Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

Jamayka Poston  carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Como é que se deu o seu envolvimento com a música?

Nos anos 80, comecei a dançar em Viana, passei do Techno para Break Dancing e no princípio dos anos 90, comecei a compor e gravei minha primeira música intitulada Quem São Eles Sem Nós”.

Depois disso, o que se seguiu?

Em 2002, lancei o álbum “Benga” e mais tarde tive a colaboraçao com o grupo Waflash, do Senegal e uns membros do Positive Black Soul do Senegal, Ray dos Black Noise e um grupo sul fricano e formamos o projecto Pana Africano Young Africa, com os quais fiz vários shows e culminou com a actuaçao na Conferência Mundial sobre o  Racismo. Também nos anos dois mil, com os Black Noise formamos os Conquering Lions e desta junção resultou um álbum com o mesmo nome publicado em 2006. Daí em diante, foram shows e concertos. Em 2015, depois de muito tempo ausente, gravei a música “Polígamo Assumido”, lançada este ano nas platforma digitais.

Ao regressar, como encontrou o mercado?

Não olho para mercado, eu faço o que devo e quero fazer. Respeito os que lá estão. Há espaço para todos.

O quê marcará o seu retorno?

Lancei no dia 6 um novo single. Em termos de projectos seguirão vários singles e gravações dos respectivos vídeos, tudo isso irá culminar com o lançamento do EP e um show de apresentação.

Conte-nos um pouco sobre isso?

São músicas que estou a gravar e terão participação de Ngadiama e Loromance. É mais uma forma de reintrodução ao mercado e dar nosso contributo musical. O EP ainda está sem data e titulo, mas com certeza, sai próximo ano.
Quanto ao espectáculo, requer um estudo, mas talvez próximo ano no final.

O tempo passou e com ele se foram muitas coisas, que mensagens traz?

Mensagem que retratam sobre o amor , a fome, os problemas sociais, a poligamia e a xenofobia.

Onde é que sua música é mais consumida?

Na africa do Sul. Até porque vivi da música o tempo que lá estive, mas sempre senti o amor e o carinho dos angolanos, posso contar quantas vezes actuei em angola já fora não.

Qual a percepção que tem sobre o rap angolano?

A percepção é que para o contexto em que estamos há muitos fazedores na nova vaga com outra visão e contexto, fazem-no diferente, mas acho isto normal. O tempo passa e as pessoas crescem. Acho estar boa porque acompanho muitíssimo pouco.

Como resume a sua carreira ao longo de quase três décadas?

Aconteceram muitas coisas importantes. Fiz tournée pela Europa, participei na Conferência International sobre o Racismo. São tantas coisas boas.

Procuramos por algum vídeo clípe seu, e não encontramos.

Fiz quatro no passado, mas não foram muito divulgados, não era epóca das redes sócias na altura. Fiz um da música “Baby Mizé”, outros do “Conquering Lions” , “Heal The Hood” e “Benga”.

A que produtora esta filiado?

Nunca estive. Nunca quis depender, estou associado à Benga Records, que é minha e sempre trabalhou comigo fora. 

É o Secretário-geral da Escola Superior Pedagógica do Kwanza Norte. Em que área se formou?

Gestão Pública com a tese de mestrado sobre a “privatização como política macro-económica”, Fuga do Cérebro, no doutoramento.

O que vai fazer para conciliar a carreira de académico com a de músico?

Sempre fiz as duas coisas, é fácil. Embora seja complexa, porque a música é exigente quanto à gestão do tempo e disciplina.

Até que ponto o grau académico poderá influenciar suas abordagens?

Existe um elemento na cultura que é o conhecimento. O grau académico  ou mesmo a formação, permitiu-me sim adquirir conhecimento e ver as coisas em outros prismas. No fundo é só um titulo académico.

Debatemo-nos com a fraca produção científica no país. O que o Dr. João Mateus Domingos já produziu ?

Tenho um livro publicado na Alemanha “O Impacto Sócio-económica da Privatização”. Está em inglês. Os outros estão em negociações

as cargas mais recentes

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 11 meses
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 8 meses
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 7 meses
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 1 ano
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 4 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 11 meses
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 1 ano

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 1 ano
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Nasce uma nova estrela da música

há 1 ano
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 10 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 3 semanas
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 6 meses
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 9 meses
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 7 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 12 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 9 meses
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.