“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

Muito cedo, Mamy- The Miss Skills descobriu o gosto pela música, hoje a jovem tornou-se no principal símbolo de resistência do rap. Em conversa com a Carga Magazine, falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Para além do Ta kuyar, tem outros singles em forja e, a quantas andam?
Estou a preparar o lançamento do próximo single para estes próximos dias. Saí agora em Março, de certeza. O título é Atitude Negra e é uma celebração da mulher negra, da melanina, dos traços grossos e do cabelo crespo.

Quando é que pretende publicar o EP Famme Fatale II? Quantas musicas poderá comportar?
Gostaria de lançá-lo em Junho e ter no máximo 8 músicas.

Prevê participações de mais artistas? Quem seriam? Por quê?
Durante estes últimos anos surgiram muitos artistas espectaculares que despertam o meu interesse para participações. E tem também aqueles OGs que sempre sonhei colaborar. Por enquanto não posso avançar nenhuma participação por não estarem efectivadas.

A nível de abordagens, o que podemos esperar?
Trago sempre uma mistura de egocentrismo exacerbado e conteúdo lírico. Temas de intervenção social. Mas, desta vez, tento dar mais atenção ao amor .

Como avalia este processo de aceitação e consciencialização dos nossos traços?
O cabelo crespo/natural ter entrado na moda foi das modas mais positivas que já se teve. O processo de aceitação é doloroso, pois são anos e anos a achar que o padrão de beleza ocidental é o mais correcto e de repente temos que olhar e entender que a beleza não tem definição. Temos que aprender a amar os nossos traços, a nossa melanina, o nosso cabelo e tudo isso na base de um resgate cultural. Demos passos grandes, ainda falta… mas sinto-me muito feliz actualmente em relação a isso.

Podemos dizer que as rappers?
Assim de memória, eu, Khris e Girinha fomos as que sempre falaram e defenderam a mulher negra e os traços da mulher negra. Tanto em músicos mas principalmente dando o exemplo: eu comecei a usar cabelo natural em 2013 quando não era “moda” e sofri muito bullying porque achavam que eu estava pobre, chamavam-me de maluca mas eu sabia do meu propósito e sabia que eu só queria ser natural. E hoje tenho muitas mulheres mesmo que me dizem que ganharam coragem para usar o cabelo delas porque eu sempre usei o meu com orgulho e sempre defendia os nossos traços.

Até que ponto o “egocentrismo exacerbado” é positivo na música?

Eu penso que quando um ouvinte acorda de manhã e olha para o espelho, se ele ouvir uma música com egocentrismo, aquilo acaba por ser um motivador. Ele vive como se fosse ele, ele acredita que é capaz, que é grande e forte. E isso é um impacto positivo.

Conte-nos como tem conseguido conciliar a carreira de engenharia química, radialista com a música?
Tem sido bem cansativa porque para além disso tenho a minha filha. Mas basicamente tem a ver com gerir a agenda definindo prioridades segundo o nível de importância e me focar em completar tarefas diárias. E acima de tudo tento ter disciplina.

Como e que esta a viver o mês de Março?
Como qualquer outro mês. De verdade não sou muito ligada à clichés e este mês sinto muito isso. Especialmente homens que passam o ano todo a falar mal das mulheres de repente passamos a ser a melhor “coisa” do mundo. É o mês da hipocrisia mas vale a pena a atenção dada quando tiramos proveito.

A propósito, como olha para a valorização da mulher angolana?
Penso que é muito voltada ao sofrimento. A mulher que sofre, que sacrifica muito é que é mulher, é que é angolana. Romantiza-se o sofrimento das zungueiras e tenta-se utilizá-las como símbolo de mulher porque são batalhadoras, o que não deixam de ser, mas isso é romantizar a pobreza. A mulher angolana deve ser tudo, até a preguiçosa é mulher. Agora devemos sim incentivar, educar, motivar e dar exemplo à mulher angolana para que ela não ceda aos valores invertidos da sociedade moderna e possa sim ser uma base de espiritualidade e princípios sem nos esquecermos que somos seres humanos, também erramos.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

Ainda no que toca à valorização, considera que as mulheres já conquistaram o seu espaço no Rap, que é maioritariamente cantado por homens?
Acho que ainda não. Tem muita estrada pela frente. Ainda não conseguimos ter uma mão cheia de mulheres nos tops .
E quanto mais duro vai ficando o mercado musical mais difícil se torna para essas mulheres conseguirem destaques. Num país em que ainda ouço muitos ouvintes dizerem “não gosto nem consigo ouvir rap feminino”.

Na sua óptica é importante que se impor “títulos” como tem sido da praxe?

Eu acho que títulos são só isso “títulos”. De certeza há quem tenha necessidade ter um título mas tudo é relevante porque o que realmente importa é o teu conteúdo. Há muitos reis e rainhas falhados na história. Eu não dou relevância a títulos.

Ainda existe rivalidade entre as rappers angolanas?

As rivalidades vão sempre existir até porque muitas delas partem de um cariz pessoal, que depois pode ser levado para música. E dentro do rap/Hip Hop, a disputa de egos e os posicionamentos levam quase sempre a situações desagradáveis. Relações interpessoais são complicadas.

Nesta senda, quem é a Rainha do Rap?
Pergunta bem complicada, porque teria que definir o que é ser rainha. Até hoje nenhuma mulher teve sucesso 100% do rap, música mais premiado com rap, venceu prémios cantando 100% rap e nos homens tem isso, daí ficar complicado. Tivemos a D. Kelly, que para a época atingiu um bom patamar, a Girinha, que era apontada como tal , mas por alguma razão “perdeu-se” e actualmente temos a maior artista de rap que é a Eva.

Pretende fazer do Femme Fatale uma saga?
Sim pretendo. Depois do êxito do primeiro e pelo nome ter colado, decidi dar continuidade…

Sobre a sua trajectória, qual foi a pior experiência que teve que passar por assumir-se como Rap?
Não diria ter uma pior experiência. Tem os velhos clichés das pessoas pensarem que é música de homem ou de delinquentes e tem ainda aqueles que me subestimam quando ouvem que sou rapper e durante a entrevista ficam surpreendidos com o conteúdo e feitos que tenho na vida.

E quais as experiências que a marcaram de forma indelével?
Não me canso de falar de duas experiências: 1.ª foi ser convidada por um grupo de rap muito conceituado no Brasil: os Inquérito. Gravamos uma música que entrou no EP a comemorar 20 anos de carreira dos mesmos e tive o maior prazer de gravar o vídeoclipe com eles no meio da Av. Paulista, lá em São Paulo, Brasil. Foi uma experiência única e enriquecedora.

2.ª foi cantar no palco do Top dos mais Queridos pela primeira vez, algo inédito e que pelo que pesquisei supostamente sou a primeira rapper a fazê-lo, fazendo assim história ao lado do Yannick, pois foi o 1.º rapper a vencer. Fui à convite do enorme Ricardo Lemvo onde fizemos uma música com o título Fiko Fiko e apresentamos no palco. Fui muito bem tratada e recebi muito mais carinho ainda depois da minha actuação.

Como avalia o regresso da Revista Carga, agora num formato digital?
Olha, fiquei muito feliz. Era a única revista 100% dedicada a música com conteúdo de qualidade e que dava visibilidade à comunidade/cultura Hip Hop. Era única que fazia avaliação de álbuns lançados. Era a única revista que eu comprava e infelizmente cessou.
Entendo os custos que acarretava e por na verdade estarmos na era digital, ainda com as dificuldades de Internet do nosso país, acho que o digital é uma óptima opção, até para poupar o meio ambiente. Acredito que voltarão com a mesma qualidade.

as cargas mais recentes

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 10 meses
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

Revolucionou e tornou-se magnata da música. Hochi Fu fala sobre o seu futuro

há 12 meses

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 2 anos
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Coréon Dú: “Em três décadas de vida, notei que existe uma forte crise de auto- estima sobre a negritude”

há 11 meses
Numa conversa livre e aberta com a revista Carga, Coréon Dú mostrou que ainda tem muito mais para contribuir em prol da africanidade do que tudo aquilo que já fez. O autor de Pele Negra fala das últimas novidades.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 4 meses
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 2 anos
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 2 anos
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 2 anos
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

Vanda Pedro: “O teatro é ciumento, precisas de tempo para viver e aprender intensamente”

há 9 meses
“Uma mulher de acção e artista de grande potencial”, é como quer ser lembrada a profissional de 38 anos de idade, 25 dos quais dedicados a arte da representação. Uma trajectória que nas palavras de Vanda, foi pautada por muita intensidade entre “choros e risos” que, será imortalizada no livro.

Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

há 1 ano
O músico tem um novo álbum. Intitula-se “Sete Momentos De Lucidez” e vai sair já no próximo mês. Uma obra em que apresenta suas experiências e reflexões sobre a sociedade e a existência humana.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

há 12 meses

Lendária peça teatral `Hotel Komarka´ celebra 15 anos com ciclo de apresentações

há 9 meses

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 2 anos
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.

Thó Simões: “É nas ruas que consigo vislumbrar alguma coisa da natureza humana”

há 10 meses

Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

há 1 ano
Muito antes dos Kalibrados, Laton Cordeiro já se notabilizava como produtor. Dos seus primeiros trabalhos, estão as obras de Bob da Rage Sense. Como cantor, a sua primeira música da carreira foi uma colaboração MCK. Laton conversou, ontem com a Carga e fez várias revelações.

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

há 6 meses