Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Quando é que começou a cantar?
Comecei a cantar no Ngola Kiluanje no tempo em que o Kuduro era a maior manifestação, sobretudo a nível das danças no seio dos mais novos. Fazíamos as rodas convertíamos o espaço em certas batalhas de freestyles e que depois passou-se tempo e acabei por encarnar o rap no espírito até hoje.

Quando é que sente a necessidade de cantar?
Vivi e cresci em diversos bairros, que acabaram por me transmitir muito conhecimento e, por ele mesmo convive com muitas situações deprimentes. Decidi cantar  porque senti e sinto até hoje a necessidade de exprimir as vicissitudes que a maioria das pessoas passa.

Não teve qualquer influência familiar?
Tenho uma, mas não convém citar o nome.

O que pretende com a música?
Com a música quero ser um influenciador de mentes, de forma massiva para todas as gerações. Não  só de objectivos na música, mas como pessoa e dissimilar a filosofia africana, os ideais e a auto-valorização do nosso povo.

Como vai conseguir concretizar isso?
Porque tenho fé em mim e nas poucas pessoas que acreditam no poder da auto-realização que posso atingir.

Conta com quantas músicas neste momento?
Tenho muitas músicas soltas com várias participações e outros  projectos colaborativos. Só para uma descrição rápida tenho mixtape a
‘Tudo Por Um Motivo’, ‘Dilemas De Um Poeta’ e’Trabalho, Garra e Motivação.

Então já está numa produtora?
Estou associado a TGM Music, Mind Records; Makas Produções, Sons e Beat e Bostrovia.

Qual será a surpresa para este ano?
Tenho vários singles cá que tenciono lançar este ou próximo mês, mas recebi uma proposta de gravar um álbum numas das produtoras que pertenço.

Qual é o seu maior sonho?
Meu maior sonho é fazer com que a revolução que queremos ver, seja apreciada e materializada pelas pessoas. 

Que músicos tem como referências? 
São tantos. Bob Marley, James brown, 2 Pac, Notorious ,Boss Ac,Nga, Azagaia, Phay grande O Poeta, MCK, Ceff Kappa, Sam The Kid, Koolklever, Valete, Halloween, Phoenix RDCb etc..

Disse que está a preparar vídeoclipes, quando é que estarão disponíveis?
Ainda não tenho dinheiro, mas assim que conseguir qualquer coisa, vou disponibilizar. Quero mostrar uma corrente artística muito impactante. A minha expressão vai tratar-se de ilustrações gráficas, como vídeos a descrever histórias, poesias e encenações.

Já pisou alguns palcos?
já partilhei muitos palcos com vários artistas como Landrick e Yola Araújo nos shows do Kotongo. Já estive em shows no Espaço Aplausos, a convite de Cabingano Manuel. 

É no Rap under que vai seguir a carreira?
Pessoalmente gosto de fazer a minha cena e pretendo evoluir como cantar com banda. Posso cantar em estilos que conciliam com o aparato Rap, como Jazz ou Rock.

Fora dos palcos quem é o Casimiro André Milagre Garcia?
Casimiro André Milagre Garcia vive no Sequele e é arquitecto, pesquisador,  influenciador de mentes e empreendedor. 

as cargas mais recentes

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 2 anos
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 1 ano
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 1 ano
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 2 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 2 anos
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Gilson Son: Morador de rua em Luanda vira estrela do Rap na internet

há 11 meses
Gilson Son é um MC com uma consistência lírica que muitos rappers renomados da nossa praça gostariam de ter. O jovem vive na rua e alimenta-se com pequenos restos de comida que encontra em contentores de lixo. Apesar da difícil vida, Gilson não perdeu o foco e, na semana passada, a sorte bateu-lhe a porta, inclusive DJ Samurai marcou com ele um encontro.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 2 anos
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 2 anos
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 2 anos
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Hannah Gomez quer conquistar o “Top dos Mais Queridos”

há 2 anos
A antiga estrela do “Unitel Estrelas ao Palco” soma e segue. Assinou com a Quebra Galho e gravou o seu primeiro álbum. A jovem de 22 anos quer pisar os maiores palcos do mundo e revela a ambição de conquistar o Top dos Mais Queridos ou o Angola Music Awards.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 2 anos
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 2 anos

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 1 ano
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 2 anos
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.