Malunne: A pequena grande dançarina

Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Apesar da queda pela dança, também toca piano. E para quem pensa que toca apenas por diversão saiba que toca tão bem que, inclusive, tocou numa edição do Show do Mês. Contudo, a sua “praia” é mesmo o Afro House.

Saibam mais um pouco sobre a vida desta “menina”, que futuramente poderá ter o seu nome entre os “grandes” da dança em Angola, numa breve “conversa” com a Revista Carga.

Como nasceu o sonho pela dança?

Sempre gostei de ver vídeos de dança, e tenho primos que tinham um grupo de dança e dançavam nas festas de família. Pedi para começar a dançar com eles e eles aceitaram, só que depois decidiram parar de dançar, mas eu continuei e decidi começar a dançar sozinha.

Quais foram as suas influências?

Alguns primos meus, os meus pais e vídeos de grupos fazedores de Kuduro/Afro House.

Até onde pretende chegar?

Eu pretendo ser muito conhecida fazendo aquilo que mais amo, que é dançar e quero chegar até onde nenhuma dançarina ainda chegou, porque algumas vezes ouvi dizer que a dança não leva a lado nenhum mas, eu vou fazer diferente.

Qual o género (estilo) que melhor domina?

Afro House

Considera-se uma dançarina profissional?

Ainda não.

Com pai cantor, nunca experimentou cantar?

Sim, claro.

Porquê que não continuou?

Não é bem “não continuar”, porque eu quero começar a cantar, mas cantar a sério mesmo, fazer o estilo que mais domino na dança (Afro House).

Toca algum instrumento?

Sim, toco piano.

Acha que algum dia poderá tocar profissionalmente?

Creio que sim, nunca descartei essa possibilidade, mas agora estou mais focada naquilo que é o Afro House.

Quais os projectos profissionais que tem além da dança?

Bom, pretendo ser uma grande piloto e ao mesmo tempo fazer música.

Pretende fazer dinheiro com a dança?

Sim

Acha possível?

Claro. Podem até dizer ou achar muito difícil, mas com toda a vontade que tenho e com tudo aquilo que tenho planejado, acho sim possível.

Quais os projectos em que já participou?

Já participei num grupo infantil “genuínas”, onde foi gravada uma versão da música “Muxima”, participei de alguns vídeos de artistas nacionais muito conhecidos, como o Puto Prata, o guitarrista Texas e Preto Show. Pretendo fazer muito mais.

as cargas mais recentes

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 1 ano
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 1 ano
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 9 meses
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 1 ano
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 9 meses
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 2 anos
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 2 anos
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 2 anos

Do backstage ao palco: produtor executivo do Duetos N’Avenida aposta na carreira musical

há 5 meses

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 2 anos
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.