Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

OPPY é o alter ego de Osmar Pessela, um jovem rapper de 23 anos, que traz na sua obra discográfica de estreia uma visão alargada do cenário periférico luandense.

Nascido em Angola, OPPY reside actualmente na Índia, desde os 17 anos, viu um refúgio no Hip Hop/Rap, uma forma de expressão e afirmação.

Em 2014 lançou a sua primeira Ep intitulado “Onírico” E em 2018 OPPY trouxe o (P.A) “Phedilson Ananás” para uma faixa intitulada “Horizonte”, single bastante aclamado pelos fãs.

Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

A partir de que momento é que a música cruza o seu caminho?

A música cruza o meu caminho aos 9 anos por influências dos meus primos mais velhos, que já faziam rap na altura, então eu sempre tive contacto com o rap desde músicas, vídeo clipes e os freestyle que eles faziam todos os dias.

É independente ou tem alguma produtora na back?

Sou um artista independente e fundei uma label de artistas independentes a “Oniric Máfia”. Temos o nosso próprio estúdio de gravação e fazemos tudo desde instrumental até as artes gráficas das nossas músicas.

O Rap desde sempre foi o seu estilo de eleição?

Sempre. Eu desde pequeno vi muito brilhantismo no estilo e tentei fazê-lo da melhor forma possível

Boom Bap ou trap, onde se enquadra?
A minha identidade é, e sempre será o Boom Bap.

Porquê?
Devido às minhas influências no Rap, “Nós somos o que comemos”. Actualmente também faço trap, mas é algo muito actual que tenho estudo acerca para fazê-lo da melhor forma.

O que é mais importante para si, o beat, as linhas ou a métrica?
Mais importante para mim são as linhas.

Dois projectos lançados e várias participações, qual é o balanço desta trajectória?
Embora ache que estou numa fase embrionária, faço um balanço positivo e as pessoas gostam do que faço, acho isso muito importante: saber que as pessoas sentem aquilo que eu quis transmitir.

O que traz de novo para este mercado?
O meu Rap tem muito influência do Rap passado e adaptei-o com o contexto actual, por isso me vão ouvir num beat de trap a trazer as minhas mensagens e perspectivas de vida.

Em termos de visibilidade, como avalia a sua carreira actuamente?
Eu sinto que ainda não tenho carreira, sinto que estou a construí-la, mas visibilidade é positiva porque consigo fazer chegar a minha música a quem quero que chegue, embora com poucos recursos, mas conseguimos.

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
Por ser um artista independente, faço tudo então acaba por não sair tudo na perfeição… uma das grandes dificuldades é a expansão da minha música e vários lugares.

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”?
A lista é muito vasta, mas vou resumir.
Em Angola: Nos manos do meu grupo, J.KEI e o Nunu, Fly Skuad, CFKAPPA por ter uma escrita única e uma perspetiva bem diferenciada.
No Brasil eu tenho com influência o rapper BK e o Sant, são rapper que eu chamo de lunáticos rimam o imaginável eu aprecio muito isso e em Portugal: Valete, Sam The Kid e Slow J, pelo excesso de liricismo.

No álbum `Martírio´ traz participações de J.KEI, Bauer MC, Mario K e Chelsea. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Sim. nNa verdade , acho que só se consegue chegar longe com várias ideias e desde que eu decide convidar estes artistas todos eles independentes também, as músicas tiveram o resultado que eu esperava.

O que difere o álbum que vai lançar hoje dos projectos anteriores?

A musicalidade e o conceito, no Martírio trouxe uma musicalidade mais actual, uma mensagem bastante forte e uma afirmação de preto no poder.

De acordo com o que fez saber, o objecto social do álbum é o cenário actual de Angola… é seu objectivo enquadrar-se na intervenção social?
Sim, e sempre relatei factos nas minhas músicas e sempre estarão presentes. Na verdade, falo de citações que vivencio e também é uma forma de falar pelos oprimidos e abrir mentes.

Quais as expectativas em torno deste álbum?
Honestamente, espero que um grande número de pessoas ouça e perceba o que tentei transmitir por se tratar da na situação.

Considera mais vantajoso ser um artista não residente em Angola?
Em parte sim, porque fora de Angola tenho mais recursos como artista independente. Consigo movimentar melhor a minha música e fazer coisas que no meu país teria algumas dificuldades.

as cargas mais recentes

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 3 meses
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 1 ano
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 1 ano
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 1 ano
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 2 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Fresh Low, um rapper polivalente que caminha para o estrelato

há 2 anos
Fresh Low é um rapper polivalente e canta há 11 anos. Sua música ‘Makeup’, que conta com a participação de Yankie Boy da Trx Music é a preferência para a maioria dos usuários do YouTube, Soundcloud e Blogues.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 1 ano
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 2 anos
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 2 anos
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 2 anos
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 11 meses

Do backstage ao palco: produtor executivo do Duetos N’Avenida aposta na carreira musical

há 1 mês

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 1 ano
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 1 ano
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 1 ano
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.