Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de mesclar três artes distintas.

Como é que se dá a vossa transição para a carreira profissional? 

É difícil explicar esta transição. Cantamos há seis anos, três dos quais de forma profissional. Foi tudo repentino, quando demos por conta já estávamos a gitar as massas e ficamos na boca do povo.

Em que centram as vossas abordagens? 

Muitas coisas, sobretudo as nossas vivências; o nosso quotidiano. Expressamos o que o povo gostaria de ouvir nas músicas.

E o quê o povo gostaria de ver retratado nas músicas?

Seu modo de vida. Sua maneira de viver, de se relacionar com o meio.

Mas isso não parece se traduzir na popularidade que têm na vossa página oficial do Facebook.  Por que ainda não conseguem espelhar isso nas redes sociais ?

Tem faltado mais trabalho na página, a forma de nos interagir com o público.

O Afro House é muito rítmico e quase impossível de diferenciar a musicalidade de um grupo da do outro. Como vos podemos distinguir?

O nosso diferencial é de sermos nós mesmos, as nossas próprias aspirações, aliás somos também atletas e praticamos fisiculturismo.

O mercado está cada vez mais competitivo. Que estratégia traçaram para a vossa permanência? 

Uma nova Dança’ inovação e muita criatividade loucuras apenas bons actores.

Com que artistas mais se identificam e porquê? 

De momento nenhum artista. Criamos os nossos próprios aspectos.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

Com a pandemia fica cada vez mais difícil pensar nas composições. Como têm lidado com isso? 

Não há encômodo. Honestamente falando não vemos muita diferença. Mesmo com a pandemia conseguimos criar as nossas notas sem problemas nenhuns.

Quantas músicas têm disponíveis?

Temos três músicas dois vídeoclipes.

Pelo percurso artístico que têm acham que é o número de músicas que deviam ter?

Não. Mas julgamos ter o desempenho espetácular com o qual esperamos brilhar. Trabalhamos sem parar. Todos dias uma criação.

Que novidades teremos dos Tropa Yoga daqui a duas semanas?

Todos os dias temos novidades. Um artista não pára de trabalhar, por isso é que o nome do grupo é Tropa Yoga. Limpamos tudo e todos. Já deu certo!

Praticamente já não são anónimos. Que palcos é que já pisaram? 

Já passamos nos palcos do Pai dos K , Carbura Servic, Sexta dos Há Gájus e muitos outros…

Que projectos estão a preparar para depois do Covid-19?

Teremos novos vídeoclipes e músicas novas que já têm sido trabalhadas e várias actividades. 

as cargas mais recentes

Luz do Spoken: “uso conscientemente a arte da poesia falada para causar reflexões e quiçá mudanças”

há 8 meses
A multifacetada actriz, poeta declamadora (spoker) que se “aventura” como Directora, Produtora de arte e na escrita criativa, vai apresentar amanhã as 17:30 o recital “Multimorfoses”, onde vai apresentar o seu percurso como pessoa e artista. Numa breve conversa com a artivista, ficámos a saber de onde vem e para onde vai a Luz do Spoken, em meio ao “caos” social.

Gabb Lex apresenta as primeiras impressões ao mundo

há 7 meses
Gabb Lex é um artista versátil, mas é com a Kizomba e R&B que mais se tem destacado. Há 9 anos a cantar como profissional, carrega uma carreira marcada por vários singles e vídeoclipes. O jovem de 25 anos vem do Cazenga e apresenta à Carga as primeiras impressões da obra de estreia.

Rigoberto Torres reoxigena clássicos do Hip Hop no seu primeiro EP

há 6 meses
Rigoberto Torres é um nome que pode mudar a história do Rap comercial em Angola. Apesar de começar a escrever sua história no ano passado, o cantor de 20 anos se prepara para apresentar esta sexta-feira, o primeiro EP.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 7 meses
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 5 meses
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Após destaque no Moda Luanda, Scró Q Cuia e Nerú Americano anunciam álbum de estreia

há 7 meses
Há dois anos era impossível pensar numa relação entre ambos. Scró Q Cuia e Nerú Americano vêm provando que são verdadeiros profissionais ao criarem os “Pintins”. A dupla anuncia o álbum de estreia, fala do tempo que vai durar a parceria, enumera as conquistas e desvenda os segredos da tamanha cumplicidade, deixando palavras de apreço para os angolanos.

Steel Wonder: Mais um filho do Prenda que aspira ter sucesso no Rap

há 2 dias
A segunda “season” da sua história com a música, surge em 2013, ao identificar-se com a ideologia da Força Suprema. Actualmente no Rap, Steel aspira trabalhar com a Latino Records e vê no single `mamacita´, a sua ascensão musical.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 5 meses
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Banda Prontidão: A Banda do Futuro

há 4 meses
Surgiram quase do nada e actualmente já não passam despercebidos. Destacaram-se todos individualmente e decidiram formar uma banda, inspirando-se em conjuntos como Kiezos, Jovens do Prenda, Banda Maravilha e Banda Movimento.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 5 meses
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Sérgio Figura decide dar mais espaço à carreira a solo

há 5 meses
Foi nos Flava Sava, ao lado de Sidjay, Vander Soprano, Verbiz e Dj Sipoda que terá conseguido maior notabilidade, mas, embora pouco notório aos olhos de muitos, sempre levou uma carreira paralela ao grupo e já gravou dois EP, só que desta vez decidiu apostar mais na carreia a solo e já começou a promover a sua imagem.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 10 meses
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Malunne: A pequena grande dançarina

há 6 meses
Malunne, filha do músico Maya Cool, a semelhança do pai “deu as mãos” à cultura. Muito cedo começou a cantar, mas, ao contrário do progenitor, não é nesta área em que se destaca, mas sim na dança. Com 16 anos de idade, Malunne já é uma professora de dança consagrada, sendo responsável pela coreografia de cantores conceituados.

Itary: Do Rap ao Zouk, a voz da versatilidade

há 3 meses
Quem a vê cantar, pode pensar que Itary nasceu para o Guetho Zouk, mas não. A cantora de 25 anos é muito versátil e transporta o Rap no seu DNA. Aliás, foi no Hip Hop que começou a sua carreira e hoje, está a se transformar numa das vozes mais promissoras do Zouk angolano.

Bobby Jay: “Se o 2pac e o B.I.G estivessem vivos, também cantariam num Afrobeat”

há 9 meses
Professor de profissão, Bobby Jay está no Rap há 22 anos, por influência dos SSP, Black Company, Boss AC e Gabriel o Pensador, mas nunca chegou a consolidar a carreira. Atualmente com 30 músicas gravadas e vídeos clipes promocionais, o músico deixa as primeiras impressões e diz-se preparado para testar sua popularidade com um álbum este ano.

Enock: “A minha música Banzelo revolucionou o Rap angolano”

há 5 meses
O surgimento de Enock em 2013 reanimou o Rap nacional ao introduzir abordagens pontuais. O seu tema “Banzelo”, com Ready Neutro e Fabiansky”, colocou-o entre os melhores, contudo, é com o primeiro álbum que quer inscrever o seu nome na montra do Hip Hop angolano, mas não quer fazer isso sem antes medir a popularidade.