Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

Vat, Graffiter e Cossom formam os Variiano, um grupo de Rap que há três anos vem ocupando o seu espaço no mercado. O trio carrega um foco temático e filofofia de trabalho diferentes dos habituais grupos de Rap. Em menos de três anos produziu três EP, pisou vários palcos e prepara-se para dar o primeiro grande passo da carreira.

Como é que surgiu os Variiano?
O grupo surge quando três rapazes percebem que tinham talento para a música, e que por meio dela poderiam exprimir tudo o que lhes ia à alma, quer fossem coisas boas ou más. Suas e histórias de vida de outras pessoas.

A propósito, qual é a história por detrás do nome do grupo?
Houve a necessidade de atribuir um nome que fosse de fácil percepção e memorização. Pensamos então na junção dos nossos nomes Vat, Vandilson e Adriano, o que, para além de dar um nome ao grupo, de certa forma, faria com que estivéssemos ligados para sempre.

O que lhes fez apostar na carreira profissional?
Mais do que acreditar, que é necessário, investirmos e corrermos atrás dos nossos objectivos, é acreditarmos que, tendo uma carreira sólida, poderemos deixar um legado, que se vai perpetuar e eternizar às nossas obras.

Quantas músicas já possuem?
O primeiro projecto “Foco” teve 11 faixas já  disponíveis na plataformas digitais, o segundo “Variian’Time” teve 10 faixas. Fora as músicas a solo que cada elemento possui e vamos lança mais um com 7 faixas musicais no dia 15 de Agosto do corrente ano. Sem participações nenhumas. Os temas serão todos abordados por elementos do grupo. Para os próximos meses estamos a preparar o lançamento de mais dois vídeo clipes.

Para que faixa etária cantam e a que mercados estão focados?
Pelos conteúdos que a gente aborda e pela forma como o fazemos, podemos dizer que dos 15 à capacidade de percepção de cada um, até onde cada um se identificara com o que a gente transmite. Ou seja, se alguém tiver 18 anos e perceber ou identificar-se, então é nosso público, se o mesmo acontecer com alguém de 65 anos de idade, também, gente não canta para números, mas para mentes.

Que valores podem acrescentar ao rap nacional?
Estamos focados, temos atitude, determinação, persistência, ambição e resiliência. Vamos  fazer compreender que é necessário sonhar, acreditar, levantar e realizar.

Que planos  traçaram para invadir o mercado?
Não vamos dar somente ao público aquilo a que estão acostumados, mas levá-los também para outras dimensões, mergulhá-los em profundidades, fazer com que percam o fôlego e ainda assim sentirem-se mais vivos.

O tempo parece não fazer jus ao estado da vossa carreira. O que tem faltado para que consigam se impor?
A música é um investimento e requer  um background para dar algum suporte, quer seja financeiro e até moral. Nós somos três, e fazemos tudo pelos três, somos também nós quem custeia tudo, através da produtora Qualia/ Exstasy Vibe. E é isso que tem acontecido connosco.

Podem obviamente usar esse sentimento para conquistarem os fãs…
Acaba sendo importante porque dificilmente nos vamos “desnortear”. Acredito que enquanto pessoa, estes são os valores que fariam com que me identificasse ou gostasse de determinado artista.

Qual tem sido a vossa filosofia de trabalho?
Acreditar! Acreditar e acreditar sempre. Trabalhamos de forma semi-independente, partilhando tarefas. Trabalhar os três Foi uma das melhores experiências que a vida nos poderia dar, partilhamos não só uma carreira, mas também o intelecto, as vivências e as vibes de cada um, é uma das melhores sensações que tivemos o privilégio de experimentar.

Quem faz o quê no grupo? 
O Vat é o porta-voz, responsável pela comunicação e imagem do grupo, negociações com vídeo makers, o Graffiter é o produtor, responsável por transformar ideias em músicas e o Cossom tem o papel de expandir as músicas pela lusofonia, é o responsável pela maior parte dos refrões do grupo.

Variiano: “Queremos ser os ícones do Rap Luso”

Mas levam a carreira a solo. Por que criaram o grupo, afinal?
Sim, temos os três músicas individuais. Mas não torna o grupo menos sólido, porque apesar de tudo o que nos une, temos também percepções individuais sobre as coisas, carregamos histórias e vivências individuais, que cada um decide colocar numa música ou num projecto solo. O que não afasta-nos nem desgasta o grupo.

Como podemos diferencia-los dos outros grupos de Rap e RnB angolanos?
Os ideais que defendemos, a forma como abordamos as nossas letras, a nossa essência, bem como o que a gente almeja.

Quanto tempo mais terão que esperar para começarem a colher resultados?
Respondemos esta questão fazendo menção ao título da nossa Ep “A Dois Passos Do Céu”, que é uma metáfora para o quão próximo estamos do alcance dos nossos objectivos. Sempre foi nossa meta o céu, e hoje, estamos a dois passos dele (risos). Já estivemos em vários palcos, o o nosso sonho é pisar o Coliseu e Meo arena.

Que espaço querem ocupar no music hall  nacional?
Queremos ser os ícones do Rap Luso.

as cargas mais recentes

Nue Wave, a dupla que vai dar nova onda ao público

há 2 anos
Nue Wave é uma dupla nova formada por D.B e Mascy, ambos natural da Ingombotas, Luanda. Os dois amigos trazem uma proposta musical que resulta da mistura entre Hip Hop, R&B e Soul. Depois de longos anos de carreira a solo, D.B e Mascy querem atingir o nível mais alto da música angolana, através destes projectos.

Gilson Son: Morador de rua em Luanda vira estrela do Rap na internet

há 11 meses
Gilson Son é um MC com uma consistência lírica que muitos rappers renomados da nossa praça gostariam de ter. O jovem vive na rua e alimenta-se com pequenos restos de comida que encontra em contentores de lixo. Apesar da difícil vida, Gilson não perdeu o foco e, na semana passada, a sorte bateu-lhe a porta, inclusive DJ Samurai marcou com ele um encontro.

Tropa Yogaa: Uma lufada de ar fresco para o Afro House

há 2 anos
Tropa Yogaa é uma dupla relativamente nova, mas está a chamar a atenção pela forma como combina a música e a dança ao fisioculturismo. Formada por Fredy Lück Toks e Yuri Paulo Betão, o duo está no Afro House desde 2016 e falam à Carga sobre como nasce a intenção de juntar a dança e música ao fisioculturismo.

Do Cazenga para o Mundo: Lomerh deixa as primeiras impressões

há 2 anos
Lomerh vem do Hoji Ya Henda, em Luanda. Para além de cantor e produtor, compõe para outros artistas e projecta-se como umas das referências do Ghetto Zouk, R&B e Trap Soul. O músico canta desde 2009 e já possui dois EP e vários vídeo clipes e lança a sua carreira nesta entrevista.

Demarte Pena: “Ser da família Savimbi, não significa que tinha de seguir a política”

há 2 anos
O atleta é dos melhores lutadores de MMA em África e mantém a invencibilidade no EFC com 13 títulos. The Wolf (O Lobo), como é conhecido nos ringues, fala à Carga sobre os seus projectos, sonhos e motivações.

Conheça Skit Van Darken, o autor de “Angola Não Me Diz Nada”

há 1 ano
O músico quase não é visto nos media convencionais, mas goza de boa popularidade considerável na Internet e, à surdina, vai se transformando na principal referência deste subgénero do Hip Hop.

Nélia Dias: Do Top Rádio Luanda rumo ao topo da música angolana

há 2 anos
Nélia Dias é um nome a se ter em conta no music hall nacional, por ser das poucas que conseguiu colocar o seu nome no Top Rádio Luanda com a música de estreia. A sua carreia ficou marcada por duetos com Young Double, Mona Nicastro, mas agora tem em carteira um novo projecto musical com o qual se quer lançar ao mundo.

Rodex Mágico, um artista plurivalente que caminha a passos firmes em direcção ao triunfo musical

há 1 ano
O jovem artista vem dos Combatentes, o que parece justificar seus conteúdos e referências musicais como Bruno M. Tal como várias outras estrelas, Mágico é um daqueles talentos que trocou o mundo da delinquência pelo Kuduro ou Rap. Kuduro ou Rap, porque fica difícil se posicionar ante a tendência deste artista, que resulta da fusão entre o Kuduro, Funk, Rap e Afrobeat.

Do Kuduro ao Rap: Alé G Fiigura mostra o quanto vale

há 2 anos
O artista não só canta, também dança, compõe, produz e é o CEO da Right Time Records, uma produtora independente que vai atraindo outros nomes.

Filho de Paulo Flores prepara o primeiro trabalho da carreira

há 2 anos
Kiari Flores acaba de confirmar que filho de peixe é peixe. O jovem abandonou o Sporting Lisboa e Benfica, onde já evoluía como profissional, para seguir as pisadas do pai.

Artista plástico promove imagem de músicos através de tambores

há 2 anos
One Million é um artista plástico que, desde os 15 anos, vem promovendo imagem de músicos, especialmente os rappers, usando tambores. Natural do Cazenga, o artista de 27 anos apresenta-se à Carga e explica como funciona a técnica e porquê decidiu fazer isso.

A voz que representa o Rap angolano em Moscovo

há 3 anos
Chama-se Massoxy’h e chegou a Rússia há quatro anos, para estudar Engenharia Informática, e está a conquistar vários palcos.

Di FlowZ: “Acredito que carreiras em fase embrionária têm sempre obstáculos”

há 2 anos
Chama-se Donald Ilunga, mas é conhecido nas lides musicais por Di FlowZ, polivalente, além de músico também produz e tem no seu repertório parcerias de “peso”. Neste Primeiras Impressões com a Carga, Di flowZ fez saber que está com um novo projecto na forja, que vai contemplar uma variedade de estilos, e cuja faixa promocional «Minha pequena», já está disponível.

Mário Gomes: O presente e o futuro entre os guitarristas

há 2 anos
Dom Caetano, Filipe Mukenga consideram-no o melhor guitarrista da actualidade. Saiba mais sobre este pequeno/grande músico na entrevista concedida à Revista Carga.

Conheça Márcia Itchêlika, a nova promessa do Guetho Zouk

há 2 anos
Começou no Kuduro e hoje constrói uma carreira sólida no Guehto Zouk. Já lançou quatro músicas e está neste momento a gravar um videoclipe, enquanto projecta o primeiro EP. ‘Dona de uma voz forte’, Márcia Itchêlika vem de uma família de sembistas, mas assume-se como a esperança feminina do Zouk em Angola e elegeu o mercado internacional para começar suas conquistas.

Edson Narciso: “Quero mudar a consciência de quem me ouve”

há 2 anos
Diferente de Bob Marley, Edson Narciso quer cultivar o amor, a paz e o respeito pelas diferenças, por meio do Rap, num estilo que apelida de Hard Trap. Já várias vezes tentou uma carreira profissional, e não teve sucesso. Depois de um longo intervalo, aparece com os primeiros projectos musicais.