Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

Osvaldo Aprumado ainda não é consagrado, mas pode vir a colocar o seu nome no topo mais alto do Kuduro e do Afro House em Angola. Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Como descobre o gosto pela música?
Descobri aos 11 anos no Rangel, pertencia a uma “staff”. Tivemos a necessidade de ter uma música para agradar o grupo , depois a música ganhou repercussão no bairro e desde aí nunca mais parei.

Como é que as coisas começam a caminhar para o profissional?
Desde o momento que recebi elogios dos kambas e apareceu um produtor que quis trabalhar comigo , depois conheci um amigo no bairro Kapalanga, em Viana e formamos um grupo designado Os Aprumados, desde aí vi que tenho muita inclinação pela arte, a música.

O estilo que se dedica é acusado por muitos de ser descartável, por preferir o ritmo a mensagem. O que vai fazer de diferente? 
Tento mudar e primar mais pela mensagem. Mas também dentro do estilo que faço há bons artistas, preocupados com a  mensagem. Temos ou tínhamos o Bruno M, agora o Nato P3 e o Bebo Clone. São essas as pessoas em que me inspiro e pretendo seguir seus passos.

O que tem produzido ultimamente?
Tenho um projecto e músicas novas para serem lançadas dentro em breve. Há uma semana, gravei um videoclipe novo de uma música também nova, que está prestes a sair, até porque se continuarmos esperar o Covid-19 terminar ou minimizar não vamos fazer nada o ano todo.

Para além disso, que outras músicas possui?
No total tenho 10 músicas a solo disponíveis e outras em estúdio prestes a sair. Tenho tracks como “Makongo” , “Minha Banda” , “Entregou” “Sai da Casa da Velha” , “Vida do Guetto” , “Maka Grossa”.

Já tem muitas músicas. Nunca pensou em reuni-las num EP?
Já tenho um EP intitulado “Impacto”, com quatro faixas musicais e traz as participações de “Maka Grossa” ft Rud Tokes, “Mostra As Coisas” Ft Spantú Swagg & Walter Silva, “Makongo” ft Josimar Mussito, Reboladas ft Dj kinny Afro Beatz.

Falou em viver na periferia. Como é consegue promover as suas músicas e carreira, uma vez que está distante de onde as coisas acontecem?
Procuro juntar-me com os fortes e os melhores que têm no meu bairro (produtores e músicos),  para promover as minhas músicas e carreira. Mas não é fácil. Eu mesmo “batalho” e custeio as minhas cenas, bem a pouco tempo criei uma associação com uma agência de artista (Dream Entretenimento) e tem me ajudado muito no que diz respeito a carreira e actividades.

Nunca se interessou em se associar a uma produtora? O qual foi a resposta?
Já sim. Mas as produtoras de renome em Angola  tem uma conduta muito diferente no diz respeito a um artista não consagrado, vendem falsas esperanças aos novos talentos. Deram-me muitas falsas esperanças e desde aí preferi eu próprio me “ajeitar” e custear os meus trabalhos.

Qual tem sido a sua maior dificuldade?
Expandir o meu trabalho ao nível mais alto, resumindo e concluindo dificuldades financeiras.

Com isso tudo que tem enfrentado, ainda pensa ser alguém com a música ?
Claro. Quero atingir os holofotes dos media, ser reconhecido nacionalmente e posteriormente lutar para internacionalizar a minha carreira. Eu sei que consigo. Continuo a lutar. Tenho foco, fé, coragem e determinação. Eu sei que vou conseguir.

Como é que se define como artista?
Sou um artista batalhador , e sinto-me completo e versátil. Corro atrás dos meus sonhos, nunca vou desistir até os alcançar.

Quando as vai apresentar o novo projecto e videoclipe?
Vai sair já este ano e vem acompanhada do seu vídeo. Já está tudo pronto só falta o lançamento. Vai ser uma música contagiante e que vai tocar em todos os contos da cidade de Luanda. A Carga vai testemunhar.

as cargas mais recentes

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 8 meses
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 1 mês
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 10 meses
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 1 ano

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 1 ano
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 7 meses
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 1 ano
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Conheça Txu Álex, a “voz do amor” que faz sucesso em Cabinda

há 12 meses
Tux Alex é um músico de R&B que está a construir uma carreira de sucesso em Cabinda. Começou em Luanda há 6 anos e hoje montou o seu próprio estúdio em casa. Seu percurso artístico vai desde produções musicais, arranjos até a participações em trabalhos de outros artistas.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 7 meses
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 1 ano
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Nasce uma nova estrela da música

há 2 anos
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 2 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 1 ano
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 1 ano
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 1 ano
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Conheça Triple Star C, o músico nigeriano que decidiu fazer carreira em Angola

há 1 ano
O seu sucesso começou na Nigéria, pisando palcos com artistas como Davido, para além de actuar em festivais na África do Sul, Gana e RDC. Mas é em Angola que Triple Star C quer fazer a carreira E, aos poucos, vai ganhando título de promotor e representante do Afro Naija em Angola.