Nasce uma nova estrela da música

Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola. A jovem de 20 anos traz uma proposta musical com novas abordagens e já começa a fazer história com o suporte da produtora Chasing Dreams.

Como surge a música na tua vida?
Surgiu há muito tempo. Cresci numa família «de músicos». O meu avô sempre gostou muito de cantar. O meu pai idem. Tanto é que o meu pai sabe tocar todos os instrumentos musicais. Por isso é que eu só muito atenta com os instrumentos.

Desde quando é que está associada a produtora Chasing Dreams?
Canto há três anos, mas profissionalmente só dois. Associe-me à produtora há dois anos.

Qual é o estilo em que se revê
Me revejo em todos os estilos. Mas tenho como estilo base o R&B, e tento “fundi-lo” com vários estilos. Canto Kizomba, mas sempre com bases de R&B.

Actualmente quantas músicas tem gravadas?
Muitas. Devo ter já umas cinquenta e tal. Muitas… mas as que estão disponíveis são só três.

Alguma razão para isto?
Nós gostamos de trabalhar nas calmas, boa qualidade e bem feito. Há muita gente que lança, lança e lança, mas não acaba por promover como devia, portanto, queremos um trabalho de qualidade e bem feito.

E como avalia a repercussão das três músicas já lançadas?
Boas. Pelo menos para mim, se não fosse eu a cantar eu ia gostar muito de ouvir, porque são músicas que têm qualidade e conteúdo. Gosto de coisa que tanto adolescente como adulto ouvem e não encaram como algo chato. Não gosto de música que fica apenas no momento.

Como encara as músicas feitas por artistas da sua faixa etária, já que os teus conteúdos tocam tanto adolescentes como adultos?
A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros. A maior parte, esquece-se da sua essência. Eu não ouço muito música angolana. Não tenho como criticar todo mundo.

Como é possível não ouvir música de um mercado em que se quer enquadrar?
Eu disse que não ouço muita, mas eu ouço. Gosto da Pérola, Anna Joyce, Edmázia Mayembe.

Está a dizer que as tuas referências são externas ao nosso mercado?Não! Cá também tenho. Como já disse: Pérola, Anna Joyce… referindo-se a minha faixa etária, não ouço tanto, tanto a New School, porque é como se fosse a mesma coisa. Um canta que tenho, o outro também… Anna Joyce, Semedo, Anselmo Ralph e Cláudio Fénix são boas referência.

A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros.

Nasce uma nova estrela da música

Nessa fase inicial com que nome gostaria de trabalhar, pessoas que acha que dariam um up à sua carreira?
Angolanos? Angolanos hum… Lil Saint…

Porquê?
Por trazer bagagem. Eu gosto muito de músicas com conteúdos. Se a música em si me trouxer algo positivo, eu abraço.

Apesar de já ter afirmado que, “prefere trabalhar nas calmas”, quando é que pretende lançar o álbum?
Não sei dizer quando, porque acho ainda prematuro. Uma carreira de dois anos não se sente tanto, é tipo um bebé. Um EP talvez, mas agora não. Quero mesmo lançar músicas soltas para que as pessoas me conheçam melhor.

Que expectativa tem em relação a sua carreira?
Acho que a palavra que eu ponho assim à frente é reconhecimento. Porque antes do sucesso, antes da fama quero que as pessoas me reconheçam como artista. Porque é o que sou. Como alguém que canta bem e traz uma mensagem ao mundo.

Consegue medir o feedback?
Não é aquilo que as pessoas dizem uau, mas consegue-se notar que as pessoas gostam. Eu trago algo novo, que, de algum modo, desperta curiosidade. É complicado, mas é bom. Porque consigo notar quais os pontos em que estou a errar.

Comprove o talento em ascensão

as cargas mais recentes

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 2 anos
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 3 anos
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 3 anos
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 3 anos
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 3 anos
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 3 anos
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 3 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 2 anos
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 3 anos
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 2 anos

Do backstage ao palco: produtor executivo do Duetos N’Avenida aposta na carreira musical

há 1 ano

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 3 anos

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 2 anos
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.