Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Em Fevereiro do ano passado lançou “Noites, Cantos… Madrugada”, um álbum que surge na sequência do EP “Saia Rodada e Missangas”. O que traz neste novo EP?

Diferente do “Noite, cantos… Madrugada”, que foi 95% cantado, este álbum é 95% em Rap. Como maior parte dos meus trabalhos, é mais um mergulho no meu mundo. Meus pensamentos, alegrias, tristezas, sonho, etc.

Uma obra a ser apresentada no dia 24. Porquê Viagens à Terras da Minha Cabeça?

Porque neste EP as músicas são todas retalhos de pensamentos meus. Não tenho estórias, não tenho ego trip. São mesmo só correntes de pensamentos meus.

O que traz como participações ?

Tem 6 faixas e apenas uma participação do  Mc Zai. O lançamento está previsto para dia 24 de Julho (meu aniversário) e estará disponível em todas a plataformas de streaming, incluindo no Kisom. Para venda estará exclusivamente disponível em formato digital na Soba Store.

Estava também a preparar o terceiro volume do Conjunto Ngonguenha e o “EP Mbundu”. Quando é que pensa lançar esses projectos?

O EP Mbundu está pronto. Estamos agora a criar espaço para o “Viagens à Terras da Minha Cabeça”, respirar e ter o seu espaço entre os ouvintes. Dentro de 4 a 5 meses lançamos. Quanto ao Conjunto Ngonguenha, temos a vontade de lançar o 3.º e último álbum. Temos tido dificuldade no alinhamento dos calendários individuais, mas se o universo ajudar podemos esperar pelo álbum em 2021

Quais as grandes novidades nos dois  projectos?

O Mbundu é um EP que já está gravado há mais de 1 ano. Foi totalmente produzido por Henrique Jonas, que é um produtor muito talentoso no Brasil. É um projeCto conceptual que tem como pano de fundo  a Negritude.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

De que modo os 20 anos  de carreira influenciaram no Viagens à Terra da Minha Cabeça?

A maior lição que trago do meu percurso, é que como artista devo ser destemido na entrega do que tenho para o ouvinte. Não me devo preocupar em maquilhar ou criar adornos para agradar. A minha energia deve fluir pura e “inadulterada” até ao ouvinte receptivo. O ouvinte que não gosta ou não entende, tem uma infinidade de fontes de música onde poderá encontrar o que procura.

Seus trabalhos foram sempre o reflexo de um período específico do país…

Como artista, acho que sou uma reflexão dos tempos em que vivo. Este EP embora pessoal faz referências ao tempo de hoje.

Tem sido hábito para os fãs a antecipação do álbum com um EP. Quando pensa apresentar o álbum físico ?

Devido aos novos hábitos de consumo de música, não acho que o formato de álbum tradicional funcione mais. Com a digitalização da música, a facilidade de pular de uma música para outra, de um álbum para outro e até mesmo de um artista para outro, faz com que um álbum que tenha 10 músicas, por exemplo, muito dificilmente seja consumido na sua íntegra como antes. O ouvinte é menos paciente e tem muito pouco tempo para apreciar um álbum. O indústria parece-me estar mais direccionada para singles do que álbuns. Então prefiro fazer álbuns ou EPs mais pequenos que possam ser apreciados como um só pacote.
 
Já pensou em protagonizar um concerto online para a apresentação do EP?

Claro. Este é o novo formato e quero ver como me posso encaixar nele. Estou a estudar uma forma de fazer isso acontecer, que seja marcante para o espectador e para mim também.

Foi responsável pela formação artística de vários rappers. Haverá neste EP influências do tipo de Rap que se faz hoje em dia?

Eu sou muito influenciado pelo que oiço. Essas influências na sua maioria manifestam-se de forma involuntária.  Acredito que poderão sim encontrar algumas coisas que vos façam lembrar artistas que oiço da nova e velha escola.

Como olha para este fenómeno da Nova Escola?

O fenómeno da nova escola? Eu acho que não são muito diferente de nós. Claro que existem diferenças na linguagem, na sonoridade, mas esse fosso entre as gerações vai sempre existir. A Nova Escola constrói em cima das fundações da escola anterior, assim como também fizemos. As nossas opiniões como a geração anterior não terá muito peso em relação ao que o mercado e o tempo irão nos mostrar.

Que causas atribui a esses fenómenos?

A nova forma de fazer Rap ou música actualmente, para além de outros factores, tem como uma das maiores razões, a premiação, o tempo de antena nas rádios, sucesso comercial, fama, prémios etc. A tendência em copiar o que aparentemente tem sucesso é um comportamento humano. E depois temos que saber que cada geração tem a sua linguagem de comunicação, de estética, de postura para a vida que vai sempre ter um peso muito grande nas suas manifestações culturais. Creio que o fenómeno que vemos acontecer agora, acontece sempre com o nascimento de novas gerações, a única diferença está sempre no resultado, por este ser dependente da geração anterior.

Como descreve o actual estado do movimento Hip Hop em Angola?

O Hip Hop está vivo e só cresce.  Acho que o saldo é positivo. Quanto à direcção, à sonoridade, e conteúdo, isso deixo para o mercado e o tempo decidirem o que é certo ou errado. Cada um deve fazer a sua parte como achar certo.

Por tudo que fez, está satisfeito pela forma como o movimento é levado hoje?

Independentemente do meu percurso, acho que seria mais interessante, se a diversidade do Hip Hop fosse melhor representada nas grandes televisões e rádios. Os media parece, na sua generalidade, estar mais interessado num tipo específico de Rap.

Como a nova geração podia ajudar a inverter isso?

Continuando a fazer o que está a fazer. A medida que o movimento cresce, os espaços nos media para Hip Hop vão crescendo e a necessidade de mostrar diversidade também.

as cargas mais recentes

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

há 1 ano

Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

há 2 anos
Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.

Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

há 1 ano
Numa conversa livre e aberta com a revista Carga, Coréon Dú mostrou que ainda tem muito mais para contribuir em prol da africanidade do que tudo aquilo que já fez. O autor de Pele Negra fala das últimas novidades.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 7 meses
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

há 2 anos
Mauro Pastrana, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

Cage One: “Sempre fui mal compreendido por ser diferente, agora estou a mostrar que estava certo”

há 2 anos

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 1 ano
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 2 anos
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Thó Simões: “É nas ruas que consigo vislumbrar alguma coisa da natureza humana”

há 1 ano

Nucho: “É muito estranho não termos agências que consigam apanhar um artista do anonimato e fazê-lo crescer”

há 11 meses
“O que se vê nas nossas produtoras é que, basicamente pegam artistas que já estão feitos e que já têm fama na rua e depois apenas metem mais algum combustível. E também sinto que falta um bocado de originalidade. Acho que poderíamos ter artistas mais ousados. resumindo, acho que temos uma cultura saudável, acho que temos muito talento, mas acho que falta um bocado de coragem e abertura e limar algumas arestas para atingir o nível seguinte, como o da Nigéria ou da África do Sul, não só na gravação das músicas, mas essencialmente nos espectáculos ao vivo que proporcionamos ao nosso público, acho que os nossos espectáculos ainda deixam muito a desejar”.

Lendária peça teatral `Hotel Komarka´ celebra 15 anos com ciclo de apresentações

há 1 ano

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

há 9 meses

Ontem rejeitado por não ser famoso, hoje aclamado pelos grandes. Octávio Cabuata mostra o quanto vale

há 1 mês

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

há 1 ano
A fama e o sucesso do músico começaram em 2011, com a música Não Fatiga Muangolé. Depois, chegou a lançar outros sucessos como Kero e, até ganhou o prémio Ensa Arte (2011)

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 2 anos
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

Vanda Pedro: “O teatro é ciumento, precisas de tempo para viver e aprender intensamente”

há 1 ano
“Uma mulher de acção e artista de grande potencial”, é como quer ser lembrada a profissional de 38 anos de idade, 25 dos quais dedicados a arte da representação. Uma trajectória que nas palavras de Vanda, foi pautada por muita intensidade entre “choros e risos” que, será imortalizada no livro.