Malunne: A pequena grande dançarina

Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Apesar da queda pela dança, também toca piano. E para quem pensa que toca apenas por diversão saiba que toca tão bem que, inclusive, tocou numa edição do Show do Mês. Contudo, a sua “praia” é mesmo o Afro House.

Saibam mais um pouco sobre a vida desta “menina”, que futuramente poderá ter o seu nome entre os “grandes” da dança em Angola, numa breve “conversa” com a Revista Carga.

Como nasceu o sonho pela dança?

Sempre gostei de ver vídeos de dança, e tenho primos que tinham um grupo de dança e dançavam nas festas de família. Pedi para começar a dançar com eles e eles aceitaram, só que depois decidiram parar de dançar, mas eu continuei e decidi começar a dançar sozinha.

Quais foram as suas influências?

Alguns primos meus, os meus pais e vídeos de grupos fazedores de Kuduro/Afro House.

Até onde pretende chegar?

Eu pretendo ser muito conhecida fazendo aquilo que mais amo, que é dançar e quero chegar até onde nenhuma dançarina ainda chegou, porque algumas vezes ouvi dizer que a dança não leva a lado nenhum mas, eu vou fazer diferente.

Qual o género (estilo) que melhor domina?

Afro House

Considera-se uma dançarina profissional?

Ainda não.

Com pai cantor, nunca experimentou cantar?

Sim, claro.

Porquê que não continuou?

Não é bem “não continuar”, porque eu quero começar a cantar, mas cantar a sério mesmo, fazer o estilo que mais domino na dança (Afro House).

Toca algum instrumento?

Sim, toco piano.

Acha que algum dia poderá tocar profissionalmente?

Creio que sim, nunca descartei essa possibilidade, mas agora estou mais focada naquilo que é o Afro House.

Quais os projectos profissionais que tem além da dança?

Bom, pretendo ser uma grande piloto e ao mesmo tempo fazer música.

Pretende fazer dinheiro com a dança?

Sim

Acha possível?

Claro. Podem até dizer ou achar muito difícil, mas com toda a vontade que tenho e com tudo aquilo que tenho planejado, acho sim possível.

Quais os projectos em que já participou?

Já participei num grupo infantil “genuínas”, onde foi gravada uma versão da música “Muxima”, participei de alguns vídeos de artistas nacionais muito conhecidos, como o Puto Prata, o guitarrista Texas e Preto Show. Pretendo fazer muito mais.

as cargas mais recentes

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 2 semanas
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 2 anos
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 1 ano
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 9 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 1 ano
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 1 ano
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 1 ano
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 1 ano
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 2 anos
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 1 ano
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 1 ano
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 1 ano
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 1 ano
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 1 ano
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 1 ano
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 7 meses
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.