Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clípes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Jandir Three. Por quê este nome?

Jandir Three. Este nome surge por causa do estilo de música que faço, e surge por causa das dificuldades que passei e o senhor meu Deus me livrou. Jandir é mesmo o meu nome de registo e Three é uma homenagem à Santíssima Trindade

Como é que entra para a música?

comecei a cantar muito cedo com os meus sete anos de idade, ainda na Igreja Católica. Mais tarde, optei pela carreira profissional, sinto que chegou a hora de mostrar o meu trabalho para Angola, África e o mundo.

Até onde as experiências vividas influenciam nas suas composições musicais?

Eu canto a minha realidade e tudo que vivi, vivo e vejo no dia-a-dia. O sentimento que tenho em relação à sociedade acabam por influenciar minhas letras. Canto sobre amor.

O quê que já produziu ?

Tenho várias músicas disponíveis nas redes sociais, outras já passam em canais como Afro Music Channel e Gloom. Tenho temas como “Miúda Malandra”, “Mulher”, “Me Toca No Fundo” “Amor Eu Bebo” “É Festa”, Tu És Linda” e tantas outras.

O quê que está a produzir neste momento ?

Muitas novidades. Estou sempre a trabalhar no estúdio e tenho muitas novidades para mostrar. Em breve, vou apresentá-las, por enquanto estamos a promover as músicas que já tenho e a preparar vídeo clípes.

Com que participações conta nessas músicas?

Conto com participação de grandes artistas como Sabino Henda, DJ Aka M, JP, Agel, Márcia Itchelica e muitos mais.

Estes artistas são os que sempre desejou ter parceria ou foi os que conseguiu?

Não tenho preferências. Canto com todos os artistas que mostram trabalho.

Nunca pensou em reunir todas as músicas que possui em um EP?

Já sim. Até porque estou a trabalhar para um CD mesmo, mas ainda sem data. Provavelmente este ano sai sob o selo da Yalankuwu Music.

Até onde vão os seus limites na música?

Não tenho. Quero chegar onde Akon chegou. Inspiro-me em Akon e Tupac Shakur.

Em que momentos da carreira lhe chegou o convite para fazer parte da Yalankuwu Music?

Depois de muita luta, empenho e dedicação. Depois de ter gravado três vídeo clípes e várias actuações televisivas, penso que despertei a curiosidade e o interesse de alguns empresários.

Neste preciso momento, como está a sua carreira?

A caminho do topo, gostaria de estar no topo da música angolana, africana e do mundo.

O que lhe faz crer que consegue lá chegar?

Tenho trabalhado muito para isso. Procuro trazer felicidade às pessoas através da minha música.

Quando olha para tudo o que enfrentou para chegar onde chegou, o que lhe vem à cabeça?

Continuar a lutar, afinal nenhum sonho é tão grande que não pode ser alcançado. Pisei alguns palcos nacionais e isso já é uma grande vitória.

Sei que em Moçambique está a maioria dos seus fãs. É para lá que direccionou a carreira?

Também. Canto para o mercado angolano, moçambicano, cabo-verdiano, português, brasileiro e outros mercados.

Qual tem sido a reacção dos fãs nesses lugares?

Nesses mercados, tenho recebido muitos aplausos e mensagens, dizendo que a música está a tocar. Já me sinto que valeu a pena ter começado a carreira como músico.

as cargas mais recentes

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 7 meses
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 1 mês
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 6 meses
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 6 meses

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 7 meses
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 4 meses
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 1 mês
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 4 meses
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 4 semanas
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 3 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 5 meses
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 3 meses
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 6 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 4 meses
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 6 meses
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.