Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

Muito antes dos Kalibrados, Laton Cordeiro já se notabilizava como produtor. Dos seus primeiros trabalhos, estão as obras de Bob da Rage Sense.  Como cantor, a sua primeira música da carreira foi uma colaboração com MCK. Laton conversou ontem com a Carga e fez várias revelações.

O músico foi o primeiro convidado da rubrica X Perguntas, cujo vídeo está disponível no Instagram “Carga Magazine” . Actualmente focado na carreira a solo, o artista revela as principais causas que motivavam os atritos dentro do grupo e fala sobre o futuro dos Kalibrados.

O produtor foi o último a integrar o conjunto e explica por que razão ele e o Vui eram vistos como os líderes. Durante a conversa de ontem às 19 horas, Laton revelou que Heavy foi dos que mais contribuíram para a sua carreira musical.

Para o músico, não existe nenhum grupo da nova geração capaz de chegar aos pés dos Kalibrados, por mais sucesso e dinheiro que faça. “Por mais sucesso que faça, por mais dinheiro que façam, nunca vão chegar aos pés dos Kalibrados.

Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

Sobre a sua não participação no Projecto X, o artista disse ter ficado surpreendido com a atitude dos seus colegas e acredita que, se estivesse presente, nenhum dos integrantes dos Kalibrados faria parte do Projecto X e justifica.

“Eu também assustei porque ninguém ligou a dizer se eu autorizasse (…)”, começa por dizer.

Além de novos projectos musicais, tem estado a documentar ficheiros filmográficos. No entender do músico, são os ouvintes que influenciam os músicos a compor canções “descartáveis”.

Laton criou uma associação cívica e descreve as suas aspirações políticas. Acompanhe os detalhes da conversa no Instagram “Carga Magazine”.

as cargas mais recentes

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 1 ano
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 2 anos
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Ontem rejeitado por não ser famoso, hoje aclamado pelos grandes. Octávio Cabuata mostra o quanto vale

há 3 meses

Lendária peça teatral `Hotel Komarka´ celebra 15 anos com ciclo de apresentações

há 1 ano

Revolucionou e tornou-se magnata da música. Hochi Fu fala sobre o seu futuro

há 1 ano

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 2 anos
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Reptile: “Considero-me um artista bem-sucedido e sei que muitos se revêm na minha história”

há 2 anos
No dia 27 deste mês, o rapper vai colocar mais um álbum no mercado. Intitulado I.C.O.N (Invejosos Continuam a Odiar o Nikka), a obra produzida pelo moçambicano Ell Puto e Alleny. Além de Preto Show, Rui Orlando e Tchoboli, reúne importantes artistas da nova geração.

AFRIMA passa a contar com uma agência oficial em Angola

há 2 meses
Doravante, a organização dos prémios africanos de música “All Africa Music Awards” (AFRIMA) terá um representente oficial em Angola. Trata-se da Cloe Management, uma agência angolana de gestão internacional de carreira de músicos, produtores e marcas independentes criada em 2006 por Clotilde Muhongo Baiua.

Vanda Pedro: “O teatro é ciumento, precisas de tempo para viver e aprender intensamente”

há 1 ano
“Uma mulher de acção e artista de grande potencial”, é como quer ser lembrada a profissional de 38 anos de idade, 25 dos quais dedicados a arte da representação. Uma trajectória que nas palavras de Vanda, foi pautada por muita intensidade entre “choros e risos” que, será imortalizada no livro.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 2 anos
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 9 meses
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

há 2 anos
O músico tem um novo álbum. Intitula-se “Sete Momentos De Lucidez” e vai sair já no próximo mês. Uma obra em que apresenta suas experiências e reflexões sobre a sociedade e a existência humana.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 2 anos
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

Thó Simões: “É nas ruas que consigo vislumbrar alguma coisa da natureza humana”

há 1 ano

Nucho: “É muito estranho não termos agências que consigam apanhar um artista do anonimato e fazê-lo crescer”

há 1 ano
“O que se vê nas nossas produtoras é que, basicamente pegam artistas que já estão feitos e que já têm fama na rua e depois apenas metem mais algum combustível. E também sinto que falta um bocado de originalidade. Acho que poderíamos ter artistas mais ousados. resumindo, acho que temos uma cultura saudável, acho que temos muito talento, mas acho que falta um bocado de coragem e abertura e limar algumas arestas para atingir o nível seguinte, como o da Nigéria ou da África do Sul, não só na gravação das músicas, mas essencialmente nos espectáculos ao vivo que proporcionamos ao nosso público, acho que os nossos espectáculos ainda deixam muito a desejar”.

Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

há 2 anos
Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.