Último capítulo. Hochi Fu: “Ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano, então deixem de fazer videoclip lá fora!”

A idade biológica de Hochi Fu confunde-se, muitas vezes, com os anos de carreira. São, no total, 30 anos dedicados à música, que se resumem na criação da Power House, uma produtora com duas áreas específicas de actuação-Power House 7.ª Arte e a HF Vision.

A primeira é responsável pela produção de filmes, enquanto a segunda actua no ramo da música e tem por missão influenciar gostos e revolucionar o mercado musical angolano. Actualmente, agencia Dr. Smith, Jakilsa, Cleyton e M Chris Oliver.

Mas, o produtor não se limita a isso. Agora, está também a embracar para o fantástico mundo do cinema e, tudo indica que tem se saído bem, porque no ano passado, lançou 2 Mundos. A longa-metragem disponível no seu canal do YouTube vai conquistando atenção das cadeias televisivas angolanas.

Longe de simples aventura, o empresário tem objectivos precisos. Hochi Min Gourgel Martins confessou que o seu maior sonho é levar o cinema angolano a Hollywood e ser lembrado como aquele que revolucionou o mundo dos videoclips em Angola. Acompanhe o último capítulo da entrevista sobre a carreira do produtor.

Último capítulo. Hochi Fu: “Ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano, então deixem de fazer videoclip lá fora!”

Seu contributo na música é notório. Que imagem se tem hoje de Hochi Fu?

Eu acho que, neste momento, sem medo de errar, sou um dos produtores mais reconhecidos em angola. Mas, este reconhecimento vem do povo. Sempre fui verdadeiro com as coisas do povo, com a originalidade das músicas. Sempre fui atrás do talento no gueto, expus-o, fiz com que as pessoas tivessem oportunidade de serem expostas e ouvidas em todo o mudo, vindo do gueto. O povo da rua mostra logo de volta, o povo da cidade a mesma coisa.

Está a dizer que não é reconhecido pelos organismos culturais do país?

O reconhecimento por parte do estado, por parte das entidades culturais, nunca tive, tanto que, eu sempre disse que considero corruptas, porque temos os favoritos deles. Não sei o porquê que são os favoritos, se nunca fizeram nem metade do eu que eu faço ou fiz e… prontos…são as pessoas que recebem os dinheiros para as actividades, são elas que recebem os dinheiros para fazer coisas, e nós nada, mas… prontos! eu não gosto de me queixar, porque sempre digo: vou batalhar, como sempre fiz e como faço. Então, respondendo à pergunta o meu reconhecimento vem do povo. O resto para mim é só mesmo faixada, é só trabalhador de faixada.

Isso lhe fez pensar em desistir?

Último capítulo. Hochi Fu: “Ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano, então deixem de fazer videoclip lá fora!”

Eu sempre sonhei grande. E sei que um dia, vou chegar aonde eu devo chegar. Ainda não estou lá, nem estou perto. Um dia chegarei lá. Mas nunca pensei em desistir. O único momento que eu pensei mais ou menos em desistir foi depois do acidente. Mas aquilo não é eu pensar, eu estava triste, senti falta do meu parceiro e fiquei sem norte. Aí sim, senti-me desamparado. Mas deus é bom e eu estou aqui.

É daqueles que sempre trabalhou em busca de glória?

Eu vejo aqui os nossos irmãos a lutarem por prémios, eu não tenho muito interesse, seria bom ganhar alguns prémios aqui, seria bom que os nossos irmãos angolanos reconhecessem os nossos irmãos como deve ser mas, há prémios que já são comprados.

Antes era muito recorrente os músicos optarem por gravar clips no estrangeiro. Já conseguimos ultrapassar esta fase?

Muita gente quer fazer Angola em Moçambique ou Portugal, quer fazer a África na Europa. Eu vou dizer algo: ninguém consegue fazer África melhor do que o próprio africano; ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano. Então, deixem de estar a dizer que fazer vídeoclip lá fora é melhor. Não! Ir lá fora para filmar numa parede, nós aqui temos parede. Ir lá pra fora para filmar numa caxoeira, nós aqui temos caxoeira. Nós estamos muito mais baratos que lá fora.

Qual era o seu objectivo ao estender a área de actuação da Power House para o cinema?

Não foi por isso, porque o cinema aqui é a mesma coisa, há festivais que as vezes nem chamam mas, para entender onde quero chegrar, gostaria que assistisseem o meu filme 2 Mumdos para comparar a minha com a qualidade de outros filmes que estão por aí. Mas o objectivo é Hollywood, nunca faço nada para ser intermédio. Tudo o que eu faço é para ser o melhor. Sempre quero chegar ao lugar mais alto da coisa.

Até onde vão os seus limites no cinema?

A minha meta é Hollywood. É chegar na América e ganhar Óscares. É ganhar Grammy. Tudo que eu faço é a pensar no grande, nunca é a pensar no pequeno. Eu quero o bolo todo.

Que lições tem tirado da nova aventura?

O cinema ajuda-me a ter uma abertura amaior, ajuda-me a explorar os talentos que eu tenho, a explorar varias qualidades minhas.  Por exemplo, nos filmes que eu faço as músicas quem compõe sou eu. Apesar de não cantar as músicas, eu componho-as.

Quais são as novidades da Power House para 2021?

Último capítulo. Hochi Fu: “Ninguém consegue fazer Angola melhor do que o próprio angolano, então deixem de fazer videoclip lá fora!”

Neste momento, temos novos membros. Há o Dr. Smith, que faz african vibes, um estilo que ele próprio inventou-uma mistura de afrobeat, kwassa, kuduro, kwaito. Temos a Jakilsa, Kleyton M, que é uma das minhas grandes apostas, uma das minhas cartas a jogar esse ano. Começámos a trabalhar com ele no ano passado e já temos cinco vídeos de alta qualidade. E temos o Chris Oliver, uma pessoa que canta com alma. É bakongo e congolês ao mesmo tempo. Traz arrumba gongolesa, RnB e Zouk. Temos ainda beatmaker o Big Boss.

Por tudo quanto tem feito para a música angolana, como é que gostaria de ser lembrado?

Eu gostaria que o meu legado ficasse para sempre. Ser lembrado como aquele que revolucionário, a pessoa que revolucionou o mundo do videoclip em Angola. Aquele revolucionou amaneira de se investir na música, de investir no kuduro em Angola. Eu gostaria de ser lembradoo como aquele que veio e revoluciou a cultura angolana. E é isso que aconteceu. Fiz isso com a música, com os videoclips. Levei o kuduro aí onde o kuduro não podia entrar. Já revolucionei o mundo dos vídeoclips, agora estou a fazer com o cinema.

as cargas mais recentes

Banda Maravilha: “O Semba goza de boa saúde”

há 2 anos
Fundada em 1993, a Banda Maravilha é uma das formações musicais mais profissionais da actualidade. Sua musicalidade é caracterizada pela mistura dos instrumentos tradicionais do Semba com os modernos. Em entrevista à Carga, explicam as participações de Irina Vasconcelos, Livongue e Karina Santos no novo álbum e fazem uma breve análise sobre o actual estado do Semba.

Masta: “Eu gostaria muito de ver ruas no país onde nasci com o nome Força Suprema”

há 10 meses
Em conversa com a Carga hoje, o músico apresentou as características da sua nova faixa “Rebobina”, falou dos seus projectos a solo, incluindo da actual produtora e “abriu-se” sobre o próximo álbum e a ligação à Força Suprema.

“No Rap, os títulos são só “títulos”. Há muitas rainhas e reis falhados na história”

há 2 anos
Em conversa com a Carga Magazine, Mamy The Miss Skills falou, entre outros assuntos, acerca do seu próximo EP e o que pensa sobre o rap feminino feito em Angola.

Cage One: “Sempre fui mal compreendido por ser diferente, agora estou a mostrar que estava certo”

há 1 ano

Nucho: “É muito estranho não termos agências que consigam apanhar um artista do anonimato e fazê-lo crescer”

há 8 meses
“O que se vê nas nossas produtoras é que, basicamente pegam artistas que já estão feitos e que já têm fama na rua e depois apenas metem mais algum combustível. E também sinto que falta um bocado de originalidade. Acho que poderíamos ter artistas mais ousados. resumindo, acho que temos uma cultura saudável, acho que temos muito talento, mas acho que falta um bocado de coragem e abertura e limar algumas arestas para atingir o nível seguinte, como o da Nigéria ou da África do Sul, não só na gravação das músicas, mas essencialmente nos espectáculos ao vivo que proporcionamos ao nosso público, acho que os nossos espectáculos ainda deixam muito a desejar”.

Dicklas One: “Sendo o pioneiro, venho ajudar os colegas a perceberem e respeitarem os parâmetros do House Music”

há 4 meses
Nesta nova etapa da carreira, Dicklas tem agendado um novo álbum que, à semelhança, do Filho do Povo trará outros estilos. O músico tem novas ambições, assinou com duas produtoras de referência em África, está a apadrinhar um lar e fala sobre seus projectos.

Keita Mayanda: “Ao contrário do que algumas pessoas pensam, o Rap está de saúde”

há 1 ano
O músico tem um novo álbum. Intitula-se “Sete Momentos De Lucidez” e vai sair já no próximo mês. Uma obra em que apresenta suas experiências e reflexões sobre a sociedade e a existência humana.

Revolucionou e tornou-se magnata da música. Hochi Fu fala sobre o seu futuro

há 12 meses

Vanda Pedro: “O teatro é ciumento, precisas de tempo para viver e aprender intensamente”

há 9 meses
“Uma mulher de acção e artista de grande potencial”, é como quer ser lembrada a profissional de 38 anos de idade, 25 dos quais dedicados a arte da representação. Uma trajectória que nas palavras de Vanda, foi pautada por muita intensidade entre “choros e risos” que, será imortalizada no livro.

Anna Joyce fala sobre seu novo álbum: “Foram 4 anos de suor e muitas lágrimas”

há 6 meses

Txi Txi: “Insistir em pautar o Semba é insistir em voltarmos para a escravatura”

há 2 anos
Patrice N’gangula Cardoso de Lemos ou Txi Txi é etno-musicologo. Sua carreira é marcada pela passagem em academias norte-americanas, belgas e países como Mali, G. Conacry,Egipto e R.D.C. Actualmente,dirige a OPDEAA,uma organização que promove as artes africanas. Em conversa com a Carga apresentou sua aula magna.

Em véspera do lançamento, Leonardo Wawuti explica o teor do álbum ‘Viagens à Terras da Minha Cabeça’

há 2 anos
Leonardo Wawuti apresenta esta sexta-feira (24), data do seu aniversário, um novo álbum, onde reúne os 21 anos de experiência artística. Além desta obra, prepara o lançamento do 3.° e último volume do Conjunto Ngonguenha. Ainda nesta entrevista, o músico descreve as razões do actual estado do Rap em Angola.

Félix da Costa: “O nosso maior sonho é fazer da Orquestra Camerata de Luanda a melhor de África”

há 2 anos
É um dos poucos que dirigiu a Filarmónica de Berlim e de Viena. Mais tarde, viveu momentos amargos, hoje o maestro trabalha num projecto que tenciona tornar na maior orquestra filarmónica de África.

Hochi Fu: “Apostei no Kuduro porque o Rap aqui era muito soft, dos betinhos”

há 12 meses

Manuel Kanza: “O Kuduro não morreu, apenas está a se transformar em Afro House”

há 2 anos
O dançarino de Kuduro Afro anuncia que vai abandonar os palcos em troca da produção de documentários e afirma que a dança Afro House e o Kuduro são a mesma coisa e fundamenta.

Laton: “Heavy C foi das pessoas que me fizeram nunca mais desistir do Rap”

há 1 ano
Muito antes dos Kalibrados, Laton Cordeiro já se notabilizava como produtor. Dos seus primeiros trabalhos, estão as obras de Bob da Rage Sense. Como cantor, a sua primeira música da carreira foi uma colaboração MCK. Laton conversou, ontem com a Carga e fez várias revelações.