Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Como se deu o envolvimento com o Kizomba e R&B?

Por ser um artista de R&B, acredito que a Kizomba é um estilo fácil de se adaptar a quem faz R&B e por ser um apreciador e amante de música angolana sempre gostei de ouvir, mas o maior motivo foi o meu produtor Linsis Beat, que me incentivou. Sempre quis fazer Kizomba e ele apareceu na hora certa. 

Em que momentos decide entrar na música?

Cantar sempre esteve no meu DNA,  mas só em 2011 comecei a levar a música mais a sério. Estou prestes a apresentar o EP de estreia, que será o meu cartão de visita e com ele pretendo me apresentar ao mercado angolano e não só. O mesmo vai chamar-se “Retratos” e terá 8 faixas musicais e traz participação de Alírios Santos, Millor Beat e Tchelly Breno.

A que passos está do lançamento?

Tenho algumas músicas promocionais, com destaque para a “Belezura” e “Mudanças”. O EP será disponibilizado…

Por que razão abraçou a carreira profissional?

Eu acredito que todo mundo pode ser o que deseja e sonha. Sempre foi um sonho meu ser músico, eu faço isso mesmo quando não tenciono. Fiz o médio em informática no Alda Lara, mas nunca me senti um informático. Com a música, sinto-me realizado e pretendo transmitir todo esse sentimento a quem me ouve e influenciar vidas.

Onde posiciona a sua carreira neste momento?

Sou um artista novo para os olhos do público, mas posso dizer que estou a crescer gradualmente. Graças a Deus já tive oportunidade de ter minhas músicas a tocarem em rádios internacionais, propriamente em Portugal e recebo boas respostas de pessoas em toda parte do mundo que ouvem minhas músicas em plataformas digitais.

Que palcos já se apresentou?

Já tive a oportunidade de estar no maior palco de shows em Angola, no Cine Atlântico, em 2017 no Feskizomba em 2019. Continuo trabalhando para que Angola e o mundo conheçam o meu potencial.

Pelo que tem feito como acha que o público poderá receber o EP de estreia ?

Creio e espero que recebam bem, pois é um trabalho feito com muito amor, letras penetrantes e envolventes, que acredito que o público vai se identificar.

A propósito como está a ser o início de carreira?

O início não está a ser fácil, mas já foi mais difícil, principalmente por trabalhar sem apoios, mas se eu não fizer por mim e pelo meu sonho mais ninguém fará.

No meio disso tudo, o que lhe motiva a seguir em frente?

O amor que tenho pela música, acreditar que vim para esse mundo tocar corações e mudar vidas.

Quando é que acha que vai começa a se firmar no mercado?

Acredito que o sucesso é consequência do trabalho e eu venho trabalhando a anos para alcançar o reconhecimento do público. E nos últimos dois anos houve um crescimento a todos os níveis acredito que este momento esteja próximo.

Que mercado estão direccionados suas atenções?

Eu pretendo ser um artista internacional, mas é de grão em grão que a galinha enche o papo. Então, a prioridade é Angola, mas é relativo porque com as plataformas digitais hoje podemos ser ouvidos em todo lado. O tipo de musicalidade que me caracteriza é muito abrangente por isso é difícil pensar em um público só.

É um artista independente.

Sim, até hoje nunca tive apoios para começar fora os meus amigos produtores, a caminhada nunca foi fácil mas sigo firme porque acredito que o trabalho supera o talento e eu tenho as duas, tenho fé em Deus e trabalho duro para ultrapassar os obstáculos.

Em que músicos se inspira?

São muitos, eu aprendo com tudo que ouço, mas as minhas maiores influências musicais são Anselmo Ralph, Heavy c, Lil Saint, R.Kelly, Justin Bieber, Chris Brown e muitos outros, sendo que sou um artista que ouve de tudo um pouco.

Onde é que se projecta daqui a 5 anos?

Pergunta difícil. Mas daqui a 5 anos espero estar vinculado a uma produtora/editora de grande porte a gerir a minha carreira sendo reconhecido pelo público Angolano e quem sabe no mundo todo.

as cargas mais recentes

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 2 anos
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 2 anos
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 3 anos
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 3 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 2 anos

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 1 ano
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 3 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 3 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 anos
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 2 anos
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Gilson Son: Morador de rua em Luanda vira estrela do Rap na internet

há 1 ano
Gilson Son é um MC com uma consistência lírica que muitos rappers renomados da nossa praça gostariam de ter. O jovem vive na rua e alimenta-se com pequenos restos de comida que encontra em contentores de lixo. Apesar da difícil vida, Gilson não perdeu o foco e, na semana passada, a sorte bateu-lhe a porta, inclusive DJ Samurai marcou com ele um encontro.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 ano
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.