Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

Osvaldo Aprumado ainda não é consagrado, mas pode vir a colocar o seu nome no topo mais alto do Kuduro e do Afro House em Angola. Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Como descobre o gosto pela música?
Descobri aos 11 anos no Rangel, pertencia a uma “staff”. Tivemos a necessidade de ter uma música para agradar o grupo , depois a música ganhou repercussão no bairro e desde aí nunca mais parei.

Como é que as coisas começam a caminhar para o profissional?
Desde o momento que recebi elogios dos kambas e apareceu um produtor que quis trabalhar comigo , depois conheci um amigo no bairro Kapalanga, em Viana e formamos um grupo designado Os Aprumados, desde aí vi que tenho muita inclinação pela arte, a música.

O estilo que se dedica é acusado por muitos de ser descartável, por preferir o ritmo a mensagem. O que vai fazer de diferente? 
Tento mudar e primar mais pela mensagem. Mas também dentro do estilo que faço há bons artistas, preocupados com a  mensagem. Temos ou tínhamos o Bruno M, agora o Nato P3 e o Bebo Clone. São essas as pessoas em que me inspiro e pretendo seguir seus passos.

O que tem produzido ultimamente?
Tenho um projecto e músicas novas para serem lançadas dentro em breve. Há uma semana, gravei um videoclipe novo de uma música também nova, que está prestes a sair, até porque se continuarmos esperar o Covid-19 terminar ou minimizar não vamos fazer nada o ano todo.

Para além disso, que outras músicas possui?
No total tenho 10 músicas a solo disponíveis e outras em estúdio prestes a sair. Tenho tracks como “Makongo” , “Minha Banda” , “Entregou” “Sai da Casa da Velha” , “Vida do Guetto” , “Maka Grossa”.

Já tem muitas músicas. Nunca pensou em reuni-las num EP?
Já tenho um EP intitulado “Impacto”, com quatro faixas musicais e traz as participações de “Maka Grossa” ft Rud Tokes, “Mostra As Coisas” Ft Spantú Swagg & Walter Silva, “Makongo” ft Josimar Mussito, Reboladas ft Dj kinny Afro Beatz.

Falou em viver na periferia. Como é consegue promover as suas músicas e carreira, uma vez que está distante de onde as coisas acontecem?
Procuro juntar-me com os fortes e os melhores que têm no meu bairro (produtores e músicos),  para promover as minhas músicas e carreira. Mas não é fácil. Eu mesmo “batalho” e custeio as minhas cenas, bem a pouco tempo criei uma associação com uma agência de artista (Dream Entretenimento) e tem me ajudado muito no que diz respeito a carreira e actividades.

Nunca se interessou em se associar a uma produtora? O qual foi a resposta?
Já sim. Mas as produtoras de renome em Angola  tem uma conduta muito diferente no diz respeito a um artista não consagrado, vendem falsas esperanças aos novos talentos. Deram-me muitas falsas esperanças e desde aí preferi eu próprio me “ajeitar” e custear os meus trabalhos.

Qual tem sido a sua maior dificuldade?
Expandir o meu trabalho ao nível mais alto, resumindo e concluindo dificuldades financeiras.

Com isso tudo que tem enfrentado, ainda pensa ser alguém com a música ?
Claro. Quero atingir os holofotes dos media, ser reconhecido nacionalmente e posteriormente lutar para internacionalizar a minha carreira. Eu sei que consigo. Continuo a lutar. Tenho foco, fé, coragem e determinação. Eu sei que vou conseguir.

Como é que se define como artista?
Sou um artista batalhador , e sinto-me completo e versátil. Corro atrás dos meus sonhos, nunca vou desistir até os alcançar.

Quando as vai apresentar o novo projecto e videoclipe?
Vai sair já este ano e vem acompanhada do seu vídeo. Já está tudo pronto só falta o lançamento. Vai ser uma música contagiante e que vai tocar em todos os contos da cidade de Luanda. A Carga vai testemunhar.

as cargas mais recentes

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 10 meses
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Hannah Gomez quer conquistar o “Top dos Mais Queridos”

há 8 meses
A antiga estrela do “Unitel Estrelas ao Palco” soma e segue. Assinou com a Quebra Galho e gravou o seu primeiro álbum. A jovem de 22 anos quer pisar os maiores palcos do mundo e revela a ambição de conquistar o Top dos Mais Queridos ou o Angola Music Awards.

Nucho anuncia o álbum que lhe vai colocar no topo

há 7 meses
Nucho é um dos poucos rappers angolanos que conseguiu manter-se puro na última década. Em 2017, estreou-se com o álbum Sou[L] RAP e foi nomeado para o maior prémio da música feita em português. Depois disso, surgiram outras surpresas.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 6 meses
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Alice Julie mostra os frutos da parceria com a Milionário Records

há 2 meses
Desde pequena sonhou em se tornar numa estrela da música, um desejo que será agora materializado pela Milionário Records. A mais recente aposta da produtora já começou a trabalhar para os seus dois primeiros álbuns e esta sexta-feira (27) vai testar o público com o single “Encaixe Perfeito”.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 9 meses
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 6 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 4 meses
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 9 meses
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 6 meses
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 7 meses
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 8 meses
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 3 meses
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 7 meses
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Artista português encontra alternativa em pássaros para contornar onda de cancelamentos de shows

há 9 meses
Gohu, pseudónimo de Hugo Veiga, é um português que vive no Brasil há 15 anos. Desde cedo, esteve ligado à música, mas a profissão como publicitário não lhe permitia explorar esse talento. O artista tem agendado para 2021 o lançamento do álbum de estreia e, para contornar a situação dos cancelamentos de shows , foi obrigado a ser muito mais criativo.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 8 meses
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.