Nasce uma nova estrela da música

Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola. A jovem de 20 anos traz uma proposta musical com novas abordagens e já começa a fazer história com o suporte da produtora Chasing Dreams.

Como surge a música na tua vida?
Surgiu há muito tempo. Cresci numa família «de músicos». O meu avô sempre gostou muito de cantar. O meu pai idem. Tanto é que o meu pai sabe tocar todos os instrumentos musicais. Por isso é que eu só muito atenta com os instrumentos.

Desde quando é que está associada a produtora Chasing Dreams?
Canto há três anos, mas profissionalmente só dois. Associe-me à produtora há dois anos.

Qual é o estilo em que se revê
Me revejo em todos os estilos. Mas tenho como estilo base o R&B, e tento “fundi-lo” com vários estilos. Canto Kizomba, mas sempre com bases de R&B.

Actualmente quantas músicas tem gravadas?
Muitas. Devo ter já umas cinquenta e tal. Muitas… mas as que estão disponíveis são só três.

Alguma razão para isto?
Nós gostamos de trabalhar nas calmas, boa qualidade e bem feito. Há muita gente que lança, lança e lança, mas não acaba por promover como devia, portanto, queremos um trabalho de qualidade e bem feito.

E como avalia a repercussão das três músicas já lançadas?
Boas. Pelo menos para mim, se não fosse eu a cantar eu ia gostar muito de ouvir, porque são músicas que têm qualidade e conteúdo. Gosto de coisa que tanto adolescente como adulto ouvem e não encaram como algo chato. Não gosto de música que fica apenas no momento.

Como encara as músicas feitas por artistas da sua faixa etária, já que os teus conteúdos tocam tanto adolescentes como adultos?
A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros. A maior parte, esquece-se da sua essência. Eu não ouço muito música angolana. Não tenho como criticar todo mundo.

Como é possível não ouvir música de um mercado em que se quer enquadrar?
Eu disse que não ouço muita, mas eu ouço. Gosto da Pérola, Anna Joyce, Edmázia Mayembe.

Está a dizer que as tuas referências são externas ao nosso mercado?Não! Cá também tenho. Como já disse: Pérola, Anna Joyce… referindo-se a minha faixa etária, não ouço tanto, tanto a New School, porque é como se fosse a mesma coisa. Um canta que tenho, o outro também… Anna Joyce, Semedo, Anselmo Ralph e Cláudio Fénix são boas referência.

A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros.

Nasce uma nova estrela da música

Nessa fase inicial com que nome gostaria de trabalhar, pessoas que acha que dariam um up à sua carreira?
Angolanos? Angolanos hum… Lil Saint…

Porquê?
Por trazer bagagem. Eu gosto muito de músicas com conteúdos. Se a música em si me trouxer algo positivo, eu abraço.

Apesar de já ter afirmado que, “prefere trabalhar nas calmas”, quando é que pretende lançar o álbum?
Não sei dizer quando, porque acho ainda prematuro. Uma carreira de dois anos não se sente tanto, é tipo um bebé. Um EP talvez, mas agora não. Quero mesmo lançar músicas soltas para que as pessoas me conheçam melhor.

Que expectativa tem em relação a sua carreira?
Acho que a palavra que eu ponho assim à frente é reconhecimento. Porque antes do sucesso, antes da fama quero que as pessoas me reconheçam como artista. Porque é o que sou. Como alguém que canta bem e traz uma mensagem ao mundo.

Consegue medir o feedback?
Não é aquilo que as pessoas dizem uau, mas consegue-se notar que as pessoas gostam. Eu trago algo novo, que, de algum modo, desperta curiosidade. É complicado, mas é bom. Porque consigo notar quais os pontos em que estou a errar.

Comprove o talento em ascensão

as cargas mais recentes

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 1 ano
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 1 ano
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

há 7 meses
O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 2 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Daqui para frente Rock angolano passará a estar mais pesado

há 7 meses

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 2 anos
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 2 anos
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 9 meses
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 1 ano
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 1 ano
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 5 meses
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Steel Wonder: Mais um filho do Prenda que aspira ter sucesso no Rap

há 12 meses
A segunda “season” da sua história com a música, surge em 2013, ao identificar-se com a ideologia da Força Suprema. Actualmente no Rap, Steel aspira trabalhar com a Latino Records e vê no single `mamacita´, a sua ascensão musical.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 5 meses
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 11 meses

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 2 anos
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.