Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

Considera a Rainha do Afro House em Angola, Maya Zuda ficou ininterruptamente no trono durante 5 anos. No seu “reinado”, prometeu lançar um CD, mas não aconteceu. Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.

Está a gravar novas músicas. Essas produções farão parte de algum trabalho específico ou são apenas para mostrar que está de volta?
Serão músicas para minha EP digital, que irei lançar ainda este ano. De certa forma, mostrará que estou de volta.

“Minha Bênção” é um álbum de que muito se falou. Onde é que o colocou?
Será o nome do meu EP. O álbum só irei lançar próximo ano. Não lancei por n situações .

Diz que está agora muito mais madura. Como é que podemos encarar este amadurecimento?
Ouvindo e observando o meu trabalho, e a minha pessoa .

Afirmou que hoje vê a cultura com outros olhos e que pretende conquistar o mundo. De que forma vê a cultura actualmente?
A cultura em Angola evoluiu muito mas, falando especificamente na área musical e no estilo Afro House, sinto que banalizou um bocado. Hoje em dia, já não se consegue distinguir o Afro do Kuduro, e o mercado ficou muito descartável.

E que planos traçou para conquistar outros mercados?
Trabalhar muito. Trabalhar na minha pessoa, investir em mim em todos os sectores , trabalhar na minha musicalidade . Trabalho, foco, fé e determinação é o que preciso .

Seus temas Kwamkwaram, Simba We, Libobo etc marcaram uma fase específica do Afro House no país. Que estilo vai marcar o seu ressurgimento?
Isto só saberemos com o tempo .

Está a dizer que vai deixar o mercado como está?
O mercado está competitivo, exigente. No meu estilo está a ficar banalizado, as músicas estão cada vez mais descartáveis.

Com isso a Maya quer dizer o quê?
Que precisamos ser mais criativos em termos de letra ou seja “adoço”. Quero dizer que é o que se faz mais hoje em dia e ter atenção as danças.

Apesar de dançante, seu repertório é inovador. Que novidades teremos no próximo álbum de Maya Zuda?
Muitas novidades pretendo explorar mais meu lado musical.

Mas o álbum é apenas imaginário ou é algo em que está também focada?
Já está focado, estruturado e em breve ouvirão falar sobre ele.

De concreto, por que decidiu regressar?
Estou mais madura e o meu regresso será marcado com o meu EP.

Daqui a a pouco estará a celebrar os 8 anos de carreira. O que preparou a data?
Sinceramente não preparei nada. Talvez prepare .

Ausentou-se é outras rainhas surgiram. Como vai vai fazer para resgatar o título de “rainha do Afro House em Angola?
Foi o que me intitularam, até ao momento sinto que nada mudou .

Qual a sua opinião sobre o Afro House feito pelas mulheres em Angola?
Não tenho muito a dizer porque infelizmente somos muito poucas e não se ouve quase nada de mulheres no Afro. Gostaria de ouvir mais e que existissem mais mulheres a liderarem o Afro House na sua melhor versão.

as cargas mais recentes

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 8 meses
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 6 meses
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 8 meses
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 7 meses
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Cage One: “Sempre fui mal compreendido por ser diferente, agora estou a mostrar que estava certo”

há 1 semana

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 4 meses
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

há 8 meses
Mauro Pastrana, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 3 meses
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 6 meses
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 7 meses
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.