Malunne: A pequena grande dançarina

Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Apesar da queda pela dança, também toca piano. E para quem pensa que toca apenas por diversão saiba que toca tão bem que, inclusive, tocou numa edição do Show do Mês. Contudo, a sua “praia” é mesmo o Afro House.

Saibam mais um pouco sobre a vida desta “menina”, que futuramente poderá ter o seu nome entre os “grandes” da dança em Angola, numa breve “conversa” com a Revista Carga.

Como nasceu o sonho pela dança?

Sempre gostei de ver vídeos de dança, e tenho primos que tinham um grupo de dança e dançavam nas festas de família. Pedi para começar a dançar com eles e eles aceitaram, só que depois decidiram parar de dançar, mas eu continuei e decidi começar a dançar sozinha.

Quais foram as suas influências?

Alguns primos meus, os meus pais e vídeos de grupos fazedores de Kuduro/Afro House.

Até onde pretende chegar?

Eu pretendo ser muito conhecida fazendo aquilo que mais amo, que é dançar e quero chegar até onde nenhuma dançarina ainda chegou, porque algumas vezes ouvi dizer que a dança não leva a lado nenhum mas, eu vou fazer diferente.

Qual o género (estilo) que melhor domina?

Afro House

Considera-se uma dançarina profissional?

Ainda não.

Com pai cantor, nunca experimentou cantar?

Sim, claro.

Porquê que não continuou?

Não é bem “não continuar”, porque eu quero começar a cantar, mas cantar a sério mesmo, fazer o estilo que mais domino na dança (Afro House).

Toca algum instrumento?

Sim, toco piano.

Acha que algum dia poderá tocar profissionalmente?

Creio que sim, nunca descartei essa possibilidade, mas agora estou mais focada naquilo que é o Afro House.

Quais os projectos profissionais que tem além da dança?

Bom, pretendo ser uma grande piloto e ao mesmo tempo fazer música.

Pretende fazer dinheiro com a dança?

Sim

Acha possível?

Claro. Podem até dizer ou achar muito difícil, mas com toda a vontade que tenho e com tudo aquilo que tenho planejado, acho sim possível.

Quais os projectos em que já participou?

Já participei num grupo infantil “genuínas”, onde foi gravada uma versão da música “Muxima”, participei de alguns vídeos de artistas nacionais muito conhecidos, como o Puto Prata, o guitarrista Texas e Preto Show. Pretendo fazer muito mais.

as cargas mais recentes

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 3 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 2 anos
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 2 anos
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 3 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Hannah Gomez quer conquistar o “Top dos Mais Queridos”

há 3 anos
A antiga estrela do “Unitel Estrelas ao Palco” soma e segue. Assinou com a Quebra Galho e gravou o seu primeiro álbum. A jovem de 22 anos quer pisar os maiores palcos do mundo e revela a ambição de conquistar o Top dos Mais Queridos ou o Angola Music Awards.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 1 ano
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 2 anos
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 3 anos

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 2 anos

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Do backstage ao palco: produtor executivo do Duetos N’Avenida aposta na carreira musical

há 1 ano

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 3 anos
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.