De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Nunca a frase podes ser o mais talentoso do mundo, se não tiveres dinheiro não vais a lado algum fez tanto sentido na vida de alguém como aconteceu na do cantor Adelásio Muangolé, que até já era considerado pela imprensa como a revelação do Semba, num tempo em que pouco ainda se falava de Puto Português.

A fama e o sucesso do músico começaram em 2011, com a música Não Fatiga Muangolé. Depois, chegou a lançar outros sucessos como o Kero e ganhou o prémio Ensa Arte (2011)

A fama era tanta que músicos como Yuri da Cunha e Eddy Tussa chegaram a solicitá-lo para escrever alguns temas, que vieram a fazer sucesso.

Depois de tanto barulho pela imprensa, Adelásio desapareceu para voltar no ano passado em grande sob selo da Yalankuwu Music, lançou um EP e tem seus temas disponíveis em todas as plataformas digitais internacionais, incluindo o Kisom Unitel. É ele o autor de Manda o Diploma, que traz participação de Puto Português.

Com a agenda preenchida para Europa até 2022, prepara-se para gravar com Yuri da Cunha e Eddy Tussa. Adelásio é um antigo talento do Semba que caminha novamente para o estrelato.

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Depois de ‘Não Fatiga Mwangole’, era considerado como a nova revelação do Semba. Mas teve uma permanência muito efémera. Por que não conseguiu manter o ritmo?

Faltou investimento. O artista pode ser o mais talentoso do mundo, sem um bom investimento, não vai a lado nenhum. Continua apenas como o talentoso do bairro.

Em que circuntâncias consegue o contrato com esta sua nova produtora?

Consegui o contrato com a Yalankuwu num momento que eu havia saído de uma outra produtora. Sem saber o que fazer, recebi uma mensagem no Facebook, da parte da Yalankuwu a mostrar interesse em trabalhar comigo.

Que lições tirou do tempo que esteve sob anonimato?

São tantas. Aprendi que em Angola não valorizam o talento, mas sim o bom momento que o artista vive, neste caso o famoso sucesso. Aprendi que a media só quer que lhe dá audiência, infelizmente. aprendi também que o ouvinte só consome o que estão a lhe oferecer no mercado, acima de tudo, aprendi que devemos ter fé…

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Parece que agora as coisas vão ao ritmo de que sempre desejou. No ano passsado lançou “Homenagem” e este ano saiu com o primeiro EP. É o seu regresso ao estrelato?

Penso que sim, estamos a trabalhar para este fim, que Deus, Pai Todo-Poderoso, continue a me abençoar… Desde que entrei na Yalankuwu muita coisa mudou na minha carreira. Hoje, parece que até o vento sopra a meu favor…

Doravante, o que passará a caracterizar a sua carreira?

Trabalho atrás de trabalho, sem parar. Mas acima de tudo, espero que a minha boa relação com a produtora continue neste ritmo super bom, e com grandes planos, para me fazer o artista que sempre sonhei…

Nas suas primeiras aparições, o Semba era a sua bandeira. Será que cantará outros estilos?

Até ao momento vou continuar a defender o Semba, sem esquecer o Kizomba, Kilapanga, Rumba angolana, o Merengue, o Kazucuta e a Cabecinha.

De que é feito este seu EP?

Este EP apresenta o regresso do Adelásio Muangolé, depois de muito tempo ausente no mercado activo. É um resumo do que me identifica. Chama-se O Próprio Muangolé.

Diferente de muitos, parece que o Covid impulsionou a sua carreira. Como descreve a sua carreira musical actualmente?

Actualmente a minha carreira está num bom porto, graças a Deus. Apesar do Covid, vivi bons momentos. A minha música é muito consumida em alguns países da Europa e hoje tenho muitos seguidores e amigos europeus, que gostam do meu trabalho. Só para ver, já tenho actividades marcadas para 2022, dia 18,19,20,21 de Março.

Tem boas relações com Eddy Tussa e Yuri da Cunha, chegou até a escrever alguns temas para eles. Não era mais fácil ter a participacão de um deles ao invés de Puto Português? Porquê a escolha de Mr 2gueda para a colaboração?

Escolhi o Puto Português, porque sempre gostei do trabalho dele, respeito e tenho ele como uma grande referência também. A música ” Manda o Diploma ” tem a cara dele, no que concerne a letra e o canto. Quanto ao Yuri da Cunha e o Eddy Tussa, já temos tudo acertado, em breve irei gravar músicas com a participação deles. Graças a Deus o meu pedido já foi aceite por eles…

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Quem eacreveu e qual foi o custo de produção do tema “Manda o Diploma”?

A letra e a música é da minha autoria. Graças a Deus tenho boas relações com o kota Nelo Paím e a produção teve um custo acessível para eu trabalhar e fazer uma boa música com qualidade.

O Semba é fragmentado nos hábitos, costumes e tradições culturais angolanas, elementos pouco assimilados pelos jovens. Como faz para compor suas letras?

Como todo bom letrista, melodista e compositor, eu faço de tudo para estudar a nossa sociedade e não só. Graças a Deus, tenho a capacidade de escrever histórias, que tem sempre alguém que vive ou já viveu, mas sempre a seguir a evolução das sociedades, para não ficar no tempo, porque a vida é dinâmica, mas sem fugir a base.

as cargas mais recentes

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

há 2 anos
Mauro Pastrana, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 2 anos
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 2 anos
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 2 anos
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

há 1 ano

Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

há 1 ano
O músico tem um novo álbum. Intitula-se “Sete Momentos De Lucidez” e vai sair já no próximo mês. Uma obra em que apresenta suas experiências e reflexões sobre a sociedade e a existência humana.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 7 meses
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 2 anos
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 2 anos
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

há 1 ano
Numa conversa livre e aberta com a revista Carga, Coréon Dú mostrou que ainda tem muito mais para contribuir em prol da africanidade do que tudo aquilo que já fez. O autor de Pele Negra fala das últimas novidades.

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 2 anos
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 2 anos
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Cage One: “Sempre fui mal compreendido por ser diferente, agora estou a mostrar que estava certo”

há 2 anos

Thó Simões: “É nas ruas que consigo vislumbrar alguma coisa da natureza humana”

há 1 ano

Último capítulo. Hochi Fu: “Ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano, então deixem de fazer videoclip lá fora!”

há 1 ano

Universidade Hip Hop Angola: 10 anos a alicerçar os elementos, conceitos e fundamentos da Cultura Hip Hop

há 1 ano
Criada há uma década, mais propriamente aos 6 de Março de 2011, pelo “sexteto” Quartel d’Áfrika, oriundos da Mulemba Waxa Ngola, local onde foi enraizada a catedral do conhecimento do Hip Hop nacional.