Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

Sérgio Figura é dos nomes mais importantes dos grupos de Rap emergentes da New School. Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem. Na segunda-feira, vai gravar um novo vídeoclipe, que será sucedido de outros projectos musicais a serem lançados ainda este ano.

Começou nos Flava Sava. Por que razão decidiu levar a carreira a solo?
Apesar de sermos um grupo, cada membro tem a sua cena a solo, e esse é o momento que decidi pegar mais nas minhas cenas. Na verdade, eu sempre tomei conta do meu próprio destino mesmo dentro do grupo, trabalho com o grupo e na minha cena a solo em paralelo.

Isto significa que já não vai gravar com os Flava?
Gravarei como sempre foi.

Em 2018, lançou uma mixtape. O quê que está a preparar agora?
Na verdade, nunca lancei mixtape, lancei uma EP, o “Kosmos” em 2014, e outro intitulado “Mac”, com colaboração de Sidjay e o Tozé Gonçalves.

Vai gravar um videoclipe na próxima segunda- feira. O quê que ainda está por vir este ano?
Sim. Trata-se da música “Chill” música inédita que pretendo lançar em breve. Tenho gravado muitas coisas e esse ano sai mais coisas para além do videoclipe.

Que participação traz nessa faixa?
Não há participação nessa faixa. Mas depois disso, pretendo lançar músicas seguidas, vou dependendo da recepção do público para o próximo projecto.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

O que está a marcar a sua carreira a solo?
Estou habituado a trabalhar sozinho e em grupo. A meta esse ano é lançar, lançar e lançar de formas a impulsionar o nome “Sérgio Figura” e trabalhar a imagem.

Ouvindo as suas músicas é inevitável falar de si…
As minhas letras caracterizam, maioritariamente, as fases da minha vida, sentimentos, e tudo que vejo em volta do meio que me circunda.

Já não encara a música como hobby. Onde pensa que ainda pode estar com esta arte?
O céu é o limite. Quero ser do tamanho do meu talento, onde ele me levar para mim é o bastante.

Boom Bap, Trap, Trap Soul. Qual deles se enquadra melhor e por quê? Enquadro-me bem em qualquer um deles.

Que opinião tem sobre os grupos de Rap no país?
Não tenho opinião formada sobre eles, só desejo sorte.

as cargas mais recentes

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 2 anos
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.

Bú Cherry- Uma voz conhecida com talentos desconhecidos: “Não havia espaço para mostrar esse outro talento”

há 1 ano
Diferente das batidas fortes acompanhadas de coreografias “exóticas” por cima dos versos, o Kizomba apresenta cadência lenta e o seu público é um pouco mais exigente, e Bú diz estar ciente disso.

D-Wayne: Um filho do Rap que deixa marcas no Kuduro e Afro House

há 2 anos

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 2 anos
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Nasce uma nova estrela da música

há 3 anos
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 2 anos
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Nsingi, uma voz de Portugal que leva a cultura angolana com rítmo

há 1 ano
Carlos Nsingui nasceu em Portugal e nunca esteve em Angola, mas mantém fortes ligações com a cultura angolana, desde a música, gastronomia ao modo de ser, estar, falar, incluindo a forma de vestir, porque seus país são angolanos e parte da sua família vive em Angola.

Vencedora do Festival da Canção de Luanda apresenta primeiros projectos

há 2 anos
Além do principal prémio, Heróide dos Prazeres foi considerada a melhor voz do ano do Festival da Canção de Luanda, mas não é só o timbre vocálico que chama atenção, ela também escreve, e foi com a sua própria composição que ultrapassou vozes de referência da música angolana.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 2 anos
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

De Viana para Angola inteira: Anny Gonçalves, a nova revelação da música angolana

há 1 ano
Anny Gonçalves é um talento que a pandemia ajudou a revelar. A cantora destaca-se nos estilos Soul Music e Kizomba. Embora passe por despercebida aos olhos de muitos, vai conquistando o seu espaço. É ela a intérprete da trilha sonora do filme 2 Mundos, produzido por Hochi Fu.

Autor de “Bad B Tá Maluco” fala do boicote no Festa da Música: “Eles ´e que foram à minha procura”

há 3 meses

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 2 anos
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.