Nasce uma nova estrela da música

Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola. A jovem de 20 anos traz uma proposta musical com novas abordagens e já começa a fazer história com o suporte da produtora Chasing Dreams.

Como surge a música na tua vida?
Surgiu há muito tempo. Cresci numa família «de músicos». O meu avô sempre gostou muito de cantar. O meu pai idem. Tanto é que o meu pai sabe tocar todos os instrumentos musicais. Por isso é que eu só muito atenta com os instrumentos.

Desde quando é que está associada a produtora Chasing Dreams?
Canto há três anos, mas profissionalmente só dois. Associe-me à produtora há dois anos.

Qual é o estilo em que se revê
Me revejo em todos os estilos. Mas tenho como estilo base o R&B, e tento “fundi-lo” com vários estilos. Canto Kizomba, mas sempre com bases de R&B.

Actualmente quantas músicas tem gravadas?
Muitas. Devo ter já umas cinquenta e tal. Muitas… mas as que estão disponíveis são só três.

Alguma razão para isto?
Nós gostamos de trabalhar nas calmas, boa qualidade e bem feito. Há muita gente que lança, lança e lança, mas não acaba por promover como devia, portanto, queremos um trabalho de qualidade e bem feito.

E como avalia a repercussão das três músicas já lançadas?
Boas. Pelo menos para mim, se não fosse eu a cantar eu ia gostar muito de ouvir, porque são músicas que têm qualidade e conteúdo. Gosto de coisa que tanto adolescente como adulto ouvem e não encaram como algo chato. Não gosto de música que fica apenas no momento.

Como encara as músicas feitas por artistas da sua faixa etária, já que os teus conteúdos tocam tanto adolescentes como adultos?
A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros. A maior parte, esquece-se da sua essência. Eu não ouço muito música angolana. Não tenho como criticar todo mundo.

Como é possível não ouvir música de um mercado em que se quer enquadrar?
Eu disse que não ouço muita, mas eu ouço. Gosto da Pérola, Anna Joyce, Edmázia Mayembe.

Está a dizer que as tuas referências são externas ao nosso mercado?Não! Cá também tenho. Como já disse: Pérola, Anna Joyce… referindo-se a minha faixa etária, não ouço tanto, tanto a New School, porque é como se fosse a mesma coisa. Um canta que tenho, o outro também… Anna Joyce, Semedo, Anselmo Ralph e Cláudio Fénix são boas referência.

A maior parte dos adolescentes da minha faixa etária cantam músicas muito imediatistas. Nem todo mundo está focado na mensagem que ela pode transmitir aos outros.

Nasce uma nova estrela da música

Nessa fase inicial com que nome gostaria de trabalhar, pessoas que acha que dariam um up à sua carreira?
Angolanos? Angolanos hum… Lil Saint…

Porquê?
Por trazer bagagem. Eu gosto muito de músicas com conteúdos. Se a música em si me trouxer algo positivo, eu abraço.

Apesar de já ter afirmado que, “prefere trabalhar nas calmas”, quando é que pretende lançar o álbum?
Não sei dizer quando, porque acho ainda prematuro. Uma carreira de dois anos não se sente tanto, é tipo um bebé. Um EP talvez, mas agora não. Quero mesmo lançar músicas soltas para que as pessoas me conheçam melhor.

Que expectativa tem em relação a sua carreira?
Acho que a palavra que eu ponho assim à frente é reconhecimento. Porque antes do sucesso, antes da fama quero que as pessoas me reconheçam como artista. Porque é o que sou. Como alguém que canta bem e traz uma mensagem ao mundo.

Consegue medir o feedback?
Não é aquilo que as pessoas dizem uau, mas consegue-se notar que as pessoas gostam. Eu trago algo novo, que, de algum modo, desperta curiosidade. É complicado, mas é bom. Porque consigo notar quais os pontos em que estou a errar.

Comprove o talento em ascensão

as cargas mais recentes

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 11 meses
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 11 meses
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 5 meses
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 1 ano
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Kuta: O artista plástico que leva a herança espiritual angolana ao mundo

há 2 meses
Kuta entrou no mundo das artes muito jovem e tornou-se agora o mensageiro da espiritualidade ancestral negra “nkissi”. Está neste momento a preparar uma nova exposição, que inclui esculturas, pinturas e documentário.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 1 ano
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 1 ano
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 1 ano
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 7 meses
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 1 ano
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 1 ano
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 1 ano
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 1 ano
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Steel Wonder: Mais um filho do Prenda que aspira ter sucesso no Rap

há 9 meses
A segunda “season” da sua história com a música, surge em 2013, ao identificar-se com a ideologia da Força Suprema. Actualmente no Rap, Steel aspira trabalhar com a Latino Records e vê no single `mamacita´, a sua ascensão musical.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 1 ano
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.