Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

Muito antes dos Kalibrados, Laton Cordeiro já se notabilizava como produtor. Dos seus primeiros trabalhos, estão as obras de Bob da Rage Sense.  Como cantor, a sua primeira música da carreira foi uma colaboração com MCK. Laton conversou ontem com a Carga e fez várias revelações.

O músico foi o primeiro convidado da rubrica X Perguntas, cujo vídeo está disponível no Instagram “Carga Magazine” . Actualmente focado na carreira a solo, o artista revela as principais causas que motivavam os atritos dentro do grupo e fala sobre o futuro dos Kalibrados.

O produtor foi o último a integrar o conjunto e explica por que razão ele e o Vui eram vistos como os líderes. Durante a conversa de ontem às 19 horas, Laton revelou que Heavy foi dos que mais contribuíram para a sua carreira musical.

Para o músico, não existe nenhum grupo da nova geração capaz de chegar aos pés dos Kalibrados, por mais sucesso e dinheiro que faça. “Por mais sucesso que faça, por mais dinheiro que façam, nunca vão chegar aos pés dos Kalibrados.

Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

Sobre a sua não participação no Projecto X, o artista disse ter ficado surpreendido com a atitude dos seus colegas e acredita que, se estivesse presente, nenhum dos integrantes dos Kalibrados faria parte do Projecto X e justifica.

“Eu também assustei porque ninguém ligou a dizer se eu autorizasse (…)”, começa por dizer.

Além de novos projectos musicais, tem estado a documentar ficheiros filmográficos. No entender do músico, são os ouvintes que influenciam os músicos a compor canções “descartáveis”.

Laton criou uma associação cívica e descreve as suas aspirações políticas. Acompanhe os detalhes da conversa no Instagram “Carga Magazine”.

as cargas mais recentes

De volta ao estrelato: Saiba mais sobre o autor do hit ‘Manda o Diploma’

há 2 anos
A fama e o sucesso do músico começaram em 2011, com a música Não Fatiga Muangolé. Depois, chegou a lançar outros sucessos como Kero e, até ganhou o prémio Ensa Arte (2011)

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 3 anos
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Universidade Hip Hop Angola: 10 anos a alicerçar os elementos, conceitos e fundamentos da Cultura Hip Hop

há 2 anos
Criada há uma década, mais propriamente aos 6 de Março de 2011, pelo “sexteto” Quartel d’Áfrika, oriundos da Mulemba Waxa Ngola, local onde foi enraizada a catedral do conhecimento do Hip Hop nacional.

Cage One: “Sempre fui mal compreendido por ser diferente, agora estou a mostrar que estava certo”

há 2 anos

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

há 3 anos
Mauro Pastrana, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 3 anos
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

Ontem rejeitado por não ser famoso, hoje aclamado pelos grandes. Octávio Cabuata mostra o quanto vale

há 10 meses

Revolucionou e tornou-se magnata da música. Hochi Fu fala sobre o seu futuro

há 2 anos

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 3 anos
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 3 anos
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 3 anos
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

há 1 ano

Reptile: “Considero-me um artista bem-sucedido e sei que muitos se revêm na minha história”

há 2 anos
No dia 27 deste mês, o rapper vai colocar mais um álbum no mercado. Intitulado I.C.O.N (Invejosos Continuam a Odiar o Nikka), a obra produzida pelo moçambicano Ell Puto e Alleny. Além de Preto Show, Rui Orlando e Tchoboli, reúne importantes artistas da nova geração.

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 2 anos
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

há 2 anos
Numa conversa livre e aberta com a revista Carga, Coréon Dú mostrou que ainda tem muito mais para contribuir em prol da africanidade do que tudo aquilo que já fez. O autor de Pele Negra fala das últimas novidades.

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 3 anos
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.