Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

Considera a Rainha do Afro House em Angola, Maya Zuda ficou ininterruptamente no trono durante 5 anos. No seu “reinado”, prometeu lançar um CD, mas não aconteceu. Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.

Está a gravar novas músicas. Essas produções farão parte de algum trabalho específico ou são apenas para mostrar que está de volta?
Serão músicas para minha EP digital, que irei lançar ainda este ano. De certa forma, mostrará que estou de volta.

“Minha Bênção” é um álbum de que muito se falou. Onde é que o colocou?
Será o nome do meu EP. O álbum só irei lançar próximo ano. Não lancei por n situações .

Diz que está agora muito mais madura. Como é que podemos encarar este amadurecimento?
Ouvindo e observando o meu trabalho, e a minha pessoa .

Afirmou que hoje vê a cultura com outros olhos e que pretende conquistar o mundo. De que forma vê a cultura actualmente?
A cultura em Angola evoluiu muito mas, falando especificamente na área musical e no estilo Afro House, sinto que banalizou um bocado. Hoje em dia, já não se consegue distinguir o Afro do Kuduro, e o mercado ficou muito descartável.

E que planos traçou para conquistar outros mercados?
Trabalhar muito. Trabalhar na minha pessoa, investir em mim em todos os sectores , trabalhar na minha musicalidade . Trabalho, foco, fé e determinação é o que preciso .

Seus temas Kwamkwaram, Simba We, Libobo etc marcaram uma fase específica do Afro House no país. Que estilo vai marcar o seu ressurgimento?
Isto só saberemos com o tempo .

Está a dizer que vai deixar o mercado como está?
O mercado está competitivo, exigente. No meu estilo está a ficar banalizado, as músicas estão cada vez mais descartáveis.

Com isso a Maya quer dizer o quê?
Que precisamos ser mais criativos em termos de letra ou seja “adoço”. Quero dizer que é o que se faz mais hoje em dia e ter atenção as danças.

Apesar de dançante, seu repertório é inovador. Que novidades teremos no próximo álbum de Maya Zuda?
Muitas novidades pretendo explorar mais meu lado musical.

Mas o álbum é apenas imaginário ou é algo em que está também focada?
Já está focado, estruturado e em breve ouvirão falar sobre ele.

De concreto, por que decidiu regressar?
Estou mais madura e o meu regresso será marcado com o meu EP.

Daqui a a pouco estará a celebrar os 8 anos de carreira. O que preparou a data?
Sinceramente não preparei nada. Talvez prepare .

Ausentou-se é outras rainhas surgiram. Como vai vai fazer para resgatar o título de “rainha do Afro House em Angola?
Foi o que me intitularam, até ao momento sinto que nada mudou .

Qual a sua opinião sobre o Afro House feito pelas mulheres em Angola?
Não tenho muito a dizer porque infelizmente somos muito poucas e não se ouve quase nada de mulheres no Afro. Gostaria de ouvir mais e que existissem mais mulheres a liderarem o Afro House na sua melhor versão.

as cargas mais recentes

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

há 2 anos
Mauro Pastrana, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

AFRIMA passa a contar com uma agência oficial em Angola

há 2 meses
Doravante, a organização dos prémios africanos de música “All Africa Music Awards” (AFRIMA) terá um representente oficial em Angola. Trata-se da Cloe Management, uma agência angolana de gestão internacional de carreira de músicos, produtores e marcas independentes criada em 2006 por Clotilde Muhongo Baiua.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

há 1 ano

Último capítulo. Hochi Fu: “Ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano, então deixem de fazer videoclip lá fora!”

há 1 ano

Lendária peça teatral `Hotel Komarka´ celebra 15 anos com ciclo de apresentações

há 1 ano

Universidade Hip Hop Angola: 10 anos a alicerçar os elementos, conceitos e fundamentos da Cultura Hip Hop

há 1 ano
Criada há uma década, mais propriamente aos 6 de Março de 2011, pelo “sexteto” Quartel d’Áfrika, oriundos da Mulemba Waxa Ngola, local onde foi enraizada a catedral do conhecimento do Hip Hop nacional.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 2 anos
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

há 2 anos
Muito antes dos Kalibrados, Laton Cordeiro já se notabilizava como produtor. Dos seus primeiros trabalhos, estão as obras de Bob da Rage Sense. Como cantor, a sua primeira música da carreira foi uma colaboração MCK. Laton conversou, ontem com a Carga e fez várias revelações.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 2 anos
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

há 1 ano
Numa conversa livre e aberta com a revista Carga, Coréon Dú mostrou que ainda tem muito mais para contribuir em prol da africanidade do que tudo aquilo que já fez. O autor de Pele Negra fala das últimas novidades.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 2 anos
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 9 meses
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

Ontem rejeitado por não ser famoso, hoje aclamado pelos grandes. Octávio Cabuata mostra o quanto vale

há 3 meses

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 1 ano
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

Vanda Pedro: “O teatro é ciumento, precisas de tempo para viver e aprender intensamente”

há 1 ano
“Uma mulher de acção e artista de grande potencial”, é como quer ser lembrada a profissional de 38 anos de idade, 25 dos quais dedicados a arte da representação. Uma trajectória que nas palavras de Vanda, foi pautada por muita intensidade entre “choros e risos” que, será imortalizada no livro.

Nucho: “É muito estranho não termos agências que consigam apanhar um artista do anonimato e fazê-lo crescer”

há 1 ano
“O que se vê nas nossas produtoras é que, basicamente pegam artistas que já estão feitos e que já têm fama na rua e depois apenas metem mais algum combustível. E também sinto que falta um bocado de originalidade. Acho que poderíamos ter artistas mais ousados. resumindo, acho que temos uma cultura saudável, acho que temos muito talento, mas acho que falta um bocado de coragem e abertura e limar algumas arestas para atingir o nível seguinte, como o da Nigéria ou da África do Sul, não só na gravação das músicas, mas essencialmente nos espectáculos ao vivo que proporcionamos ao nosso público, acho que os nossos espectáculos ainda deixam muito a desejar”.