Nasce uma nova estrela da música

Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola. A jovem de 20 anos traz uma proposta musical com novas abordagens e já começa a fazer história com o suporte da produtora Chasing Dreams.

Como surge a música na tua vida?
Surgiu há muito tempo. Cresci numa família «de músicos». O meu avô sempre gostou muito de cantar. O meu pai idem. Tanto é que o meu pai sabe tocar todos os instrumentos musicais. Por isso é que eu só muito atenta com os instrumentos.

Desde quando é que está associada a produtora Chasing Dreams?
Canto há três anos, mas profissionalmente só dois. Associe-me à produtora há dois anos.

Qual é o estilo em que se revê
Me revejo em todos os estilos. Mas tenho como estilo base o R&B, e tento “fundi-lo” com vários estilos. Canto Kizomba, mas sempre com bases de R&B.

Actualmente quantas músicas tem gravadas?
Muitas. Devo ter já umas cinquenta e tal. Muitas… mas as que estão disponíveis são só três.

Alguma razão para isto?
Nós gostamos de trabalhar nas calmas, boa qualidade e bem feito. Há muita gente que lança, lança e lança, mas não acaba por promover como devia, portanto, queremos um trabalho de qualidade e bem feito.

E como avalia a repercussão das três músicas já lançadas?
Boas. Pelo menos para mim, se não fosse eu a cantar eu ia gostar muito de ouvir, porque são músicas que têm qualidade e conteúdo. Gosto de coisa que tanto adolescente como adulto ouvem e não encaram como algo chato. Não gosto de música que fica apenas no momento.

Como encara as músicas feitas por artistas da sua faixa etária, já que os teus conteúdos tocam tanto adolescentes como adultos?
A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros. A maior parte, esquece-se da sua essência. Eu não ouço muito música angolana. Não tenho como criticar todo mundo.

Como é possível não ouvir música de um mercado em que se quer enquadrar?
Eu disse que não ouço muita, mas eu ouço. Gosto da Pérola, Anna Joyce, Edmázia Mayembe.

Está a dizer que as tuas referências são externas ao nosso mercado?Não! Cá também tenho. Como já disse: Pérola, Anna Joyce… referindo-se a minha faixa etária, não ouço tanto, tanto a New School, porque é como se fosse a mesma coisa. Um canta que tenho, o outro também… Anna Joyce, Semedo, Anselmo Ralph e Cláudio Fénix são boas referência.

A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros.

Nasce uma nova estrela da música

Nessa fase inicial com que nome gostaria de trabalhar, pessoas que acha que dariam um up à sua carreira?
Angolanos? Angolanos hum… Lil Saint…

Porquê?
Por trazer bagagem. Eu gosto muito de músicas com conteúdos. Se a música em si me trouxer algo positivo, eu abraço.

Apesar de já ter afirmado que, “prefere trabalhar nas calmas”, quando é que pretende lançar o álbum?
Não sei dizer quando, porque acho ainda prematuro. Uma carreira de dois anos não se sente tanto, é tipo um bebé. Um EP talvez, mas agora não. Quero mesmo lançar músicas soltas para que as pessoas me conheçam melhor.

Que expectativa tem em relação a sua carreira?
Acho que a palavra que eu ponho assim à frente é reconhecimento. Porque antes do sucesso, antes da fama quero que as pessoas me reconheçam como artista. Porque é o que sou. Como alguém que canta bem e traz uma mensagem ao mundo.

Consegue medir o feedback?
Não é aquilo que as pessoas dizem uau, mas consegue-se notar que as pessoas gostam. Eu trago algo novo, que, de algum modo, desperta curiosidade. É complicado, mas é bom. Porque consigo notar quais os pontos em que estou a errar.

Comprove o talento em ascensão

as cargas mais recentes

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 1 ano
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 2 anos
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 2 anos
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 2 anos
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Hannah Gomez quer conquistar o “Top dos Mais Queridos”

há 2 anos
A antiga estrela do “Unitel Estrelas ao Palco” soma e segue. Assinou com a Quebra Galho e gravou o seu primeiro álbum. A jovem de 22 anos quer pisar os maiores palcos do mundo e revela a ambição de conquistar o Top dos Mais Queridos ou o Angola Music Awards.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 anos
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 12 meses
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 2 anos
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 2 anos
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 2 anos
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 2 anos
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 2 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 2 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 2 anos
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.