Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

Osvaldo Aprumado ainda não é consagrado, mas pode vir a colocar o seu nome no topo mais alto do Kuduro e do Afro House em Angola. Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Como descobre o gosto pela música?
Descobri aos 11 anos no Rangel, pertencia a uma “staff”. Tivemos a necessidade de ter uma música para agradar o grupo , depois a música ganhou repercussão no bairro e desde aí nunca mais parei.

Como é que as coisas começam a caminhar para o profissional?
Desde o momento que recebi elogios dos kambas e apareceu um produtor que quis trabalhar comigo , depois conheci um amigo no bairro Kapalanga, em Viana e formamos um grupo designado Os Aprumados, desde aí vi que tenho muita inclinação pela arte, a música.

O estilo que se dedica é acusado por muitos de ser descartável, por preferir o ritmo a mensagem. O que vai fazer de diferente? 
Tento mudar e primar mais pela mensagem. Mas também dentro do estilo que faço há bons artistas, preocupados com a  mensagem. Temos ou tínhamos o Bruno M, agora o Nato P3 e o Bebo Clone. São essas as pessoas em que me inspiro e pretendo seguir seus passos.

O que tem produzido ultimamente?
Tenho um projecto e músicas novas para serem lançadas dentro em breve. Há uma semana, gravei um videoclipe novo de uma música também nova, que está prestes a sair, até porque se continuarmos esperar o Covid-19 terminar ou minimizar não vamos fazer nada o ano todo.

Para além disso, que outras músicas possui?
No total tenho 10 músicas a solo disponíveis e outras em estúdio prestes a sair. Tenho tracks como “Makongo” , “Minha Banda” , “Entregou” “Sai da Casa da Velha” , “Vida do Guetto” , “Maka Grossa”.

Já tem muitas músicas. Nunca pensou em reuni-las num EP?
Já tenho um EP intitulado “Impacto”, com quatro faixas musicais e traz as participações de “Maka Grossa” ft Rud Tokes, “Mostra As Coisas” Ft Spantú Swagg & Walter Silva, “Makongo” ft Josimar Mussito, Reboladas ft Dj kinny Afro Beatz.

Falou em viver na periferia. Como é consegue promover as suas músicas e carreira, uma vez que está distante de onde as coisas acontecem?
Procuro juntar-me com os fortes e os melhores que têm no meu bairro (produtores e músicos),  para promover as minhas músicas e carreira. Mas não é fácil. Eu mesmo “batalho” e custeio as minhas cenas, bem a pouco tempo criei uma associação com uma agência de artista (Dream Entretenimento) e tem me ajudado muito no que diz respeito a carreira e actividades.

Nunca se interessou em se associar a uma produtora? O qual foi a resposta?
Já sim. Mas as produtoras de renome em Angola  tem uma conduta muito diferente no diz respeito a um artista não consagrado, vendem falsas esperanças aos novos talentos. Deram-me muitas falsas esperanças e desde aí preferi eu próprio me “ajeitar” e custear os meus trabalhos.

Qual tem sido a sua maior dificuldade?
Expandir o meu trabalho ao nível mais alto, resumindo e concluindo dificuldades financeiras.

Com isso tudo que tem enfrentado, ainda pensa ser alguém com a música ?
Claro. Quero atingir os holofotes dos media, ser reconhecido nacionalmente e posteriormente lutar para internacionalizar a minha carreira. Eu sei que consigo. Continuo a lutar. Tenho foco, fé, coragem e determinação. Eu sei que vou conseguir.

Como é que se define como artista?
Sou um artista batalhador , e sinto-me completo e versátil. Corro atrás dos meus sonhos, nunca vou desistir até os alcançar.

Quando as vai apresentar o novo projecto e videoclipe?
Vai sair já este ano e vem acompanhada do seu vídeo. Já está tudo pronto só falta o lançamento. Vai ser uma música contagiante e que vai tocar em todos os contos da cidade de Luanda. A Carga vai testemunhar.

as cargas mais recentes

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 11 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 9 meses
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 1 mês
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 9 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Yunami: O rapper que representa Angola nos palcos da Hungria

há 8 meses

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 7 meses
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 9 meses
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 9 horas
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 10 meses
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 10 meses
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Nankhova: “No meu ranking sou um músico a seguir, um exemplo bom para a música nacional”

há 3 meses
Nankhova é um artista que dispensa apresentações, nos croquis de moda impressiona com o seu Je ne sois quoi e nas pautas musicais pretende transmitir a sua alma que é gerida pelo seu “grande Deus”.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 6 meses
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 9 meses
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 6 meses
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 6 meses
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 1 ano
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.