Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de mesclar três artes distintas.

Como é que se dá a vossa transição para a carreira profissional? 

É difícil explicar esta transição. Cantamos há seis anos, três dos quais de forma profissional. Foi tudo repentino, quando demos por conta já estávamos a gitar as massas e ficamos na boca do povo.

Em que centram as vossas abordagens? 

Muitas coisas, sobretudo as nossas vivências; o nosso quotidiano. Expressamos o que o povo gostaria de ouvir nas músicas.

E o quê o povo gostaria de ver retratado nas músicas?

Seu modo de vida. Sua maneira de viver, de se relacionar com o meio.

Mas isso não parece se traduzir na popularidade que têm na vossa página oficial do Facebook.  Por que ainda não conseguem espelhar isso nas redes sociais ?

Tem faltado mais trabalho na página, a forma de nos interagir com o público.

O Afro House é muito rítmico e quase impossível de diferenciar a musicalidade de um grupo da do outro. Como vos podemos distinguir?

O nosso diferencial é de sermos nós mesmos, as nossas próprias aspirações, aliás somos também atletas e praticamos fisiculturismo.

O mercado está cada vez mais competitivo. Que estratégia traçaram para a vossa permanência? 

Uma nova Dança’ inovação e muita criatividade loucuras apenas bons actores.

Com que artistas mais se identificam e porquê? 

De momento nenhum artista. Criamos os nossos próprios aspectos.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

Com a pandemia fica cada vez mais difícil pensar nas composições. Como têm lidado com isso? 

Não há encômodo. Honestamente falando não vemos muita diferença. Mesmo com a pandemia conseguimos criar as nossas notas sem problemas nenhuns.

Quantas músicas têm disponíveis?

Temos três músicas dois vídeoclipes.

Pelo percurso artístico que têm acham que é o número de músicas que deviam ter?

Não. Mas julgamos ter o desempenho espetácular com o qual esperamos brilhar. Trabalhamos sem parar. Todos dias uma criação.

Que novidades teremos dos Tropa Yoga daqui a duas semanas?

Todos os dias temos novidades. Um artista não pára de trabalhar, por isso é que o nome do grupo é Tropa Yoga. Limpamos tudo e todos. Já deu certo!

Praticamente já não são anónimos. Que palcos é que já pisaram? 

Já passamos nos palcos do Pai dos K , Carbura Servic, Sexta dos Há Gájus e muitos outros…

Que projectos estão a preparar para depois do Covid-19?

Teremos novos vídeoclipes e músicas novas que já têm sido trabalhadas e várias actividades. 

as cargas mais recentes

Acaba de nascer mais uma voz da música angolana em Portugal

há 2 anos
Krysna é o nome artístico de Crisna Luquene de Oliveira Alfredo, uma jovem de 21 anos de idade, que nasceu no Bairro Popular e vive actualmente no Porto. Descobriu a veia musical em Luanda, mas é em Portugal que está a ganhar suporte. A cantora luta para assumir o espaço lusófono com sua kizomba e apresenta à Carga as primeiras impressões da sua musicalidade.

Killuanji: “Os fazedores do Rap gospel em Angola andam distraídos e tornam o estilo frágil e fraco ao ponto de ninguém os ouvir”

há 1 ano
Lançou recentemente o EP Apocrypha e embora esteja na música há mais de uma década, Killuanji considera que agora sim, a sua carreira começou. O rapper que faz da crença o seu sacerdócio assume-se como o “novo rosto do Rap Gospel em Angola”, e garante que chegou para dar uma lufada de ar fresco ao estilo.

Do Rap ao Afro House: Trio angolano mostra o quanto vale

há 10 meses
Chamam-se The Angels e estão no mercado há quatro anos, fruto disso produziram vários temas e, Julho deste ano, vão lançar o seu primeiro EP intitulado “Não Estragou Nada”, por sinal, nome de uma das faixas.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 1 ano
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 2 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Osvaldo Aprumado: “As produtoras de renome em Angola vendem falsas esperanças aos novos talentos”

há 1 ano
Natural do Rangel, em Luanda, canta há 9 anos e, apesar de não conseguir uma “daquelas” oportunidades, lançou um EP e em breve vai colocar no mercado mais um novo projecto musical acompanhado de vídeoclipe. O jovem de 25 anos conta à Carga como está a desenvolver a sua carreira musical.

Jackes Di: A continuidade do legado “dos” Paim

há 1 ano
Descendente de uma família artísticamente rica, Emanuel de Carvalho Fernandes da Silva ou simplesmente Jackes Di, dá continuidade ao legado apresentando-se como um artista multifacetado, sendo exímio tocador de guitarra e também canta.

Kenny Flow Buah deixa primeiras impressões do seu talento ao mundo

há 10 meses
Depois do clip do single ” Perdido no Block” no ano passado, Kenny Flow Buah prepara-se para publicar mais um tema com o respectivo clip, acreditando que desta vez a carreira poderá assumir patamares mais elevados.

Após conquistar fãs em Benguela, Sarita quer se impôr em Luanda

há 2 anos
Sarita é o nome artístico de Sara Joaquim, uma jovem proveniente do Lobito. A artista de 22 anos canta Zouk, R&B e Kizomba. No ano passado, decidiu vir a Luanda em busca do sonho e tudo parece estar a correr. Nesta entrevista apresenta as primeiras músicas, vídeo clípe e fala dos seus projectos.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 1 ano
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Jamayka Poston regressa ao game e é o primeiro PhD angolano a cantar Rap

há 2 anos
Jamayka Poston carrega o ritmo, a arte e a poesia no sangue, com mais de 25 anos de carreira, foi o primeiro a dropar em Kimdundu. Depois de algum tempo ausente, regressa ao game com músicas e EP novos e tem espectáculo agendado. O veterano não é muito de entrevistas, mas aceitou o desafio da Carga para falar sobre o seu invejável percurso artístico.

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 2 anos
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Do backstage ao palco: produtor executivo do Duetos N’Avenida aposta na carreira musical

há 1 mês

Era engraxador e menino de rua, agora é a nova promessa da música angolana

há 1 ano
Salvador da Lata é assim que ficou conhecido e é com este nome que quer se tornar na maior referência da música angolana. O cantor está em estúdio a trabalhar o seu primeiro EP, que trará participações de Maya Cool, Jefferson Santana e Filho do Zua.

Nasce uma nova estrela da música

há 2 anos
Chama-se Chelsea Dinorath, um nome que ainda não é sonante, mas a voz e as composições podem transformá-la numa das maiores referências do R&B em Angola.

10 anos depois Diff regressa ao game para revolucionar o Rap

há 1 ano
É dos rappers mais modernos da actualidade e só não deu cartas porque esteve dez anos fora do mainstream, mas, está de volta e desta vez com um EP de 4 faixas musicais, incluindo os respectivos vídeoclips. Além da obra, o músico preparou uma “bomba” com Anselmo Ralph e fala à Carga sobre o seu regresso.