Domingos traz outras participações?
Por agora ainda não. Minhas letras são mais profundas. Não tanto do tema em si, mas por serem realidade. São coisas que aconteceram comigo. Então não quis meter ninguém senão tornava uma história fictícia.

Quer partilhar um pouco sobre o que narra nessas músicas?
Tenho histórias de amor que vi, sobre como ultrapassar essa fase e dar valor a outras coisas na vida.

Apresenta algo muito diferente do seu progenitor, afinal quem são as suas fontes de inspiração?
Prodígio é a minha grande fonte de inspiração e gostava de tê-lo nas minhas músicas. Também gostaria de ter participações do Kelson Most Wanted.

Está a dizer que não pensa em algum momento cantar Semba?
Claro que eu penso. Aliás é uma das maiores dificuldades que eu tenho de decidir quando devo fazer. Mas é como eu digo, sou um artista que gosta de viver muito de vibes. Não gosto de rótulos. Mas Semba Sinceramente farei. É o que eu gosto de fazer. É só uma questão de tempo. Tenho algumas ideias para a minha carreira, alguns segredos que ainda não posso revelar e isto envolve mito o Semba.

O que ainda não percebi foi por que razão não há participação de Paulo Flores em nenhuma das 12 músicas?
Trago uma vibe diferente, mas evidentemente ele irá entrar. É uma discussão que tenho de ter com ele.

Afinal o que almeja com a música e que mercado quer concentrar?
Quero chegar ao topo. Um dos grandes sonhos que eu tenho é cantar em Angola mesmo. Tudo depende de alguma editora ou produtora que queira fazer algo comigo. quero actuar no mercado português, angolano e todo o PALOP.

as cargas mais recentes

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 5 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 6 meses
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 1 semana
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 5 meses
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 9 meses
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 5 meses

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 7 meses
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 4 meses
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 8 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 8 meses
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 1 mês
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 4 meses
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 9 meses
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 10 meses
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 6 meses
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 6 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.