De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Nunca a frase podes ser o mais talentoso do mundo, se não tiveres dinheiro não vais a lado algum fez tanto sentido na vida de alguém como aconteceu na do cantor Adelásio Muangolé, que até já era considerado pela imprensa como a revelação do Semba, num tempo em que pouco ainda se falava de Puto Português.

A fama e o sucesso do músico começaram em 2011, com a música Não Fatiga Muangolé. Depois, chegou a lançar outros sucessos como o Kero e ganhou o prémio Ensa Arte (2011)

A fama era tanta que músicos como Yuri da Cunha e Eddy Tussa chegaram a solicitá-lo para escrever alguns temas, que vieram a fazer sucesso.

Depois de tanto barulho pela imprensa, Adelásio desapareceu para voltar no ano passado em grande sob selo da Yalankuwu Music, lançou um EP e tem seus temas disponíveis em todas as plataformas digitais internacionais, incluindo o Kisom Unitel. É ele o autor de Manda o Diploma, que traz participação de Puto Português.

Com a agenda preenchida para Europa até 2022, prepara-se para gravar com Yuri da Cunha e Eddy Tussa. Adelásio é um antigo talento do Semba que caminha novamente para o estrelato.

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Depois de ‘Não Fatiga Mwangole’, era considerado como a nova revelação do Semba. Mas teve uma permanência muito efémera. Por que não conseguiu manter o ritmo?

Faltou investimento. O artista pode ser o mais talentoso do mundo, sem um bom investimento, não vai a lado nenhum. Continua apenas como o talentoso do bairro.

Em que circuntâncias consegue o contrato com esta sua nova produtora?

Consegui o contrato com a Yalankuwu num momento que eu havia saído de uma outra produtora. Sem saber o que fazer, recebi uma mensagem no Facebook, da parte da Yalankuwu a mostrar interesse em trabalhar comigo.

Que lições tirou do tempo que esteve sob anonimato?

São tantas. Aprendi que em Angola não valorizam o talento, mas sim o bom momento que o artista vive, neste caso o famoso sucesso. Aprendi que a media só quer que lhe dá audiência, infelizmente. aprendi também que o ouvinte só consome o que estão a lhe oferecer no mercado, acima de tudo, aprendi que devemos ter fé…

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Parece que agora as coisas vão ao ritmo de que sempre desejou. No ano passsado lançou “Homenagem” e este ano saiu com o primeiro EP. É o seu regresso ao estrelato?

Penso que sim, estamos a trabalhar para este fim, que Deus, Pai Todo-Poderoso, continue a me abençoar… Desde que entrei na Yalankuwu muita coisa mudou na minha carreira. Hoje, parece que até o vento sopra a meu favor…

Doravante, o que passará a caracterizar a sua carreira?

Trabalho atrás de trabalho, sem parar. Mas acima de tudo, espero que a minha boa relação com a produtora continue neste ritmo super bom, e com grandes planos, para me fazer o artista que sempre sonhei…

Nas suas primeiras aparições, o Semba era a sua bandeira. Será que cantará outros estilos?

Até ao momento vou continuar a defender o Semba, sem esquecer o Kizomba, Kilapanga, Rumba angolana, o Merengue, o Kazucuta e a Cabecinha.

De que é feito este seu EP?

Este EP apresenta o regresso do Adelásio Muangolé, depois de muito tempo ausente no mercado activo. É um resumo do que me identifica. Chama-se O Próprio Muangolé.

Diferente de muitos, parece que o Covid impulsionou a sua carreira. Como descreve a sua carreira musical actualmente?

Actualmente a minha carreira está num bom porto, graças a Deus. Apesar do Covid, vivi bons momentos. A minha música é muito consumida em alguns países da Europa e hoje tenho muitos seguidores e amigos europeus, que gostam do meu trabalho. Só para ver, já tenho actividades marcadas para 2022, dia 18,19,20,21 de Março.

Tem boas relações com Eddy Tussa e Yuri da Cunha, chegou até a escrever alguns temas para eles. Não era mais fácil ter a participacão de um deles ao invés de Puto Português? Porquê a escolha de Mr 2gueda para a colaboração?

Escolhi o Puto Português, porque sempre gostei do trabalho dele, respeito e tenho ele como uma grande referência também. A música ” Manda o Diploma ” tem a cara dele, no que concerne a letra e o canto. Quanto ao Yuri da Cunha e o Eddy Tussa, já temos tudo acertado, em breve irei gravar músicas com a participação deles. Graças a Deus o meu pedido já foi aceite por eles…

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

Quem eacreveu e qual foi o custo de produção do tema “Manda o Diploma”?

A letra e a música é da minha autoria. Graças a Deus tenho boas relações com o kota Nelo Paím e a produção teve um custo acessível para eu trabalhar e fazer uma boa música com qualidade.

O Semba é fragmentado nos hábitos, costumes e tradições culturais angolanas, elementos pouco assimilados pelos jovens. Como faz para compor suas letras?

Como todo bom letrista, melodista e compositor, eu faço de tudo para estudar a nossa sociedade e não só. Graças a Deus, tenho a capacidade de escrever histórias, que tem sempre alguém que vive ou já viveu, mas sempre a seguir a evolução das sociedades, para não ficar no tempo, porque a vida é dinâmica, mas sem fugir a base.

as cargas mais recentes

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

há 6 meses

Vanda Pedro: “O teatro é ciumento, precisas de tempo para viver e aprender intensamente”

há 3 meses
“Uma mulher de acção e artista de grande potencial”, é como quer ser lembrada a profissional de 38 anos de idade, 25 dos quais dedicados a arte da representação. Uma trajectória que nas palavras de Vanda, foi pautada por muita intensidade entre “choros e risos” que, será imortalizada no livro.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 1 ano
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 1 ano
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

Thó Simões: “É nas ruas que consigo vislumbrar alguma coisa da natureza humana”

há 4 meses

Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

há 11 meses
Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.

Reptile: “Considero-me um artista bem-sucedido e sei que muitos se revêm na minha história”

há 9 meses
No dia 27 deste mês, o rapper vai colocar mais um álbum no mercado. Intitulado I.C.O.N (Invejosos Continuam a Odiar o Nikka), a obra produzida pelo moçambicano Ell Puto e Alleny. Além de Preto Show, Rui Orlando e Tchoboli, reúne importantes artistas da nova geração.

Nucho: “É muito estranho não termos agências que consigam apanhar um artista do anonimato e fazê-lo crescer”

há 2 meses
“O que se vê nas nossas produtoras é que, basicamente pegam artistas que já estão feitos e que já têm fama na rua e depois apenas metem mais algum combustível. E também sinto que falta um bocado de originalidade. Acho que poderíamos ter artistas mais ousados. resumindo, acho que temos uma cultura saudável, acho que temos muito talento, mas acho que falta um bocado de coragem e abertura e limar algumas arestas para atingir o nível seguinte, como o da Nigéria ou da África do Sul, não só na gravação das músicas, mas essencialmente nos espectáculos ao vivo que proporcionamos ao nosso público, acho que os nossos espectáculos ainda deixam muito a desejar”.

Lendária peça teatral `Hotel Komarka´ celebra 15 anos com ciclo de apresentações

há 3 meses

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

há 1 ano
Mauro Pastrana, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 1 ano
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 1 ano
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 1 ano
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

há 8 meses
Muito antes dos Kalibrados, Laton Cordeiro já se notabilizava como produtor. Dos seus primeiros trabalhos, estão as obras de Bob da Rage Sense. Como cantor, a sua primeira música da carreira foi uma colaboração MCK. Laton conversou, ontem com a Carga e fez várias revelações.

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 1 ano
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 4 meses
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.