Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

Adonys é um grupo que canta fundamentalmente Zouk. Recentemente, o quarteto disponibilizou o single ‘Oi Mana’, que está a captar a atenção dos subscritores do ITunes Music, Spotify, YouTube e Kisom. Formado por Jack Divine, Valgas, Aylton e Malossa, os quatro amigos apresentam nesta primeira grande entrevista da carreira suas ambições e projectos e anunciam EP para este ano.

Como é que se juntam? 

Conhecemo-nos desde a tenra idade, quando vivíamos no Uíge. Somos todos de lá, mas o grupo foi criado aqui em Luanda há quatro anos. 

Disse que antes de se juntarem, cantavam individualmente, chegaram a ter algum registo? 

Já tínhamos algumas coisas gravadas sim, individualmente eu e o Valgas contávamos Zouk o Malossa e o Jack cantavam Rap.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

Quantas músicas o quarteto possui neste momento? 

Temos várias, mas em estúdio. De momento a única música disponível é a promocional  ‘Oi Mana’, com a participação da grande Jakylsa e dentro em breve lançaremos a música nova com título ‘ELA’. A música está disponível no nosso canal do YouTube, Kisom, Spotify, ITunes Music e em mais de 150 plataformas digitais. 

Por que razão optaram pelo Zouk?

Nós somos músicos, fazemos vários estilos musicais, dentro em breve verão os Adonys a viajarem por outras ondas, simplesmente o zouk foi a primeira música promocional. 

Quais são as vossas maiores influências artísticas?

Cada um tem sua  influência.  Eu, Aylton, por exemplo, a nível nacional, tenho Yuri da Cunhada, Cef, Lil Saint. Já eu, Jack Divine tenho NGA, Abidiel, Kendrick Lamar, Joyner Lucas e Drake.

A que produtora estão associados?

Trabalhamos de forma independente, mas algumas vezes fazemos parcerias.

É com Adonys que pretendem escrever a vossa história? 

Sim, pretendemos fazer história com o grupo que criamos.

Onde é que pretendem chegar ?

Queremos chegar onde o Michael Jackson e os Beatles não chegaram. 

E como é que se estão a projectar para isso?

Quando o assunto é projecção da carreira a nossa visão vai para além do horizonte, de certa forma, fazendo parcerias com pessoas adequadas e não só. Sabemos que ninguém caminha só, e o nosso objectivo é trabalhar até chegar aos festivais internacionais, além dos que alguns grandes nomes da música angolana chegaram.

Emocionalmente , como se têm preparado no caso de não conseguirem lá chegar, algo que não desejamos que aconteça? 

Para nós, não existe o “se”. Nós vamos alcançar e apenas temos isso na cabeça. Ou alcançamos ou alcançamos não temos plano B.

Em que patamar querem estar daqui a 5 anos?

Daqui a 5 anos ou menos, nos verão nos maiores palcos lusófonos e não só. 

Com que artistas angolanos tanto gostariam de trabalhar?

Se formos a citar aqui a lista será bastante vasta, mas para dizer que uma a gente já fez que foi a Jakylsa. Mas para destacar : Anselmo Ralph, Big Nelo, Ana Joyce e Bruna Tatiana.

A propósito, quem compõe as músicas do quarteto?

As nossas músicas são um trabalho de equipa, mas com destaque para o nosso director artístico Head. Ele escreve e mostra-nos para uma análise geral e a gente também escreve e depois mostramos para ter uma aprovação dele.

Há muito optimismo no vosso discurso, em que se baseiam essas crenças? 

Temos talento e o mercado precisa de vozes como as nossas, sem desprimor aos grandes músicos que já existem na nossa praça, são uma motivação para nós.

Para este ano quais serão as grandes novidades? 

O grupo está em estúdio a preparar o primeiro EP com sete músicas, que sairá pelo ano. Ainda não pensamos no título. 

Que palco tanto desejavam pisar? 

Temos dois palcos. O primeiro é o Cine Ginásio, no Uíge. Sonhamos com um show nosso com a casa totalmente lotada. Na arena internacional, sonhamos pisar no Festivel Coachella.

as cargas mais recentes

Rafael Gonçalves: A voz do Ghetto Zouk que todos deviam ouvir

há 7 meses
Tem poucos anos de estrada e, apesar de ainda não pisar grandes palcos, Rafael Gonçalves já começou a atrair as tençãoes do público. Seus temas “Cobrar” e “Juntos P’ra Sempre” acabam por ser incorporados nas referências do Ghetto Zouk feito em Angola.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 1 ano
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 1 ano
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Um DJ pequeno com um percurso profissional invejável

há 12 meses
Com apenas 13 anos de idade, Dj Dinho já leva uma carreira profissional invejável. Já foi contratado para tocar nos mesmos festivais que Paulo Alves, Havaiana, Vado Poster, Rickstar e Pzee Boy, e tem a fama de ser o primeiro com a sua idade a actuar no Unitel Festa da Música.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 6 meses
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 10 meses
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 1 ano
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Conheça Cleyton M, o autor do hit “Emagrece”

há 1 ano
Cleyton M é o pseudónimo de Rafael Elias Manuel. O cantor e dançarino de Afro House é o autor do hit ‘Emagrece’. Sua maneira de dançar tem conquistado fãs por todo lado. O jovem de 18 anos começou do “nada” e hoje faz planos para atingir Chris Brown. Nesta primeira entrevista da carreira, fala sobre o envolvimento com a música.

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 11 meses
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 1 ano
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 1 ano
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

Jandir Three, o cantor angolano de Tarraxinha que soma fãs em Moçambique

há 1 ano
Jandir Three é um músico angolano que está a somar fãs em Moçambique, através do Gloom Channel. O jovem de Benguela canta Trap Tarraxinha há 10 anos e tem várias músicas e vídeo clipes disponíveis. Recentemente, assinou com uma nova produtora e está neste momento a preparar projectos e deixa suas impressões à Carga.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 1 ano
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Do Kuduro ao Rap: Delver Mancha mostra a naturalidade do seu talento

há 6 meses
Actualmente canta Rap e, ao mesmo tempo, é produtor. Se recuarmos no tempo para ver onde o músico começou, será difícil acreditar que este é o mesmo Delver que, em 2008 , procurava por um “lugar ao sol no Kuduro”.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 5 meses
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 mês
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.