Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos e partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara  algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Disse que começou a cantar na igreja. Teve que  dar  uma volta muito grande ao decidir entrar para  o Rap…

Risos… um pouco. Foi no Rap onde me senti pronta. A minha primeira música que gravei foi feita em 2012 e chamava-se Bang Bang, mas não fez parte do EP.

E quando é que decide abraçar a carreira profissional ?

A minha carreira profissional começou em 2014 , após o lançamento do primeiro EP intitulado ‘O Furacão’, que continha 10 faixas musicais.

Porque decidiu cantar?

Estou mais para o lado comercial e canto porque é um dom que Deus me deu. Não me vejo a fazer nada diferente disso na minha vida. Tenho alguns familiares que cantam, como o D One, da Army Squad e o Legalize, que é meu tio.

Quando começou a perceber  que queria seguir a carreira musical?

Sempre sonhei grande, sempre quis levar até ao meu limite. Me joguei de corpo e alma e estou aqui até hoje .

O quê é que restou do EP ‘O Furacão’?

Foi o meu primeiro filho e com ele aprendi muito. Conquistei muitas coisas e vivi momentos inesquecíveis. 

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

O que sentiu ao ser nomeada para a categoria Voz Revelação do ano 2014  no Top Rádio Luanda?

Foi uma experiência muito marcante, porque tudo aconteceu muito rápido, não tinha quase experiência nenhuma. Era tudo novo, ser a primeira e artista angolana em um top com aquela dimensão, com apenas 15 anos de idade representar o rap feminino em uma categoria que concorri com Ana Joyce e Telma Lee foi uma honra!.

No mundo artístico, os títulos acabam  por conferir um valor simbólico à carreira. Luta por algum título?

Quero apenas fazer boa música e que as pessoas se identifiquem com elas. Porque para mim, o mais importante é simplesmente agradar o meu público alvo e assim conquistar o sucesso que pretendo .

Também é de opinião de que o rap feminino em Angola descreve as aspirações da luta pela igualdade do género?

Sim. Porque as mulheres já provaram inúmeras vezes que são capazes de fazer tudo que os homens fazem e, às vezes até melhor. Hoje além de mcs, temos  DJs , B-girls , Beatmakers , empresárias do ramo etc..

Como conseguiu o contrato com a produtora Piriline ?

A Piriline apanhou-me em um momento de recomeço. Eu tinha dado uma pausa porque estava focada na minha carreira como actriz e retornei quando me junto ao projecto Rapvolução .

A até que ponto foi importante participar do projecto Rapvolução e do colectivo ‘A Voz do Povo’ ?

O Rapvolução foi um desafio porque foi um projecto todo feito e idealizado por mulheres. O álbum a Voz do Povo foi um cartão postal da minha entrada a Piriline.

Haviam outras produtoras que tentavam contactá-la?

Sim no momento em que fui contactada pela Pirline já tinha outras duas propostas à mesa, uma  já com contrato por assinar e outra  já com beats até produzidos e algumas composições, mas decidi seguir com a Piriline.

Ao aliar-se a Piriline é porque deseja algo maior. Que espaço quer ocupar no rap nacional?

O caminho ainda é muito longo, mas quero ser lembrada como umas das mulheres mais importantes da história do Rap em Angola.

Vejo que ainda é muito jovem para a caminhada que trilhou. Não está a correr demais?

Com certeza que não.Porque nunca permiti que alguém dissesse que não posso alcançar tal coisa, por causa da minha idade. Sempre fui muito focada e uma pessoa de objectivos claros. E Sinto que tudo que fiz até hoje não é, nem metade do que eu ainda vou fazer.

Que projectos musicais tem em carteira neste momento?

É segredo, mas posso adiantar que vem muitas coisas, projectos, vídeo clípes etc..

Quantas músicas já tem disponíveis e onde é que o público pode encontrá-las?

Não tenho um número em mente exactamente. Mas, podem encontrá-las em todos os blogues,  minha página oficial do Facebook “Kendrah “ ou YouTube, no canal oficial da Pirline. 

Isto quer dizer que já se pode antever o primeiro álbum? 

Não era para falar mas… tinha projectado já um álbum digital para 2020, mas essa situação toda que vivemos hoje por conta do vírus da Covid-19 ainda vamos ter de repensar e deixar que as coisas melhorem . Recentemente divulgamos o vídeo clípe do single ‘Só Jajão’.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

Que artistas angolanos tanto gostava de fazer participações?

O Dji Tafinha. Porque me identifico muito com a sonoridade dele. Acho-o muito inteligente e, com certeza, juntando-me a ele só sairia música boa.

Sente que já conquistou o seu espaço no rap angolano?

Sim. É raro falar de rap feminino e o nome Kendrah não ser mencionado .

Dos palcos que pisou qual deles reserva maior recordação?

Já estive em palcos como o Cine Atlântico, Cidadela e Estádio dos Coqueiros. Todos foram marcantes, mas posso dizer que até hoje foi o Estádio dos Coqueiros.

as cargas mais recentes

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 1 ano
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Gilson Son: Morador de rua em Luanda vira estrela do Rap na internet

há 3 meses
Gilson Son é um MC com uma consistência lírica que muitos rappers renomados da nossa praça gostariam de ter. O jovem vive na rua e alimenta-se com pequenos restos de comida que encontra em contentores de lixo. Apesar da difícil vida, Gilson não perdeu o foco e, na semana passada, a sorte bateu-lhe a porta, inclusive DJ Samurai marcou com ele um encontro.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 3 meses
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 9 meses
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Do backstage ao palco: produtor executivo do Duetos N’Avenida aposta na carreira musical

há 4 semanas

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 2 anos
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 2 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 11 meses
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 1 ano
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 1 ano
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Alice Julie mostra os frutos da parceria com a Milionário Records

há 1 ano
Desde pequena sonhou em se tornar numa estrela da música, um desejo que será agora materializado pela Milionário Records. A mais recente aposta da produtora já começou a trabalhar para os seus dois primeiros álbuns e esta sexta-feira (27) vai testar o público com o single “Encaixe Perfeito”.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 1 ano
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 1 ano
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 10 meses

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 10 meses
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.