Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Como se deu o envolvimento com o Kizomba e R&B?

Por ser um artista de R&B, acredito que a Kizomba é um estilo fácil de se adaptar a quem faz R&B e por ser um apreciador e amante de música angolana sempre gostei de ouvir, mas o maior motivo foi o meu produtor Linsis Beat, que me incentivou. Sempre quis fazer Kizomba e ele apareceu na hora certa. 

Em que momentos decide entrar na música?

Cantar sempre esteve no meu DNA,  mas só em 2011 comecei a levar a música mais a sério. Estou prestes a apresentar o EP de estreia, que será o meu cartão de visita e com ele pretendo me apresentar ao mercado angolano e não só. O mesmo vai chamar-se “Retratos” e terá 8 faixas musicais e traz participação de Alírios Santos, Millor Beat e Tchelly Breno.

A que passos está do lançamento?

Tenho algumas músicas promocionais, com destaque para a “Belezura” e “Mudanças”. O EP será disponibilizado…

Por que razão abraçou a carreira profissional?

Eu acredito que todo mundo pode ser o que deseja e sonha. Sempre foi um sonho meu ser músico, eu faço isso mesmo quando não tenciono. Fiz o médio em informática no Alda Lara, mas nunca me senti um informático. Com a música, sinto-me realizado e pretendo transmitir todo esse sentimento a quem me ouve e influenciar vidas.

Onde posiciona a sua carreira neste momento?

Sou um artista novo para os olhos do público, mas posso dizer que estou a crescer gradualmente. Graças a Deus já tive oportunidade de ter minhas músicas a tocarem em rádios internacionais, propriamente em Portugal e recebo boas respostas de pessoas em toda parte do mundo que ouvem minhas músicas em plataformas digitais.

Que palcos já se apresentou?

Já tive a oportunidade de estar no maior palco de shows em Angola, no Cine Atlântico, em 2017 no Feskizomba em 2019. Continuo trabalhando para que Angola e o mundo conheçam o meu potencial.

Pelo que tem feito como acha que o público poderá receber o EP de estreia ?

Creio e espero que recebam bem, pois é um trabalho feito com muito amor, letras penetrantes e envolventes, que acredito que o público vai se identificar.

A propósito como está a ser o início de carreira?

O início não está a ser fácil, mas já foi mais difícil, principalmente por trabalhar sem apoios, mas se eu não fizer por mim e pelo meu sonho mais ninguém fará.

No meio disso tudo, o que lhe motiva a seguir em frente?

O amor que tenho pela música, acreditar que vim para esse mundo tocar corações e mudar vidas.

Quando é que acha que vai começa a se firmar no mercado?

Acredito que o sucesso é consequência do trabalho e eu venho trabalhando a anos para alcançar o reconhecimento do público. E nos últimos dois anos houve um crescimento a todos os níveis acredito que este momento esteja próximo.

Que mercado estão direccionados suas atenções?

Eu pretendo ser um artista internacional, mas é de grão em grão que a galinha enche o papo. Então, a prioridade é Angola, mas é relativo porque com as plataformas digitais hoje podemos ser ouvidos em todo lado. O tipo de musicalidade que me caracteriza é muito abrangente por isso é difícil pensar em um público só.

É um artista independente.

Sim, até hoje nunca tive apoios para começar fora os meus amigos produtores, a caminhada nunca foi fácil mas sigo firme porque acredito que o trabalho supera o talento e eu tenho as duas, tenho fé em Deus e trabalho duro para ultrapassar os obstáculos.

Em que músicos se inspira?

São muitos, eu aprendo com tudo que ouço, mas as minhas maiores influências musicais são Anselmo Ralph, Heavy c, Lil Saint, R.Kelly, Justin Bieber, Chris Brown e muitos outros, sendo que sou um artista que ouve de tudo um pouco.

Onde é que se projecta daqui a 5 anos?

Pergunta difícil. Mas daqui a 5 anos espero estar vinculado a uma produtora/editora de grande porte a gerir a minha carreira sendo reconhecido pelo público Angolano e quem sabe no mundo todo.

as cargas mais recentes

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 2 anos
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 ano
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Do backstage ao palco: produtor executivo do Duetos N’Avenida aposta na carreira musical

há 10 meses

Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

há 1 ano
O seu alcance artistico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 2 anos

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 1 ano
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 2 anos
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 2 anos
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 anos
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 2 anos
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 2 anos
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 2 anos

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 3 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 2 anos
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 2 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.