Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. A sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry, Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou a sua aula magna. 

A não partitura da música angolana, sobretudo o Semba, é apontada como uma das principais razões que faz com que o estilo não seja parte dos planos curriculares. Como analisa o assunto? 
Pautar a música tradicional africana é uma forma de voltarmos ao colonialismo. Em nenhuma parte do planeta a música folclórica tradicional é pautada. Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura. Como você vai pautar o Txianda, por exemplo? 

E como conseguiu fazer a universidade em etno-musicologia? 
Já desenvolvi actividades ligadas à promoção do Rap, Jazz, RnB e Gospel. Depois de tantos anos a ler e tocar música pautada, decidi aprender a música africana, que é a minha identidade. Foram os negros americanos que despertaram a minha africanidade.

Falando assim, fica difícil dizer que chegaremos lá…
Eu acho estranho e abismal. Como é que na minha própria nação a preservação e promoção da nossa identidade parece uma espinha travada na garganta dos dirigentes.

Por que diz isso? 
Os dirigentes africanos não conseguem engolir o facto de nós sermos africanos. Este é o problema que África tem. Temos dirigentes que se sentem a par de nós. Sentem-se como europeus. Criam projectos sem pensar na preservação da identidade. 

Os músicos o têm consultando? 
Sim, tem alguns que deixam a vergonha, mas outros nem por isso. Quando vim de fora houve alguns que vieram ter comigo e descobriram que há um ritmo que andam a tocar errado esse tempo todo.

Na sua opinião por que acha que permitiam isso? 
A metodologia e a didáctica da música africana é posta de lado. A expressão corporal do aluno pode me servir de pauta. O africano é que contribuiu para o desenvolvimento da música popular recreativa como o Jazz,R&B, Pop, Rock n Roll, Salsa, Rumba ou Raggae.

Até que ponto é importante ensinar a música folclórica africana às crianças? 
É de extrema importância, porque uma criança angolana, isto aplica-se em qualquer parte de África, deveria ter os instrumentos de carácter africano ligado à nossa identidade cultural. Para torná-lo mais prestável no que diz respeito a sua participação no desenvolvimento da cultura, só desta forma vamos reproduzir um David Zé, Lulas da Paixão ou Bangão.

Esta a dizer que o canto, o instrumento e a dança não se devem separar da arte folclórica? 
Exactamente! Os instrumentos têm a ver com o canto e o canto com a dança, e no meio deles está a língua. Estes são os eixos da pedagogia e metodologia das artes folclóricas africanas.

Mas, já há escolas a incluírem nos seus planos curriculares aulas de danças contemporâneas. Não considera meio passo dado? 
Sem desprezar o que é dos outros, mas uma criança africana aprender primeiro o piano, o balé, a flauta europeia ou o canto lírico é um desrespeito aos nossos antepassados.

Como tem sido a participação  dos alunos nas aulas? 
As crianças, adolescentes e adultos estão muito maravilhados e dizem que nunca tinham visto. Eles vêem de perto o processo orgânico. Aprendem as origens do Semba e como se toca uma Djembe, Shekaré, Dikanza, Ngoma etc..

as cargas mais recentes

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 2 anos
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Nucho: “É muito estranho não termos agências que consigam apanhar um artista do anonimato e fazê-lo crescer”

há 8 meses
“O que se vê nas nossas produtoras é que, basicamente pegam artistas que já estão feitos e que já têm fama na rua e depois apenas metem mais algum combustível. E também sinto que falta um bocado de originalidade. Acho que poderíamos ter artistas mais ousados. resumindo, acho que temos uma cultura saudável, acho que temos muito talento, mas acho que falta um bocado de coragem e abertura e limar algumas arestas para atingir o nível seguinte, como o da Nigéria ou da África do Sul, não só na gravação das músicas, mas essencialmente nos espectáculos ao vivo que proporcionamos ao nosso público, acho que os nossos espectáculos ainda deixam muito a desejar”.

Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

há 1 ano
O músico tem um novo álbum. Intitula-se “Sete Momentos De Lucidez” e vai sair já no próximo mês. Uma obra em que apresenta suas experiências e reflexões sobre a sociedade e a existência humana.

Lendária peça teatral `Hotel Komarka´ celebra 15 anos com ciclo de apresentações

há 9 meses

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

há 6 meses

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 10 meses
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

Revolucionou e tornou-se magnata da música. Hochi Fu fala sobre o seu futuro

há 12 meses

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 2 anos
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Cláudio Fénix: “Foi preciso passar por dificuldades para valorizar o nível e as coisas que conquistei”

há 2 anos
Com todas as provas dadas, Cláudio Fénix já não é uma promessa, mas sim uma certeza no panorama da música nacional. Numa conversa descontraída com o artista que actua hoje as 20 horas no #festivalmusicanokubico, através da sua conta de instagram (@claudiofenixofficiall), ficámos a saber de onde vem e para onde vai.

Maya Zuda: “Rainha do Afro House” está de volta com novo EP

há 1 ano
Após ausentar-se por algum tempo, Maya regressa mais madura e está neste momento em estúdio a preparar as novidades que vão marcar o seu regresso. A cantora deu um novo formato ao antigo CD “Minha Bênção” e apresenta-o à Carga.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 4 meses
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

há 1 ano
Muito antes dos Kalibrados, Laton Cordeiro já se notabilizava como produtor. Dos seus primeiros trabalhos, estão as obras de Bob da Rage Sense. Como cantor, a sua primeira música da carreira foi uma colaboração MCK. Laton conversou, ontem com a Carga e fez várias revelações.

Universidade Hip Hop Angola: 10 anos a alicerçar os elementos, conceitos e fundamentos da Cultura Hip Hop

há 11 meses
Criada há uma década, mais propriamente aos 6 de Março de 2011, pelo “sexteto” Quartel d’Áfrika, oriundos da Mulemba Waxa Ngola, local onde foi enraizada a catedral do conhecimento do Hip Hop nacional.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 2 anos
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Bob Da Rage Sense: “Apesar de ter uma postura dita underground não quer dizer que a minha música seja”

há 2 anos
Disponibilizou recentemente o oitavo álbum da carreira -As Aventuras de Robbie Wan Kenobie-, um trabalho que evoca a própria vivência, e a sua personagem preferida do franchising Star Wars. Falámos com o Rapper, numa conversa que contrasta o underground e a transcendência musical, a mudança de nome e, claro, sobre a covid-19.

Thó Simões: “É nas ruas que consigo vislumbrar alguma coisa da natureza humana”

há 10 meses