Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

OPPY é o alter ego de Osmar Pessela, um jovem rapper de 23 anos, que traz na sua obra discográfica de estreia uma visão alargada do cenário periférico luandense.

Nascido em Angola, OPPY reside actualmente na Índia, desde os 17 anos, viu um refúgio no Hip Hop/Rap, uma forma de expressão e afirmação.

Em 2014 lançou a sua primeira Ep intitulado “Onírico” E em 2018 OPPY trouxe o (P.A) “Phedilson Ananás” para uma faixa intitulada “Horizonte”, single bastante aclamado pelos fãs.

Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

A partir de que momento é que a música cruza o seu caminho?

A música cruza o meu caminho aos 9 anos por influências dos meus primos mais velhos, que já faziam rap na altura, então eu sempre tive contacto com o rap desde músicas, vídeo clipes e os freestyle que eles faziam todos os dias.

É independente ou tem alguma produtora na back?

Sou um artista independente e fundei uma label de artistas independentes a “Oniric Máfia”. Temos o nosso próprio estúdio de gravação e fazemos tudo desde instrumental até as artes gráficas das nossas músicas.

O Rap desde sempre foi o seu estilo de eleição?

Sempre. Eu desde pequeno vi muito brilhantismo no estilo e tentei fazê-lo da melhor forma possível

Boom Bap ou trap, onde se enquadra?
A minha identidade é, e sempre será o Boom Bap.

Porquê?
Devido às minhas influências no Rap, “Nós somos o que comemos”. Actualmente também faço trap, mas é algo muito actual que tenho estudo acerca para fazê-lo da melhor forma.

O que é mais importante para si, o beat, as linhas ou a métrica?
Mais importante para mim são as linhas.

Dois projectos lançados e várias participações, qual é o balanço desta trajectória?
Embora ache que estou numa fase embrionária, faço um balanço positivo e as pessoas gostam do que faço, acho isso muito importante: saber que as pessoas sentem aquilo que eu quis transmitir.

O que traz de novo para este mercado?
O meu Rap tem muito influência do Rap passado e adaptei-o com o contexto actual, por isso me vão ouvir num beat de trap a trazer as minhas mensagens e perspectivas de vida.

Em termos de visibilidade, como avalia a sua carreira actuamente?
Eu sinto que ainda não tenho carreira, sinto que estou a construí-la, mas visibilidade é positiva porque consigo fazer chegar a minha música a quem quero que chegue, embora com poucos recursos, mas conseguimos.

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
Por ser um artista independente, faço tudo então acaba por não sair tudo na perfeição… uma das grandes dificuldades é a expansão da minha música e vários lugares.

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”?
A lista é muito vasta, mas vou resumir.
Em Angola: Nos manos do meu grupo, J.KEI e o Nunu, Fly Skuad, CFKAPPA por ter uma escrita única e uma perspetiva bem diferenciada.
No Brasil eu tenho com influência o rapper BK e o Sant, são rapper que eu chamo de lunáticos rimam o imaginável eu aprecio muito isso e em Portugal: Valete, Sam The Kid e Slow J, pelo excesso de liricismo.

No álbum `Martírio´ traz participações de J.KEI, Bauer MC, Mario K e Chelsea. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Sim. nNa verdade , acho que só se consegue chegar longe com várias ideias e desde que eu decide convidar estes artistas todos eles independentes também, as músicas tiveram o resultado que eu esperava.

O que difere o álbum que vai lançar hoje dos projectos anteriores?

A musicalidade e o conceito, no Martírio trouxe uma musicalidade mais actual, uma mensagem bastante forte e uma afirmação de preto no poder.

De acordo com o que fez saber, o objecto social do álbum é o cenário actual de Angola… é seu objectivo enquadrar-se na intervenção social?
Sim, e sempre relatei factos nas minhas músicas e sempre estarão presentes. Na verdade, falo de citações que vivencio e também é uma forma de falar pelos oprimidos e abrir mentes.

Quais as expectativas em torno deste álbum?
Honestamente, espero que um grande número de pessoas ouça e perceba o que tentei transmitir por se tratar da na situação.

Considera mais vantajoso ser um artista não residente em Angola?
Em parte sim, porque fora de Angola tenho mais recursos como artista independente. Consigo movimentar melhor a minha música e fazer coisas que no meu país teria algumas dificuldades.

as cargas mais recentes

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 2 meses
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 11 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 2 meses
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 9 meses
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 10 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 3 meses
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 8 meses
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 1 ano
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 9 meses
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 11 meses
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 10 meses
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 12 meses
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 3 meses

Steel Wonder: Mais um filho do Prenda que aspira ter sucesso no Rap

há 5 meses
A segunda “season” da sua história com a música, surge em 2013, ao identificar-se com a ideologia da Força Suprema. Actualmente no Rap, Steel aspira trabalhar com a Latino Records e vê no single `mamacita´, a sua ascensão musical.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 12 meses
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 2 meses
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.