Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

OPPY é o alter ego de Osmar Pessela, um jovem rapper de 23 anos, que traz na sua obra discográfica de estreia uma visão alargada do cenário periférico luandense.

Nascido em Angola, OPPY reside actualmente na Índia, desde os 17 anos, viu um refúgio no Hip Hop/Rap, uma forma de expressão e afirmação.

Em 2014 lançou a sua primeira Ep intitulado “Onírico” E em 2018 OPPY trouxe o (P.A) “Phedilson Ananás” para uma faixa intitulada “Horizonte”, single bastante aclamado pelos fãs.

Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

A partir de que momento é que a música cruza o seu caminho?

A música cruza o meu caminho aos 9 anos por influências dos meus primos mais velhos, que já faziam rap na altura, então eu sempre tive contacto com o rap desde músicas, vídeo clipes e os freestyle que eles faziam todos os dias.

É independente ou tem alguma produtora na back?

Sou um artista independente e fundei uma label de artistas independentes a “Oniric Máfia”. Temos o nosso próprio estúdio de gravação e fazemos tudo desde instrumental até as artes gráficas das nossas músicas.

O Rap desde sempre foi o seu estilo de eleição?

Sempre. Eu desde pequeno vi muito brilhantismo no estilo e tentei fazê-lo da melhor forma possível

Boom Bap ou trap, onde se enquadra?
A minha identidade é, e sempre será o Boom Bap.

Porquê?
Devido às minhas influências no Rap, “Nós somos o que comemos”. Actualmente também faço trap, mas é algo muito actual que tenho estudo acerca para fazê-lo da melhor forma.

O que é mais importante para si, o beat, as linhas ou a métrica?
Mais importante para mim são as linhas.

Dois projectos lançados e várias participações, qual é o balanço desta trajectória?
Embora ache que estou numa fase embrionária, faço um balanço positivo e as pessoas gostam do que faço, acho isso muito importante: saber que as pessoas sentem aquilo que eu quis transmitir.

O que traz de novo para este mercado?
O meu Rap tem muito influência do Rap passado e adaptei-o com o contexto actual, por isso me vão ouvir num beat de trap a trazer as minhas mensagens e perspectivas de vida.

Em termos de visibilidade, como avalia a sua carreira actuamente?
Eu sinto que ainda não tenho carreira, sinto que estou a construí-la, mas visibilidade é positiva porque consigo fazer chegar a minha música a quem quero que chegue, embora com poucos recursos, mas conseguimos.

Quais as maiores dificuldades que tem encontrado para solidificar a carreira?
Por ser um artista independente, faço tudo então acaba por não sair tudo na perfeição… uma das grandes dificuldades é a expansão da minha música e vários lugares.

Quais são os artistas em que se inspira e quais as características que o “atraem”?
A lista é muito vasta, mas vou resumir.
Em Angola: Nos manos do meu grupo, J.KEI e o Nunu, Fly Skuad, CFKAPPA por ter uma escrita única e uma perspetiva bem diferenciada.
No Brasil eu tenho com influência o rapper BK e o Sant, são rapper que eu chamo de lunáticos rimam o imaginável eu aprecio muito isso e em Portugal: Valete, Sam The Kid e Slow J, pelo excesso de liricismo.

No álbum `Martírio´ traz participações de J.KEI, Bauer MC, Mario K e Chelsea. Considera indispensável este intercâmbio de ideias com outros artistas?
Sim. nNa verdade , acho que só se consegue chegar longe com várias ideias e desde que eu decide convidar estes artistas todos eles independentes também, as músicas tiveram o resultado que eu esperava.

O que difere o álbum que vai lançar hoje dos projectos anteriores?

A musicalidade e o conceito, no Martírio trouxe uma musicalidade mais actual, uma mensagem bastante forte e uma afirmação de preto no poder.

De acordo com o que fez saber, o objecto social do álbum é o cenário actual de Angola… é seu objectivo enquadrar-se na intervenção social?
Sim, e sempre relatei factos nas minhas músicas e sempre estarão presentes. Na verdade, falo de citações que vivencio e também é uma forma de falar pelos oprimidos e abrir mentes.

Quais as expectativas em torno deste álbum?
Honestamente, espero que um grande número de pessoas ouça e perceba o que tentei transmitir por se tratar da na situação.

Considera mais vantajoso ser um artista não residente em Angola?
Em parte sim, porque fora de Angola tenho mais recursos como artista independente. Consigo movimentar melhor a minha música e fazer coisas que no meu país teria algumas dificuldades.

as cargas mais recentes

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 2 anos
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 10 meses
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 2 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 1 ano
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 2 anos
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Hannah Gomez quer conquistar o “Top dos Mais Queridos”

há 2 anos
A antiga estrela do “Unitel Estrelas ao Palco” soma e segue. Assinou com a Quebra Galho e gravou o seu primeiro álbum. A jovem de 22 anos quer pisar os maiores palcos do mundo e revela a ambição de conquistar o Top dos Mais Queridos ou o Angola Music Awards.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 2 anos

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 2 anos
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 2 anos
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 anos
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 2 anos

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 11 meses
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 1 ano
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.