Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos e partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara  algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Disse que começou a cantar na igreja. Teve que  dar  uma volta muito grande ao decidir entrar para  o Rap…

Risos… um pouco. Foi no Rap onde me senti pronta. A minha primeira música que gravei foi feita em 2012 e chamava-se Bang Bang, mas não fez parte do EP.

E quando é que decide abraçar a carreira profissional ?

A minha carreira profissional começou em 2014 , após o lançamento do primeiro EP intitulado ‘O Furacão’, que continha 10 faixas musicais.

Porque decidiu cantar?

Estou mais para o lado comercial e canto porque é um dom que Deus me deu. Não me vejo a fazer nada diferente disso na minha vida. Tenho alguns familiares que cantam, como o D One, da Army Squad e o Legalize, que é meu tio.

Quando começou a perceber  que queria seguir a carreira musical?

Sempre sonhei grande, sempre quis levar até ao meu limite. Me joguei de corpo e alma e estou aqui até hoje .

O quê é que restou do EP ‘O Furacão’?

Foi o meu primeiro filho e com ele aprendi muito. Conquistei muitas coisas e vivi momentos inesquecíveis. 

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

O que sentiu ao ser nomeada para a categoria Voz Revelação do ano 2014  no Top Rádio Luanda?

Foi uma experiência muito marcante, porque tudo aconteceu muito rápido, não tinha quase experiência nenhuma. Era tudo novo, ser a primeira e artista angolana em um top com aquela dimensão, com apenas 15 anos de idade representar o rap feminino em uma categoria que concorri com Ana Joyce e Telma Lee foi uma honra!.

No mundo artístico, os títulos acabam  por conferir um valor simbólico à carreira. Luta por algum título?

Quero apenas fazer boa música e que as pessoas se identifiquem com elas. Porque para mim, o mais importante é simplesmente agradar o meu público alvo e assim conquistar o sucesso que pretendo .

Também é de opinião de que o rap feminino em Angola descreve as aspirações da luta pela igualdade do género?

Sim. Porque as mulheres já provaram inúmeras vezes que são capazes de fazer tudo que os homens fazem e, às vezes até melhor. Hoje além de mcs, temos  DJs , B-girls , Beatmakers , empresárias do ramo etc..

Como conseguiu o contrato com a produtora Piriline ?

A Piriline apanhou-me em um momento de recomeço. Eu tinha dado uma pausa porque estava focada na minha carreira como actriz e retornei quando me junto ao projecto Rapvolução .

A até que ponto foi importante participar do projecto Rapvolução e do colectivo ‘A Voz do Povo’ ?

O Rapvolução foi um desafio porque foi um projecto todo feito e idealizado por mulheres. O álbum a Voz do Povo foi um cartão postal da minha entrada a Piriline.

Haviam outras produtoras que tentavam contactá-la?

Sim no momento em que fui contactada pela Pirline já tinha outras duas propostas à mesa, uma  já com contrato por assinar e outra  já com beats até produzidos e algumas composições, mas decidi seguir com a Piriline.

Ao aliar-se a Piriline é porque deseja algo maior. Que espaço quer ocupar no rap nacional?

O caminho ainda é muito longo, mas quero ser lembrada como umas das mulheres mais importantes da história do Rap em Angola.

Vejo que ainda é muito jovem para a caminhada que trilhou. Não está a correr demais?

Com certeza que não.Porque nunca permiti que alguém dissesse que não posso alcançar tal coisa, por causa da minha idade. Sempre fui muito focada e uma pessoa de objectivos claros. E Sinto que tudo que fiz até hoje não é, nem metade do que eu ainda vou fazer.

Que projectos musicais tem em carteira neste momento?

É segredo, mas posso adiantar que vem muitas coisas, projectos, vídeo clípes etc..

Quantas músicas já tem disponíveis e onde é que o público pode encontrá-las?

Não tenho um número em mente exactamente. Mas, podem encontrá-las em todos os blogues,  minha página oficial do Facebook “Kendrah “ ou YouTube, no canal oficial da Pirline. 

Isto quer dizer que já se pode antever o primeiro álbum? 

Não era para falar mas… tinha projectado já um álbum digital para 2020, mas essa situação toda que vivemos hoje por conta do vírus da Covid-19 ainda vamos ter de repensar e deixar que as coisas melhorem . Recentemente divulgamos o vídeo clípe do single ‘Só Jajão’.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

Que artistas angolanos tanto gostava de fazer participações?

O Dji Tafinha. Porque me identifico muito com a sonoridade dele. Acho-o muito inteligente e, com certeza, juntando-me a ele só sairia música boa.

Sente que já conquistou o seu espaço no rap angolano?

Sim. É raro falar de rap feminino e o nome Kendrah não ser mencionado .

Dos palcos que pisou qual deles reserva maior recordação?

Já estive em palcos como o Cine Atlântico, Cidadela e Estádio dos Coqueiros. Todos foram marcantes, mas posso dizer que até hoje foi o Estádio dos Coqueiros.

as cargas mais recentes

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 2 anos
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 1 ano
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 2 anos
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 2 anos
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 2 anos
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 2 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 2 anos
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 2 anos
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 2 anos
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 2 anos
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 2 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.