Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

Adonys é um grupo que canta fundamentalmente Zouk. Recentemente, o quarteto disponibilizou o single ‘Oi Mana’, que está a captar a atenção dos subscritores do ITunes Music, Spotify, YouTube e Kisom. Formado por Jack Divine, Valgas, Aylton e Malossa, os quatro amigos apresentam nesta primeira grande entrevista da carreira suas ambições e projectos e anunciam EP para este ano.

Como é que se juntam? 

Conhecemo-nos desde a tenra idade, quando vivíamos no Uíge. Somos todos de lá, mas o grupo foi criado aqui em Luanda há quatro anos. 

Disse que antes de se juntarem, cantavam individualmente, chegaram a ter algum registo? 

Já tínhamos algumas coisas gravadas sim, individualmente eu e o Valgas contávamos Zouk o Malossa e o Jack cantavam Rap.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

Quantas músicas o quarteto possui neste momento? 

Temos várias, mas em estúdio. De momento a única música disponível é a promocional  ‘Oi Mana’, com a participação da grande Jakylsa e dentro em breve lançaremos a música nova com título ‘ELA’. A música está disponível no nosso canal do YouTube, Kisom, Spotify, ITunes Music e em mais de 150 plataformas digitais. 

Por que razão optaram pelo Zouk?

Nós somos músicos, fazemos vários estilos musicais, dentro em breve verão os Adonys a viajarem por outras ondas, simplesmente o zouk foi a primeira música promocional. 

Quais são as vossas maiores influências artísticas?

Cada um tem sua  influência.  Eu, Aylton, por exemplo, a nível nacional, tenho Yuri da Cunhada, Cef, Lil Saint. Já eu, Jack Divine tenho NGA, Abidiel, Kendrick Lamar, Joyner Lucas e Drake.

A que produtora estão associados?

Trabalhamos de forma independente, mas algumas vezes fazemos parcerias.

É com Adonys que pretendem escrever a vossa história? 

Sim, pretendemos fazer história com o grupo que criamos.

Onde é que pretendem chegar ?

Queremos chegar onde o Michael Jackson e os Beatles não chegaram. 

E como é que se estão a projectar para isso?

Quando o assunto é projecção da carreira a nossa visão vai para além do horizonte, de certa forma, fazendo parcerias com pessoas adequadas e não só. Sabemos que ninguém caminha só, e o nosso objectivo é trabalhar até chegar aos festivais internacionais, além dos que alguns grandes nomes da música angolana chegaram.

Emocionalmente , como se têm preparado no caso de não conseguirem lá chegar, algo que não desejamos que aconteça? 

Para nós, não existe o “se”. Nós vamos alcançar e apenas temos isso na cabeça. Ou alcançamos ou alcançamos não temos plano B.

Em que patamar querem estar daqui a 5 anos?

Daqui a 5 anos ou menos, nos verão nos maiores palcos lusófonos e não só. 

Com que artistas angolanos tanto gostariam de trabalhar?

Se formos a citar aqui a lista será bastante vasta, mas para dizer que uma a gente já fez que foi a Jakylsa. Mas para destacar : Anselmo Ralph, Big Nelo, Ana Joyce e Bruna Tatiana.

A propósito, quem compõe as músicas do quarteto?

As nossas músicas são um trabalho de equipa, mas com destaque para o nosso director artístico Head. Ele escreve e mostra-nos para uma análise geral e a gente também escreve e depois mostramos para ter uma aprovação dele.

Há muito optimismo no vosso discurso, em que se baseiam essas crenças? 

Temos talento e o mercado precisa de vozes como as nossas, sem desprimor aos grandes músicos que já existem na nossa praça, são uma motivação para nós.

Para este ano quais serão as grandes novidades? 

O grupo está em estúdio a preparar o primeiro EP com sete músicas, que sairá pelo ano. Ainda não pensamos no título. 

Que palco tanto desejavam pisar? 

Temos dois palcos. O primeiro é o Cine Ginásio, no Uíge. Sonhamos com um show nosso com a casa totalmente lotada. Na arena internacional, sonhamos pisar no Festivel Coachella.

as cargas mais recentes

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 2 anos
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 2 anos

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 2 anos
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 1 ano
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 2 anos
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 2 anos
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 2 anos
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Hannah Gomez quer conquistar o “Top dos Mais Queridos”

há 3 anos
A antiga estrela do “Unitel Estrelas ao Palco” soma e segue. Assinou com a Quebra Galho e gravou o seu primeiro álbum. A jovem de 22 anos quer pisar os maiores palcos do mundo e revela a ambição de conquistar o Top dos Mais Queridos ou o Angola Music Awards.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 2 anos
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 2 anos
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

há 2 anos
Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 2 anos
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 3 anos
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 2 anos
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

há 1 ano
O seu alcance artistico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.