Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

Sérgio Figura é dos nomes mais importantes dos grupos de Rap emergentes da New School. Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem. Na segunda-feira, vai gravar um novo vídeoclipe, que será sucedido de outros projectos musicais a serem lançados ainda este ano.

Começou nos Flava Sava. Por que razão decidiu levar a carreira a solo?
Apesar de sermos um grupo, cada membro tem a sua cena a solo, e esse é o momento que decidi pegar mais nas minhas cenas. Na verdade, eu sempre tomei conta do meu próprio destino mesmo dentro do grupo, trabalho com o grupo e na minha cena a solo em paralelo.

Isto significa que já não vai gravar com os Flava?
Gravarei como sempre foi.

Em 2018, lançou uma mixtape. O quê que está a preparar agora?
Na verdade, nunca lancei mixtape, lancei uma EP, o “Kosmos” em 2014, e outro intitulado “Mac”, com colaboração de Sidjay e o Tozé Gonçalves.

Vai gravar um videoclipe na próxima segunda- feira. O quê que ainda está por vir este ano?
Sim. Trata-se da música “Chill” música inédita que pretendo lançar em breve. Tenho gravado muitas coisas e esse ano sai mais coisas para além do videoclipe.

Que participação traz nessa faixa?
Não há participação nessa faixa. Mas depois disso, pretendo lançar músicas seguidas, vou dependendo da recepção do público para o próximo projecto.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

O que está a marcar a sua carreira a solo?
Estou habituado a trabalhar sozinho e em grupo. A meta esse ano é lançar, lançar e lançar de formas a impulsionar o nome “Sérgio Figura” e trabalhar a imagem.

Ouvindo as suas músicas é inevitável falar de si…
As minhas letras caracterizam, maioritariamente, as fases da minha vida, sentimentos, e tudo que vejo em volta do meio que me circunda.

Já não encara a música como hobby. Onde pensa que ainda pode estar com esta arte?
O céu é o limite. Quero ser do tamanho do meu talento, onde ele me levar para mim é o bastante.

Boom Bap, Trap, Trap Soul. Qual deles se enquadra melhor e por quê? Enquadro-me bem em qualquer um deles.

Que opinião tem sobre os grupos de Rap no país?
Não tenho opinião formada sobre eles, só desejo sorte.

as cargas mais recentes

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 1 ano
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Quarteto de amigos de infância prepara-se para comandar a música

há 2 anos

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 8 meses

Mr. Omni promete ser o under diferencial em Angola

há 1 ano
Mr. Omni, heterónimo de Casimiro Garcia, é um rapper que canta há 9 anos. O músico nasceu no Sambizanga e cresceu entre Catambor, Rangel, Vila Alice e Kicolo e conta que viu-se forçado a ser artista para repudiar a situação da pobreza, criminalidade, alcoolismo e drogas que se vivia nos bairros que passou. Com dois EP lançados, o rapper fala durante a primeira entrevista da carreira sobre os próximos desafios.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 1 ano
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 11 meses
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Tanayira Felicidade: Uma voz alternativa em ascensão

há 2 semanas
Desde muito cedo, Tanayira Felicidade mostrou que tem inclinação para a música. Quando criança, sempre se destacava nos concursos de dança em que participava e hoje, já adulta, revela-se como a nova promessa do Semba, Kizomba, Soul e R&B.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 2 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Kendrah: “Quero ser lembrada como uma das mulheres mais importantes da história do Rap”

há 1 ano
Natural das Ingombotas, Kendrah começou a cantar na igreja. Mais tarde, decide honrar o legado de Marita Vénus e Dona Kelly. Aos 15 anos, tornou-se na artista mais nova a ser nomeada para o Top Rádio Luanda. Depois disso, participou de projectos, partilhou os melhores palcos de Angola. Hoje com 21 anos, prepara algo que pode mudar a história do Rap nacional.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 6 meses
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Martírio: OPPY narra cenário actual de Angola na primeira obra discográfica

há 6 meses
Numa breve entrevista, o rapper independente confirma que o álbum Martírio estará disponível hoje a partir das 18 horas e conta as vantagens de ser um artista não residente em Angola.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

há 4 meses
O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 7 meses
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 1 ano
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Conheça Letus, um artista genuíno e pronto para a ascensão musical

há 4 meses
O seu alcance artistico começa como vocalista e intérprete, assume o papel de director artístico e de produtor quando o assunto é fazer música, seja no estúdio ou em preparação para o palco. E, também gosta de dar aulas de canto, tal como refere na sua apresentação.

Tik Tok: O grupo sensação do momento

há 1 ano
Formado por um menino de 8 anos, um adolescente de 17 e dois jovens de 18, esta turma revela-se como a nova promessa do Afro House nacional.