Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos e partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara  algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Disse que começou a cantar na igreja. Teve que  dar  uma volta muito grande ao decidir entrar para  o Rap…

Risos… um pouco. Foi no Rap onde me senti pronta. A minha primeira música que gravei foi feita em 2012 e chamava-se Bang Bang, mas não fez parte do EP.

E quando é que decide abraçar a carreira profissional ?

A minha carreira profissional começou em 2014 , após o lançamento do primeiro EP intitulado ‘O Furacão’, que continha 10 faixas musicais.

Porque decidiu cantar?

Estou mais para o lado comercial e canto porque é um dom que Deus me deu. Não me vejo a fazer nada diferente disso na minha vida. Tenho alguns familiares que cantam, como o D One, da Army Squad e o Legalize, que é meu tio.

Quando começou a perceber  que queria seguir a carreira musical?

Sempre sonhei grande, sempre quis levar até ao meu limite. Me joguei de corpo e alma e estou aqui até hoje .

O quê é que restou do EP ‘O Furacão’?

Foi o meu primeiro filho e com ele aprendi muito. Conquistei muitas coisas e vivi momentos inesquecíveis. 

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

O que sentiu ao ser nomeada para a categoria Voz Revelação do ano 2014  no Top Rádio Luanda?

Foi uma experiência muito marcante, porque tudo aconteceu muito rápido, não tinha quase experiência nenhuma. Era tudo novo, ser a primeira e artista angolana em um top com aquela dimensão, com apenas 15 anos de idade representar o rap feminino em uma categoria que concorri com Ana Joyce e Telma Lee foi uma honra!.

No mundo artístico, os títulos acabam  por conferir um valor simbólico à carreira. Luta por algum título?

Quero apenas fazer boa música e que as pessoas se identifiquem com elas. Porque para mim, o mais importante é simplesmente agradar o meu público alvo e assim conquistar o sucesso que pretendo .

Também é de opinião de que o rap feminino em Angola descreve as aspirações da luta pela igualdade do género?

Sim. Porque as mulheres já provaram inúmeras vezes que são capazes de fazer tudo que os homens fazem e, às vezes até melhor. Hoje além de mcs, temos  DJs , B-girls , Beatmakers , empresárias do ramo etc..

Como conseguiu o contrato com a produtora Piriline ?

A Piriline apanhou-me em um momento de recomeço. Eu tinha dado uma pausa porque estava focada na minha carreira como actriz e retornei quando me junto ao projecto Rapvolução .

A até que ponto foi importante participar do projecto Rapvolução e do colectivo ‘A Voz do Povo’ ?

O Rapvolução foi um desafio porque foi um projecto todo feito e idealizado por mulheres. O álbum a Voz do Povo foi um cartão postal da minha entrada a Piriline.

Haviam outras produtoras que tentavam contactá-la?

Sim no momento em que fui contactada pela Pirline já tinha outras duas propostas à mesa, uma  já com contrato por assinar e outra  já com beats até produzidos e algumas composições, mas decidi seguir com a Piriline.

Ao aliar-se a Piriline é porque deseja algo maior. Que espaço quer ocupar no rap nacional?

O caminho ainda é muito longo, mas quero ser lembrada como umas das mulheres mais importantes da história do Rap em Angola.

Vejo que ainda é muito jovem para a caminhada que trilhou. Não está a correr demais?

Com certeza que não.Porque nunca permiti que alguém dissesse que não posso alcançar tal coisa, por causa da minha idade. Sempre fui muito focada e uma pessoa de objectivos claros. E Sinto que tudo que fiz até hoje não é, nem metade do que eu ainda vou fazer.

Que projectos musicais tem em carteira neste momento?

É segredo, mas posso adiantar que vem muitas coisas, projectos, vídeo clípes etc..

Quantas músicas já tem disponíveis e onde é que o público pode encontrá-las?

Não tenho um número em mente exactamente. Mas, podem encontrá-las em todos os blogues,  minha página oficial do Facebook “Kendrah “ ou YouTube, no canal oficial da Pirline. 

Isto quer dizer que já se pode antever o primeiro álbum? 

Não era para falar mas… tinha projectado já um álbum digital para 2020, mas essa situação toda que vivemos hoje por conta do vírus da Covid-19 ainda vamos ter de repensar e deixar que as coisas melhorem . Recentemente divulgamos o vídeo clípe do single ‘Só Jajão’.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

Que artistas angolanos tanto gostava de fazer participações?

O Dji Tafinha. Porque me identifico muito com a sonoridade dele. Acho-o muito inteligente e, com certeza, juntando-me a ele só sairia música boa.

Sente que já conquistou o seu espaço no rap angolano?

Sim. É raro falar de rap feminino e o nome Kendrah não ser mencionado .

Dos palcos que pisou qual deles reserva maior recordação?

Já estive em palcos como o Cine Atlântico, Cidadela e Estádio dos Coqueiros. Todos foram marcantes, mas posso dizer que até hoje foi o Estádio dos Coqueiros.

as cargas mais recentes

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 anos
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 1 ano
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 1 ano
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Hannah Gomez quer conquistar o “Top dos Mais Queridos”

há 2 anos
A antiga estrela do “Unitel Estrelas ao Palco” soma e segue. Assinou com a Quebra Galho e gravou o seu primeiro álbum. A jovem de 22 anos quer pisar os maiores palcos do mundo e revela a ambição de conquistar o Top dos Mais Queridos ou o Angola Music Awards.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 2 anos
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 2 anos
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 2 anos
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 2 anos

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 anos
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 2 anos
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 1 ano
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 2 anos
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.