Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. A sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry, Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou a sua aula magna. 

A não partitura da música angolana, sobretudo o Semba, é apontada como uma das principais razões que faz com que o estilo não seja parte dos planos curriculares. Como analisa o assunto? 
Pautar a música tradicional africana é uma forma de voltarmos ao colonialismo. Em nenhuma parte do planeta a música folclórica tradicional é pautada. Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura. Como você vai pautar o Txianda, por exemplo? 

E como conseguiu fazer a universidade em etno-musicologia? 
Já desenvolvi actividades ligadas à promoção do Rap, Jazz, RnB e Gospel. Depois de tantos anos a ler e tocar música pautada, decidi aprender a música africana, que é a minha identidade. Foram os negros americanos que despertaram a minha africanidade.

Falando assim, fica difícil dizer que chegaremos lá…
Eu acho estranho e abismal. Como é que na minha própria nação a preservação e promoção da nossa identidade parece uma espinha travada na garganta dos dirigentes.

Por que diz isso? 
Os dirigentes africanos não conseguem engolir o facto de nós sermos africanos. Este é o problema que África tem. Temos dirigentes que se sentem a par de nós. Sentem-se como europeus. Criam projectos sem pensar na preservação da identidade. 

Os músicos o têm consultando? 
Sim, tem alguns que deixam a vergonha, mas outros nem por isso. Quando vim de fora houve alguns que vieram ter comigo e descobriram que há um ritmo que andam a tocar errado esse tempo todo.

Na sua opinião por que acha que permitiam isso? 
A metodologia e a didáctica da música africana é posta de lado. A expressão corporal do aluno pode me servir de pauta. O africano é que contribuiu para o desenvolvimento da música popular recreativa como o Jazz,R&B, Pop, Rock n Roll, Salsa, Rumba ou Raggae.

Até que ponto é importante ensinar a música folclórica africana às crianças? 
É de extrema importância, porque uma criança angolana, isto aplica-se em qualquer parte de África, deveria ter os instrumentos de carácter africano ligado à nossa identidade cultural. Para torná-lo mais prestável no que diz respeito a sua participação no desenvolvimento da cultura, só desta forma vamos reproduzir um David Zé, Lulas da Paixão ou Bangão.

Esta a dizer que o canto, o instrumento e a dança não se devem separar da arte folclórica? 
Exactamente! Os instrumentos têm a ver com o canto e o canto com a dança, e no meio deles está a língua. Estes são os eixos da pedagogia e metodologia das artes folclóricas africanas.

Mas, já há escolas a incluírem nos seus planos curriculares aulas de danças contemporâneas. Não considera meio passo dado? 
Sem desprezar o que é dos outros, mas uma criança africana aprender primeiro o piano, o balé, a flauta europeia ou o canto lírico é um desrespeito aos nossos antepassados.

Como tem sido a participação  dos alunos nas aulas? 
As crianças, adolescentes e adultos estão muito maravilhados e dizem que nunca tinham visto. Eles vêem de perto o processo orgânico. Aprendem as origens do Semba e como se toca uma Djembe, Shekaré, Dikanza, Ngoma etc..

as cargas mais recentes

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 7 meses
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 5 meses
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

“Não tenho problemas com Preto Show, apenas deixamos de ser amigos”

há 7 meses
Mauro Pastrana, tirou um tempo para uma entrevista com Revista Carga, onde, entre os vários temas, falou dos seus projectos, da forma como é visto por outros rappers, de alguns obstáculos na sua carreira e da “punchline” contra o Preto Show.

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 3 meses
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

há 2 meses
Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 6 meses
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 7 meses
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 3 meses
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 7 meses
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.