“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

O músico angolano Mauro Pastrana, autor do sucesso “Na má vida”, encontra-se em Portugal a gravar o vídeo da música “Motivo”. Ainda assim, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

O que tem feito nos últimos tempos?
O Pastrana continua a trabalhar com a música, quem me conhece e acompanha o meu trabalho sabe que boa música e qualidade não faltam, sou apenas mais um de muitos artistas que não simpatiza-se com a mídia convencional. Sendo assim, é quase impossível saberem de mim se acompanharem somente a TV, Revistas Cor-de-rosa e Páginas de Fofoca.

Quais os projectos concretos que executou nos últimos dois anos?
Desde 2018 que tenho lançado vários projectos, que graças a Deus têm sido bem recebidos. O Primeiro foi o “Afro-Trap”, que contou com a música “Com a tua amiga” feat Zona 5. O segundo foi o “Hat-Trick”, com temas como “Andamento”, “Karma”, com as participações de Lil Drizzy e Edgar Domingos, respectivamente.
O último foi lançado em Setembro de 2019, intitulado “Poker”. Neste momento (9 de Março) estou em Lisboa a filmar o vídeo da música “Motivo”, que faz parte do Poker. Em Abril ou Maio sai o próximo projecto.

É conhecido por fazer várias fusões, qual o género musical com que se identifica?
Já me foi questionado várias vezes, principalmente por rappers. Eles sabem o que sou e represento, mas sei que o problema dos rappers não é a música e sim a pessoa.

Quer explicar?
Parece que sentem-se roubados quando surge mais um MC. Acredito que se a música “Má Vida” não tivesse o sucesso que teve não iriam julgar o que sou. Muitos tentaram fazer músicas com outras vibes e não tiveram sucesso, e quando outro rapper tem sucesso com outras vibes é julgado e chamam-no de fake, engraçados!

“O problema dos rappers não é a música, mas sim a pessoa. Parece que sentem-se roubados quando surge mais um MC”.

Está a dizer que são moralistas sem moral?
A meta desses supostos rappers, que ainda estão perdidos no tempo, é lutar para provar aos outros que ainda rimam bwé. No meu caso está em causa somente a música, por isso não vejo porquê não fazer mistura com outros géneros, até porque se for Rap levarei bastantes e não há dúvidas.

É da opinião que os músicos, independentemente do género que cantam, devem experimentar outras vibes?
Tenho capacidade de fazer várias cenas ligadas a música e não vou me limitar somente fazendo Rap, vivo como rapper, a minha filosofia musical é de rapper, a base de qualquer música que ouvires do Pastrana é o Rap.

Eu e os “meus” descobrimos muito cedo que essas fusões têm muito em comum, o trap tem quase o mesmo BPM do Kuduro, por isso não assustem se um dia ouvirem rappers americanos a droparem em Beats parecidos. Depois os tais rappers, hipócritas, virão com o discurso que estão a lutar para manter às raízes de algo que é nosso, quando nunca deram valor. Eu misturo até com Zouk, curto bwé dessa cena, mas se ouvires o flow verás que é um rapper a fazer aquilo.
Portanto, já não luto para provar se sou rapper ou não, sou o Pastrana e o Pastrana é muito mais do que isso.

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

Qual a diferença entre o Pastrana de ontem e o de hoje?
Acredito que a diferença está somente na maturidade, anos passam e vivemos coisas novas, logo aprendemos coisas novas, passámos a ser mais experientes e cautelosos.
O ser humano acerta e falha e quando erramos aprendemos, eu experimento coisas e muitas vezes erro, neste caso aprendo e assim vou me tornando mais homem e mais maduro. É quase impossível ser a mesma pessoa depois desses anos todos.

Numa das suas músicas lançou uma indirecta que foi directa para o Preto Show, qual foi o motivo?
Na verdade foi apenas um desabafo, muitas vezes uso a música para tirar de dentro as dores, alegrias e tristezas, foi nesse contexto que lancei a linha

Mas existe algum problema entre ambos?
Não temos problemas, apenas deixamos de ser amigos.

“Eu e o Preto Show vivemos muitas coisas e aprendi muito com ele, falar do que se passou entre nós estaria a por em causa a nossa integridade”.

O que se passou de concreto?
Eu e o Preto Show vivemos muitas coisas e aprendi muito com ele, falar do que se passou entre nós estaria a por em causa a nossa integridade, tenho muito respeito por ele e a sua família, infelizmente a vida tem dessas, nem tudo é para sempre.
Talvez o que Deus traçou ao cruzarmos era transmitir-nos alguma mensagem, algum aprendizado com relação amizade, irmandade e lealdade. Hoje cada um segue o seu caminho e desejo tudo de bom para ele, agora está na altura de ir buscar o que sempre foi meu.

Agora que toca neste assunto, fez muitos amigos “na música”?
O conceito de amizade é bwé diferente daquilo que vivi com alguns colegas, nunca fui fake ou interesseiro com os manos que comigo conviveram, mas hoje não posso dizer se fiz mais amigos ou inimigos, o mais difícil nesse mundo são as relações humanas. Do meu lado, continuo um puto respeitoso, não me incomodo com o sucesso de ninguém e por isso não tem como me tornar inimigo dos meus colegas.

“Actualmente sou barrado numa TV e existem rádios que não passam a minha música”

Se tivesse o poder de decidir a quem atribuiria o prémio de músico revelação?
A música tem crescido bastante, eu tenho acompanhado a evolução e o surgimento de vários artistas em diferentes géneros, mas falando do Rap surgiram três putos que andam com bastante garra, nomeadamente o Johnny Berry, Uami Ndongadas e Paulelson, há outros putos bons, mas esses têm se destacado.

O que falta para o Pastrana se impor definitivamente?
Eu acredito que o que fiz e tenho feito é suficiente para me impor, infelizmente o monopólio criado na música em Angola faz parecer que somente os músicos de supostas produtoras é que trabalham e merecem o reconhecimento, nós sabemos como isso funciona.
Sou um músico independentemente, e é mais complicado atingir certas metas (não é impossível). Provavelmente levarei mais tempo para alcançar isso, porque não sou bajulador, nem coloco em causa o meu carácter para estar na TV ou passar na rádio (actualmente sou barrado numa TV e existem rádios que não passam a minha música). Mas isso me fortalece, a Força Suprema é exemplo de que com trabalho e dedicação se chega longe, então é só bulir.

as cargas mais recentes

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 7 meses
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 7 meses
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.

Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

há 2 meses
Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 5 meses
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 6 meses
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 3 meses
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 3 meses
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 7 meses
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 7 meses
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.