Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clípes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Jandir Three. Por quê este nome?

Jandir Three. Este nome surge por causa do estilo de música que faço, e surge por causa das dificuldades que passei e o senhor meu Deus me livrou. Jandir é mesmo o meu nome de registo e Three é uma homenagem à Santíssima Trindade

Como é que entra para a música?

comecei a cantar muito cedo com os meus sete anos de idade, ainda na Igreja Católica. Mais tarde, optei pela carreira profissional, sinto que chegou a hora de mostrar o meu trabalho para Angola, África e o mundo.

Até onde as experiências vividas influenciam nas suas composições musicais?

Eu canto a minha realidade e tudo que vivi, vivo e vejo no dia-a-dia. O sentimento que tenho em relação à sociedade acabam por influenciar minhas letras. Canto sobre amor.

O quê que já produziu ?

Tenho várias músicas disponíveis nas redes sociais, outras já passam em canais como Afro Music Channel e Gloom. Tenho temas como “Miúda Malandra”, “Mulher”, “Me Toca No Fundo” “Amor Eu Bebo” “É Festa”, Tu És Linda” e tantas outras.

O quê que está a produzir neste momento ?

Muitas novidades. Estou sempre a trabalhar no estúdio e tenho muitas novidades para mostrar. Em breve, vou apresentá-las, por enquanto estamos a promover as músicas que já tenho e a preparar vídeo clípes.

Com que participações conta nessas músicas?

Conto com participação de grandes artistas como Sabino Henda, DJ Aka M, JP, Agel, Márcia Itchelica e muitos mais.

Estes artistas são os que sempre desejou ter parceria ou foi os que conseguiu?

Não tenho preferências. Canto com todos os artistas que mostram trabalho.

Nunca pensou em reunir todas as músicas que possui em um EP?

Já sim. Até porque estou a trabalhar para um CD mesmo, mas ainda sem data. Provavelmente este ano sai sob o selo da Yalankuwu Music.

Até onde vão os seus limites na música?

Não tenho. Quero chegar onde Akon chegou. Inspiro-me em Akon e Tupac Shakur.

Em que momentos da carreira lhe chegou o convite para fazer parte da Yalankuwu Music?

Depois de muita luta, empenho e dedicação. Depois de ter gravado três vídeo clípes e várias actuações televisivas, penso que despertei a curiosidade e o interesse de alguns empresários.

Neste preciso momento, como está a sua carreira?

A caminho do topo, gostaria de estar no topo da música angolana, africana e do mundo.

O que lhe faz crer que consegue lá chegar?

Tenho trabalhado muito para isso. Procuro trazer felicidade às pessoas através da minha música.

Quando olha para tudo o que enfrentou para chegar onde chegou, o que lhe vem à cabeça?

Continuar a lutar, afinal nenhum sonho é tão grande que não pode ser alcançado. Pisei alguns palcos nacionais e isso já é uma grande vitória.

Sei que em Moçambique está a maioria dos seus fãs. É para lá que direccionou a carreira?

Também. Canto para o mercado angolano, moçambicano, cabo-verdiano, português, brasileiro e outros mercados.

Qual tem sido a reacção dos fãs nesses lugares?

Nesses mercados, tenho recebido muitos aplausos e mensagens, dizendo que a música está a tocar. Já me sinto que valeu a pena ter começado a carreira como músico.

as cargas mais recentes

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 2 anos

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 2 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 9 meses
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 1 ano

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 2 anos
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Nasce uma nova estrela da música

há 2 anos
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 2 anos
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 1 ano
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 2 anos
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 2 anos
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 9 meses
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 1 ano
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 2 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.